AMAR A VI­DA OUTDOOR

Go Outside (Brazil) - - GO OUTSIDE -

CRESCI EM APAR­TA­MEN­TO. Pré­dio sem play­ground, sem cri­an­ças, com por­tei­ros ra­bu­gen­tos que re­cla­ma­vam se eu ar­ris­cas­se um Po­go­bol na ga­ra­gem. Nas fé­ri­as, o Rio de Ja­nei­ro es­ta­va lá, sem­pre lin­do pa­ra me re­ce­ber com o sal da praia e as ca­mi­nha­das de mãos da­das com meu pai pe­lo cal­ça­dão. Bi­ci­cle­ta eu ti­ve en­tre os 7 e os 10 anos, de­pois só com 30. Mas eu gos­ta­va de brin­car de pa­tins na ca­sa de uma ami­ga, mon­tar os ca­va­los alu­ga­dos em Te­re­só­po­lis ou em Cam­pos do Jor­dão, to­mar ba­nho ge­la­do de bi­ca, subir a pe­dra de Ita­co­a­ti­a­ra ou tre­par nos ga­lhos de uma man­guei­ra al­ta. O pou­co frio na bar­ri­ga sem­pre foi com­pen­sa­do pe­la emo­ção de sen­tir que o meu pe­que­ni­no cor­po era ca­paz de re­a­li­zar coi­sas gran­des.

Quan­do mi­nha fi­lha che­gou, ha­via o sí­tio dos avós e as­sim ela vi­via sem­pre en­tre bi­chos, po­ma­res e mui­tos pri­mos pe­que­nos. Em pou­cos anos, ela já ti­nha mais na­tu­ra­li­da­de com a natureza do que eu até ali. Cri­an­ças pos­su­em es­sa imen­sa ca­pa­ci­da­de de ab­sor­ver na pe­le o uni­ver­so que as cer­ca. Eu acre­di­to que a se­men­te pa­ra uma vi­da de aven­tu­ras de­ve es­tar em qua­se to­dos nós, es­pe­ran­do um ga­ti­lho que dê im­pul­so a es­se ím­pe­to pri­mi­ti­vo ador­me­ci­do pe­la vi­da nas gran­des ci­da­des. Pa­ra nos­sa sor­te (mi­nha e da mi­nha fi­lha), meus ca­mi­nhos fo­ram ga­nhan­do do­ses ca­da vez maiores de es­por­te, natureza, rus­ti­ci­da­de e aven­tu­ras com­par­ti­lha­das em fa­mí­lia e com ami­gos. De re­pen­te eu me vi di­an­te de pe­que­nos e pro­mis­so­res moun­tain bi­kers, es­qui­a­do­res, es­ca­la­do­res, mi­ni Be­ar Grylls dos tró­pi­cos, chei­os de ha­bi­li­da­des e imu­nes ao medo que eu sen­tia em di­ver­sas oca­siões de ris­co cal­cu­la­do. Nos­sos fi­lhos vi­ra­ram meus ído­los.

A per­cep­ção do quan­to cri­an­ças são na­tu­ral­men­te pre­pa­ra­das pa­ra vi­ver ao ar li­vre se con­so­li­dou ainda mais quan­do me tor­nei mo­ni­to­ra do Acam­pa­men­to Go Out­si­de de Aven­tu­ra, realizado gra­ças à ini­ci­a­ti­va da exa­tle­ta e pe­da­go­ga Shu­bi Gui­ma­rães e da sua união com al­gu­mas das mar­cas mais con­so­li­da­das des­se mer­ca­do no Bra­sil: a edi­to­ra Rocky Moun­tain (que pu­bli­ca a Go Out­si­de) e as as­ses­so­ri­as es­por­ti­vas Nú­cleo Aven­tu­ra e Ca­no­ar. Ali a amos­tra­gem fi­cou con­si­de­ra­vel­men­te mai­or: a ca­da tem­po­ra­da, eu con­si­go ob­ser­var o com­por­ta­men­to de cer­ca de 80 cri­an­ças de ida­des dis­tin­tas. O que elas têm em co­mum na mai­o­ria das ve­zes é o es­que­ma “es­co­la-ci­ne­ma-clu­be-te­le­vi­são”, que na ver­são 2.0 ga­nhou o adi­ti­vo tec­no­ló­gi­co dos ce­lu­la­res, al­go mais no­ci­vo do que as­sis­tir ao Xou da Xu­xa di­a­ri­a­men­te, na mi­nha nos­tál­gi­ca opi­nião. E pas­mem: nem mes­mo to­do o ape­lo do con­su­mo, o con­cre­to que co­bre São Pau­lo ou a su­per­fí­cie ina­ni­ma­da do rio Ti­e­tê são ca­pa­zes de afo­gar o en­tu­si­as­mo de uma cri­an­ça brin­can­do na la­ma até os jo­e­lhos ou pin­tan­do o ros­to com a tin­ta da se­men­te de uru­cum. O ga­nho de uma imer­são as­sim é imen­so. Al­gu­mas cri­an­ças já es­qui­a­ram em pis­tas fo­ra do país mas nun­ca re­ma­ram em um rio ou en­tra­ram em tri­lhas da ma­ta atlân­ti­ca. Ja­mais vi­ram tu­ca­nos ou pe­ga­das de an­ta. Bi­ci­cle­ta só de vez em quan­do, no as­fal­to da pra­ci­nha per­to de ca­sa. En­tre­tan­to, em cinco di­as, elas apren­dem a pe­da­lar em tri­lhas téc­ni­cas, a en­ten­der a ló­gi­ca de quem faz o le­me de uma ca­noa, a re­co­nhe­cer uma de­ze­na de es­pé­ci­es na­ti­vas, se apro­pri­an­do de um am­plo re­per­tó­rio an­tes mui­to dis­tan­te de­las.

Pa­ra Shu­bi, di­re­to­ra do Acam­pa­men­to Go Out­si­de de Aven­tu­ra, pro­por­ci­o­nar al­go as­sim aos fi­lhos é meio ca­mi­nho an­da­do. Mas o que re­al­men­te faz di­fe­ren­ça é o mo­de­lo. “A gen­te só con­se­gue en­can­tar uma cri­an­ça se for­mos, nós mes­mos, en­can­ta­dos por aqui­lo. Se os pais gos­ta­rem da vi­da ao ar li­vre, fi­ca mui­to mais fá­cil os fi­lhos cur­ti­rem tam­bém”, apon­ta a ex-atle­ta de cor­ri­das de aven­tu­ra. O in­te­res­se pe­la vi­da ao ar li­vre se­rá mai­or quan­to mai­or for o in­te­res­se dos pró­pri­os pais e a sa­tis­fa­ção ge­nuí­na de­les de­pois de uma ses­são de surf ou uma cor­ri­da lon­ga. “O se­gun­do pas­so”, diz ela, “é pro­por­ci­o­nar mo­men­tos gos­to­sos em meio à natureza, e aí en­tra o bom sen­so e o con­for­to.” Pe­da­lar uma bi­ci­cle­ta de plás­ti­co na gra­ma ou em ci­ma de pe­dre­gu­lhos é um pe­sa­de­lo. As chan­ces de seu filho se apai­xo­nar pe­la bike ca­em pe­la me­ta­de des­se jei­to. “Se for acam­par, es­co­lha um cam­ping ade­qua­do às ne­ces­si­da­des de uma cri­an­ça, as­sim co­mo per­cur­sos do tamanho da ca­pa­ci­da­de de­las. Vi­ver bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as é fun­da­men­tal pa­ra um co­me­ço pro­mis­sor”, acon­se­lha.

Só não va­le trans­for­mar brin­ca­dei­ra em mis­são im­pos­sí­vel! O ide­al é en­con­trar um equi­lí­brio sau­dá­vel no in­cen­ti­vo: pro­por aven­tu­ras em ce­ná­ri­os atra­en­tes, com re­com­pen­sas pe­lo ca­mi­nho, que não se­jam de­sa­fi­a­do­ras além da con­ta, mas que tam­bém não cai­am na mes­mi­ce. Pa­re­ce uma re­cei­ta com­ple­xa, po­rém a in­tui­ção dos pais fun­ci­o­na co­mo bús­so­la pa­ra equa­li­zar a com­bi­na­ção en­tre ex­pec­ta­ti­vas, per­so­na­li­da­des e a dis­po­si­ção dos en­vol­vi­dos.

– MA­RIA CLARA VERGUEIRO

No Acam­pa­men­to Go Out­si­de de Aven­tu­ra, cri­an­ças pe­da­lam, cor­rem, re­mam e des­co­brem seus po­ten­ci­ais outdoor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.