UM SKA­TIS­TA EM OU­TROS PICOS

Go Outside (Brazil) - - GO OUTSIDE - POR DANIEL NU­NES GON­ÇAL­VES FO­TOS VICTOR AFFARO

Gran­de no­me do ska­te bra­si­lei­ro, Rony Go­mes apro­vei­ta uma vi­a­gem à No­va Zelândia pa­ra ir além dos bo­wls da ca­pi­tal, Wel­ling­ton, e se jo­ga por al­gu­ma das pai­sa­gens mais sur­re­ais do sur­pre­en­den­te país

A ce­na é de ar­re­pi­ar.

Ska­te na mão, o pau­lis­ta­no Rony Go­mes che­ga ca­mi­nhan­do a pas­sos len­tos até a bei­ra­da do bo­wl de Wai­tan­gi Park, cons­truí­do di­an­te da baía da ci­da­de de Wel­ling­ton. O jo­vem ainda es­ta­va exaus­to de­vi­do ao fu­so ho­rá­rio de 15 ho­ras a mais da No­va Zelândia em re­la­ção a São Pau­lo – de on­de ha­via che­ga­do pou­cas ho­ras an­tes. Ao en­con­trar três ou qua­tro ska­tis­tas lo­cais que es­ta­vam na área, cum­pri­men­tou a ga­le­ra, co­men­tou al­go em in­glês so­bre a bo­wl e apoi­ou o tail do ska­te na bor­da pa­ra seu pri­mei­ro drop. Brin­cou por al­guns mi­nu­tos, lan­çou uns aé­re­os e man­dou lo­go um he­el­flip, gi­ran­do com pres­te­za o ska­te no ar. Quan­do pa­rou, Rony foi sur­pre­en­di­do por aplau­sos sin­ce­ros do gru­po de des­co­nhe­ci­dos. Hu­mil­de, agra­de­ceu e se­guiu por ali, tro­can­do idei­as e se re­ve­zan­do nas ma­no­bras com os no­vos co­le­gas. Os do­nos do pe­da­ço não sa­bi­am, mas aquele su­jei­to fran­zi­no de 26 anos,

1,70 me­tro, fa­la len­ta e olhar tran­qui­lo por trás de um par de ócu­los é um le­gí­ti­mo re­pre­sen­tan­te do Bra­zi­li­an Storm do ska­te – co­mo é cha­ma­da a ta­len­to­sís­si­ma sa­fra de atle­tas que do­mi­nam bo­wls e pis­tas em vá­ri­os even­tos mun­di­ais.

Cam­peão mun­di­al de ska­te ver­ti­cal, vi­ce na Me­ga-ram­pa e fi­na­lis­ta de vá­ri­os X-ga­mes, Ro­nal­do “Rony” Go­mes da Sil­va Filho re­ce­beu as bo­as-vin­das dis­cre­tas de um gru­po de anô­ni­mos que tam­bém não fa­zia feio na pis­ta. Ainda que dis­tan­te da re­a­li­da­de do Bra­sil, a No­va Zelândia vê des­pon­tar ca­da vez mais no­mes no ska­te na­ci­o­nal – e, da­que­le encontro, só po­di­am sair ma­no­bras bo­ni­tas de se ver. “Sem­pre ti­ve von­ta­de de an­dar no bo­wl de Wel­ling­ton, que já co­nhe­cia de ví­de­os que as­sis­ti de cam­pe­o­na­tos co­mo o Bo­wl-a-ra­ma”, con­ta Rony. Em mar­ço des­te ano, aque­la mes­ma pis­ta de Wel­ling­ton se­di­ou o Bo­wl­zil­la, tra­di­ci­o­nal even­to em que se ali­nha­ram re­ve­la­ções na­ci­o­nais, co­mo Bow­man Han­sen e Shaun Bou­cher.

Des­ta vez, ali em meio aos re­cém-ami­gos, Rony não es­ta­va vi­a­jan­do pa­ra tor­neio al­gum: ele era con­vi­da­do do pro­je­to Ter­ra­mun­di Cre­a­tors – No­va Zelândia, da ope­ra­do­ra de vi­a­gens Ter­ra­mun­di, que le­va per­so­na­li­da­des res­pei­ta­das pa­ra co­nhe­cer e di­vul­gar a agên­cia e o país de des­ti­no. Mes­mo sem com­pe­tir, o ska­tis­ta re­a­li­zou, de que­bra, o de­se­jo de dar seus aé­re­os lin­dos na­que­le bo­wl de res­pei­to. “Whe­re are you from?”, per­gun­tou um dos mo­le­ques pa­ra Rony. A res­pos­ta foi uma sur­pre­sa. “Bra­sil? Eu tam­bém sou bra­si­lei­ro”, de­vol­veu De­reck de Sou­za, ra­paz de 21 anos que já ti­nha mos­tra­do, em ação, que man­ja­va mui­to de an­dar de ska­te. Com mãe

bra­si­lei­ra e pa­dras­to kiwi, De­reck vi­ve na No­va Zelândia há no­ve anos, es­tu­da mo­da e co­me­ça a bri­lhar tam­bém co­mo um pre­co­ce es­ti­lis­ta da gri­fe de ska­te Paul Anthony, que cri­ou com um ami­go.

A sim­pa­tia do “san­gue bom” De­reck o ca­ta­pul­tou au­to­ma­ti­ca­men­te ao pos­to de guia, ami­go lo­cal e an­fi­trião de Rony na ce­na do ska­te de Wel­ling­ton. Na­que­la mes­ma tar­de, a du­pla se­gui­ria pa­ra o half­pi­pe de Ka­ro­ri, on­de o ve­te­ra­no lo­cal Craig Har­ris, 55 anos, ami­go de De­reck, em­pres­tou jo­e­lhei­ras pa­ra Rony. “Já ti­nha as­sis­ti­do às ma­no­bras do Rony no tor­neio Vert At­tack da Eu­ro­pa, ele man­da mui­to bem”, co­men­tou Har­ris, fi­gu­ra­ça lo­cal com pin­ta de Ed­die Ved­der. Ele e os cu­ri­o­sos de plan­tão fla­gra­ram um im­pro­vi­so im­pac­tan­te de Rony e De­reck jun­tos no half, dan­do um dou­ble hill­flip. Ainda mais cho­can­te foi o gi­ro de 540 graus no ar que Rony deu no fim. “O le­gal de ver gen­te de fo­ra an­dan­do nas nos­sas pis­tas é que vo­cê se ins­pi­ra a me­lho­rar, pa­ra ten­tar fa­zer igual”, diz De­reck, sem es­con­der o or­gu­lho de com­par­ti­lhar aque­la tar­de com o no­vo brother bra­si­lei­ro.

Os en­con­tros de Rony lo­go nas pri­mei­ras ho­ras da sua estreia na No­va Zelândia eram só um ape­ri­ti­vo do que es­ta­va por vir, des­de Wel­ling­ton até seu des­ti­no fi­nal, a re­gião do Mount Co­ok. Que a co­mu­ni­da­de de ska­tis­tas é mui­to aber­ta e aco­lhe­do­ra a ou­tros in­te­gran­tes da ir­man­da­de mun­di­al do es­por­te, Rony já sa­bia. Mais le­gal foi per­ce­ber tam­bém, ao lon­go dos di­as se­guin­tes, co­mo os mo­ra­do­res do país ado­ram re­ce­ber os fo­ras­tei­ros. Em Wel­ling­ton, ca­pi­tal na­ci­o­nal ha­bi­ta­da por 400 mil pes­so­as – e com uma ex­pres­si­va po­pu­la­ção de jo­vens uni­ver­si­tá­ri­os –, o pau­lis­ta­no con­fe­riu pro­gra­mas que os lo­cais cur­tem. To­mou umas na cer­ve­ja­ria ar­te­sa­nal Ga­ra­ge Pro­ject (ga­ra­ge­pro­ject. co.nz), que fun­ci­o­na em um an­ti­go pos­to de ga­so­li­na cheio de his­tó­ria, e tam­bém nos ba­res, res­tau­ran­tes e ca­fés da pul­san­te rua Cu­ba, que nos úl­ti­mos anos se trans­for­mou na mais le­gal da Ilha Sul (e, pro­va­vel­men­te, de to­da a na­ção).

Co­mo não po­dia dei­xar de ser, al­gu­mas das ex­plo­ra­ções mais di­ver­ti­das fo­ram so­bre as ro­di­nhas do ska­te. Es­pe­ci­al­men­te no pe­da­ço cê­ni­co de Wel­ling­ton por ex­ce­lên­cia: à bei­ra das águas azuis da baía de Fitz­roy, cer­ca­da por mon­ta­nhas ver­des que des­pen­cam no mar. Cheia de per­so­na­li­da­de, Wel­ling­ton é re­ple­ta de obras de gra­fi­te nos mu­ros e de ins­ta­la­ções ar­tís­ti­cas, co­mo a pas­sa­re­la de pe­des­tres City-to-sea. Rony pô­de zi­gue­za­gue­ar pra­ti­can­do stre­et ska­te, ver­ten­te do es­por­te em que se usa os obs­tá­cu­los ur­ba­nos co­mo cor­ri­mãos, pe­lo bu­le­var – e pa­ran­do pa­ra brin­car no pal­co do Bo­wl­zil­la com seus no­vos ma­nos kiwis sem­pre que sen­tia sau­da­des de fa­zer su­as ci­ne­ma­to­grá­fi­cas ma­no­bras.

MAS RONY GO­MES ti­nha pla­nos de ir além dos li­mi­tes do ska­te nes­sa sua pri­mei­ra jor­na­da na No­va Zelândia. Fas­ci­na­do por to­do ti­po de es­por­te ao ar li­vre des­de a in­fân­cia no bair­ro pau­lis­ta­no da Mo­o­ca, in­cluin­do surf e, cla­ro, fu­te­bol (ele so­nha­va ser jo­ga­dor do Co­rinthi­ans), o ska­tis­ta que­ria en­ca­rar tri­lhas a pé e de bike em seus di­as nes­se pe­que­no país da Oce­a­nia di­vi­di­do em du­as ilhas. Fo­cou na Ilha Sul, fa­mo­sa pe­la natureza exu­be­ran­te e

Em Wel­ling­ton, Rony man­dou aé­re­os no bo­wl da ci­da­de e foi aplau­di­do por lo­cais, que não sa­bi­am que ali es­ta­va um dos maiores no­mes do ska­te ver­ti­cal.

pre­ser­va­da. Mais es­pe­ci­fi­ca­men­te, na mí­ti­ca área do Mount Co­ok, na re­gião de Ch­rist­chur­ch e Can­ter­bury. Com 3.755 me­tros, a mai­or montanha da Aus­tra­lá­sia não pos­sui ape­nas um vi­su­al fe­no­me­nal, mas tam­bém é car­re­ga­da de his­tó­ria – foi ali o cam­po de trei­nos do ne­o­ze­lan­dês que se tor­na­ria o pri­mei­ro ho­mem bran­co a es­ca­lar o Eve­rest. Ed­mund Hil­lary ama­va o Mount Co­ok. An­tes de en­trar pa­ra o pan­teão dos maiores montanhistas de to­dos os tem­pos, ao che­gar ao pon­to mais al­to da Ter­ra em 1953, ao la­do do sher­pa ne­pa­lês Ten­zing Nor­gay, Hil­lary ha­via ce­le­bra­do o fei­to de en­ca­rar a te­mi­da fa­ce sul do Co­ok em 1948. Na­ti­vo de Auc­kland – mai­or ci­da­de do país e ba­se dos vo­os in­ter­na­ci­o­nais que che­gam à No­va Zelândia –, Hil­lary fez do Co­ok sua es­co­la pa­ra a em­prei­ta­da que o trans­for­ma­ria em he­rói na­ci­o­nal. Não por aca­so, em 1992, ao sa­ber que se­ria ho­me­na­ge­a­do em vi­da com seu ros­to im­pres­so na no­ta de 5 dó­la­res ne­o­ze­lan­de­ses, Hil­lary exi­giu que a montanha de fun­do não fos­se o Eve­rest – mas, sim, o Co­ok.

Es­ti­ves­se vivo, Hil­lary se or­gu­lha­ria de ver Rony e ou­tros jo­vens des­co­brin­do as ma­ra­vi­lhas do uni­ver­so outdoor do seu ter­ri­tó­rio. Es­sa era, aliás, a me­ta do Sir Ed­mund Hil­lary Outdoor Pur­suits Cen­tre, ins­ti­tui­ção de ca­ri­da­de da qu­al foi pa­tro­no por 35 anos. Por con­ta do tra­ba­lho da or­ga­ni­za­ção, o aces­so ao en­tor­no da montanha mais mí­ti­ca da No­va Zelândia vi­rou al­go in­cri­vel­men­te fá­cil. Di­fe­ren­te­men­te do que acon­te­ce com os picos mais al­tos de vá­ri­os paí­ses – co­mo o da Ne­bli­na, no ca­so do Bra­sil –, o Co­ok bri­lha co­mo a es­tre­la de um parque na­ci­o­nal on­de se che­ga se­gu­ra e ra­pi­da­men­te por es­tra­das cê­ni­cas e bem pa­vi­men­ta­das.

De­pois de cur­tir a ur­ba­ni­da­de jo­vem de Wel­ling­ton, ci­da­de que fi­ca na ponta sul da Ilha Nor­te, Rony em­bar­cou – de mo­chi­la e ska­te sem­pre a ti­ra­co­lo – em um voo de uma ho­ra pa­ra Ti­ma­ru, no li­to­ral de Ch­rist­chur­ch/ Can­ter­bury, na Ilha Sul. Se­guiu-se en­tão uma lin­da ro­ad trip de 2h30, que cru­zou o país de les­te a oes­te, até a Mount Co­ok Vil­la­ge, po­vo­a­do de montanha com 350 ha­bi­tan­tes que ser­ve co­mo ba­se do tu­ris­mo lo­cal.

Não era a pri­mei­ra vez que Rony, com 19 paí­ses ca­rim­ba­dos em seus pas­sa­por­tes, cru­za­va um país só pa­ra pra­ti­car es­por­tes. Co­mo se ve­rá na se­gun­da tem­po­ra­da do pro­gra­ma Ska­te na Van, no Ca­nal OFF, Rony e seu gru­po de ami­gos ska­tis­tas atra­ves­sou recentemente par­te dos Es­ta­dos Uni­dos e do Ca­na­dá em bus­ca de aven­tu­ras. O pon­to de par­ti­da da jor­na­da dos ca­ras foi a Ca­li­fór­nia, uma es­pé­cie de se­gun­da ca­sa de Rony, on­de ele cos­tu­ma trei­nar na fa­mo­sa Me­ga-ram­pa, no quin­tal da ca­sa do mi­to con­ter­râ­neo Bob Burn­quist. Veio de Bob, por si­nal, a ins­pi­ra­ção pa­ra Rony cri­ar seu pró­prio half-pi­pe na ca­sa da sua fa­mí­lia na ci­da­de de Ati­baia, no Es­ta­do de São Pau­lo. O lu­gar vi­ve re­ce­ben­do even­tos e cam­pe­o­na­tos e des­per­tou em Rony a fa­gu­lha pa­ra cons­truir ou­tros em­pre­en­di­men­tos se­me­lhan­tes. “So­nho em er­guer vá­ri­as pis­tas de ska­te pe­lo Bra­sil.”

A TRA­VES­SIA DA No­va Zelândia foi bem mais cur­ta que a nor­te-ame­ri­ca­na. “É im­pres­si­o­nan­te co­mo se vi­a­ja fá­cil por aqui”, co­men­ta Rony. “Tu­do é per­to, e as pai­sa­gens mu­dam mui­to de um pon­to pa­ra o ou­tro.” De fa­to, nes­sa ilha que mis­tu­ra vul­cões, fi­or­des, vi­nhe­dos e pas­ta­gens de ove­lhas, as tran­si­ções po­dem ser abrup­tas – co­mo na pas­sa­gem da pai­sa­gem li­to­râ­nea ao ní­vel do mar de Ti­ma­ru pa­ra os so­pés das maiores mon­ta­nhas do país, en­tre elas o Co­ok.

Na tra­je­tó­ria en­tre um e ou­tro, dois la­gos azuis cha­mam a aten­ção. No Te­ka­po, com uma igre­ji­nha fo­to­gê­ni­ca em uma mar­gem, dá pa­ra ver re­fle­ti­dos os picos ne­va­dos da re­gião. Já o la­go Pu­ka­ki se­ria a pa­ra­da es­co­lhi­da por Rony pa­ra um pe­dal à bei­ra d’água com a Cy­cle Jour­neys (cy­cle­jour­neys.co.nz) – com di­rei­to a ser la­de­a­do por fi­lei­ras de ár­vo­res aver­me­lha­das pe­lo ou­to­no. Com mais tem­po e pla­ne­ja­men­to, va­le a pe­na per­cor­rer o cir­cui­to de 300 km da Alps 2 Oce­an Cy­cle Trail (alps2o­ce­an.com), que li­ga o Co­ok ao mar e que cos­tu­ma ser fei­to em seis di­as.

No fim do ro­tei­ro, co­mo já ti­nha acon­te­ci­do nas pa­ra­das do ca­mi­nho, bas­tou a van es­ta­ci­o­nar em Mount Co­ok Vil­la­ge pa­ra Rony se jogar so­bre o ska­te, a fim de re­co­nhe­cer o ter­ri­tó­rio em que es­ta­va pi­san­do – ou me­lhor, ro­dan­do. Nes­se simples ro­lê no es­ta­ci­o­na­men­to da vi­la, Rony con­fir­mou o que já se no­ta­va des­de a es­tra­da: a ape­nas 12 km da­li, o Mount Co­ok se exi­be, sem ti­mi­dez, co­mo uma en­ti­da­de sa­gra­da oni­pre­sen­te. Pa­ra os ma­o­ri, et­nia de ori­gem po­li­né­sia que foi a pri­mei­ra a ha­bi­tar a No­va Zelândia, ainda no sé­cu­lo 13, aque­la en­ti­da­de mo­nu­men­tal é, sim, uma dei­da­de. Tan­to é que 20 anos atrás, em 1998, a po­pu­la­ção ma­o­ri, que ho­je re­pre­sen­ta 15% dos ha­bi­tan­tes da na­ção, con­se­guiu acres­cen­tar o no­me original da montanha, Ao­ra­ki, à al­cu­nha Mount Co­ok (que, por sua vez, foi da­da pe­los co­lo­ni­za­do­res em ho­me­na­gem ao ex­plo­ra­dor bri­tâ­ni­co Ja­mes Co­ok, pri­mei­ro na­ve­ga­dor a re­gis­trar a cir­cu­na­ve­ga­ção da No­va Zelândia).

Que aquele exi­bi­ci­o­nis­mo se­du­tor do Ao­ra­ki/mount Co­ok não en­ga­ne nem mes­mo pro­fis­si­o­nais do es­por­te co­mo Rony Go­mes: pra­ti­car mon­ta­nhis­mo sé­rio aqui é ati­vi­da­de pa­ra ex­pe­ri­en­tes. Mais de 200 pes­so­as já mor­re­ram em aci­den­tes no parque, em ge­ral sur­pre­en­di­das pe­las mu­dan­ças brus­cas de cli­ma ori­gi­na­das no Mar da Tas­mâ­nia, a oes­te, dis­tan­te ape­nas 44 km da­li. Em com­pen­sa­ção, não fal­ta be­le­za aces­sí­vel a mor­tais co­muns no en­tor­no do Co­ok e de su­as mon­ta­nhas ir­mãs dos cha­ma­dos Al­pes do Sul. Com 700 km², o Parque Na­ci­o­nal Mount Co­ok abri­ga 22 das 27 mon­ta­nhas ne­o­ze­lan­de­sas aci­ma de 3.050 me­tros de al­ti­tu­de. Bas­ta che­gar ao bem es­tru­tu­ra­do The Ed­mund Hil­lary Al­pi­ne Cen­tre, o cen­tro de apoio ao mon­ta­nhis­ta do vi­la­re­jo, pa­ra que mo­ni­to­res ori­en­tem so­bre ca­mi­nha­das – de cur­ta, mé­dia ou lon­ga du­ra­ção, se­ja em tri­lhas ou gla­ci­a­res –, pas­sei­os de bar­co, cai­a­que e a ca­va­lo, ob­ser­va­ção de es­tre­las ou so­bre­vo­os de he­li­cóp­te­ro e ski-pla­ne. O cen­tro abri­ga ainda um sim­pló­rio mu­seu con­tan­do a his­tó­ria da co­ne­xão do he­rói com o Mount Co­ok e uma sa­la de exi­bi­ção com fil­mes B so­bre o te­ma. Ali ao la­do, di­an­te do se­cu­lar ho­tel The Her­mi­ta­ge, uma es­tá­tua de bron­ze de 2,3 me­tros faz lem­brar que Ed­mund Hil­lary está por to­da par­te da vi­la. Dá qua­se pa­ra sen­tir a pre­sen­ça de seu es­pí­ri­to no The Old Moun­tai­ne­ers’ Ca­fe Bar & Res­tau­rant.

De­pois de jogar a mo­chi­la no quar­to do ho­tel, Rony de­ci­diu par­tir pa­ra en­ca­rar lo­go aque­la que é ti­da co­mo a mais bo­ni­ta das dez tri­lhas de cur­ta du­ra­ção do parque. Pe­la pri­mei­ra vez na vi­a­gem, quem te­ve de fi­car es­pe­ran­do na van foi o ska­te, um mo­de­lo da ca­li­for­ni­a­na San­ta Cruz Ska­te­bo­ards, de­se­nha­do pe­lo res­pei­ta­do Jim­bo Phil­lips e com o no­me Rony Go­mes gra­va­do na ma­dei­ra – pri­vi­lé­gio de pou­cos. En­quan­to o ska­te des­can­sa­va, seu do­no pi­ra­va em um bem de­mar­ca­do e si­na­li­za­do ca­mi­nho de qua­tro ho­ras, ida e vol­ta, pe­lo Ho­o­ker Val­ley. A tri­lha bei­ra o rio for­ma­do pe­lo der­re­ti­men­to do gla­ci­ar Ho­o­ker, pon­to fi­nal da ca­mi­nha­da em acli­ve su­a­ve.

Du­as pon­tes sus­pen­sas ao lon­go do tra­je­to sur­pre­en­dem por seus pro­je­tos de en­ge­nha­ria ou­sa­dos e dão ao trek­king um ar meio In­di­a­na

2 majnt­fi­co Parque Na­ci­o­nal Mount Co­ok, na Ilha Sul, abri­ga 22 das 27 mon­ta­nhas com mais de 3.000 me­tros da No­va Zelândia.

Rony te­ve a opor­tu­ni­da­de de di­men­si­o­nar o en­co­lhi­men­to dos gla­ci­a­res ao na­ve­gar pe­lo la­go Tas­man.

Jo­nes. É de­pois da se­gun­da de­las que o Mount Co­ok, ma­jes­ta­de de­sa­pa­re­ci­da do sky­li­ne por al­gum tem­po, vol­ta a re­lu­zir o es­plen­dor do seu pi­co ne­va­do. Sem pla­ne­jar, Rony che­gou ali quan­do o sol se pu­nha, o que ren­deu ima­gens in­crí­veis do re­fle­xo do ska­tis­ta brin­can­do de sal­tar so­bre as pe­dras do rio.

Uma pla­ca em um dos mi­ran­tes do Ho­o­ker Val­ley cha­mou a aten­ção pa­ra a re­du­ção dos gla­ci­a­res cau­sa­da pe­lo aque­ci­men­to glo­bal. Ainda que gen­te co­mo o pre­si­den­te nor­te­a­me­ri­ca­no Do­nald Trump in­sis­ta em di­zer que tu­do não pas­sa de ba­le­la, o fenô­me­no se mos­tra in­dis­far­çá­vel em um parque co­mo o Co­ok, que tem um ter­ço do seu ter­ri­tó­rio co­ber­to por ge­lo e ne­ve per­ma­nen­tes. A pla­ca com a ve­lo­ci­da­de do der­re­ti­men­to fi­ca no Al­pi­ne Me­mo­ri­al, que la­men­ta a morte de três es­ca­la­do­res na len­dá­ria ava­lan­che de 1914.

Rony te­ria a opor­tu­ni­da­de de di­men­si­o­nar o en­co­lhi­men­to dos gla­ci­a­res no dia se­guin­te ao na­ve­gar pe­lo la­go Tas­man em um bo­te in­flá­vel mo­to­ri­za­do. “Nas pe­dras do en­tor­no do la­go, dá pa­ra no­tar a mar­ca de quan­do a pa­re­de de ge­lo me­dia 150 me­tros”, apon­tou Ta­ni­ka Bo­xer, guia da Gla­ci­er Ex­plo­rers (gla­ci­e­rex­plo­rers.com) que pi­lo­ta­va a em­bar­ca­ção. “O Gla­ci­ar Tas­man tem per­di­do 100 me­tros por ano.” Na na­ve­ga­ção de uma ho­ra dri­blan­do os ice­bergs que se des­co­la­ram do gla­ci­ar, Rony e a tri­pu­la­ção ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de ver sua par­te mais bai­xa, que atu­al­men­te me­de ape­nas 30 me­tros de al­tu­ra aci­ma da su­per­fí­cie da água – um quin­to da al­tu­ra má­xi­ma que o gla­ci­ar já atin­giu.

Mai­or dos 72 gla­ci­a­res do Parque Na­ci­o­nal Mount Co­ok – e o nú­me­ro 1 em ex­ten­são no país, com 27 km –, o Tas­man só po­de ser di­men­si­o­na­do, de fa­to, por quem o ob­ser­va do al­to. Rony te­ve o pri­vi­lé­gio de avis­tar to­da aque­la gran­di­o­si­da­de fa­zen­do um so­bre­voo de uma ho­ra em um ski-pla­ne da Mount Co­ok Ski­pla­nes (mt­co­oks­ki­pla­nes.com). Quan­do vis­to do al­to, en­tre picos ne­va­dos e la­gos de al­ti­tu­de em tons de ver­de e azul, o Tas­man mos­tra a im­pres­si­o­nan­te be­le­za de su­as ra­nhu­ras e gre­tas. Ou­tros gla­ci­a­res fa­mo­sos do país, co­mo o Franz Jo­sef e o Fox, tam­bém ofus­cam os olhos com sua bran­qui­dão. E, rei­nan­do no meio de­les, está o Mount Co­ok, po­de­ro­so, ro­de­a­do em 360 graus pe­lo avião, em ins­tan­tes má­gi­cos. De­pois da over­do­se de be­le­za, che­ga a ho­ra de mai­or adre­na­li­na. “Aten­ção, pas­sa­gei­ros, pa­ra a ater­ris­sa­gem no ge­lo”, anun­cia o pi­lo­to Dan Mar­tin.

“Dá até um frio na es­pi­nha”, brin­ca Rony, en­quan­to o avião se apro­xi­ma pa­ra pou­sar na imen­si­dão bran­ca da ne­ve na par­te al­ta do gla­ci­ar. O to­que no so­lo fo­fo se mos­tra su­a­ve, mui­to mais con­for­tá­vel do que fa­ria um Bo­eing ou Air­bus no chão du­ro de um ae­ro­por­to. Em se­gui­da, vi­e­ram se­gun­dos de an­si­e­da­de ao no­tar que os es­quis da ae­ro­na­ve es­cor­re­ga­vam em di­re­ção a um dos pa­re­dões de ge­lo. Sem es­tres­se, o pi­lo­to pa­rou pou­cos me­tros an­tes, di­an­te de um gru­po de ori­en­tais que se pre­pa­ra­va pa­ra um trek­king com gram­pões no ge­lo do Tas­man. Lo­go em se­gui­da, a ae­ro­na­ve abria su­as por­tas. Rony e um se­le­to gru­po de pas­sa­gei­ros dei­xou a ae­ro­na­ve com sor­ri­sos no ros­to, se di­ver­tin­do ao sal­tar em um so­lo on­de a ne­ve che­ga até os jo­e­lhos.

“Que pi­co mui­to lou­co”, ce­le­brou Rony, em uma em­pol­ga­ção que ace­le­ra um pou­co o rit­mo tran­qui­lo que cos­tu­ma falar. Ape­sar da ex­pe­ri­ên­cia pre­mi­a­da dan­do pi­ru­e­tas nas pis­tas de ska­te e cam­pe­o­na­tos mun­do afo­ra, de Ati­baia à No­ru­e­ga, da Ca­li­fór­nia à Chi­na, aque­las ma­no­bras aé­re­as ainda eram co­nhe­ci­das por ele. “Fal­tou só o ska­te”, lem­bra o atle­ta. Seu fi­el com­pa­nhei­ro e ins­tru­men­to de tra­ba­lho mais uma vez não ti­nha po­di­do em­bar­car. Deu sau­da­de? “Quan­do eu vol­tar pa­ra a vi­la, brin­co mais um pou­co. De­vo tu­do ao ska­te. Olha só on­de ele tem me le­va­do...”

À PAISANA: Mes­mo sem seu ska­te, Rony Go­mes se des­lum­bra com a be­le­za do Parque Na­ci­o­nal Mount Co­ok, na Ilha Sul

WEL­LING­TON EM DU­AS RO­DAS: Fe­ra dos aé­re­os, Rony ex­plo­ra de ska­te as pis­tas e ru­as da ca­pi­tal da No­va Zelândia

TE­SOU­RO KIWI: Em sen­ti­do ho­rá­rio, Rony ato­la­do com ne­ve até o jo­e­lho ao de­sem­bar­car do ski pla­ne no Gla­ci­ar Tas­man; uma das pon­tes sus­pen­sas da tri­lha pe­lo Ho­o­ker Val­ley; o ska­tis­ta com o Mount Co­ok ao fun­do

SKA­TE 24/7:Rony se jo­ga no ska­te pa­ra fa­zer o re­co­nhe­ci­men­to da área do parque Mount Co­ok; na pá­gi­na à esq., ele pe­da­la à bei­ra do la­go Pu­ka­ki

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.