PE­LO MUN­DO

Go Outside (Brazil) - - GO OUTSIDE -

O ME­LHOR JEI­TO de vi­a­jar. Es­sa é uma fra­se que cos­tu­ma acom­pa­nhar o re­la­to de aven­tu­rei­ros que têm ro­da­do de bike por aí. Ao con­se­guir le­van­tar a ân­co­ra da ro­ti­na e pas­sar a vi­ver so­bre du­as ro­das, mui­tos vi­a­jan­tes aca­bam se de­pa­ran­do com os be­ne­fí­ci­os da es­co­lha: a sensação de li­ber­da­de e o con­ta­to mais in­ti­mis­ta com pes­so­as e destinos. Mas, por trás dos mo­men­tos épi­cos e das fo­tos que dão in­ve­ja em quem está sen­ta­do na fren­te de um com­pu­ta­dor, a vi­da na es­tra­da está re­ple­ta de desafios – dos mais ines­pe­ra­dos e ur­gen­tes até a pró­pria di­fi­cul­da­de de ti­rar um pla­no des­se ti­po do cam­po da ima­gi­na­ção.

O ca­ri­o­ca Ricardo Mar­tins, 33, está vi­ven­do is­so na pe­le. De­pois de con­cre­ti­zar a Ro­da Amé­ri­ca, uma vi­a­gem de qua­tro anos pe­la Amé­ri­ca do Sul ao la­do da sua fi­el com­pa­nhei­ra, a bike Ca­pi­tu, ele ago­ra cum­pre a Ro­da Mun­do. Nes­se no­vo gi­ro, a bor­do de uma bike de bam­bu, ele tem des­bra­va­do cul­tu­ras (e a si mes­mo) en­quan­to es­tu­da, cap­ta da­dos e de­sen­vol­ve so­lu­ções de mo­bi­li­da­de pe­lo mun­do. Atu­al­men­te, jun­to da sua no­va ver­são de bike, a Dul­ci­neia 2.0, ele atra­ves­sa a Eu­ro­pa com a ex­pec­ta­ti­va de fa­zer a co­ne­xão com a Ásia en­tre o fim de 2018 e o iní­cio de 2019. Du­ran­te uma rá­pi­da pau­sa em Mainz, na Ale­ma­nha, a ca­mi­nho de Pra­ga, na Re­pú­bli­ca Tche­ca, Ricardo fa­lou à Go Out­si­de:

“O MAIS DI­FÍ­CIL é sem­pre o pri­mei­ro pas­so. Quan­do vo­cê está na es­tra­da, as coi­sas vão se ajei­tan­do, sim­ples­men­te por­que vo­cê não se dá a op­ção de vol­tar. Vo­cê se adap­ta da ma­nei­ra que for.”

“NO RO­DA AMÉ­RI­CA eu es­ta­va cheio de ex­pec­ta­ti­vas: que­ria ver a re­a­li­da­de das coi­sas, co­nhe­cer no­vas pes­so­as, paí­ses e cul­tu­ras. Na se­gun­da ex­pe­di­ção, eu sim­ples­men­te fui. Com ou sem ex­pec­ta­ti­va, as coi­sas vão acon­te­cer do mes­mo jei­to. Me­lhor sair com as ‘pá­gi­nas em bran­co’ e pre­en­chê-las com o que encontro no ca­mi­nho.”

“O MO­VI­MEN­TO de vi­a­gens de bike vem de pes­so­as que re­sol­vem vi­ver a par­tir do que acre­di­tam, do que gos­tam e dos pró­pri­os so­nhos, em vez de sim­ples­men­te por di­nhei­ro. Ho­je va­lo­ri­zo mais o meu tra­ba­lho, por fa­zer o que eu gos­to. E is­so aca­ba sen­do lu­cra­ti­vo. Nem sem­pre em ter­mos de quan­ti­da­de de di­nhei­ro, mas com cer­te­za em apro­vei­ta­men­to.”

“ES­TAR MUI­TO FOR­TE fi­si­ca­men­te pa­ra dar con­ta de uma vi­a­gem lon­ga era uma gran­de pre­o­cu­pa­ção mi­nha. Dos 22 anos, du­ran­te mi­nha pri­mei­ra in­ves­ti­da, aos atu­ais 33, is­so mu­dou bas­tan­te. Meu pla­ne­ja­men­to ago­ra é mais men­tal. E eu me sin­to mui­to mais bem pre­pa­ra­do.”

“MI­NHA CA­PI­TU foi rou­ba­da quan­do ter­mi­nei a vol­ta pe­la Amé­ri­ca, no Rio de Ja­nei­ro. Eu ti­nha sta­tus de ‘viú­vo’ no Fa­ce, pa­ra vo­cê ter uma ideia da mi­nha re­la­ção com ela [ri­sos]. Foi aí que des­co­bri a Art Bike Bam­boo, do Klaus [Volk­mann, cons­tru­tor de bi­kes]. A Dul­ci­neia, ago­ra na no­va ver­são 2.0, é se­gu­ra e re­sis­ten­te. O ma­te­ri­al ab­sor­ve o im­pac­to e o bam­bu me apro­xi­ma com qual­quer pes­soa de qual­quer clas­se so­ci­al em qual­quer lu­gar do mun­do.”

– BRU­NO RO­MA­NO

Com sua bike de bam­bu, Ricardo Mar­tins já des­bra­vou até as pi­râ­mi­des afri­ca­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.