“O pre­sen­te per­fei­to”

Go Outside (Brazil) - - CARTA AO LEITOR -

“NA VI­A­GEM pe­lo Bra­sil aca­bei pas­san­do pe­la Bahia – co­mo não ia fa­zer is­so!? Lem­bro bem, eu es­ta­va me apro­xi­man­do de Ita­ca­ré e ti­nha du­as op­ções: en­ca­rar uma ser­ra bem ín­gre­me pe­la es­tra­da, o tra­je­to mais co­mum, ou en­tão se em­bre­nhar em uma área de fa­zen­da com ve­ge­ta­ção mais bai­xa, cru­zar um man­gue e che­gar a uma pe­que­na vi­la de pes­ca­do­res re­mo­ta. Da­li eu se­gui­ria pe­la areia ba­ti­da. Ló­gi­co que es­co­lhi o se­gun­do ca­mi­nho, o mais di­fí­cil.

A chan­ce de mais sur­pre­sas e emo­ções é mai­or.

Atra­ves­sar um man­gue nun­ca é fá­cil. Com uma bike car­re­ga­da, pi­or ainda. Pre­ci­sei fa­zer al­gu­mas vi­a­gens com a la­ma na al­tu­ra dos jo­e­lhos pa­ra dar con­ta do re­ca­do. Em uma de­las, com mi­nhas Ha­vai­a­nas na mão, aca­bei va­ci­lan­do e dei­xei cair um pé. Não ti­nha o que fa­zer. Nem tem­po pa­ra la­men­tar. Aca­bei guar­dan­do o ou­tro pé e to­can­do pa­ra fren­te. O im­por­tan­te, apren­di na jor­na­da, é sem­pre se­guir vi­a­gem. No meu ca­so, des­cal­ço.

Só fui che­gar a Ita­ca­ré à noi­te e ainda ti­ve de en­ca­rar uma tra­ves­sia de bar­co. An­dan­do pe­lo pe­da­ço com os pés no chão, en­xer­guei um le­trei­ro de ne­on de uma sor­ve­te­ria. Jun­tei umas mo­e­das e pen­sei: ‘Es­tou des­cal­ço, su­jo e can­sa­do; me­re­ço um sor­ve­te!’. En­con­trei por ali, sem que­rer, um ami­go, tam­bém vi­a­jan­te. Ele aca­bou me hos­pe­dan­do aque­la noi­te e, no dia se­guin­te, ti­nha um pre­sen­te pa­ra mim. Adi­vi­nhe? Um par de Ha­vai­a­nas.

Não foi a úni­ca vez que is­so acon­te­ceu no meu gi­ro por aí. Vá­ri­as pes­so­as que eu en­con­tra­va – com as quais me co­nec­ta­va de al­gu­ma for­ma e aca­ba­va cri­an­do uma re­la­ção mais for­te – per­ce­bi­am que as Ha­vai­a­nas fa­zi­am par­te da mi­nha em­prei­ta­da e aca­ba­vam me pre­sen­te­an­do com uma. Che­guei ao lu­xo de fa­zer um tre­cho da vi­a­gem com um par re­ser­va na ba­ga­gem! Em uma ex­pe­di­ção lon­ga co­mo es­sa, ter con­for­to nos pés é es­sen­ci­al. E a re­la­ção en­tre pe­so, es­pa­ço na ba­ga­gem e efi­ci­ên­cia sem­pre fa­la al­to na ho­ra de fa­zer es­co­lhas. Com as Ha­vai­a­nas, eu nun­ca ti­ve dú­vi­da de que elas pas­sa­vam nes­se “tes­te” e que ro­da­ri­am co­mi­go por to­dos os can­tos.

Du­ran­te o pe­dal, eu usa­va as san­dá­li­as jun­to de um fir­ma-pé com vel­cro – a me­lhor al­ter­na­ti­va que en­con­trei. Um es­que­ma prá­ti­co e efi­caz que me aju­dou a ro­dar mi­lha­res de quilô­me­tros. Fo­ra da bike, elas se tor­na­ram as par­cei­ras ide­ais. Ago­ra que ter­mi­nei a vi­a­gem e me ins­ta­lei no Nor­te do Bra­sil (tenho um pou­co mais de tem­po pa­ra con­tar es­sas his­tó­ri­as), eu me dou con­ta de que não ti­ro mes­mo as Ha­vai­a­nas dos pés.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.