Sob o céu da Áfri­ca

O PU­BLI­CI­TÁ­RIO BRA­SI­LEI­RO RICARDO ALMEIDA RODOU 1.700 KM DE BIKE E EMENDOU OS 89 KM DA ULTRAMARATONA COMRADES

Go Outside (Brazil) - - RADAR INSPIRAÇÃO - POR JOÃO ORTEGA, DA RUN­NER’S WORLD

O SU­OR JÁ HA­VIA se­ca­do des­de a che­ga­da, mas as per­nas ainda im­plo­ra­vam por descanso. Ricardo Almeida aguar­da­va o ele­va­dor do ho­tel na Ci­da­de do Ca­bo, na Áfri­ca do Sul, on­de se hos­pe­da­va du­ran­te o fim de se­ma­na da ultramaratona Two Oce­ans em 2013. Ti­nha com­ple­ta­do os 56 km da pro­va bem, mas an­si­a­va pe­lo re­pou­so que vi­ria a se­guir. Afi­nal, era sua pri­mei­ra ul­tra.

Lo­go que o ele­va­dor che­gou ao tér­reo, uma cor­re­do­ra da mes­ma com­pe­ti­ção que, co­mo ele, se hos­pe­da­va ali, apro­vei­tou a ca­ro­na. “Vo­cê tam­bém está in­do pa­ra a Comrades?”, ela per­gun­tou. Ricardo fi­cou sur­pre­so: co­mo a mo­ça po­de­ria ter aca­ba­do uma ul­tra e já es­tar pron­ta pa­ra ou­tra ape­nas al­gu­mas se­ma­nas de­pois? O bra­si­lei­ro res­pon­deu que ja­mais te­ria for­ça fí­si­ca pa­ra uma cor­ri­da tão lon­ga e de­sa­fi­a­do­ra. “Vo­cê está ven­do o de­sa­fio da for­ma er­ra­da”, dis­se a ul­tra­ma­ra­to­nis­ta. “Está tu­do na sua ca­be­ça. Bas­ta acre­di­tar e se pre­pa­rar bem.” Eles nun­ca mais se vi­ram, po­rém aque­las pa­la­vras mu­da­ram pa­ra sem­pre a ma­nei­ra co­mo Ricardo en­ca­ra sua tra­je­tó­ria.

VI­DA ÁRIDA

Cer­ca de seis anos an­tes de cor­rer a Two Oce­ans, o pu­bli­ci­tá­rio Ricardo re­pen­sa­va a pró­pria vi­da. Per­to de com­ple­tar 30 anos na épo­ca, ele viu a es­po­sa fi­car grá­vi­da da pri­mei­ra fi­lha de­les no mes­mo pe­río­do em que des­co­briu seis tu­mo­res no pró­prio fí­ga­do. Por sor­te, os tu­mo­res eram be­nig­nos, mas is­so não evi­tou que ti­ves­se que pas­sar por um pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co com­pli­ca­do, em que re­mo­veu uma par­te im­por­tan­te do ór­gão. “Eu era to­tal­men­te se­den­tá­rio, pe­sa­va mais de 100 kg e os tu­mo­res fo­ram o re­sul­ta­do do meu es­ti­lo de vi­da”, re­ve­la. “Tu­do era di­fí­cil, tu­do me can­sa­va mui­to. Se eu não mu­das­se, não iria ver mi­nha fi­lha cres­cer.”

Ricardo de­ci­diu co­me­çar a pra­ti­car um es­por­te e es­co­lheu a cor­ri­da pe­la pra­ti­ci­da­de. Em al­guns me­ses, es­ta­va cor­ren­do pro­vas de 5 km e ou­vin­do elo­gi­os so­bre sua no­va for­ma fí­si­ca.

Com o pas­sar dos anos, foi au­men­tan­do a qui­lo­me­tra­gem. “Aos pou­cos, fui me en­con­tran­do nas lon­gas dis­tân­ci­as”, con­ta o cor­re­dor.

“Ago­ra tu­do é sim­ples­men­te gos­to­so. Os desafios con­ti­nu­am apa­re­cen­do, tal­vez em vo­lu­me mai­or, po­rém se tor­na­ram di­ver­ti­dos”, diz. Is­so por­que, além da trans­for­ma­ção fí­si­ca e de saú­de, Ricardo pas­sou a ver a ad­ver­si­da­de co­mo uma opor­tu­ni­da­de de ter um “mo­men­to me­mo­rá­vel”, co­mo ele mes­mo des­cre­ve. E, em dez anos no es­por­te, não fal­ta­ram mo­men­tos me­mo­rá­veis cor­ren­do pe­lo mun­do.

A MÍSTICA COMRADES

Des­de aque­la bre­ve con­ver­sa no ele­va­dor, a tal da Comrades fi­cou na ca­be­ça de Ricardo. Afi­nal, é a ultramaratona mais tra­di­ci­o­nal do pla­ne­ta. Des­de 1921, a cor­ri­da de­sa­fia atle­tas ao lon­go de 89 km em so­lo sul-afri­ca­no. Na pri­mei­ra edi­ção, te­ve 34 par­ti­ci­pan­tes na li­nha de lar­ga­da. Ho­je são cer­ca de 20 mil.

A ideia ini­ci­al da pro­va era ce­le­brar os sol­da­dos sul-afri­ca­nos mor­tos du­ran­te a Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al. O fun­da­dor foi Vic Clapham, um ve­te­ra­no da guer­ra que mar­chou e ba­ta­lhou por mi­lha­res de quilô­me­tros na re­gião afri­ca­na co­lo­ni­za­da por ale­mães. Ele acre­di­ta­va que a ho­me­na­gem aos sol­da­dos de­ve­ria ser uma re­pre­sen­ta­ção da for­ça fí­si­ca hu­ma­na, e por is­so de­ci­diu cri­ar uma ultramaratona.

Em 1919 e 1920, Vic so­li­ci­tou aju­da pa­ra or­ga­ni­zar a cor­ri­da e foi ta­cha­do de lou­co. Até que, na ter­cei­ra ten­ta­ti­va, re­ce­beu au­xí­lio de uma as­so­ci­a­ção que ga­ran­tia os di­rei­tos de fa­mí­li­as de sol­da­dos mor­tos ou fe­ri­dos du­ran­te a guer­ra: a Comrades of the Gre­at War (Li­ga dos Ca­ma­ra­das da Gran­de Guer­ra). Com um or­ça­men­to es­cas­so, pu­bli­cou em um jor­nal um con­vi­te pa­ra a par­ti­ci­pa­ção na pro­va, além de pe­dir do­a­ções pa­ra a pre­mi­a­ção.

Ele con­se­guiu o su­fi­ci­en­te pa­ra que a pro­va ti­ves­se es­tru­tu­ra pa­ra pou­cas de­ze­nas de corredores. A cons­ti­tui­ção da Comrades, que se man­tém até ho­je, afir­ma que o de­sa­fio ce­le­bra “o es­pí­ri­to da hu­ma­ni­da­de so­bre as ad­ver­si­da­des”. Nos anos se­guin­tes, a cor­ri­da cres­ceu, e ape­nas du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al não hou­ve edi­ções anu­ais. Até ho­je a or­ga­ni­za­ção con­ce­de to­dos os anos pre­mi­a­ções especiais a pes­so­as que in­cor­po­ram es­se es­pí­ri­to ins­pi­ra­dor com o qu­al a ultramaratona se iden­ti­fi­ca.

Ricardo de­ci­diu fa­zer par­te des­sa his­tó­ria e, um ano de­pois de es­tre­ar em ul­tra­ma­ra­to­nas na Two Oce­ans, re­tor­nou à Áfri­ca do Sul pa­ra os 89 km en­tre Pi­e­ter­ma­ritz­burg e Dur­ban.

“Amei ca­da cen­tí­me­tro da­que­le per­cur­so”, con­ta o pu­bli­ci­tá­rio. “Não é um tra­je­to lin­do es­te­ti­ca­men­te co­mo a Two Oce­ans. Mas o fa­to de ter 20 mil corredores, en­tre eles pes­so­as de 70 anos que me ul­tra­pas­sa­vam co­mo se eu es­ti­ves­se pa­ra­do, em uma pro­va de qua­se 90 km, é re­al­men­te al­go mís­ti­co.”

AS LEBRES

A ideia de se pro­por desafios ca­da vez mais in­ten­sos pa­ra fa­bri­car “mo­men­tos me­mo­rá­veis” to­mou con­ta de Ricardo. De­pois da Comrades de 2013, cor­reu a pro­va no­va­men­te no ano se­guin­te. De­pois ainda com­ple­tou ul­tra­ma­ra­to­nas co­mo a BR135+, a pro­va con­tí­nua mais di­fi­cíl do Bra­sil (com cer­ca de 280 km), a Dou­ro Ul­tra Trail, em Por­tu­gal, en­tre di­ver­sas ou­tras. Tor­nou-se um ul­tra­ma­ra­to­nis­ta as­sí­duo em vá­ri­os can­tos do pla­ne­ta.

Em 2018, Ricardo de­ci­diu fa­zer al­go que fos­se ainda mais di­fí­cil e, prin­ci­pal­men­te, gra­ti­fi­can­te: o De­sa­fio Unogwa­ja. O pro­je­to foi ins­pi­ra­do no cor­re­dor sul-afri­ca­no Phil Mas­ter­ton-smith, cam­peão da Comrades em 1931. Dois anos de­pois da vi­tó­ria, Phil não ti­nha di­nhei­ro pa­ra pa­gar a con­du­ção até a lar­ga­da e de­ci­diu pe­da­lar por 1.600 km, atra­ves­san­do o país em dez di­as, pa­ra po­der par­ti­ci­par da pro­va. Os lo­cais o ape­li­da­ram de Unogwa­ja, que qu­er di­zer le­bre em zu­lu, por con­ta da sua ve­lo­ci­da­de e von­ta­de de cor­rer.

Em 2011, o De­sa­fio Unogwa­ja sur­giu pa­ra ho­me­na­ge­ar a his­tó­ria de Phil e com ca­rá­ter be­ne­fi­cen­te. Nos me­ses que an­te­ce­dem a Comrades, os par­ti­ci­pan­tes do de­sa­fio le­van­tam do­a­ções em di­nhei­ro, que são re­pas­sa­das a ins­ti­tui­ções que tra­ba­lham com edu­ca­ção in­fan­til no con­ti­nen­te afri­ca­no. Dez di­as

“Amei ca­da se­gun­do. Na Comrades, são 20 mil corredores, en­tre eles pes­so­as de 70 anos, em uma pro­va de qua­se 90 km!”, diz Ricardo.

da lar­ga­da, os atle­tas per­cor­rem de bi­ci­cle­ta o mes­mo per­cur­so fei­to pe­lo cor­re­dor em 1933. No fim do tra­je­to de pe­dal, dor­mem uma noi­te e já se­guem pa­ra a lar­ga­da da Comrades, a pé.

Ricardo se uniu às lebres. Pa­ra le­van­tar do­a­ções, de­ci­diu que es­cre­ve­ria um li­vro so­bre a jor­na­da e abriu pa­ra pré­ven­da. Con­se­guiu mais de R$ 18 mil, o mai­or va­lor en­tre os oi­to par­ti­ci­pan­tes da edi­ção de 2018 do de­sa­fio. O va­lor to­tal ar­re­ca­da­do nes­te ano foi de R$ 130 mil.

No dia 31 de maio, Ricardo co­nhe­ceu seus se­te com­pa­nhei­ros na Ci­da­de do Ca­bo: um bra­si­lei­ro, um ne­o­ze­lan­dês, um cin­ga­pu­ri­a­no e qua­tro sul-afri­ca­nos (du­as mu­lhe­res e dois ho­mens). “Na pri­mei­ra pe­da­la­da, era to­do mun­do uma fa­mí­lia”, con­ta. “Um apoi­an­do o ou­tro, se aju­dan­do, com­par­ti­lhan­do di­fi­cul­da­des. Es­sa pri­mei­ra des­co­ber­ta de que vo­cê po­de com­par­ti­lhar com os ou­tros uma for­ça co­le­ti­va que nem co­nhe­cia já foi im­pres­si­o­nan­te.”

A ca­da dia, o de­sa­fio tra­zia um no­vo vi­su­al, uma no­va di­fi­cul­da­de e um no­vo apren­di­za­do. Tu­do is­so es­pa­lha­do por cer­ca de 160 km diá­ri­os, em mé­dia – con­tan­do as inú­me­ras mon­ta­nhas que su­bi­am e des­ci­am pe­da­lan­do. “Atra­ves­sar um país in­tei­ro, que é a ponta de um con­ti­nen­te, com as pró­pri­as per­nas e em um pe­río­do tão cur­to é al­go que te põe à pro­va a to­do mi­nu­to. Co­lo­ca tua ca­be­ça e teu co­ra­ção à pro­va. Vo­cê cres­ce mui­to com is­so”, re­ve­la o pu­bli­ci­tá­rio.

O De­sa­fio Unogwa­ja é fei­to de extremos. O frio de 5oc ne­ga­ti­vos à noi­te con­tras­ta com o sol es­cal­dan­te du­ran­te a tar­de. Quan­do “as lebres” de bi­ci­cle­ta sen­ti­am que era im­pos­sí­vel che­gar ao to­po de uma montanha, eram re­com­pen­sa­das com a vis­ta des­lum­bran­te da sa­va­na aber­ta. No ho­ri­zon­te, avis­ta­vam an­tí­lo­pes pas­tan­do sob um céu cin­ti­lan­te­men­te azul – e a jor­na­da da­que­le dia já ti­nha va­li­do a pe­na. “É di­fí­cil des­cre­ver a for­ça e o im­pac­to da­que­la pai­sa­gem crua e tão ab­sur­da”, re­la­ta.

En­tre os com­pa­nhei­ros de vi­a­gem, dois ti­ve­ram um ape­lo es­pe­ci­al pa­ra Ricardo. O pri­mei­ro foi o ne­o­ze­lan­dês Andy Ste­e­le, que com­ple­tou o de­sa­fio aos 67 anos. “É mui­to di­fí­cil ima­gi­nar al­guém com es­sa ida­de atra­ves­san­do a Áfri­ca do Sul de bi­ci­cle­ta e de­pois ainda cor­rer a Comrades. A tran­qui­li­da­de e a for­ça de von­ta­de que ele tem fi­ze­ram is­so tu­do pa­re­cer fá­cil. Pa­ra mim foi uma li­ção de vi­da de que não exis­te li­mi­te etá­rio pa­ra na­da”, diz o ul­tra­ma­ra­to­nis­ta.

A ou­tra foi a sul-afri­ca­na Lee-ann Pers­se. Atle­ta olím­pi­ca de re­mo (in­clu­an­tes si­ve com par­ti­ci­pa­ção nos Jo­gos do Rio 2016), ela as­su­miu um pa­pel cen­tral de au­xí­lio aos de­mais par­ti­ci­pan­tes do de­sa­fio. “Nós cru­za­mos a li­nha de che­ga­da da Comrades jun­tos. Nos úl­ti­mos 4 km, eu achei que iria des­mai­ar de can­sa­ço, mas ela pe­gou a mi­nha mão e pra­ti­ca­men­te me ar­ras­tou até o fim da pro­va. Ro­lou uma trans­fe­rên­cia me­ta­fí­si­ca de ener­gia”, re­ve­la Ricardo. “Não sei se eu te­ria che­ga­do não fos­se es­sa for­ça que ela me pas­sou.”

Ho­je, com 40 anos de vi­da e 10 de cor­ri­da, Ricardo acu­mu­la di­ver­sos mo­men­tos que po­dem ser cha­ma­dos de “me­mo­rá­veis”. Ele já é um dos pou­cos “unogwa­jas” que ti­ve­ram a for­ça fí­si­ca e men­tal pa­ra atra­ves­sar um país in­tei­ro de bi­ci­cle­ta lo­go an­tes de en­ca­rar uma ultramaratona. E aca­len­ta co­mo pla­no pa­ra o futuro en­trar em um gru­po ainda mais se­le­to: o Gre­en Num­ber, da­que­les que com­ple­ta­ram dez ve­zes a Comrades. “Ago­ra es­tão fal­tan­do ape­nas se­te”, brin­ca.

“Atra­ves­sar um país in­tei­ro, que é a ponta de um con­ti­nen­te, com as pró­pri­as per­nas e em um pe­río­do tão cur­to é al­go que te põe à pro­va a to­do mi­nu­to”, con­ta o pu­bli­ci­tá­rio bra­si­lei­ro.

DE­SA­FIO IN­TE­RI­OR: Ricardo du­ran­te a Comrades

PA­RA POU­COS: O bra­si­lei­ro foi uma das oi­to pes­so­as a par­ti­ci­par do De­sa­fio Uno­gawa­ja, per­cor­ren­do 160 km diá­ri­os de bike por dez di­as e, de­pois, se­guin­do pa­ra a ultramaratona

PONTA A PONTA: Ricardo per­cor­reu uma ro­ta his­tó­ri­ca, que ho­me­na­geia o cor­re­dor Phil Mas­ter­ton-smith, cam­peão da Comrades em 1931

CO­MO UMA FA­MÍ­LIA:O gru­po que fez o de­sa­fio an­tes de en­ca­rar a Comrades le­van­tou fun­dos pa­ra ins­ti­tui­ções de edu­ca­ção in­fan­til na Áfri­ca. "Na pri­mei­ra pe­da­la­da já era to­do mun­do uma fa­mí­lia", diz Ricardo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.