Ida­de mí­ni­ma na Pre­vi­dên­cia afe­ta­rá es­ta­dos mais ri­cos

Da­dos do INSS mos­tram que Sul e Su­des­te con­cen­tram apo­sen­ta­do­ri­as pre­co­ces

Folha de S.Paulo - - Folhainvest - Thi­a­go Re­sen­de

Uma ida­de mí­ni­ma pa­ra apo­sen­ta­do­ri­as, con­for­me vem sen­do es­tu­da­do pe­lo go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro, afe­ta­rá em mai­or grau es­ta­dos mais de­sen­vol­vi­dos, se­gun­do da­dos do INSS (Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Se­gu­ro So­ci­al).

In­for­ma­ções do go­ver­no atu­a­li­za­das até o fim de 2017, a que Fo­lha te­ve aces­so, mos­tram que em São Pau­lo, San­ta Ca­ta­ri­na, Rio Gran­de do Sul, Pa­ra­ná e Mi­nas Ge­rais ho­mens e mu­lhe­res se apo­sen­tam mais ce­do que a mé­dia na­ci­o­nal pe­lo sis­te­ma de tem­po de con­tri­bui­ção —prin­ci­pal al­vo da re­for­ma.

Em sua es­tra­té­gia pa­ra con­ven­cer a po­pu­la­ção e o Con­gres­so Na­ci­o­nal so­bre a ne­ces­si­da­de de mu­dar as re­gras da Pre­vi­dên­cia, a equi­pe de Bol­so­na­ro pla­ne­ja usar o dis­cur­so de que a re­for­ma vai com­ba­ter a de­si­gual­da­de re­gi­o­nal.

A pro­pos­ta de­ve­rá ser en­vi­a­da aos de­pu­ta­dos e se­na­do­res na pri­mei­ra quin­ze­na de fe­ve­rei­ro.

Pe­lo INSS, há du­as for­mas de aposentadoria. Uma é por ida­de, que exi­ge 65 anos, no ca­so de ho­mens, e 60 anos pa­ra mu­lhe­res, além de pe­lo me­nos 15 anos de con­tri­bui­ções. Quan­do o tra­ba­lha­dor é do se­tor rural, es­sas fai­xas etá­ri­as ca­em cin­co anos.

A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia bus­ca­rá ata­car es­sen­ci­al­men­te o se­gun­do mo­de­lo de aposentadoria: o por tem­po de con­tri­bui­ção, no qual, após 35 anos de tra­ba­lho for­mal pa­ra ho­mens e 30 pa­ra mu­lhe­res, é pos­sí­vel ad­qui­rir o be­ne­fí­cio. Ho­je, não há ida­de mí­ni­ma.

Por es­se sis­te­ma, em San­ta Ca­ta­ri­na, es­ta­do com a me­nor mé­dia, um ho­mem ge­ral­men­te se apo­sen­ta com 53 anos de ida­de; en­quan­to no To­can­tins e no Pa­rá re­gis­tram 59, a mai­or mé­dia en­tre os es­ta­dos.

Con­si­de­ran­do to­do o país, es­sa fai­xa é de apro­xi­ma­da­men­te 56 anos, pois es­ta­dos bas­tan­te po­pu­lo­sos e com o mer­ca­do for­mal de tra­ba­lho bem de­sen­vol­vi­do pu­xam a mé­dia pa­ra bai­xo.

É o ca­so de São Pau­lo (56 anos), Mi­nas Ge­rais (56 anos), Pa­ra­ná (55 anos) e Rio Gran­de do Sul (54 anos).

No ca­so das mu­lhe­res, a mé­dia de ida­de de aposentadoria por tem­po de con­tri­bui­ção é de 51 anos, em San­ta Ca­ta­ri­na e no Rio Gran­de do Sul.

Em São Pau­lo, Mi­nas Ge­rais e Pa­ra­ná, de 53 anos, mes­mo pa­ta­mar da mé­dia na­ci­o­nal. No Ma­ra­nhão, no Acre e em Ro­rai­ma, fi­ca em tor­no 56

anos de ida­de.

Cri­ar a exi­gên­cia de uma ida­de mí­ni­ma pa­ra que o bra­si­lei­ro te­nha di­rei­to a se apo­sen­tar afe­ta­ria, por­tan­to, mais a po­pu­la­ção das re­giões Sul e Su­des­te, se­gun­do os da­dos do go­ver­no fe­de­ral.

“O nos­so mer­ca­do de tra­ba­lho tem de­si­gual­da­des re­gi­o­nais, prin­ci­pal­men­te li­ga­das à in­for­ma­li­da­de e à ren­da do tra­ba­lho. Os tra­ba­lha­do­res mais ri­cos se apo­sen­tam an­tes dos mais po­bres e re­pre­sen­tam a mai­or par­te do gas­to”, afir­mou o se­cre­tá­rio-adjunto de Pre­vi­dên­cia, Le­o­nar­do Ro­lim.

Quem se apo­sen­ta por tem­po de con­tri­bui­ção re­ce­be, em mé­dia, R$ 2.320,95 por mês. O va­lor mé­dio do be­ne­fí­cio de quem se apo­sen­ta por ida­de é de R$ 1.129,31 —tra­ba­lha­do­res ru­rais e ur­ba­nos.

Ro­lim se re­cu­sa a fa­lar co­mo de­vem ser as me­di­das a se­rem en­ca­mi­nha­das pe­lo go­ver­no ao Con­gres­so Na­ci­o­nal.

So­bre a re­for­ma, ele se li­mi­ta a di­zer que a equi­pe es­tá fa­zen­do os es­tu­dos pa­ra apre­sen­tar a ideia ao pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, a quem ca­be­rá a de­ci­são fi­nal so­bre o mo­de­lo de apo­sen­ta­do­ri­as a ser ado­ta­do no Bra­sil.

Pro­pos­tas em aná­li­se pe­la equi­pe econô­mi­ca do mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, pre­ve­em uma ida­de mí­ni­ma pa­ra apo­sen­ta­do­ri­as que su­bi­ria gra­du­al­men­te até che­gar a pa­ta­mar pró­xi­mo de 65 anos pa­ra ho­mens e 62 anos pa­ra mu­lhe­res. Mas is­so ain­da es­tá em ne­go­ci­a­ção no go­ver­no.

Pe­las re­gras atu­ais do INSS, quem não con­se­gue se man­ter em um em­pre­go com car­tei­ra as­si­na­da por um lon­go pra­zo tem de se apo­sen­tar por ida­de, em um pa­ta­mar pró­xi­mo do mí­ni­mo es­tu­da­do pe­la equi­pe econô­mi­ca.

Quan­do um ido­so (65 anos) não atin­ge nem os 15 anos mí­ni­mos de con­tri­bui­ção exi­gi­dos, ele aca­ba re­ce­ben­do um au­xí­lio as­sis­ten­ci­al —o BPC (Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da)— no va­lor do sa­lá­rio mí­ni­mo.

“Os mais po­bres já se apo­sen­tam em uma ida­de mais ele­va­da”, res­sal­tou o se­cre­tá­rio-adjunto de Pre­vi­dên­cia.

Nos es­ta­dos mais po­bres, mes­mo aque­las pes­so­as que con­se­guem atin­gir os cri­té­ri­os da aposentadoria por tem­po de con­tri­bui­ção aca­bam se apo­sen­tan­do mais tar­de do que nas re­giões mais ri­cas.

O go­ver­no pre­ci­sa­rá ali­nhar bem a ba­se no Con­gres­so pa­ra apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, que de­pen­de do aval

de três quin­tos da Câ­ma­ra e do Se­na­do, em du­as vo­ta­ções.

Boa par­te re­le­van­te da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia pre­ci­sa ser apro­va­da por meio de PEC (pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção), cu­ja apro­va­ção exi­ge mais apoio dos par­la­men­ta­res.

Os es­ta­dos que se­ri­am mais afe­ta­dos fo­ram gran­des elei­to­res de Bol­so­na­ro. Além dis­so, na Câ­ma­ra, por exem­plo, as re­giões Sul e Su­des­te ele­ge­ram 75% da ban­ca­da do PSL.

Em San­ta Ca­ta­ri­na, mu­lhe­res se apo­sen­tam —por tem­po de con­tri­bui­ção— com 51 anos. A ex­pec­ta­ti­va é que elas vi­vam mais 30 anos (até 81), mes­mo pe­río­do em que pa­ga­ram ao INSS.

Ho­mens com 53 anos ten­dem a vi­ver, a par­tir des­sa ida­de, me­nos que os 35 anos que con­tri­bui­ri­am, mas, co­mo eles ge­ral­men­te dei­xam pen­sões, o pe­río­do de pa­ga­men­tos é mui­to pró­xi­mo do tem­po de con­tri­bui­ção.

Is­so one­ra as con­tas pú­bli­cas e agra­va o dé­fi­cit do re­gi­me pre­vi­den­ciá­rio.

In­te­gran­te do con­se­lho con­sul­ti­vo cri­a­do por Gu­e­des pa­ra a re­for­ma, o eco­no­mis­ta Pau­lo Taf­ner de­fen­de que a cri­a­ção de uma ida­de mí­ni­ma é qu­es­tão de jus­ti­ça so­ci­al.

“Pa­ra os mais po­bres, a ida­de de aposentadoria é al­ta e pa­ra ri­cos, bai­xa. O sis­te­ma trans­fe­re mui­to mais di­nhei­ro pa­ra quem tem mais ren­da. Es­sa de­si­gual­da­de mos­tra que a Pre­vi­dên­cia tem pro­ble­ma e que é pre­ci­so fa­zer mu­dan­ças”, afir­mou.

Na opi­nião do con­sul­tor do Se­na­do Pe­dro Nery, es­pe­ci­a­lis­ta em Pre­vi­dên­cia, o Bra­sil vi­ve ho­je um pa­ra­do­xo per­ver­so.

“On­de as pes­so­as vi­vem me­nos se apo­sen­tam mais tar­de. Uma boa re­for­ma da Pre­vi­dên­cia fa­ria com que pes­so­as que vi­vam mais se apo­sen­tas­sem mais tar­de”, dis­se.

Nery lem­bra que, na re­for­ma pro­pos­ta pe­lo ex-pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB), che­gou a ser su­ge­ri­do que a ida­de mí­ni­ma pa­ra ter di­rei­to ao BPC fos­se ele­va­da de 65 anos pa­ra 70 anos, o que não re­sol­ve­ria o pro­ble­ma da de­si­gual­da­de no sis­te­ma.

A equi­pe de Bol­so­na­ro não se ma­ni­fes­tou so­bre es­se as­sun­to. O se­cre­tá­rio-adjunto da Pre­vi­dên­cia fri­sou que a de­si­gual­da­de re­gi­o­nal no mer­ca­do de tra­ba­lho é his­tó­ri­ca e vem di­mi­nuin­do nos úl­ti­mos anos.

“Mas a Pre­vi­dên­cia mos­tra a vi­da la­bo­ral das pes­so­as. En­tão, pa­ra is­so se re­fle­tir nas apo­sen­ta­do­ri­as, vai de­mo­rar al­gu­mas dé­ca­das”.

“Os tra­ba­lha­do­res mais ri­cos se apo­sen­tam an­tes dos mais po­bres e re­pre­sen­tam a mai­or par­te do gas­to Le­o­nar­do Ro­lim se­cre­tá­rio-adjunto de Pre­vi­dên­cia do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro (PSL)

“O sis­te­ma trans­fe­re mui­to mais di­nhei­ro pa­ra quem tem mais ren­da. Es­sa de­si­gual­da­de mos­tra que a Pre­vi­dên­cia tem pro­ble­ma e que é pre­ci­so fa­zer mu­dan­ças Pau­lo Taf­ner

Eco­no­mis­ta e in­te­gran­te do con­se­lho con­sul­ti­vo cri­a­do por Pau­lo Gu­e­des pa­ra a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.