É meu, seu ou nos­so?

Evi­te con­fli­tos e es­co­lha, an­tes de ca­sar, o re­gi­me da co­mu­nhão de bens

Folha de S.Paulo - - Folhainvest - Mar­cia Des­sen Pla­ne­ja­do­ra fi­nan­cei­ra CFP (“Cer­ti­fi­ed Fi­nan­ci­al Plan­ner”), au­to­ra de “Fi­nan­ças Pes­so­ais: O Que Fa­zer com Meu Di­nhei­ro” mar­cia.des­[email protected]

Nem sem­pre um ca­sal de­ci­de e pla­ne­ja o ca­sa­men­to. Mui­tas ve­zes, acon­te­ce aos pou­cos, e, de re­pen­te, es­tão ca­sa­dos ou vi­ven­do em união es­tá­vel.

In­de­pen­den­te­men­te da for­ma ou da cir­cuns­tân­cia, pou­cos con­ver­sam so­bre os bens que ca­da um pos­sui e o pa­trimô­nio que se­rá for­ma­do du­ran­te a união.

São qua­tro os prin­ci­pais regimes pre­vis­tos em lei, sen­do pos­sí­vel es­co­lher um de­les ou es­ti­pu­lar um re­gi­me es­pe­cí­fi­co que aten­da às ne­ces­si­da­des par­ti­cu­la­res.

Quan­do o ca­sal não es­co­lhe, pre­va­le­ce o re­gi­me da co­mu­nhão par­ci­al de bens, arriscado em al­gu­mas si­tu­a­ções.

No re­gi­me da co­mu­nhão uni­ver­sal de bens, to­do o pa­trimô­nio ad­qui­ri­do an­tes e du­ran­te o ca­sa­men­to per­ten­ce ao ca­sal.

Na se­pa­ra­ção to­tal de bens, o pa­trimô­nio não se mis­tu­ra.

No re­gi­me da co­mu­nhão par­ci­al de bens, ape­nas o pa­trimô­nio ad­qui­ri­do one­ro­sa­men­te du­ran­te o ca­sa­men­to per­ten­ce ao ca­sal. Bens an­te­ri­o­res ou re­ce­bi­dos por do­a­ção ou he­ran­ça per­ten­cem ape­nas a ca­da côn­ju­ge.

Na par­ti­ci­pa­ção fi­nal dos aques­tos, apli­ca-se o re­gi­me da se­pa­ra­ção to­tal du­ran­te o ca­sa­men­to e, ao fi­nal, o re­gi­me da co­mu­nhão par­ci­al de bens.

Bia é em­pre­sá­ria e se ca­sa­rá com Luiz, fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co. Am­bos se pre­o­cu­pam em pro­te­ger o pa­trimô­nio de­le de even­tu­ais dí­vi­das da em­pre­sa de­la. Em al­gu­mas si­tu­a­ções pre­vis­tas em lei, o só­cio po­de ter seu pa­trimô­nio pe­nho­ra­do pa­ra pa­gar dí­vi­das da em­pre­sa.

Fa­bio é su­per­con­tro­la­do com seu di­nhei­ro e se ca­sa­rá com Le­na, que gas­ta tu­do o que tem (e o que não tem) com­pran­do sa­pa­tos. Eles se amam, mas são in­com­pa­tí­veis quan­do o as­sun­to é di­nhei­ro. A pre­o­cu­pa­ção de­le é que seu pa­trimô­nio pes­so­al se­ja de­la­pi­da­do pa­ra pa­gar as dí­vi­das do car­tão de cré­di­to da fu­tu­ra es­po­sa.

Quan­do a in­ten­ção do ca­sal é pro­te­ger o pa­trimô­nio de um ou de am­bos, co­mo nos dois exem­plos, o re­gi­me da se­pa­ra­ção to­tal de bens cos­tu­ma ser a op­ção mais in­di­ca­da, pois as dí­vi­das con­traí­das por um não afe­tam o pa­trimô­nio do ou­tro.

Edu e Ana são jo­vens, re­cém­for­ma­dos. Ne­nhum de­les tem pa­trimô­nio re­le­van­te, que­rem cons­truir a vi­da (e o pa­trimô­nio) jun­tos. A fa­mí­lia de Ana tem mui­tos imó­veis, e seus pais de­se­jam que es­ses bens con­ti­nu­em sen­do ape­nas da fa­mí­lia.

O re­gi­me da co­mu­nhão par­ci­al de bens po­de ser ade­qua­do pa­ra eles. Tu­do o que con­quis­ta­rem one­ro­sa­men­te du­ran­te o ca­sa­men­to per­ten­ce­rá ao ca­sal em pro­por­ções iguais. Po­rém, os imó­veis que Ana ga­nhar ou her­dar dos pais não fa­rão par­te do pa­trimô­nio do ca­sal.

Pau­la e João, am­bos com 45 anos e car­rei­ras con­so­li­da­das, se ca­sa­rão em bre­ve. Ca­da um tem imó­vel pró­prio e pa­trimô­nio pes­so­al re­le­van­te e que­rem man­ter as fi­nan­ças em se­pa­ra­do. As­sim, o re­gi­me da se­pa­ra­ção to­tal de bens po­de ser a me­lhor op­ção pa­ra eles.

A con­ver­sa so­bre o re­gi­me de bens po­de ser di­fí­cil, mas é ne­ces­sá­ria. O re­gi­me es­co­lhi­do tra­rá con­sequên­ci­as du­ran­te o ca­sa­men­to e, prin­ci­pal­men­te, no tér­mi­no da re­la­ção, se­ja pe­lo di­vór­cio, se­ja por mor­te de um dos côn­ju­ges, quan­do ha­ve­rá a su­ces­são.

O te­ma é cheio de de­ta­lhes, e a ad­vo­ga­da Lu­ci­a­na Pan­ta­ro­to des­ta­ca que, no ca­sa­men­to pe­la se­pa­ra­ção to­tal (con­ven­ci­o­nal) de bens, ca­da côn­ju­ge con­ti­nua com o que é seu se ocor­rer o di­vór­cio (não há par­ti­lha), mas, se um dos dois mor­re, o côn­ju­ge so­bre­vi­ven­te tem di­rei­to à he­ran­ça e con­cor­re even­tu­al­men­te com ou­tros her­dei­ros.

Não dei­xe de con­sul­tar um es­pe­ci­a­lis­ta no as­sun­to pa­ra a com­pre­en­são de to­dos os im­pac­tos des­sa de­ci­são, que de­ve ser to­ma­da com ra­ci­o­na­li­da­de pa­ra mi­ni­mi­zar des­gas­tes fu­tu­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.