AL­TA MONTANHA

Go Outside (Brazil) - - GO OUTSIDE -

SE SEU SO­NHO É EN­CA­RAR uma al­ta montanha, o de­sa­fio não pre­ci­sa ser nem tão al­to, nem tão frio, nem tão ame­a­ça­dor quan­to um Eve­rest. Vol­tar pa­ra ca­sa com cu­me em al­ti­tu­de no bol­so e mui­ta his­tó­ria pa­ra con­tar de­pen­de mais de uma sequên­cia de bo­as es­co­lhas e pre­pa­ro ade­qua­do do que dis­por de mui­ta gra­na, equi­pa­men­to ou ex­pe­ri­ên­cia.

Quan­do de­ci­diu que que­ria subir o Ki­li­man­ja­ro, o pon­to mais al­to da Áfri­ca, com 5.891 me­tros de al­ti­tu­de, na Tan­zâ­nia, a mé­di­ca Sa­mi­ra Ca­lil, 27, ti­nha um pou­co dos três itens ci­ta­dos aci­ma. Pra­ti­ca­va escalada in­do­or três ve­zes por se­ma­na, já ha­via fei­to tri­lhas le­ves e con­ta­va com uma gra­na guar­da­da. Pes­qui­sou vá­ri­as agên­ci­as, op­tou pe­la Gra­de 6 e co­me­çou a en­ten­der as di­fi­cul­da­des do des­ti­no que ha­via es­co­lhi­do. “Fui bas­tan­te ori­en­ta­da pe­la agên­cia, que me ava­li­ou e con­fir­mou que era um ob­je­ti­vo pos­sí­vel”, con­ta.

Sa­mi­ra ini­ci­ou os trei­nos jun­to com os tes­tes dos equi­pa­men­tos in­di­vi­du­ais. “Co­me­cei a subir es­ca­das no meu pré­dio, ama­ci­an­do a bo­ta que iria usar na montanha.”

Fo­ram seis di­as no Ki­li­man­ja­ro, em que ela usou a es­tra­té­gia de vi­ver um mo­men­to de ca­da vez. “O úl­ti­mo dia, do ata­que ao cu­me, foi o mais di­fí­cil. Acor­da­mos à meia-noi­te e ca­mi­nha­mos até as 8h da ma­nhã. Eu es­ta­va con­ge­lan­do, quis de­sis­tir, cho­rei, pa­rei, mas en­fim con­se­gui”, lem­bra. “Na montanha ca­da dia é úni­co, en­tão só se pre­o­cu­pe em vi­vê-lo, e não pen­sar nas próximas di­fi­cul­da­des.”

Pa­ra os es­pe­ci­a­lis­tas, Sa­mi­ra acer­tou na es­tra­té­gia: es­co­lheu uma montanha com­pa­tí­vel com sua ex­pe­ri­ên­cia e con­di­ci­o­na­men­to. O Ki­li­man­ja­ro é re­la­ti­va­men­te fá­cil, so­be-se com aju­da de gui­as e o de­sa­fio fí­si­co exis­te, mas é mo­de­ra­do. Aretha Du­ar­te, da Gra­de 6, ex­pli­ca que, quan­to mai­or a ade­qua­ção do des­ti­no ao mo­men­to da pes­soa, maiores as chan­ces de su­ces­so.

"Qu­al é exa­ta­men­te seu ob­je­ti­vo: fa­zer um cu­me em uma montanha mui­to al­ta? Co­nhe­cer uma montanha com ne­ve? Apren­der os pro­ce­di­men­tos de escalada em ge­lo?”, diz o guia Marcelo Mot­ta Del­vaux, da con­sul­to­ria de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no Sum­mit.

Os es­pe­ci­a­lis­tas são unâ­ni­mes em in­di­car uma boa acli­ma­ta­ção, já que ca­da or­ga­nis­mo é de um jei­to e não há co­mo sa­ber com an­te­ce­dên­cia se a pes­soa vai pre­ci­sar de mais ou me­nos tem­po pa­ra se adap­tar ao ar ra­re­fei­to. A par­tir de 4.000 me­tros de al­ti­tu­de, mui­ta gen­te já sen­te de ime­di­a­to efei­tos co­mo dor de ca­be­ça e náu­sea.

As expedições pa­ra o ar­gen­ti­no Acon­cá­gua, com 6.961 me­tros de al­ti­tu­de, por exem­plo, le­vam por vol­ta de 17 di­as. Se as fé­ri­as são cur­tas, uma montanha mais bai­xa, en­tre 4.000 e 6.000 me­tros de al­ti­tu­de, ou em uma la­ti­tu­de mais cen­tral são bo­as op­ções.

Ja­mais se po­de es­que­cer o la­do emo­ci­o­nal. Mes­mo que a pes­soa es­co­lha uma ex­pe­di­ção com car­re­ga­do­res, a montanha é um am­bi­en­te hos­til. “É pre­ci­so pre­pa­rar a ca­be­ça: a pes­soa po­de de­sis­tir por cau­sa da par­te psi­co­ló­gi­ca. Vai ven­tar, vai es­fri­ar", ex­pli­ca Marcelo, que já viu mui­ta gen­te aban­do­nar a ex­pe­di­ção por­que es­ta­va “com sau­da­de de ca­sa”. Pa­ra au­men­tar a zo­na de con­for­to psi­co­ló­gi­ca, os gui­as re­co­men­dam fa­zer ati­vi­da­des que te­nham des­con­for­tos si­mi­la­res.

Com tu­do de­ci­di­do e pla­ne­ja­do, o úl­ti­mo con­se­lho dos gui­as é apren­der a usar cor­re­ta­men­te os equi­pa­men­tos. Pa­re­ce di­fí­cil de acre­di­tar, mas mui­ta gen­te par­te pa­ra es­se ti­po de aven­tu­ra sem ter cer­te­za de que a bo­ta está con­for­tá­vel ou se o ca­sa­co é mes­mo quen­te. “Pa­ra a mai­o­ria dos pro­ble­mas na montanha há so­lu­ção. O im­por­tan­te é iden­ti­fi­cá-los a tem­po”, diz Aretha.

– V.M.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.