FU­GA PER­FEI­TA

Go Outside (Brazil) - - GO OUTSIDE -

NOS­SA AFINADA EQUI­PE DE VI­A­GENS ELEGEU OS ME­LHO­RES PICOS DE SURF, POUSADAS FOFAS, DESTINOS DE NE­VE E PRAIAS DOS SO­NHOS, EN­TRE OU­TRAS ATRA­ÇÕES LON­GE DE CI­DA­DES GRAN­DES PA­RA VO­CÊ CO­NHE­CER O MUN­DO EM FÉ­RI­AS INESQUECÍVEIS

WASHINGTON (EUA)

Em 2017, dois sur­fis­tas de Se­at­tle, mai­or ci­da­de do Es­ta­do de Washington, trans­for­ma­ram um ho­tel de bei­ra de es­tra­da do sé­cu­lo pas­sa­do em West­port num cen­tro co­mu­ni­tá­rio pa­ra quem qu­er vi­si­tar os picos sur­fá­veis da re­gião. A Lo­ge Camps con­si­de­ra to­dos os or­ça­men­tos e tem quar­tos pri­va­dos e co­le­ti­vos e uma área de cam­ping. Além dis­so, ofe­re­ce pran­chas pa­ra alugar. Pou­cas ho­ras em di­re­ção ao in­te­ri­or, em Le­a­venworth, a Lo­ge Camps cons­truiu uma vi­la de montanha no es­ti­lo bá­va­ro, pró­xi­ma ao rio We­nat­chee, com um “pé na ne­ve” em al­guns dos mais po­pu­la­res destinos de es­qui e moun­tain bike do es­ta­do. A área tem to­das as co­mo­di­da­des da se­de, mas com o bô­nus de uma ofi­ci­na de es­qui e de moun­tain bike. Há até um es­pa­ço de trei­na­men­to on­de vo­cê po­de apri­mo­rar su­as ha­bi­li­da­des em si­tu­a­ções de ava­lan­ches. A par­tir de US$ 135; lo­ge­camps.com

– GRAHAM AVERILL

QUIRGUISTÃO

Em 2009, Ryan Kou­pal, nas­ci­do nos Es­ta­dos Uni­dos, vi­a­jou pa­ra o re­mo­to nor­des­te des­ta re­pú­bli­ca na Ásia Cen­tral pa­ra es­qui­ar e foi ime­di­a­ta­men­te fis­ga­do por sua be­le­za. Ago­ra ele re­ce­be grupos de até oi­to pes­so­as, de ja­nei­ro a mar­ço, nas Mon­ta­nhas Ti­en Shan, bus­can­do os es­qui­a­do­res no ae­ro­por­to de Bish­kek e os le­van­do de van e ôni­bus mi­li­tar so­vié­ti­co pa­ra um acam­pa­men­to na Cor­di­lhei­ra Ters­key-ala­too. A du­ra jor­na­da até lá va­le a pe­na. “Pa­re­ce que vo­cê está es­qui­an­do em um me­tro de açú­car”, diz Ryan. “Não há qua­se na­da além de gran­des en­cos­tas de ne­ve fo­fa e re­cen­te.” Dá pa­ra pas­sar uma se­ma­na des­cen­do en­cos­tas vir­gens de ne­ve fres­ca, dor­mir em uma ca­ba­na yurt tra­di­ci­o­nal do Quirguistão com fo­gão a le­nha e se re­a­bas­te­cer com pra­tos tra­di­ci­o­nais, co­mo car­ne e en­so­pa­do de ba­ta­ta e so­pa de be­ter­ra­ba e re­po­lho. É ne­ces­sá­rio ter ex­pe­ri­ên­cia em es­qui fo­ra de pis­ta. A par­tir de US$ 2.750; 40tri­bes­back coun­try.com – AVERY STONICH

SRI LANKA

Há al­guns anos in­ven­ta­ram o ter­mo “glam­ping”, ver­são gla­mou­ro­sa de cam­ping. Mas há lu­ga­res que vão além, co­mo o be­lo Wild Co­ast Ten­ted Lod­ge, no Oce­a­no Ín­di­co, mon­ta­do no qua­se in­to­ca­do la­do su­des­te do Sri Lanka. Con­for­me o país foi se re­cu­pe­ran­do de uma guer­ra ci­vil de dé­ca­das, uma equi­pe de ar­qui­te­tos ho­lan­de­ses, in­gle­ses e lo­cais cri­ou uma sé­rie de 28 ten­das no es­ti­lo ca­su­lo, cons­truí­das com te­ci­dos à pro­va d’água, te­ca e bam­bu pa­ra se ca­mu­fla­rem com a sel­va, a praia e as pai­sa­gens repletas de pe­dras. Nos pas­sei­os pe­lo ri­co Parque Na­ci­o­nal de Ya­la, vo­cê po­de ter a sor­te gran­de de ver ur­sos-ne­gros, le­o­par­dos, ele­fan­tes e ma­ca­cos, en­quan­to no sul e no oes­te vo­cê en­con­tra­rá de­ze­nas de points de surf de­ser­tos com água mor­na e swells con­sis­ten­tes, mui­tos dos quais são fá­ceis o su­fi­ci­en­te pa­ra ini­ci­an­tes. A par­tir de US$ 445, com re­fei­ções in­clu­sas; res­plen­dent­cey­lon.com — STEPHANIE PEARSON

CO­LO­RA­DO (EUA)

Al­guns ba­res va­lem uma vi­a­gem es­pe­ci­al. O Bre­ad Bar, pa­da­ria do sé­cu­lo 19 que vi­rou um im­pro­vá­vel pon­to de encontro na pe­que­na e an­ti­ga ci­da­de mi­nei­ra de Sil­ver Plu­me, no Es­ta­do do Co­lo­ra­do, é um de­les. A 45 mi­nu­tos de car­ro de Den­ver, o Rocky Moun­tain Bar ser­ve uma se­le­ção de vi­nhos lo­cais e cer­ve­jas ar­te­sa­nais, além de co­que­téis ba­ti­za­dos em ho­me­na­gem a per­so­na­gens re­gi­o­nais. Pal­mas pa­ra o drin­que de te­qui­la e re­fri­ge­ran­te de gra­pe­fruit com sal de la­va na bor­da do co­po. No verão, ban­das se apre­sen­tam no pá­tio, en­quan­to os chefs dos me­lho­res res­tau­ran­tes de Den­ver pre­pa­ram pra­tos clás­si­cos, co­mo san­duí­ches de fran­go fri­to e quei­jo gre­lha­do com la­gos ta. bre­ad­barsp.com — JEN MURPHY

ROMÊNIA

Com abun­dân­cia de es­tra­di­nhas e pai­sa­gem va­ri­a­da de mon­ta­nhas e pla­nal­tos, a Romênia está fi­nal­men­te ob­ten­do re­co­nhe­ci­men­to co­mo um pa­raí­so pa­ra os ci­clis­tas. De maio a ou­tu­bro, a agên­cia Slow Cy­clist ofe­re­ce vi­a­gens de cinco di­as pa­ra o co­ra­ção da Tran­sil­vâ­nia, te le­van­do a tran­qui­las al­dei­as sa­xãs, pra­da­ri­as de flo­res sil­ves­tres e flo­res­tas de car­va­lhos que abri­gam uma das maiores po­pu­la­ções de ur­so e lo­bo da Eu­ro­pa. Vo­cê vi­a­ja­rá de 30 a 60 km por dia, com pa­ra­das pa­ra pro­cu­rar tru­fas e ex­plo­rar al­dei­as e seu es­ti­lo de vi­da tra­di­ci­o­nal. O per­noi­te se dá em pousadas simples e ca­sas res­tau­ra­das do sé­cu­lo 18, com re­fei­ções co­mo la­sa­nha de re­po­lho e be­bi­das tí­pi­cas, co­mo a aguar­den­te de amei­xa ca­sei­ra. A par­tir de US$ 1.665; thes­lowcy­clist.co.uk – J.M.

CA­LI­FÓR­NIA (EUA)

Es­pre­mi­do en­tre o Oce­a­no Pa­cí­fi­co e as Mon­ta­nhas de San­ta Lú­cia, o no­vo re­sort Ven­ta­na Big Sur tem vis­ta pa­ra a cos­ta do fa­bu­lo­so es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no. A vi­be é de ca­ba­na des­con­traí­da (em­bo­ra, na ver­da­de, se­ja lu­xu­o­so), com 59 quar­tos e bar­ra­cas so­fis­ti­ca­das, es­con­di­das em um pe­que­no câ­ni­on en­tre as se­quoi­as. Há ba­nhos quen­tes ja­po­ne­ses, au­las de yo­ga e tai chi e pis­ci­na com bor­da in­fi­ni­ta com vis­ta pa­ra o mar. Um tre­cho pró­xi­mo da Highway 1 é o fa­vo­ri­to dos ci­clis­tas. Pa­ra os sur­fis­tas, há um aces­so fá­cil pa­ra um pe­que­no point bre­ak na foz do Big Sur Ri­ver. E, ca­mi­nhan­do, é pos­sí­vel che­gar a vá­ri­as praias re­mo­tas no An­drew Mo­le­ra Lo­op ou co­nhe­cer as se­quoi­as do parque Pfeif­fer Big Sur. A par­tir de US$ 675; ven­ta­na­big­sur.com — G.A.

CU­BA

De­vi­do ao fa­to de Cu­ba ter fi­ca­do iso­la­da por tan­to tem­po, a ilha ainda pos­sui al­guns dos mais es­pe­ta­cu­la­res re­ci­fes de co­rais in­tac­tos e ecos­sis­te­mas tro­pi­cais do mun­do. A me­lhor ma­nei­ra de vê-los? Re­man­do com a Cu­ba Un­bound, uma ope­ra­do­ra da ROW Ad­ven­tu­res, que recentemente fez par­ce­ri­as com em­pre­sas lo­cais pa­ra ofe­re­cer o úni­co pas­seio de cai­a­que dis­po­ní­vel no la­do les­te do país. A vi­a­gem de oi­to di­as co­me­ça na ci­da­de de Hol­guín, e a par­tir daí vo­cê ex­plo­ra­rá a cos­ta nor­te, des­li­zan­do so­bre os vi­bran­tes re­ci­fes de co­rais cé­re­bro e gorgô­ni­as (co­ral-le­que), na­dan­do com peixes-pa­lha­ço e se hos­pe­dan­do no ho­tel Cayo Sa­e­tía em uma ilha na Bahia de Ni­pe, um re­ti­ro da dé­ca­da de 1970 pa­ra a eli­te co­mu­nis­ta do país. Quan­do não es­ti­ver re­man­do, vo­cê po­de fa­zer ca­mi­nha­das em mon­ta­nhas pou­co co­nhe­ci­das no Parque Na­ci­o­nal Ale­jan­dro de Hum­boldt e pas­sa­rá pe­la Cu­e­va de los Pa­na­de­ros, ri­ca em cris­tais. Seu pas­seio tam­bém po­de mis­tu­rar tours por ci­da­des clás­si­cas, co­mo Ba­ra­coa e San­ti­a­go de Cu­ba, co­nhe­ci­da co­mo o ber­ço da mú­si­ca afro-cu­ba­na. Na mai­o­ria das noi­tes, vo­cê fi­ca­rá em ca­sas par­ti­cu­la­res – os bed & bre­ak­fast cu­ba­nos –, re­la­xan­do e se de­li­ci­an­do com re­fei­ções ca­sei­ras tí­pi­cas e simples, re­ga­das a cer­ve­ja Bu­ca­ne­ro. A par­tir de US$ 3.590; cu­baun­bound.com — TIM NEVILLE

ALAS­CA (EUA)

Há sé­cu­los os ur­sos-po­la­res se reú­nem nos ban­cos de areia per­to de Kak­to­vik, uma co­mu­ni­da­de es­qui­mó Inu­pi­at na cos­ta nor­te do Arc­tic Na­ti­o­nal Wil­dli­fe Re­fu­ge, no Alas­ca. Lá eles de­vo­ram as car­ca­ças de ba­lei­as cap­tu­ra­das em agos­to e se­tem­bro por ca­ça­do­res de sub­sis­tên­cia. A vi­la ofe­re­ce uma ma­nei­ra ini­gua­lá­vel de ver um dos pre­da­do­res mais len­dá­ri­os do mun­do... e, com a mu­dan­ça cli­má­ti­ca ame­a­çan­do o há­bi­tat des­sas cri­a­tu­ras, a ho­ra de vê-los é ago­ra. Os gui­as lo­cais não le­vam mais do que seis pes­so­as em pe­que­nos bar­cos aber­tos, ofe­re­cen­do uma vi­são im­pres­si­o­nan­te da pai­sa­gem e da ação. A 30 me­tros de distância, vo­cê ve­rá as mães e seus fi­lho­tes dan­do cam­ba­lho­tas na praia e brin­can­do de lu­ta com ma­chos de 2,5 me­tros de al­tu­ra em um ce­ná­rio de areia, água e céu. A par­tir de US$ 1.899, in­cluin­do o voo de ida e vol­ta de três ho­ras de Fair­banks; norther­na­las­ka.com — KATE SIBER

PE­RU

Vir­gi­lio Mar­ti­néz aju­dou a co­lo­car Li­ma no ma­pa cu­li­ná­rio glo­bal quan­do abriu o Cen­tral, um res­tau­ran­te elei­to o me­lhor do país em 2012 pe­lo guia de res­tau­ran­tes pe­ru­a­no Sum­mum. Com seu no­vo pro­je­to, Mil, o chef di­re­ci­o­nou o fo­co pa­ra o ver­de­jan­te Va­le Sa­gra­do pe­ru­a­no, sua fon­te fa­vo­ri­ta de in­gre­di­en­tes de al­ti­tu­des ele­va­das. Lo­ca­li­za­do per­to das ruí­nas in­cas de Mo­ray, nos ar­re­do­res de Cuz­co, o res­tau­ran­te ofe­re­ce cu­li­ná­ria an­di­na pre­pa­ra­da com téc­ni­cas an­ti­gas, co­mo a pa­cha­man­ca, uma chur­ras­quei­ra sub­ter­râ­nea. Os cli­en­tes en­tram no res­tau­ran­te de 40 lu­ga­res cru­zan­do o la­bo­ra­tó­rio de ali­men­tos. Lá fo­ra, a equi­pe tra­ba­lha em um bra­sei­ro de as­sar mi­lho e ba­ta­tas. Um dos in­crí­veis pra­tos de de­gus­ta­ção é uma ho­me­na­gem à ba­ta­ta (o país pro­duz mais de 4.000 va­ri­e­da­des). É bom avi­sar: o res­tau­ran­te Mil fi­ca a 3.500 me­tros de al­ti­tu­de, en­tão uma úni­ca cer­ve­ja ar­te­sa­nal pe­ru­a­na pro­va­vel­men­te se­rá o su­fi­ci­en­te pa­ra te dei­xar de pi­le­qui­nho. A par­tir de US$ 145; cen­tral­res­tau­ran­te.com.pe — J.M.

NO­VA ESCÓCIA

Pro­cu­ran­do point bre­aks de surf só pa­ra vo­cê? Em­ba­le seu wet­suit de 6 mm e cor­ra pa­ra a pro­vín­cia ma­rí­ti­ma ca­na­den­se de No­va Escócia, on­de a tem­po­ra­da de swell vai de agos­to a no­vem­bro. Se vo­cê for hard­co­re de ver­da­de, vá em de­zem­bro ou ja­nei­ro – tal­vez te­nha que des­vi­ar de pe­da­ços de ge­lo na água, po­rém é qua­se ga­ran­ti­do que as on­das se­rão lon­gas e só pa­ra vo­cê. Ni­co Ma­nos, sur­fis­ta pro­fis­si­o­nal da No­va Escócia, ofe­re­ce au­las e alu­ga pran­chas em La­wren­ce­town Be­a­ch, 25 km a les­te de Ha­li­fax (a par­tir de US$ 75; ec­surfs­cho­ol.com). Se as on­das não es­ti­ve­rem bom­ban­do – ou se vo­cê sur­fou a pon­to de qua­se ter hi­po­ter­mia –, ru­me pa­ra o in­te­ri­or do su­do­es­te da pe­nín­su­la, em di­re­ção à la­rei­ra do Trout Point Lod­ge. Ani­nha­da no parque To­be­a­tic Wil­der­ness, uma das maiores áre­as pro­te­gi­das do les­te do Ca­na­dá, a pro­pri­e­da­de de 400 mil me­tros qua­dra­dos con­ta com um as­trô­no­mo pa­ra aju­dar os hós­pe­des a iden­ti­fi­ca­rem as fre­quen­tes chu­vas de me­te­o­ros da re­gião. A par­tir de US$ 263; trout­point.com – J.M.

NEPAL

Nas se­ma­nas que se se­gui­ram ao ter­re­mo­to de abril de 2015, a fo­tó­gra­fa ne­pa­le­sa Nayan Ta­ra Gu­rung Kaksha­pa­ti, de 33 anos, co­or­de­nou uma re­de de res­ga­tes na pou­sa­da da fa­mí­lia. Com obras ex­pos­tas em mu­seus, ga­le­ri­as e pra­ças pú­bli­cas do dis­tri­to la­bi­rín­ti­co de Pa­tan, a Pho­to KTM se tor­nou um au­tên­ti­co even­to in­ter­na­ci­o­nal, atrain­do cer­ca de 400 mil vi­si­tan­tes e pa­tro­ci­na­do­res, co­mo o Ins­ta­gram e a Na­ti­o­nal Ge­o­graphic So­ci­ety. Mas a exposição man­tém sua at­mos­fe­ra. Pas­se­ar por es­sas ru­as é co­mo es­co­lher sua pró­pria aven­tu­ra em um lu­gar cheio de his­tó­ria, cer­ca­do pe­la ar­te do pre­sen­te do­lo­ro­so. Pa­ra ar­re­ca­dar fun­dos pa­ra aju­dar a re­cons­truir a re­gião, a Pho­to KTM ven­de im­pres­sões das fo­tos, mas a ad­mis­são aos lo­cais de exposição é gra­tui­ta. Fi­que em Swotha Ho­mes, um con­for­tá­vel bed & bre­ak­fast em Pa­tan (quar­tos du­plos a par­tir de US$ 71; tra­di­ti­o­na­lho­mes.com.np). — ABE STREEP

ITÁ­LIA

Mes­mo pa­ra os pa­drões ita­li­a­nos, a re­gião da Pu­glia, no sul, é um lu­gar par­ti­cu­lar­men­te amis­to­so – e mui­to me­nos vi­si­ta­do do que o nor­te. Mas não de­ve con­ti­nu­ar as­sim por mui­to tem­po, gra­ças à sua es­pe­ta­cu­lar lo­ca­li­za­ção no Mar Adriá­ti­co, aos fru­tos do mar, vi­la­re­jos com ca­sas cai­a­das em mon­ta­nhas e pla­ní­ci­es pa­ra ca­mi­nhar e an­dar de bi­ci­cle­ta. Em Bor­go Eg­na­zia, um es­ta­be­le­ci­men­to fa­mi­li­ar de 155 quar­tos, per­to da vi­la cos­tei­ra de Sa­vel­le­tri, os hós­pe­des fi­cam imer­sos na cul­tu­ra lo­cal e têm um guia que com­par­ti­lha di­cas via What­sapp. Quan­do vo­cê não es­ti­ver na au­la de preparação de mas­sas, ins­cre­va-se pa­ra um pe­dal de um dia com o ex-ciclista pro­fis­si­o­nal An­to­nel­lo Lo­si­to no vi­zi­nho Va­le de Itria e pas­se por vi­la­re­jos en­so­la­ra­dos e mais vi­nhe­dos do que se po­de con­tar. Gu­ar­de es­pa­ço no estô­ma­go: a re­gião da Pu­glia é es­pe­ci­a­lis­ta em co­zi­nha api­men­ta­da e ofe­re­ce de­lí­ci­as co­mo o quei­jo cre­mo­so bur­ra­ta e mas­sas ar­te­sa­nais co­mo orec­chi­et­te com bró­co­lis de ra­be, tí­pi­co do Me­di­ter­râ­neo. A par­tir de US$ 249; bor­go­eg­na­zia.com — J.M.

TAS­M­NIA

A Tas­mâ­nia dá a sensação de fim do mun­do. A ilha­es­ta­do aus­tra­li­a­na – pon­to de par­ti­da pa­ra os ci­en­tis­tas a ca­mi­nho da An­tár­ti­da – é aben­ço­a­da com uma vas­ti­dão de­ser­ta e um li­to­ral im­pres­si­o­nan­te. Co­me­ce pe­la ca­pi­tal, Ho­bart, no Mu­seu de Ar­te An­ti­ga e No­va, um bun­ker sub­ter­râ­neo com ins­ta­la­ções per­tur­ba­do­ras. De­pois, si­ga pa­ra o nor­te até o Parque Na­ci­o­nal Frey­ci­net pa­ra en­con­trar uma praia es­pe­ta­cu­lar atrás da ou­tra. Fa­ça do Ed­ge of the Bay Re­sort a sua ca­sa, um cha­lé eco­ló­gi­co en­can­ta­dor so­bre a água (a par­tir de US$ 310; ed­ge­ofthe­bay.com.au). Dá pa­ra pe­gar on­da em Bi­che­no, ali per­to. Em se­gui­da, si­ga pa­ra Port Arthur pa­ra co­nhe­cer a tri­lha Th­ree Ca­pes ou vá pa­ra o in­te­ri­or des­bra­var o Parque Na­ci­o­nal Cra­dle Moun­tain-la­ke St. Clair. Pre­fe­re um pou­co de lu­xo? Con­fi­ra as ca­mi­nha­das das cha­ma­das Gre­at Walks of Aus­tra­lia, es­pe­ci­al­men­te a de três noi­tes de hos­pe­da­gem no Bay of Fi­res Lod­ge

Walk (gre­atwalk­so­faus­tra­lia.com.au).

— MARY TURNER

SER­RA DA MANTIQUEIRA

É per­to das maiores ci­da­des do Rio de Ja­nei­ro, São Pau­lo e Mi­nas Ge­rais, ofe­re­ce al­gu­mas das mais be­las pai­sa­gens de montanha do país, agra­da ci­clis­tas, corredores, es­ca­la­do­res e ou­tros es­por­tis­tas e con­ta com uma va­ri­e­da­de de pousadas e bons res­tau­ran­tes pa­ra aque­cer a al­ma. O ma­ci­ço da Mantiqueira pos­sui 500 km de ex­ten­são e se lo­ca­li­za na di­vi­sa dos três es­ta­dos. São Ben­to do Sa­pu­caí, Mon­te Ver­de e San­to Antô­nio do Pi­nhal são mais fa­mo­sos, mas a ser­ra vai mui­to além dis­so. Nas cer­ca­ni­as de Cru­zei­ro (SP), por exem­plo, es­tão ce­ná­ri­os de ma­res de mor­ros que, no in­ver­no, bri­lham com a luz do en­tar­de­cer em di­as se­cos. O Pi­co dos Ma­rins (2.420 me­tros) é ou­tra tri­lha de fô­le­go – vá na com­pa­nhia de gui­as, que co­nhe­cem bem a re­gião, pa­ra evi­tar se per­der ou pas­sar su­fo­co por ali. No sul de Mi­nas, Aiu­ru­o­ca pre­sen­teia o vi­si­tan­te com ca­cho­ei­ras e al­tos ro­lês de bike, ra­pel, ti­ro­le­sa etc. Lá, hos­pe­de-se na tra­di­ci­o­nal Fa­zen­da São Pe­dro (a par­tir de R$ 343; fa­zen­da­sa­o­pe­dro.com.br) — ERI­KA SAL­LUM

AR­GEN­TI­NA

Se vo­cê já quis co­nhe­cer Alex Hon­nold, Con­rad An­ker, Rick Rid­geway ou Kris Tomp­kins, aqui está a sua chan­ce. Em no­vem­bro, a Wil­der­ness Tra­vel ofe­re­ce uma ex­cur­são úni­ca pe­lo co­ra­ção da Pa­tagô­nia, que co­me­ça com um sim­pó­sio de qua­tro di­as no Parque Na­ci­o­nal Los Gla­ci­a­res. En­tre as pa­les­tras de Alex so­bre sua car­rei­ra co­mo es­ca­la­dor e de Kris so­bre ter­ras pú­bli­cas na Amé­ri­ca do Sul, há tem­po pa­ra pas­se­ar no parque, as­sis­tir a fil­mes co­mo A Li­ne Across the

Sky, um do­cu­men­tá­rio so­bre a via que Alex abriu com Tommy Caldwell na tra­ves­sia do Fitz Roy, e re­la­xar sob picos an­di­nos no Don Los Cer­ros Bou­ti­que Ho­tel & Spa. Quan­do as au­las ter­mi­na­rem, vo­cê te­rá cinco op­ções pa­ra ex­plo­rar a re­gião. Nos­sa es­co­lha é a jor­na­da de vi­da selvagem de 13 di­as, com ob­ser­va­ção de or­cas na Pe­nín­su­la Val­dés, na Ar­gen­ti­na, e a chan­ce de ver on­ças em re­cu­pe­ra­ção nas ter­ras úmi­das de Ibe­rá, fi­na­li­zan­do com as 275 imen­sas que­das das Ca­ta­ra­tas do Igua­çu. A par­tir de US$ 8.595; wil­der­nes­s­tra­vel.com — S.P.

RIO DE JA­NEI­RO

A ci­da­de mais be­la do Bra­sil é tam­bém a mais po­lê­mi­ca. Cri­me, de­sor­ga­ni­za­ção ge­ne­ra­li­za­da, fal­ta de pla­ne­ja­men­to ur­ba­no e tra­pa­lha­das go­ver­na­men­tais afu­gen­tam mi­lha­res de tu­ris­tas do país e do mun­do que po­de­ri­am co­nhe­cer me­lhor es­sa pé­ro­la. Re­sul­ta­do de uma pe­cu­li­ar sim­bi­o­se en­tre natureza e aglo­me­ra­ção hu­ma­na, o Rio tem de tu­do um pou­co: praia, montanha, par­ques, vi­da no­tur­na, pas­sei­os mil. Mas, se as praias ainda são a atra­ção mais fa­mo­sa, a gran­de sur­pre­sa pa­ra o vi­si­tan­te está mes­mo nas mon­ta­nhas – es­pe­ci­al­men­te ma­ra­vi­lho­sas pa­ra quem pe­da­la. Picos co­mo a Vis­ta Chi­ne­sa, Pai­nei­ras, a su­bi­da do Cris­to e joi­as pou­co co­nhe­ci­das dos fo­ras­tei­ros, co­mo o Su­ma­ré, são um bál­sa­mo pa­ra quem cur­te pe­da­lar pa­ra va­ler. O Bas­tar­da Ca­fé (bas­tar­da.com.br) reú­ne ci­clis­tas pa­ra um bom ca­fé e ba­te-pa­po. Pa­ra sa­ber on­de ro­lam os pe­dais, dê uma pas­sa­di­nha na bike shop Re­na­to Es­trel­la do Jar­dim Bo­tâ­ni­co (re­na­to­es­trel­la.com.br) e pe­ça in­for­ma­ções pa­ra os sim­pá­ti­cos fun­ci­o­ná­ri­os de lá. Fo­ra da bike, dá pa­ra co­nhe­cer a pé o Parque Na­ci­o­nal da Ti­ju­ca (par­que­da­ti­ju­ca.com.br). – E.S.

MÉXICO

Qu­er dor­mir em uma ca­sa na ár­vo­re per­to das praias de San Jo­sé del Ca­bo, nas ter­ras de um dos me­lho­res res­tau­ran­tes e des­ti­la­ri­as de mez­cal do México? Des­de sua inau­gu­ra­ção, em 2015, o Acre vem atrain­do gour­mets com seus am­bi­ci­o­sos me­nus de de­gus­ta­ção e mez­cal Es­pa­din e Ce­ni­zo. Es­con­di­da en­tre pal­mei­ras de tamanho ju­rás­si­co, a cons­tru­ção foi er­gui­da em um bos­que de man­guei­ras, e os hós­pe­des são en­co­ra­ja­dos a pas­sar a noi­te em uma das 12 ca­sas na ár­vo­re, fa­zer au­las de yo­ga e or­de­nhar ca­bras ou ex­plo­rar as ci­da­des de San Bar­to­lo e

Los Bar­ri­les. Ainda que rús­ti­cas, as aco­mo­da­ções têm ca­mas king-si­ze e ter­ra­ços es­pa­ço­sos pa­ra ob­ser­var as es­tre­las. Vo­cê vai ador­me­cer ao som da bri­sa e acor­dar pa­ra to­mar o ca­fé da ma­nhã cor­te­sia de beig­nets de ba­na­na e chi­la­qui­les. A par­tir de US$ 275; acre­ba­ja.com — J.M.

UBATUBA

O li­to­ral en­tre São Pau­lo e o Rio de Ja­nei­ro está en­tre os mais be­los do mun­do, sem exa­ge­ros. A ma­ta atlân­ti­ca pre­ser­va­da nas en­cos­tas de mor­ros faz um con­tras­te per­fei­to com as águas azuis-es­ver­de­a­das do Oce­a­no Atlân­ti­co. Mais afas­ta­da das agi­ta­ções de São Se­bas­tião, o mu­ni­cí­pio de Ubatuba, já pró­xi­mo ao Es­ta­do do

Rio de Ja­nei­ro, é uma joia com praias in­cri­vel­men­te tran­qui­las, de­pen­den­do da épo­ca do ano. No in­ver­no, cur­ta o ca­lor­zi­nho do sol na Ilha do Pru­mi­rim, que se lo­ca­li­za 700 me­tros dis­tan­te da cos­ta, de fren­te pa­ra a praia de mes­mo no­me. Não é pos­sí­vel per­noi­tar na ilha, mas bar­qui­nhos de pes­ca­do­res lo­cais fa­zem a tra­ves­sia a pre­ços ca­ma­ra­das. Na cos­ta, hos­pe­de-se na pou­sa­da bou­ti­que Villa 353 (re­ser­vas pe­lo bo­o­king.com, a par­tir de R$ 375 na bai­xa tem­po­ra­da). — E.S.

FLÓRIDA (EUA)

A tem­po­ra­da de fu­ra­cões do ano pas­sa­do con­tor­nou a re­gião de South Wal­ton, uma be­la bar­rei­ra de ilho­tas com 42 km. A área tam­bém está fo­ra do ra­dar dos tu­ris­tas, que de al­gu­ma for­ma ig­no­ram sua imen­si­dão de 320 km de tri­lhas e 100 km2 de par­ques es­ta­du­ais e flo­res­tas. Pla­ne­je pe­lo me­nos uma se­ma­na pa­ra atin­gir os pontos im­por­tan­tes: pe­da­lar por uma sé­rie de pon­tes de co­ne­xão pe­los pe­que­nos bair­ros à bei­ra-mar, pra­ti­car stand-up pad­dle nos la­gos das du­nas cos­tei­ras e pes­car. Hos­pe­de-se no Pe­arl Ho­tel, uma pou­sa­da bou­ti­que à bei­ra-mar, pa­ra apre­ci­ar a vis­ta do pôr do sol no gol­fo (a par­tir de US$ 349; the­pe­arlrb.com), e alu­gue uma pran­cha da agên­cia Yo­lo Bo­ard and Bike (yo­lo­bo­ard.com). Ter­mi­ne o dia com os­tras no Shunk Gul­ley Oys­ter Bar, em ho­me­na­gem ao re­ci­fe de pes­ca his­tó­ri­co que fi­ca di­re­ta­men­te ao sul. — S.P.

a. West­port, Washington b, e. Quirguistão c, d. Wild Co­ast Ten­ted Lod­ge, Sri Lanka f. Le­a­venworth, Washington

a, b. Bre­ad Bar, Co­lo­ra­do c, f. Tran­sil­vâ­nia, Romênia d, e. Big Sur, Ca­li­fór­nia

a–d. Flo­res­ta tro­pi­cal, ce­nas cu­ba­nas e cai­a­que

a. Kak­to­vik, Alas­ca b, f. Res­tau­ran­tes Cen­tral e Mil, no Pe­ru c. Rio Kon­ga­kut, Alas­ca d. Trout Point Lod­ge, No­va Escócia e. Surf na No­va Escócia a

a a, d. Kat­man­du, Nepal b, c, f. Pu­glia, Itá­lia e. Parque Na­ci­o­nal Cra­dle Moun­tain-la­ke St. Clair, na Tas­mâ­nia

a. Ser­ra da Mantiqueira b, c. Los Gla­ci­a­res, Chal­tén, Ar­gen­ti­na

a–d. Ce­nas da vi­da ci­clís­ti­ca nas mon­ta­nhas do Rio de Ja­nei­ro

a, d. Acre, San Jo­sé del Ca­bo, México b. Stand-up pad­dle na Flórida c. Ubatuba (SP)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.