“Sal­va pe­las Ha­vai­a­nas”

Go Outside (Brazil) - - PRIMEIRA PÁGINA -

“DE TAN­TOS lu­ga­res que já vi­si­tei no mun­do, não con­si­go me es­que­cer da pas­sa­gem pe­la tri­bo afri­ca­na Mas­sai. De­ci­di vi­ver um tem­po em meio àque­la co­mu­ni­da­de pa­ra en­ten­der me­lhor seus cos­tu­mes – uma ex­pe­ri­ên­cia meio ‘ma­lu­ca’, cheia de des­co­ber­tas, apren­di­za­dos e até de uma con­fu­são enor­me que eu não ti­nha ideia de que iria cau­sar.

Tu­do co­me­çou ao pou­sar na Áfri­ca do Sul e se­guir ru­mo à re­gião do Se­ren­ge­ti, no nor­des­te da Tan­zâ­nia, que faz di­vi­sa com o su­des­te do Quê­nia. É por ali que ocor­re a mai­or mi­gra­ção ter­res­tre de animais do pla­ne­ta, um fenô­me­no que ti­nha me ins­ti­ga­do de­mais e que eu pre­ci­sa­va ver de per­to. Eles cru­zam to­do ano o rio Ma­ra em bus­ca das águas da chu­va. A tra­ves­sia em si é um lo­cal re­ple­to de cro­co­di­los, um pe­ri­go pa­ra lá de re­al. Qu­er di­zer, es­ta­mos fa­lan­do de um lu­gar selvagem de ver­da­de.

É por es­sas ban­das que vi­vem os Mas­sai, o úni­co gru­po au­to­ri­za­do a atra­ves­sar a fron­tei­ra dos paí­ses man­ten­do seus cos­tu­mes se­minô­ma­des. E é pa­ra lá que eu par­ti, de co­ra­ção e men­te aber­ta, sem sa­ber exa­ta­men­te o que iria en­con­trar. Fui bem re­ce­bi­da, a pon­to de ser acei­ta pa­ra vi­ver al­guns di­as exa­ta­men­te co­mo eles.

Na vi­da Mas­sai, as ta­re­fas são bem di­vi­di­das. Mu­lhe­res cons­tro­em e cui­dam das ca­sas. Ho­mens sa­em pa­ra ca­çar. Mu­lhe­res fa­zem uma dan­ça tí­pi­ca, ba­ten­do seus pés des­cal­ços no chão e seus gran­des brin­cos nas ore­lhas. Já os ho­mens dão sal­tos enor­mes – um mo­vi­men­to que vi­rou sím­bo­lo da tri­bo e até se es­pa­lhou em ví­de­os e fo­tos pe­lo mun­do.

No meio dis­so tu­do, de­ci­di sair um dia jun­to dos ho­mens pa­ra ca­çar. Eu que­ria vi­ver aqui­lo e não pen­sei exa­ta­men­te nas con­sequên­ci­as. Sim­ples­men­te fui. Só tem um de­ta­lhe: na tra­di­ção lo­cal is­so é to­tal­men­te proi­bi­do. Quan­do eu vol­tei, ex­ta­si­a­da com to­da a vi­vên­cia, per­ce­bi que o cli­ma es­ta­va ten­so. To­dos na tri­bo já sa­bi­am do ‘ab­sur­do’ que eu, sem per­ce­ber, ti­nha co­me­ti­do. A mi­nha sensação era de que aqui­lo não ia aca­bar bem.

Os ho­mens es­ta­vam as­sus­ta­dos, e as mu­lhe­res, com uma cara de es­pan­to que não da­va pa­ra dis­far­çar. O lí­der da tri­bo, en­tão, pa­re­cia fu­ri­o­so. E eu... bom, eu pre­ci­sa­va fa­zer al­gu­ma coi­sa. Ten­tei me co­mu­ni­car com o ‘ca­ci­que’ – uma mis­são na­da fá­cil no meio da Áfri­ca. Não sei de on­de veio a ideia, mas lem­brei do par de Ha­vai­a­nas que me acom­pa­nha­va nos úl­ti­mos di­as. Ti­nha até a ban­dei­ra do Bra­sil.

Fiz um ges­to simples e ofe­re­ci mi­nhas Ha­vai­a­nas co­mo meu ato fi­nal – sin­ce­ro e desesperado – de des­cul­pas. Ufa! Deu mais do que cer­to. Elas en­cai­xa­ram per­fei­ta­men­te nos pés do ca­ci­que. Ele até sor­riu na ho­ra. E tu­do aca­bou bem.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.