Obra de cons­tru­to­ra obri­ga chi­nês de 90 anos a sair de ca­sa

Com pa­re­des der­ru­ba­das, lo­cal foi in­ter­di­ta­do pe­la De­fe­sa Ci­vil de São Pau­lo

Folha de S.Paulo - - Cotidiano - Jai­ro Mar­ques Arquivo Pes­so­al

Mes­mo sen­do vés­pe­ra de Na­tal, má­qui­nas que ope­ra­vam pa­ra le­van­tar um no­vo em­pre­en­di­men­to imo­bi­liá­rio de al­to pa­drão na Vi­la Ma­ri­a­na, zo­na sul de São Pau­lo, co­me­ça­ram ce­do a mo­vi­men­tar o so­lo e fa­zer ba­ru­lho.

Elas tam­bém es­tre­me­ce­ram a es­tru­tu­ra da ca­sa do imi­gran­te chi­nês Ho Fat Son, 90, que aguar­da­va a fa­mí­lia pa­ra os fes­te­jos na­ta­li­nos, mas te­ve de dei­xar às pres­sas o lo­cal on­de vi­via ha­via 36 anos.

Os es­tra­gos fei­tos no so­bra­do on­de Ho mo­ra­va fo­ram tão gran­des —com ra­cha­du­ras no chão e no te­to, pa­re­des que de­sa­ba­ram e trin­cas va­ri­a­das— que a De­fe­sa Ci­vil Mu­ni­ci­pal in­ter­di­tou o lo­cal, que só po­de­rá ser re­a­bi­ta­do após am­pla re­for­ma.

A fa­mí­lia afir­ma que, até ago­ra, nin­guém da cons­tru­to­ra Nor­tis, res­pon­sá­vel pe­la obra, pro­cu­rou-os pa­ra fa­lar so­bre os es­tra­gos.

A em­pre­sa, por sua vez, diz que ten­tou, sem su­ces­so, fa­zer uma vis­to­ria pré­via na re­si­dên­cia an­tes da obra.

Ho tem ape­go afe­ti­vo à ca­sa, com qua­tro quar­tos, três ba­nhei­ros e uma sa­la gran­de, e nun­ca quis ven­dê-la. Acu­mu­la ofer­tas de cen­te­nas de mi­lha­res de re­ais pe­lo ter­re­no, que tem cer­ca de 400 m².

“A his­tó­ria da nos­sa fa­mí­lia vi­rou en­tu­lho. A pro­ba­bi­li­da­de de al­guém cair no bu­ra­co que for­mou com a re­mo­ção das pa­re­des e dos mu­ros é enor­me. Fo­ra o pe­ri­go de de­sa­ba­men­to da ca­sa to­da por cau­sa das ra­cha­du­ras”, con­ta um dos cin­co fi­lhos de Ho, o co­mer­ci­an­te Yuk Ki­on ho, 50.

Ain­da se­gun­do o fi­lho, o pai es­tá em cho­que e de­so­ri­en­ta­do. É a úni­ca ca­sa que ele con­se­guiu cons­truir ao lon­go da vi­da. Ho fu­giu da Chi­na du­ran­te os anos de re­pres­são da Re­vo­lu­ção Cul­tu­ral Chi­ne­sa, na dé­ca­da de 1960.

Du­ran­te cin­co anos, ele dor­miu nos res­tau­ran­te que tra­ba­lha­va co­mo co­zi­nhei­ro pa­ra eco­no­mi­zar di­nhei­ro e tra­zer o res­to da fa­mí­lia, que ha­via fi­ca­do no ori­en­te (a mu­lher e dois fi­lhos).

“Foi mui­to tris­te ver meu pai na­que­le es­ta­do. Cho­ca­do com tu­do o que acon­te­ceu e sem ter di­rei­to de de­fen­der a nos­sa hon­ra. Can­ce­la­mos as co­me­mo­ra­ções de fim de ano e le­va­mos ele e mi­nha mãe [Lam Wong Kiu, 86] pa­ra vi­a­jar, na ten­ta­ti­va de es­que­cer to­do aque­le pe­sa­de­lo. Eles que­rem fi­car no can­to de­les e fa­zer as coi­sas do jei­to de­les. Que­rem a ca­si­nha de­les.”

Uma das pa­re­des da ca­sa che­gou a cair to­tal­men­te e ex­por um dos cô­mo­dos do imó­vel a uma cra­te­ra com cer­ca de cin­co me­tros de pro­fun­di­da­de. Em no­ta, a De­fe­sa Ci­vil in­for­mou que os es­tra­gos são de “mé­dio e gran­de” por­tes.

Uma das fi­lhas de sr. Ho ob­ser­va si­tu­a­ção da ca­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.