No iní­cio do go­ver­no no Rio, Wit­zel sur­pre­en­de com ges­tos inu­si­ta­dos

Folha de S.Paulo - - Poder - Ana Luiza Al­bu­quer­que

Qua­se des­co­nhe­ci­do no iní­cio da cam­pa­nha, o ex-juiz Wil­son Wit­zel (PSC) pas­sou de co­ad­ju­van­te a go­ver­na­dor do Rio. Ele sur­pre­en­deu com uma for­te ar­ran­ca­da nos di­as an­te­ri­o­res ao pri­mei­ro tur­no.

No iní­cio do go­ver­no, Wit­zel con­ti­nua sur­pre­en­den­do —des­ta vez com de­cla­ra­ções e tra­di­ci­o­na­lis­mos inu­si­ta­dos.

Na pos­se, agar­rou-se a uma fai­xa de go­ver­na­dor que man­dou con­fec­ci­o­nar es­pe­ci­al­men­te pa­ra a oca­sião. Não re­ti­rou o ade­re­ço, que não é pra­xe nes­te ti­po de ce­rimô­nia, nem quan­do reu­niu-se com o se­cre­ta­ri­a­do.

Na­que­la ma­nhã, Wit­zel che­gou à As­sem­bleia em um Chrys­ler Town & Coun­try pre­to. Se­gun­do sua as­ses­so­ria, o car­ro blin­da­do foi alu­ga­do pe­lo par­ti­do e já era uti­li­za­do des­de a tran­si­ção.

Quan­do em­pos­sou o se­cre­tá­rio de Po­lí­cia Mi­li­tar, Ro­gé­rio Figueiredo, o go­ver­na­dor tam­bém ves­tiu uma fai­xa, hon­ra­ria da cor­po­ra­ção.

Di­as de­pois, Wit­zel par­ti­ci­pou de uma ce­rimô­nia mais des­con­traí­da. Na úl­ti­ma ter­ça (8), o ex-jo­ga­dor Ro­nal­di­nho Gaú­cho co­lo­cou o pé na cal­ça­da da fa­ma do Ma­ra­ca­nã e no jo­e­lho do go­ver­na­dor, que fin­giu en­gra­xar sua chuteira pa­ra uma fo­to.

Em de­zem­bro, Ro­nal­di­nho en­tre­gou seu pas­sa­por­te ao Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Rio Gran­de do Sul, em fun­ção de uma dí­vi­da com a Jus­ti­ça gaú­cha que já ul­tra­pas­sou R$ 8 mi­lhões. Foi con­de­na­do por da­no am­bi­en­tal e ain­da não cum­priu a de­ci­são.

O im­bró­glio não pa­re­ceu in­co­mo­dar Wit­zel, que dis­se que o ex-jo­ga­dor é um “par­cei­ro do po­vo do Rio”.

Ou­tras de­cla­ra­ções, mais duras, con­ti­nu­am cau­san­do po­lê­mi­ca. Na pos­se do se­cre­tá­rio da Po­lí­cia Ci­vil, Mar­cus Vi­ní­cius Bra­ga, o go­ver­na­dor afir­mou que o es­ta­do pre­ci­sa da sua pró­pria Gu­an­tá­na­mo pa­ra tra­fi­can­tes. Ele se re­fe­ria à pri­são ame­ri­ca­na em Cu­ba que abri­ga acu­sa­dos de ter­ro­ris­mo.

A fa­la vai ao en­con­tro das de­mais so­lu­ções pa­ra a se­gu­ran­ça pú­bli­ca apre­sen­ta­das por Wit­zel. O go­ver­na­dor já pro­me­teu que ati­ra­do­res de eli­te irão “aba­ter” cri­mi­no­sos que por­ta­rem ar­mas pe­sa­das.

Po­si­ci­o­na­men­tos li­nha­du­ra pa­ra com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de fi­ze­ram par­te da es­tra­té­gia de Wit­zel, que se apre­sen­tou ao elei­tor co­mo o can­di­da­to mais se­me­lhan­te a Jair Bol­so­na­ro.

Ain­da que te­nha sur­fa­do na on­da bol­so­na­ris­ta, Wit­zel sur­pre­en­deu ou­tra vez ao fir­mar uma es­pé­cie de pac­to de não-agres­são com o pre­si­den­te da Alerj, An­dré Ce­ci­li­a­no (PT), que ten­ta per­ma­ne­cer na ca­dei­ra.

Com pou­cas chan­ces de vi­tó­ria na cor­ri­da pa­ra a pre­si­dên­cia da Ca­sa, Már­cio Pa­che­co (PSC), es­co­lhi­do lí­der do go­ver­no na Alerj, abriu mão da can­di­da­tu­ra. Ape­sar das di­ver­gên­ci­as, ele de­ci­diu apoi­ar Ce­ci­li­a­no pa­ra dar go­ver­na­bi­li­da­de a Wit­zel.

O go­ver­na­dor não tem fa­la­do so­bre o as­sun­to, mas já fez elo­gi­os a Ce­ci­li­a­no e ao seu tra­ba­lho na As­sem­bleia.

Leia mais na Ilus­tra­da

Mar­ce­lo Fon­se­ca/O Glo­bo

Wit­zel usa fai­xa que man­dou fa­zer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.