(Ainda) pa­ra pou­cos

Go Outside (Brazil) - - RADAR TREKKING - POR VERÔ­NI­CA MAM­BRI­NI

SO­NHO DE MUI­TOS MONTANHISTAS, A TRA­VES­SIA ALPHA-CRUCIS, NO PA­RA­NÁ, FOI FEI­TA POR APE­NAS QUA­TRO GRUPOS – EM EXPEDIÇÕES REPLETAS DE PERRENGUES EN­TRE TRILHEIROS mais ex­pe­ri­en­tes, Alpha-crucis é mais que o no­me de uma tra­ves­sia: é qua­se uma len­da. Lon­ga, du­ra, di­fí­cil e pe­ri­go­sa, es­sa ca­mi­nha­da no Pa­ra­ná até ho­je só foi re­a­li­za­da por três grupos – o úl­ti­mo de­les na tem­po­ra­da des­te ano. As his­tó­ri­as dos que já a com­ple­ta­ram se des­ta­cam en­tre re­la­tos de de­sis­tên­ci­as e até de re­gis­tros de fa­ta­li­da­des em ten­ta­ti­vas fra­cas­sa­das. O de­sa­fio co­me­ça a par­tir das con­di­ções ge­o­grá­fi­cas: os cer­ca de 100 km pe­los quais a tri­lha se es­ten­de atra­ves­sam picos da Ser­ra do Mar pa­ra­na­en­se, um ma­ci­ço de mon­ta­nhas que se ele­va a par­tir do li­to­ral, che­gan­do a al­ti­tu­des co­mo os 1.887 me­tros do Pi­co do Pa­ra­ná. As mas­sas de ar po­la­res que vêm do sul em di­re­ção ao in­te­ri­or “ba­tem” nes­se ma­ci­ço e se trans­for­mam em fren­tes fri­as que mu­dam o cli­ma de uma ho­ra pa­ra ou­tra e tra­zem chu­va, umi­da­de e que­das brus­cas de tem­pe­ra­tu­ra. Ao mes­mo tem­po, a la­ti­tu­de é tro­pi­cal, o que fa­vo­re­ce o cres­ci­men­to da ma­ta atlân­ti­ca lo­cal, uma ver­são es­pi­nhen­ta de flo­res­ta om­bró­fi­la den­sa. Atra­ves­sá-la ar­de, can­sa, dói.

Por tu­do is­so, não es­pan­ta que, en­tre vi­su­a­li­zar uma tra­ves­sia que cru­zas­se su­as prin­ci­pais ser­ras e exe­cu­tar es­se pro­je­to am­bi­ci­o­so, te­nham se pas­sa­do cer­ca de três dé­ca­das. Nos anos 1960, o mon­ta­nhis­ta Pau­lo Hen­ri­que “Vi­ta­mi­na” Sch­mi­dlin, ele mes­mo uma len­da do mon­ta­nhis­mo bra­si­lei­ro, ima­gi­nou uma tri­lha pas­san­do pe­las Ser­ra do Ibi­ti­ra­qui­re, Ser­ra da Fa­ri­nha Se­ca e Ser­ra do Ma­rum­bi, em uma per­na­da que to­ta­li­za­ria cer­ca de 100 km. Es­se tra­ça­do in­clui­ria tam­bém a Alpha-ôme­ga em uma de

su­as pon­tas, tra­ves­sia que une os picos do com­ple­xo do Ma­rum­bi, por si só um de­sa­fio tão gran­de que o pri­mei­ro re­gis­tro de­la tri­lha­da por com­ple­to é de 1991.

Mui­tos mor­ros da re­gião são bas­tan­te fre­quen­ta­dos, co­mo o Pi­co do Pa­ra­ná, que re­ce­be cen­te­nas de montanhistas du­ran­te a tem­po­ra­da (mais até do que al­guns pu­ris­tas acham acei­tá­vel). Ou o Ma­rum­bi, no parque na­ci­o­nal de mes­mo no­me. Mas es­sa li­nha ima­gi­ná­ria – que li­ga os cu­mes mais fre­quen­ta­dos, ou­tros que ra­ra­men­te re­ce­bem a vi­si­ta de mo­chi­las car­guei­ras e ou­tros que se­quer têm no­me – foi cru­za­da por ape­nas três grupos, até on­de se tem re­gis­tro. Ne­nhu­ma das três em­prei­ta­das pe­la Alpha-crucis foi idên­ti­ca, já que ca­da gru­po op­tou por in­cluir ou evi­tar mais ata­ques a cer­tos cu­mes da re­gião.

A pri­mei­ra du­pla a com­ple­tar a tra­ves­sia foi El­cio Dou­glas e Ju­ran­dir Cons­tan­ti­no, em 2012. “Pas­sa­mos o ano an­te­ri­or to­do abrin­do ca­mi­nho na Fa­ri­nha Se­ca. Pe­ga­mos mui­to ma­to im­pi­e­do­so. Hou­ve par­tes em que não avan­çá­va­mos nem 20 me­tros por ho­ra por cau­sa dos ci­pós es­pi­nhen­tos, unhas-de-ga­to, ca­ra­gua­tás e bam­bus. Vol­tá­va­mos re­ta­lha­dos, pa­re­cen­do zum­bis”, con­ta El­cio, que diz que o no­me Alpha-crucis é uma re­fe­rên­cia ao Cru­zei­ro do Sul. “A gen­te que­ria que es­sa tra­ves­sia fos­se a mais bri­lhan­te no Sul do Bra­sil.” O mon­ta­nhis­ta fez o tra­ça­do a par­tir de car­tas ge­or­re­fe­ren­ci­a­das e foi ma­pe­an­do in lo­co tre­cho por tre­cho em di­ver­sas idas às mon­ta­nhas an­tes de fa­zê-la de uma vez, com o gru­po de montanhistas do qu­al faz par­te. Quan­do par­tiu pa­ra a fa­ça­nha com o par­cei­ro Ju­ran­dir, pi­sa­ram em 44 cu­mes em dez di­as.

CINCO ANOS de­pois da pri­mei­ra con­quis­ta da Alpha-crucis, veio a re­pe­ti­ção, des­sa vez pro­ta­go­ni­za­da por Le­an­dro Ce­chi­nel, Cle­ver­son Sou­za e Lu­cas Fel­trin, em 2017. “Co­me­ça­mos o pla­ne­ja­men­to com an­te­ce­dên­cia, coin­ci­din­do com nos­sas fé­ri­as pa­ra ter­mos di­as de mar­gem ca­so o tem­po es­ti­ves­se ruim”, con­ta Le­an­dro. O trio fez a tra­ves­sia em 12 di­as, com tra­je­to de 115 km e 55 cu­mes nas três ser­ras. “De­mos sor­te: na gran­de mai­o­ria dos ca­sos não pe­ga­mos tre­chos fe­cha­dos por­que a Fa­ri­nha Se­ca ti­nha si­do fei­ta por ou­tro gru­po pou­co tem­po an­tes.” Sor­te mes­mo: a Ser­ra da Fa­ri­nha Se­ca é um tre­cho com pou­cos pontos de água, en­tão a mo­chi­la vai mais pe­sa­da. Além dis­so, é pou­co fre­quen­ta­da e foi ce­ná­rio de uma fa­ta­li­da­de: em 1997, o mon­ta­nhis­ta Oséas Gon­çal­ves Araú­jo per­deu a vi­da em um câ­ni­on ao ten­tar fa­zer o re­co­nhe­ci­men­to do tre­cho so­zi­nho em um fim de se­ma­na chu­vo­so.

A úl­ti­ma ex­pe­di­ção se deu em abril des­te ano, pe­la du­pla Is­ra­el Sil­va e Pau­lo Ta­que­da. Os dois, que não con­se­gui­ram dar con­ta na pri­mei­ra ten­ta­ti­va, pre­ci­sa­ram re­pe­ti-la pa­ra com­ple­tar. “Fa­ço par­te de um gru­po que há uns cinco anos vi­nha fa­lan­do em fa­zer a Alpha-crucis”, con­ta Is­ra­el. “Nos úl­ti­mos dois anos, fo­mos con­quis­tan­do as ser­ras em se­pa­ra­do, apren­den­do e nos pre­pa­ran­do. Em 2017, fi­ze­mos o Ibi­ti­ra­qui­re, su­bi­mos 26 cu­mes, an­da­mos a noi­te in­tei­ra, mas não deu”, diz. De­pois de seis di­as no ma­to, per­ce­be­ram que o fei­to não se­ria pos­sí­vel e de­ram meia-vol­ta. Re­tor­na­ram pa­ra su­as ca­sas, po­rém fi­cou es­se “fan­tas­ma”, os ins­ti­gan­do a dar uma se­gun­da chan­ce ao so­nho.

Em 2018, ele con­vi­dou o ami­go Pau­lo Ta­que­da, e, jun­tos, co­me­ça­ram pe­la lo­gís­ti­ca: a par­tir dos picos mais aces­sí­veis, com con­ta­to re­la­ti­va­men­te pró­xi­mo a es­tra­das, eles en­ter­ra­ram ou es­con­de­ram ali­men­ta­ção em pontos es­tra­té­gi­cos pa­ra se re­a­bas­te­ce­rem no ca­mi­nho – por con­ta da ex­ten­são, to­das as tra­ves­si­as da Alpha-crucis fo­ram fei­tas as­sim. Ape­sar da pre­vi­são fa­vo­rá­vel, a du­pla não es­ca­pou de du­as vi­ra­das no tem­po que acres­cen­ta­ram chu­va e frio às di­fi­cul­da­des na­tu­rais do per­cur­so. “Is­so bai­xa a mo­ral. Há tre­chos lon­gos sem água, mui­to des­ní­vel, bam­bu-fo­go, que cor­ta bra­ço, per­na, tes­ta. Foi bem pu­xa­do mes­mo. Mas con­se­gui­mos!”, re­la­ta Is­ra­el.

Em ju­lho, ou­tro gru­po, des­ta vez de qua­tro pes­so­as, in­cluin­do a pri­mei­ra mu­lher, tam­bém com­ple­tou a tra­ves­sia, em no­ve di­as.

Ne­nhu­ma das três em­prei­ta­das da Alpha-crucis foi idên­ti­ca, já que ca­da gru­po op­tou por in­cluir ou evi­tar mais cu­mes.

LIN­DA E DU­RA: Na foto, a pri­mei­ra re­pe­ti­ção, fei­ta por Le­an­dro Ce­chi­nel, Cle­ver­son Sou­za e Lu­cas Fel­trin, em 2017

NA UNHA:Em 2012, El­cio Dou­glas e Ju­ran­dir Cons­tan­ti­no con­quis­ta­ram a Alpha­cru­cis, em dez di­as de ra­la­ção no ma­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.