No­vos mo­de­los de ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras acir­ram con­cor­rên­cia

Se­tor ban­cá­rio tra­di­ci­o­nal vê fin­te­chs com ser­vi­ços vol­ta­dos a agra­dar cli­en­tes in­sa­tis­fei­tos

Folha de S.Paulo - - Folhainvest - Tás­sia Kast­ner

Com in­ves­ti­men­to em tec­no­lo­gia e uma le­gião de in­sa­tis­fei­tos com ser­vi­ços ofe­re­ci­dos pe­los gran­des ban­cos, o C6 Bank de­ve ser a mais no­va ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra a se co­lo­car co­mo al­ter­na­ti­va a cli­en­tes em um mer­ca­do ain­da con­cen­tra­do.

O ban­co di­gi­tal foi cri­a­do do ze­ro por ex-exe­cu­ti­vos do BTG Pac­tu­al e com in­ves­ti­men­to de R$ 500 mi­lhões.

Por en­quan­to, aguar­da au­to­ri­za­ção do Ban­co Cen­tral pa­ra co­me­çar a pres­tar ser­vi­ços —no fi­nal de de­zem­bro, mem­bros do BC cum­pri­am a eta­pa de ins­pe­ção ope­ra­ci­o­nal na se­de, em São Pau­lo.

Se­rá um ban­co com­ple­to, com to­dos os ser­vi­ços tra­di­ci­o­nais de con­ta-cor­ren­te de pes­soa fí­si­ca e pes­soa ju­rí­di­ca, in­ves­ti­men­tos, cré­di­to, car­tões e câm­bio.

Sem agên­ci­as e com ope­ra­ção de bai­xo cus­to (mas não isen­ta de ta­ri­fas), o C6 fe­chou ain­da par­ce­ri­as com la­bo­ra­tó­ri­os de pes­qui­sa do MIT (Ins­ti­tu­to de Tec­no­lo­gia de Mas­sa­chu­setts) pa­ra bus­car so­lu­ções ino­va­do­ras pa­ra pro­ble­mas fi­nan­cei­ros, um de­les é a cons­tru­ção do mo­de­lo de cré­di­to com ba­se em da­dos al­ter­na­ti­vos, na ten­ta­ti­va de co­brar ju­ros mais bai­xos.

O mer­ca­do bra­si­lei­ro tem mais de 300 fin­te­chs (em­pre­sas ino­va­do­ras do se­tor fi­nan­cei­ro) pres­tan­do ser­vi­ços di­ver­sos e con­ta ain­da com a atu­a­ção de ins­ti­tui­ções que não se en­qua­dram nes­se con­cei­to, mas que têm atu­a­ção di­gi­tal e dis­pu­tam cli­en­tes dis­pos­tos a tes­tar no­vos ser­vi­ços.

O C6 en­tra­rá em um seg­men­to que tem, além dos gran­des ban­cos, a con­cor­rên­cia de Nu­bank (2,5 mi­lhões de cli­en­tes), Ne­on (1,6 mi­lhão de cli­en­tes), In­ter (1,45 mi­lhão) e Ori­gi­nal (620 mil).

Es­sas ins­ti­tui­ções ga­nha­ram mus­cu­la­tu­ra nos úl­ti­mos dois anos por ofe­re­ce­rem ser­vi­ços sem ta­ri­fas —ou ex­pli­cam de for­ma de­ta­lha­da as ta­xas que co­bram— e re­sol­vem pro­ble­mas dos con­su­mi­do­res de for­ma sim­ples, ge­ral­men­te em um chat pe­lo apli­ca­ti­vo.

Bernardo Pas­cowit­ch, di­re­tor da ABFin­te­chs, as­so­ci­a­ção do se­tor, diz que o ape­lo des­sas ins­ti­tui­ções po­de ser sin­te­ti­za­do em qua­tro itens: aten­di­men­to mais efi­caz, trans­pa­rên­cia na co­bran­ça de ta­ri­fas, va­lo­ri­za­ção do cli­en­te e pre­ços mais bai­xos.

“Exis­te um em­ba­te so­bre o que é fin­te­ch. Tem uma vi­são que a gen­te gos­ta que é co­lo­car o cli­en­te no cen­tro do pro­du­to. Os ban­cos sem­pre de­sen­vol­ve­ram seus pro­du­tos com fo­co nas su­as mar­gens, não no cli­en­te”, diz.

Exe­cu­ti­vos e aca­dê­mi­cos con­cor­dam que ne­nhu­ma des­sas em­pre­sas rein­ven­tou a ro­da dos ser­vi­ços fi­nan­cei­ros, mas, ao cri­ar em­pre­sas pen­san­do em co­mo me­lho­rar a ex­pe­ri­ên­cia do cli­en­te, trans­for­ma­ram o mer­ca­do.

Pa­ra o pro­fes­sor Lauro Gon­za­lez, co­or­de­na­dor do Cen­tro de Es­tu­dos em Mi­cro­fi­nan­ças e In­clu­são Fi­nan­cei­ra da FGV (Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas), es­sas no­vas ins­ti­tui­ções pas­sam a aten­der cli­en­tes que se con­si­de­ra­vam mal aten­di­dos, se­ja por pro­du­tos que não se en­qua­dram nas ne­ces­si­da­des, se­ja por ser­vi­ços mal pres­ta­dos.

“Há uma cer­ta ho­mo­ge­nei­za­ção de pro­du­tos nos gran­des ban­cos que não le­va em con­ta os per­fis dos cli­en­tes.”

Ma­ria Ga­bri­e­la Lo­pes Bo­ru­cho­sas, 25, co­me­çou a usar o car­tão de cré­di­to Nu­bank, a mais bem-su­ce­di­da fin­te­ch bra­si­lei­ra, em 2016. An­tes pa- ga­va anui­da­de a um gran­de ban­co e re­la­ta que ti­nha pro­ble­mas com as fa­tu­ras.

O apli­ca­ti­vo não fun­ci­o­na­va a con­ten­to e uma co­bran­ça in­de­vi­da le­vou tem­po a ser re­sol­vi­da. Mi­grou em de­fi­ni­ti­vo quan­do des­co­briu que, no Nu­bank, po­dia an­te­ci­par o pa­ga­men­to da fa­tu­ra no apli­ca­ti­vo.

De­pois a ad­vo­ga­da mu­dou de em­pre­go e abriu con­ta em ou­tro gran­de ban­co, no qual a em­pre­sa de­po­si­ta sa­lá­rio.

Ape­sar do con­vê­nio, pa­ga ta­ri­fa de R$ 58, da qual pre­ten­de se li­vrar ao con­ver­ter a con­ta-cor­ren­te em con­ta sa­lá­rio com por­ta­bi­li­da­de pa­ra a Nu­con­ta.

“O ín­di­ce de re­jei­ção dos ban­cos é enor­me, o cli­en­te nos dá uma chan­ce”, diz Je­an Si­grist, di­re­tor fi­nan­cei­ro da Ne­on Pa­ga­men­tos.

Le­o­nar­do Pe­dro­sa Mar­ti­nez, 33, foi ban­cá­rio por três anos e diz co­nhe­cer por den­tro co­mo fun­ci­o­na a ven­da de pro­du­tos ban­cá­ri­os. Abriu em 2016 uma con­ta na Ne­on, que ho­je usa re­gu­lar­men­te.

“Eu que­ria sair da di­nâ­mi­ca de agên­cia, ge­ren­te li­gan­do to­da se­ma­na. Quan­do qui­ser um pro­du­to, eu vou atrás”, diz.

Ele re­co­nhe­ce, po­rém, os pro­ble­mas que ain­da po­dem sur­gir das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras mais no­vas, que não ten­dem a ocor­rer nas gran­des ins­ti­tui­ções.

Mar­ti­nez te­ve R$ 40 mil em in­ves­ti­men­tos blo­que­a­dos quan­do o BC de­cre­tou a li­qui­da­ção ex­tra­ju­di­ci­al do Ban­co Ne­on, ins­ti­tui­ção homô­ni­ma que ad­mi­nis­tra­va a ope­ra­ção da fin­te­ch.

“En­trei em con­ta­to na ho­ra, e a res­pos­ta não le­vou nem dez mi­nu­tos. Se­ma­nal­men­te eu co­bra­va al­gum sta­tus e ob­ti­nha a res­pos­ta. Pe­la agi­li­da­de e pe­lo tom da con­ver­sa, is­so me dei­xou se­gu­ro”, diz.

O di­nhei­ro foi res­ti­tuí­do em me­nos de dois me­ses pe­lo FGC (Fun­do Ga­ran­ti­dor de Cré­di­tos), acres­cen­ta.

A agi­li­da­de de re­sol­ver pro­ble­mas sem ter de ir a uma agên­cia, al­go ain­da de­man­da­do por gran­des ban­cos, é ci­ta­da por cli­en­tes.

“Por mais que os ban­cos aper­fei­ço­em o aten­di­men­to, a di­fe­ren­ci­a­ção de usuá­ri­os é li­mi­ta­da pe­la quan­ti­da­de de cli­en­tes”, diz Gon­za­lez.

A re­a­ção das gran­des ins­ti­tui­ções já es­tá ocor­ren­do, po­rém, e vem por par­cei­ras fechadas com fin­te­chs, in­ves­ti­men­to em tec­no­lo­gi­as e até a cri­a­ção de um ban­co no­vo to­tal­men­te do ze­ro, co­mo fez o Bra­des­co ao lan­çar o Next, em ou­tu­bro de 2017, atu­al­men­te com cer­ca de 500 mil cli­en­tes.

Pa­ra Pas­cowit­ch, o con­tra­a­ta­que é na­tu­ral, mas a pos­tu­ra com­pe­ti­ti­va não faz tan­to sen­ti­do as­sim. “Ne­nhu­ma fin­te­ch que­brou ne­nhum ban­co”.

Já Gon­za­lez tem uma vi­são mais cau­te­lo­sa. “Nin­guém sa­be qual vai ser o pa­pel dos ban­cos da­qui dez anos. Do pon­to de vis­ta dos aci­o­nis­tas, não es­tou pre­o­cu­pa­do, mas do mo­de­lo de ne­gó­cio, a coi­sa po­de ser mui­to di­fe­ren­te”, afir­ma.

Ka­ri­me Xa­vi­er/Fo­lha­press

Ma­ria Ga­bri­e­la Lo­pes Bo­ru­cho­sas pla­ne­ja usar ape­nas ser­vi­ços ban­cá­ri­os de em­pre­sas al­ter­na­ti­vas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.