NO MEU ES­POR­TE

Go Outside (Brazil) - - GO OUTSIDE -

EXIS­TE UM RECURSO que po­de ala­van­car a per­for­man­ce de qual­quer es­por­tis­ta – não im­por­ta a mo­da­li­da­de nem mes­mo o ní­vel de de­sem­pe­nho. E ele está den­tro da sua ca­be­ça. Os me­lho­res atle­tas do glo­bo já des­co­bri­ram is­so e têm apos­ta­do ca­da vez mais na par­te men­tal do trei­na­men­to. O fenô­me­no co­me­ça a ga­nhar mais for­ça no uni­ver­so ama­dor, po­rém ainda é vis­to com cer­ta des­con­fi­an­ça – e, pa­ra mui­tos, se­gue sen­do um ta­bu.

Es­pe­ci­a­lis­ta no as­sun­to, o psi­có­lo­go es­por­ti­vo nor­te-ame­ri­ca­no Graham Bet­chard gos­ta de fa­zer uma com­pa­ra­ção com an­ti­gos guer­rei­ros. “Se os sa­mu­rais ti­ves­sem um ‘dia ruim no tra­ba­lho’, eles não vol­ta­ri­am vi­vos pa­ra ca­sa”, co­me­ça. “Era pre­ci­so es­tar em paz com seu mai­or medo, o de per­der a vi­da, pa­ra per­mi­tir que o cor­po e a es­pa­da cum­pris­sem su­as me­tas”, con­clui Graham, co­fun­da­dor da pla­ta­for­ma de trei­nos Play Pre­sent e do apli­ca­ti­vo de trei­na­men­to men­tal Lu­cid.

Seu res­ga­te é im­por­tan­te: os sa­mu­rais já fa­zi­am ha­via sé­cu­los al­go se­me­lhan­te ao que se pro­li­fe­ra ho­je co­mo o gran­de di­fe­ren­ci­al em de­sem­pe­nho, prin­ci­pal­men­te em com­pe­ti­ções im­por­tan­tes. Na ver­da­de, é pro­vá­vel que vo­cê mes­mo já te­nha apli­ca­do (mes­mo sem sa­ber) al­gu­ma téc­ni­ca re­le­van­te da men­te du­ran­te exer­cí­ci­os. O gran­de lan­ce do trei­na­men­to men­tal é en­ten­der me­lhor es­ses me­ca­nis­mos, co­me­çar a do­mi­nar ferramentas po­de­ro­sas e pra­ti­cá-las a pon­to de elas fa­ze­rem par­te do seu pró­prio ar­se­nal es­por­ti­vo.

Es­se tem si­do o tra­ba­lho do men­tal co­a­ch pau­lis­ta Re­na­to En­do, fun­da­dor da De­e­per (de­e­per.co), uma con­sul­to­ria fo­ca­da em es­por­te. Mis­tu­ran­do téc­ni­cas de hip­no­se e PNL – ou Pro­gra­ma­ção Neu­ro­lin­guís­ti­ca, um ra­mo da psi­co­te­ra­pia –, ele tem vis­to de per­to mu­dan­ças ex­pres­si­vas em pra­ti­can­tes de di­ver­sas mo­da­li­da­des. Lo­go que se jo­gou de ca­be­ça nes­se no­vo mun­do, no iní­cio de 2017, após dei­xar a área de ino­va­ção, cri­a­ti­vi­da­de e de­sign, Re­na­to já no­tou o po­der da fer­ra­men­ta que ti­nha nas mãos. “Eu co­me­cei a per­ce­ber a im­por­tân­cia de tra­ba­lhar pes­so­as e equi­pes mais bem co­nec­ta­das, pois via vá­ri­as idei­as in­crí­veis mor­ren­do a ca­da dia por cau­sa de pro­ble­mas com is­so”, con­ta, an­tes de nos pas­sar as di­cas a se­guir.

[O PO­DER INVISÍVEL]

“A gran­de bar­rei­ra pa­ra mui­ta gen­te ainda é o fa­to de o trei­no men­tal ser al­go ‘invisível’. Em um tra­ba­lho fí­si­co, os re­sul­ta­dos são mais fá­ceis de se ver. Quem se per­mi­te ex­pe­ri­men­tar ga­nha uma fer­ra­men­ta ex­ce­len­te pa­ra con­tro­lar an­si­e­da­de e ner­vo­sis­mo, além de li­dar me­lhor com os me­dos, al­go co­mum em qual­quer es­por­te. As­sim co­mo a par­te fí­si­ca, es­se tam­bém é um exer­cí­cio con­tí­nuo: se parar vai atro­fi­ar. No trei­no men­tal, mui­to mais per­cep­ti­vo e sub­je­ti­vo, não se vê o re­sul­ta­do, sen­te-se.”

[PO­TEN­CI­AL ELE­VA­DO]

“Já aju­dei pes­so­as com de­pres­são, ví­ci­os e fo­bi­as. Vi ca­sos extremos da­rem re­vi­ra­vol­tas po­si­ti­vas com téc­ni­cas men­tais que uso ho­je com atle­tas. Tam­bém já vi­vi de per­to a dor (e os desafios) que um es­por­tis­ta sen­te na ro­ti­na. O que há em co­mum nes­ses dois ti­pos de ca­so é que, mui­tas ve­zes, o ad­ver­sá­rio aca­ba sen­do vo­cê mes­mo. O medo e a an­si­e­da­de, na ver­da­de, po­dem se tor­nar óti­mos ali­a­dos, des­de que bem tra­ba­lha­dos. A com­pe­ti­ção é ou­tro fa­tor com dois la­dos: se sou­ber usá-la a fa­vor, po­de ser o ga­ti­lho pa­ra en­tre­gar tu­do de si – e até um pou­co mais.”

[UM PAS­SO DE CA­DA VEZ]

“Re­pro­gra­mar a men­te e en­ten­der seus me­ca­nis­mos tam­bém exi­ge cui­da­do. Há uma li­nha tê­nue que de­ter­mi­na o que é sau­dá­vel, e ela de­ve ser res­pei­ta­da. Ele­var o li­mi­te má­xi­mo sem que o cor­po es­te­ja pre­pa­ra­do po­de ge­rar le­são. O trei­na­men­to men­tal não é um mi­la­gre. Vo­cê não vai sair do ze­ro pa­ra uma ma­ra­to­na em dois me­ses. Tal­vez até con­si­ga, mas vai fi­car sem an­dar di­rei­to por um tem­po – e is­so é um pre­ço al­to a se pa­gar.”

– B.R.

Trei­ne a men­te e se su­pe­re no seu es­por­te!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.