Vi­va a Pa­tagô­nia

CO­MO O GO­VER­NO CHI­LE­NO E A VIÚ­VA DO FUN­DA­DOR DA MAR­CA THE NORTH FA­CE ES­TÃO CON­SE­GUIN­DO TRANS­FOR­MAR MI­LHÕES DE HEC­TA­RES EM ÁRE­AS PRO­TE­GI­DAS NA PA­TAGÔ­NIA

Go Outside (Brazil) - - ÍNDICE - POR STEPHANIE PEARSON

Co­mo o go­ver­no chi­le­no e em­pre­sá­ri­os es­tão sal­van­do ter­ras sel­va­gens no Chile

más per­fec­to pa­ra Di­os que la Bel­le­za.”

A his­tó­ri­ca fra­se do au­tor e de­fen­sor do meio am­bi­en­te es­co­cês-ame­ri­ca­no John Muir, pu­bli­ca­da ori­gi­nal­men­te há 80 anos, soa bem em es­pa­nhol (Não há sinô­ni­mo mais per­fei­to pa­ra Deus que a Be­le­za). Es­sas pa­la­vras es­tão en­cra­va­das na par­te de trás de uma pla­ca de ma­dei­ra pen­du­ra­da na en­tra­da do Ce­men­te­rio Val­le Cha­ca­bu­co, um pe­que­no ce­mi­té­rio ro­de­a­do por mu­ros de pe­dras e de­ze­nas de gua­na­cos que pas­tam nas es­te­pes mar­rons dos 309 mil hec­ta­res do Parque Na­ci­o­nal Pa­tagô­nia.

Es­se pe­da­ço de ci­vi­li­za­ção en­cra­va­do na selvagem re­gião de Ay­sén, no Chile, gu­ar­da os res­tos de Doug Tomp­kins. Doug, co­fun­da­dor das mar­cas The North Fa­ce e Es­prit, e sua es­po­sa, Kris­ti­ne, EX-CEO da Pa­ta­go­nia, são len­dá­ri­os con­ser­va­ci­o­nis­tas que co­me­ça­ram com­pran­do cen­te­nas de mi­lha­res de hec­ta­res de ter­ras no Chile e na Ar­gen­ti­na du­ran­te os anos 1990. Em 2015, Doug mor­reu em um acidente de cai­a­que no Ge­ne­ral Car­re­ra, um enor­me la­go de água azul-tur­que­sa nas re­don­de­zas. Mas seu es­pí­ri­to de fi­lan­tro­po está em to­do lu­gar, de seu pe­que­no avião de car­ga so­bre a pis­ta de gra­ma à águia-chi­le­na que ar­re­me­te voo em ci­ma da se­de do parque. O co­di­no­me de rá­dio de Doug era Águi­la – águia em es­pa­nhol. É co­mo se ele ti­ves­se re­al­men­te to­ma­do a for­ma do pás­sa­ro após sua morte.

Pres­tei meus res­pei­tos a Doug, atra­ves­sei uma es­tra­da de ter­ra e ca­mi­nhei por um pu­nha­do de tri­lhas que so­bem qua­se 1.000 me­tros até uma ca­deia de la­gos al­pi­nos. À me­di­da que eu ga­nho al­ti­tu­de, as es­tru­tu­ras de pe­dra e os jar­dins or­gâ­ni­cos da se­de do parque de­sa­pa­re­cem den­tro da am­pli­dão do vas­to Val­le Cha­ca­bu­co. Ao lon­ge, os pon­tu­dos picos bran­cos dos An­des se so­bres­sa­em no céu.

John Muir te­ria gos­ta­do da vis­ta. Cha­me-a Deus ou Be­le­za, a pai­sa­gem é ex­tra­or­di­ná­ria. As­sim é a “lou­ca ge­o­gra­fia” do Chile, ter­mo uti­li­za­do apro­pri­a­da­men­te pe­lo es­cri­tor chi­le­no Ben­ja­mín Su­ber­ca­se­aux, em 1941, pa­ra des­cre­ver as po­de­ro­sas for­ças na­tu­rais que de­ram for­ma a seu país. Em tem­pos atu­ais, on­de áre­as sel­va­gens cor­rem ris­co em paí­ses tão di­ver­sos quan­to os Es­ta­dos Uni­dos e o Bra­sil, uma área pro­te­gi­da co­mo es­sa é um es­pe­tá­cu­lo a ser con­tem­pla­do.

No Chile, está acon­te­cen­do o opos­to ao que ocor­re nos Es­ta­dos Uni­dos, por exem­plo. Em ja­nei­ro, a ex­tro­ver­ti­da en­tão pre­si­den­te Mi­chel­le Ba­che­let, que es­ta­va ter­mi­nan­do seu man­da­to, e Kris­ti­ne Tomp­kins as­si­na­ram um de­cre­to tor­nan­do 4 mi­lhões de no­vos hec­ta­res em áre­as ver­des na­ci­o­nais. Co­mo par­te da de­ci­são, o go­ver­no chi­le­no ce­deu 3,6 mi­lhões de hec­ta­res de ter­ras fe­de­rais e Kris­ti­ne do­ou 400 mil hec­ta­res de ter­ras pri­va­das pa­ra aju­dar na cri­a­ção do Parque Na­ci­o­nal Pu­ma­lín- Dou­glas R. Tomp­kins, o parque on­de es­tou ago­ra. O de­cre­to pro­te­ge uma área equi­va­len­te a três ve­zes o tamanho dos fa­mo­sos par­ques na­ci­o­nais nor­te-ame­ri­ca­nos de Yo­se­mi­te e de Yel­lows­to­ne jun­tos. Ba­si­ca­men­te, o pla­no prin­ci­pal é cri­ar uma Ro­ta dos Par­ques, co­nec­tan­do 17 par­ques na­ci­o­nais, uma co­la­bo­ra­ção en­tre a Tomp­kins Con­ser­va­ti­on, a or­ga­ni­za­ção que en­glo­ba to­das as or­ga­ni­za­ções sem fins lu­cra­ti­vos dos Tomp­kins, e o go­ver­no chi­le­no.

Che­go ao pri­mei­ro la­go gla­ci­al, no flan­co mais ao nor­te do Cer­ro Ta­man­gui­to, a 1.486 me­tros de al­ti­tu­de, e ten­to ir até Pi­ca­flor y Águi­la, um lu­gar ide­al pa­ra um pi­que­ni­que na mar­gem de uma la­goa on­de Kris­ti­ne e Doug acam­pa­ram pe­la pri­mei­ra vez no co­me­ço dos anos 1990 (o co­di­no­me de rá­dio de Kris­ti­ne era Pi­ca­flor, bei­ja-flor em es­pa­nhol). Eles fi­ca­ram tão en­can­ta­dos com o Val­le Cha­ca­bu­co, en­tão uma fa­zen­da de 69 mil hec­ta­res, que vol­ta­ram di­ver­sas ve­zes pa­ra cá.

Mais tar­de o ca­sal a com­prou em par­ce­ria com o tam­bém nor­te-ame­ri­ca­no Yvon Choui­nard, fun­da­dor da mar­ca de ar­ti­gos outdoor Pa­ta­go­nia, e sua es­po­sa, Ma­lin­da. Am­bos fi­ze­ram ge­ne­ro­sas do­a­ções e par­ti­ci­pa­ram do con­se­lho so­bre aqui­si­ção de ter­ras da Tomp­kins Con­ser­va­ti­on ao lon­go dos anos.

“Quan­do vi­mos Cha­ca­bu­co pe­la pri­mei­ra vez”, dis­se-me Yvon, “ha­via ape­nas aquele va­le ima­cu­la­do. Es­tá­va­mos acam­pan­do em um lu­gar pe­que­no de­li­mi­ta­do por ár­vo­res ála­mos. Foi quan­do de­ci­di­mos com­prar a fa­zen­da dos Smets, uma fa­mí­lia bel­ga que era do­na de um ran­cho de ove­lhas. Eles es­ta­vam ten­tan­do so­bre­vi­ver ven­den­do quei­jo. Mas não era um quei­jo bom – ti­nha um gos­to fe­do­ren­to de cur­ral que o tor­na­va im­pra­ti­cá­vel pa­ra o co­mér­cio.” Os Smets aca­ba­ram ven­den­do a pro­pri­e­da­de a uma das or­ga­ni­za­ções sem fins lu­cra­ti­vos dos Tomp­kins em 2004.

Da­qui do mi­ran­te on­de es­tou, é fá­cil se dei­xar le­var pe­la vas­ti­dão aci­den­ta­da e ro­mân­ti­ca do lu­gar. Mas não se po­de ig­no­rar to­da a his­tó­ria por trás dis­so tu­do, de tra­ba­lho du­ro, in­cluin­do ne­go­ci­a­ções de tran­sa­ções de ter­ras, cri­a­ção de fron­tei­ras de par­ques e der­ru­ba­da de mi­lha­res de pos­tes de cer­cas pa­ra o res­ta­be­le­ci­men­to de um ecos­sis­te­ma que ago­ra atrai gua­na­cos, nan­dus-de-darwin (um pa­ren­te da aves­truz) e pe­lo me­nos 30 pu­mas.

“Amo co­me­çar coi­sas do ze­ro”, diz Kris­ti­ne quan­do con­ver­sa­mos de­pois da vi­a­gem. Ela es­ta­ria no parque du­ran­te mi­nha vi­si­ta, mas te­ve que fi­car mais tem­po nos Es­ta­dos Uni­dos cui­dan­do da sua mãe de 99 anos, que fa­le­ceu al­guns me­ses de­pois. “É uma ta­re­fa di­fí­cil de re­a­li­zar, mas es­se é o iní­cio do que se­rá uma das maiores ro­tas de par­ques na­ci­o­nais do mun­do.”

A RO­TA dos par­ques ainda é um con­cei­to va­go nes­te mo­men­to. A mai­o­ria dos par­ques já foi de-

Em tem­pos atu­ais, on­de áre­as sel­va­gens cor­rem ris­co em paí­ses tão di­ver­sos quan­to os Es­ta­dos Uni­dos e o Bra­sil, uma área pro­te­gi­da co­mo es­sa é um es­pe­tá­cu­lo a ser con­tem­pla­do.

sig­na­da área pro­te­gi­da, e a Tomp­kins Con­ser­va­ti­on do­ou ter­ras a oi­to de­les. A ro­ta aca­ba­rá sen­do frou­xa­men­te co­nec­ta­da por 2.400 km de es­tra­das e bal­sas, com­bi­nan­do os 1.240 km da no­to­ri­a­men­te es­car­pa­da Car­re­te­ra Aus­tral com tra­ves­si­as aquá­ti­cas e ou­tras es­tra­das ainda mais ao sul.

A ro­ta co­me­ça ime­di­a­ta­men­te ao sul de Pu­er­to Montt, no Parque Na­ci­o­nal Aler­ce An­di­no, e ter­mi­na no Parque Na­ci­o­nal do Ca­bo Horn, uma sé­rie de ilhas e ca­nais na Ter­ra do Fo­go, um ar­qui­pé­la­go ao sul do pon­to mais ao sul da Amé­ri­ca do Sul. Uma vez que to­dos os par­ques te­nham si­do de­cre­ta­dos, o que está pre­vis­to pa­ra ocor­rer em bre­ve, a ro­ta cri­a­rá o mai­or cor­dão de par­ques na­ci­o­nais do mun­do, reu­nin­do picos es­car­pa­dos, gla­ci­a­res cor de água-ma­ri­nha, vul­cões si­mé­tri­cos, ri­os lei­to­sos, fi­or­des com la­te­rais abrup­tas e flo­res­tas na­ti­vas.

Es­tou vi­a­jan­do com meu na­mo­ra­do, Bri­an Hay­den, e es­ta­mos ten­tan­do re­a­li­zar a ab­sur­da mis­são de ex­plo­rar a mai­or quan­ti­da­de de par­ques na­ci­o­nais chi­le­nos que pu­der­mos em ape­nas um mês. Co­me­çan­do em Pu­er­to Montt, on­de a Car­re­te­ra Aus­tral co­me­ça, nos­so pla­no é di­ri­gir qua­se to­da a es­tra­da, pe­gar uma bal­sa na al­deia de Pu­er­to Yun­gay, di­ri­gir ou­tras 44 ho­ras em di­re­ção sul até Pu­er­to Na­ta­les, per­to do icô­ni­co Parque Na­ci­o­nal de Tor­res del Pai­ne, e aca­bar no Parque Na­ci­o­nal de Yen­de­gaia, na selvagem Ter­ra do Fo­go. Apro­xi­ma­da­men­te um quar­to das ter­ras des­se parque foi com­pra­do por uma das or­ga­ni­za­ções sem fins lu­cra­ti­vos de Tomp­kins de um tra­fi­can­te de dro­gas en­car­ce­ra­do em 1998 e de­pois as ter­ras fo­ram do­a­das ao go­ver­no em 2014.

Co­mo os chi­le­nos gos­tam de di­zer, a Pa­ta­go­nia está “en paña­les” (está de fral­das) quan­do se tra­ta de de­sen­vol­vi­men­to, o que tor­na o po­ten­ci­al re­cre­a­ti­vo ao lon­go da Ro­ta dos Par­ques ili­mi­ta­do. Os vi­a­jan­tes po­dem fa­zer trek­kings em gla­ci­a­res sus­pen­sos, pe­da­lar de moun­tain bike em sin­gle­tracks isolados, re­mar de cai­a­que em ri­os ima­cu­la­dos, vi­a­jar com uma mo­chi­la nas cos­tas por ter­ras vas­tas e va­zi­as, es­ca­lar cen­te­nas de vias ainda não iden­ti­fi­ca­das de pa­re­des de ro­cha, mon­tar a ca­va­lo em re­giões inex­plo­ra­das e ha­bi­ta­das ape­nas por gaú­chos ou re­a­li­zar a pri­mei­ra as­cen­são de al­gu­ma montanha pe­lo simples fa­to de po­der dar um no­me a ela – co­mo Doug Tomp­kins e Yvon Choui­nard fi­ze­ram com o Cer­ro Kris­ti­ne, de 2.286 me­tros, em 2009.

Nos­so pla­no tem al­gu­mas di­fi­cul­da­des, con­cre­ta­men­te o fa­to de que es­ta­mos di­ri­gin­do em di­re­ção ao sul, uma re­gião po­ten­ci­al­men­te ne­va­da e con­ge­la­da no fim do ou­to­no, e pre­ci­sa­mos se­guir um cro­no­gra­ma aper­ta­do pa­ra che­gar a tem­po de pe­gar a bal­sa, que fun­ci­o­na ape­nas uma vez por se­ma­na, pa­ra Pu­er­to Yun­gay. Pla­ne­jar es­tar a tem­po em qual­quer lu­gar da Car­re­te­ra Aus­tral é nu­trir fal­sas ilu­sões. O di­ta­dor chi­le­no Au­gus­to Pi­no­chet co­me­çou a cons­truir a fa­mo­sa ro­do­via em 1976, usan­do mais de 10.000 sol­da­dos pa­ra di­na­mi­tar as en­cos­tas das mon­ta­nhas, for­ta­le­cer bar­rei­ras ao re­dor de pre­ci­pí­ci­os e cor­tar a den­sa flo­res­ta tro­pi­cal. Ela le­vou 24 anos pa­ra ser cons­truí­da e al­ter­na tre­chos de as­fal­to, cas­ca­lho e ter­ra, além de pos­suir qua­tro áre­as que per­ma­ne­ce­ram im­pe­ne­trá­veis e exi­gem tra­ves­si­as em bal­sa.

Nós não se­ría­mos os pri­mei­ros a pre­ci­sar de um pla­no re­ser­va em uma ro­ad trip na Pa­tagô­nia. Em 1968, os ago­ra fa­mo­sos Fun Hogs – Doug Tomp­kins, Yvon Choui­nard, Dick Dorworth e Li­to Te­ja­da-flo­res – di­ri­gi­ram da Ca­li­fór­nia à Ar­gen­ti­na, pa­ran­do pa­ra pe­gar Chris Jo­nes no Pe­ru. A jor­na­da de­les in­cluiu uma es­pe­ta­cu­lar as­cen­são ao Fitz Roy, um dos picos mais téc­ni­cos do mun­do. A Car­re­te­ra Aus­tral não exis­tia na­que­la épo­ca, en­tão os ca­ras ti­ve­ram que cru­zar a fron­tei­ra do Chile pa­ra a Ar­gen­ti­na, o que exi­gia bas­tan­te gra­na – mui­to mais do que os Fun Hogs ti­nham – pa­ra che­gar ao sul pe­la Ro­ta 40.

“Doug, que era ti­po um de­lin­quen­te ju­ve­nil, dis­se: ‘Va­mos dar um jei­to’”, lem­bra Yvon. “Che­ga­mos a Pu­er­to Montt e com­pra­mos um se­lo que tam­pa­va a par­te que di­zia que nos­so car­ro não es­ta­va au­to­ri­za­do a cir­cu­lar na Ar­gen­ti­na e no Bra­sil. Por US$ 3, en­tra­mos na Ar­gen­ti­na.”

Os Fun Hogs ins­pi­ra­ram mi­nha pri­mei­ra vi­a­gem ao Chile, em 2000.

Pas­sei uma se­ma­na, fo­ra da tem­po­ra­da de tu­ris­mo, fa­zen­do trek­kings no Parque Na­ci­o­nal Tor­res del Pai­ne, que me pa­re­ceu es­car­pa­do, re­mo­to e va­zio. De­pois vo­ei até o nor­te da Pa­tagô­nia e des­co­bri o ver­da­dei­ro sig­ni­fi­ca­do de va­zio. Pe­guei uma bike em­pres­ta­da pa­ra pe­da­lar ao lon­go da Car­re­te­ra Aus­tral, can­tan­do a ple­nos pul­mões ro­de­a­da por uma pai­sa­gem com­ple­ta­men­te in­to­ca­da.

Em ou­tu­bro de 2015, vol­tei a Pu­er­to Va­ras, uma ci­da­de na re­gião de Los La­gos, no Chile, on­de co­nhe­ci Doug Tomp­kins em uma con­fe­rên­cia. “Es­pe­ra­mos cri­ar 12 par­ques na­ci­o­nais”, ele me dis­se na épo­ca. Doug ves­tia uma blu­sa de go­la al­ta pre­ta, ti­nha um vas­to ca­be­lo bran­co e me pa­re­ceu uma ver­são um pou­co mais ani­ma­da de Andy Warhol. “Va­mos ver se con­se­gui­re­mos fa­zer is­so. A pro­te­ção am­bi­en­tal en­ca­ra opo­si­ção on­de qu­er que se­ja. O uso do ter­ri­tó­rio é a ques­tão mais de­li­ca­da emo­ci­o­nal e po­li­ti­ca­men­te que exis­te. Ve­ja o ca­so do Parque Na­ci­o­nal de Grand Te­ton, nos EUA. Meu Deus, hou­ve uma re­vol­ta ar­ma­da lá! Vo­cê tem que es­pe­rar anos, pa­gar o que de­ve, con­quis­tar res­pei­to e co­me­ter a me­nor quan­ti­da­de de er­ros pos­sí­vel pa­ra con­se­guir pre­ser­var ter­ras.”

O ca­so de amor de Doug com o Chile foi pro­fun­do. Ele co­me­çou a ex­plo­rar o país aos 18 anos e de­pois pas­sou o mai­or tem­po que pô­de lá, ao mes­mo tem­po que di­ri­gia su­as du­as em­pre­sas. Em 1991, ele ti­nha acu­mu­la­do uma for­tu­na, mas o con­su­mis­mo o amar­gu­ra­va. De­sem­bol­sou uma boa quan­ti­da­de de di­nhei­ro e com­prou uma pre­cá­ria fa­zen­da no sul de Pu­er­to Montt, no fim de um fi­or­de chi­le­no. A mai­or par­te da fa­zen­da ago­ra faz par­te do Parque Pu­ma­lín–dou­glas R. Tomp­kins.

Em 1994, ele se ca­sou com Kris­ti­ne, e ao lon­go dos anos os dois in­ves­ti­ram mais de US$ 500 mi­lhões ali – de su­as fi­nan­ças pes­so­ais, da Tomp­kins Con­ser­va­ti­on e de par­cei­ros que pen­sa­vam co­mo eles – pa­ra pro­te­ger mi­lhões de hec­ta­res no Chile e na Ar­gen­ti­na e pa­ra fi­nan­ci­ar ou­tros pro­je­tos am­bi­en­tais. Os Tomp­kins não fo­ram sem­pre bem vis­tos pe­los chi­le­nos: al­guns de­les os con­si­de­ra­vam ne­o­co­lo­ni­a­lis­tas e es­pa­lha­vam ru­mo­res – co­mo o de que es­ta­vam cri­an­do um cul­to ou que en­che­ri­am su­as ter­ras de bú­fa­los nor­te-ame­ri­ca­nos. En­tre­tan­to, ao lon­go dos anos, o ca­sal

A ro­ta aca­ba­rá sen­do frou­xa­men­te co­nec­ta­da por 2.400 km de es­tra­das e bal­sas, com­bi­nan­do os 1.240 km da no­to­ri­a­men­te es­car­pa­da Car­re­te­ra Aus­tral com tra­ves­si­as aquá­ti­cas e ou­tras es­tra­das ainda mais ao sul.

con­quis­tou a con­fi­an­ça dos lo­cais e do go­ver­no. Dois me­ses de­pois que co­nhe­ci Doug, ele fa­le­ceu.

“Doug re­pre­sen­tou o iní­cio do mo­vi­men­to am­bi­en­tal no Chile”, diz Yvon. “Quan­do ele co­me­çou, es­pe­ci­al­men­te du­ran­te a épo­ca de Pi­no­chet, se al­guém se opu­nha ao go­ver­no era uma pes­soa mor­ta. Não ha­via or­ga­ni­za­ções am­bi­en­tais – ne­nhu­ma. Mas é pro­vá­vel que Kris­ti­ne te­nha con­se­gui­do mais do que Doug se ele ainda es­ti­ves­se vivo. Ele era bas­tan­te ás­pe­ro. Kris é mais di­plo­má­ti­ca. Ela fez um tra­ba­lho fun­da­men­tal na ges­tão da­que­les par­ques.” E Kris­ti­ne ainda não ter­mi­nou. Na Ar­gen­ti­na, a Tomp­kins Con­ser­va­ti­on está tra­ba­lhan­do com o go­ver­no na cri­a­ção de vá­ri­os par­ques na­ci­o­nais, in­cluin­do o Ibe­rá, o mais im­por­tan­te de to­dos, com 138 mil hec­ta­res. Lá, em ju­nho des­te ano, dois fi­lho­tes de ja­guar nas­ce­ram pe­la pri­mei­ra vez em qua­se meio sé­cu­lo.

A BE­LE­ZA DA RO­TA DOS PAR­QUES é de­fi­ni­da por quão vas­ta­men­te di­fe­ren­tes são ca­da uma de su­as re­giões. Al­gu­mas pos­su­em gla­ci­a­res, ou­tras têm flo­res­tas tem­pe­ra­das úmi­das, e ou­tras, am­bas as coi­sas. Al­gu­mas não têm es­tra­das, ou­tras con­tam com lod­ges lu­xu­o­sos e re­quin­ta­dos. E ainda mais di­ver­sas que os par­ques são as pes­so­as que os vi­si­tam. Co­nhe­ce­mos um chi­le­no com um vi­o­lão pen­du­ra­do no om­bro no sul da Pa­tagô­nia que vi­a­ja­va de ca­ro­na até Ma­chu Pic­chu. Um ca­sal sul-afri­ca­no que ha­via com­pra­do uma van Che­vro­let na Ca­li­fór­nia e es­ta­va di­ri­gin­do em di­re­ção ao sul em es­ti­lo Fun Hog to­tal. Um nor­te-ame­ri­ca­no que ti­nha es­tre­a­do sua fat bike Sal­sa Mu­kluk no Alas­ca e que ago­ra gi­ra­va li­vre­men­te pe­la Car­re­te­ra Aus­tral. E um ocu­pa­do CEO ale­mão que ti­nha vo­a­do até um lod­ge de lu­xo em Tor­res del Pai­ne e ten­ta­va fa­zer a mai­or quan­ti­da­de pos­sí­vel de trek­kings em uma se­ma­na.

To­dos es­ses vi­a­jan­tes es­tão des­lum­bra­dos com a quan­ti­da­de de natureza selvagem da­qui. Um bom exem­plo é o Parque Na­ci­o­nal de Qu­eu­lat. Cer­ca de 20 km ao sul da al­deia de Puyuhu­a­pi, a en­tra­da de Qu­eu­lat é uma es­tra­di­nha de ter­ra de uma fai­xa que mais pa­re­ce a en­tra­da de uma ga­ra­gem. O parque, aber­to em 1983 du­ran­te o re­gi­me de Pi­no­chet, foi ba­ti­za­do na lín­gua do ex­tin­to po­vo nô­ma­de cho­no pe­lo som fei­to por su­as ca­cho­ei­ras. Co­mo em Qu­eu­lat a pre­ci­pi­ta­ção at­mos­fé­ri­ca che­ga a 3.987 mm ao ano, há uma boa quan­ti­da­de de­las, co­mo a ca­cho­ei­ra de 640 me­tros de al­tu­ra que des­pen­ca do Ven­tis­que­ro Col­gan­te, um gla­ci­ar sus­pen­so. A me­lhor for­ma de vê-lo é atra­ves­san­do uma pon­te de cor­da que cam­ba­leia so­bre o rio Ven­tis­que­ro e de­pois ca­mi­nhar 5 km com qua­se 400 me­tros de des­ní­vel po­si­ti­vo por uma flo­res­ta tro­pi­cal pa­ra ter uma vis­ta que en­glo­ba o gla­ci­ar, a ca­cho­ei­ra, os picos que a ro­dei­am e o la­go azul lei­to­so de sua ba­se.

Fi­ca­mos igual­men­te des­lum­bra­dos de­bai­xo dos picos ba­sál­ti­cos do Parque Na­ci­o­nal de Cer­ro Cas­til­lo, 370 km ao sul de Qu­eu­lat, uma área que an­tes ha­via si­do uma re­ser­va na­tu­ral. Che­ga­mos à al­deia de Cer­ro Cas­til­lo bem a tem­po de mon­tar nos­sa bar­ra­ca no lo­cal re­ser­va­do pa­ra acam­pa­men­to atrás da Sen­de­ros Pa­ta­go­nia, um al­ber­gue e ope­ra­do­ra de tu­ris­mo. O lo­cal foi aber­to em 2011 por Cris­ti­an Vi­dal, um re­no­ma­do trei­na­dor de ca­va­los cu­ja fa­mí­lia se es­ta­be­le­ce­ra no va­le nos anos 1930, e sua es­po­sa nor­te-ame­ri­ca­na, Mary Brys. Os dois se co­nhe­ce­ram no Chile em 2007, en­quan­to Mary ter­mi­na­va seu mes­tra­do em tu­ris­mo sustentável. Cris­ti­an era seu guia de hi­pis­mo.

Bri­an e eu mon­ta­mos acam­pa­men­to, pre­pa­ra­mos um ma­car­rão em nos­so fo­ga­rei­ro, acom­pa­nha­do por um vi­nho Car­ménè­re chi­le­no en­quan­to ad­mi­rá­va­mos o pôr do sol la­ran­ja por ci­ma dos 2.675 me­tros do Cer­ro Cas­til­lo, a montanha que dá no­me ao parque.

“Uau, pa­re­ce es­tar tão lon­ge”, dis­se Bri­an, re­fe­rin­do-se ao nos­so ob­je­ti­vo do dia se­guin­te, um pi­co um pou­co me­nor co­ber­to por nu­vens es­cu­ras. A pre­vi­são é de ne­ve, e es­ta­mos pre­pa­ra­dos pa­ra uma noi­te fria. O al­ber­gue bri­lha ama­re­lo de­bai­xo de

nós e está lo­ta­do, so­bre­tu­do de jo­vens da ge­ra­ção do mi­lê­nio que vi­a­jam de ca­ro­na. A Sen­de­ros Pa­ta­go­nia é es­pe­ci­a­li­za­da em expedições de lon­ga distância a ca­va­lo. Mas Cris­ti­an e Mary aca­bam de se tor­nar os ad­mi­nis­tra­do­res ofi­ci­ais das tri­lhas do no­vo parque na­ci­o­nal e tra­ba­lha­rão de per­to com a Cor­po­ra­ção Na­ci­o­nal Flo­res­tal do Chile (Co­naf), que ad­mi­nis­tra os par­ques do país, su­per­vi­si­o­nan­do a cons­tru­ção de tri­lhas, mis­sões de bus­ca e sal­va­men­to, cer­ti­fi­can­do gui­as e fa­zen­do os pri­mei­ros es­tu­dos so­bre a ca­pa­ci­da­de do parque. A área é um ímã pa­ra es­ca­la­do­res de ro­cha (exis­tem ali mais de 200 vias), es­qui fre­e­ri­de e trek­king, com vi­si­tan­tes que acam­pam ao lon­go do cir­cui­to de 50 km co­nhe­ci­do co­mo Las Hor­que­tas, fei­to nor­mal­men­te em cinco di­as. De acor­do com Mary, a aten­ção re­ce­bi­da pe­lo parque au­men­tou dras­ti­ca­men­te os pre­ços dos imó­veis da al­deia de Cer­ro Cas­til­lo nos úl­ti­mos dois anos.

“Está se tor­nan­do um des­ti­no bem pro­cu­ra­do, mas há ta­ma­nha fal­ta de in­fra­es­tru­tu­ra que is­so tu­do é um pou­co as­sus­ta­dor”, diz Mary, pas­san­do An­to­nio, o bebê de 5 me­ses do ca­sal, a Cris­ti­an, ao mes­mo tem­po que in­di­ca a ro­ta do nos­so trek­king de ama­nhã so­bre o ma­pa. “É su­pe­ra­ni­ma­dor pen­sar no que o go­ver­no e a Tomp­kins Con­ser­va­ti­on es­tão fa­zen­do. Es­ta­mos tes­te­mu­nhan­do al­go his­tó­ri­co. Mas há mui­tas ques­tões sem res­pos­tas pa­ra os ha­bi­tan­tes da­qui so­bre co­mo is­so afe­ta­rá su­as cul­tu­ras.”

É uma pre­o­cu­pa­ção le­gí­ti­ma, co­mo apren­do no dia se­guin­te. Cha­co­a­lha­mos a fi­na ca­ma­da de ge­lo que co­bria nos­sa bar­ra­ca e en­tra­mos no parque com Fran­cis­co Pon­ce, guia da Sen­de­ros Pa­ta­go­nia. Nos­so trek­king de ida e vol­ta, de 16 km, pa­re­ceu mais clas­si­ca­men­te al­pi­no, sal­tan­do so­bre ri­a­chos, pas­san­do pe­lo acam­pa­men­to-ba­se da escalada do Cer­ro Cas­til­lo e ter­mi­nan­do em um va­le am­plo e ne­va­do no pé de uma ser­ra in­ti­mi­dan­te. A ca­mi­nha­da é fan­tás­ti­ca, mas pa­ra che­gar à es­sa par­te do parque ti­ve­mos que pu­lar uma cer­ca e an­dar uns 2 km por ter­ras pri­va­das. “Tra­ta-se de um ato le­gal”, diz Fran­cis­co, “por­que a Sen­de­ros Pa­ta­go­nia pa­ga uma ta­xa ao pro­pri­e­tá­rio da ter­ra, mas não é o pon­to de en­tra­da ide­al pa­ra o parque, es­pe­ci­al­men­te pa­ra uma tri­lha que ago­ra re­ce­be cer­ca de 25 ca­mi­nhan­tes por dia e que, de­vi­do aos li­mi­tes de or­ça­men­to da Co­naf, con­ta ape­nas com três ou qua­tro guar­das flo­res­tais pa­ra mo­ni­to­rá-la.”

A cri­a­ção de par­ques na­ci­o­nais sem­pre foi uma pri­o­ri­da­de no Chile. To­dos os pre­si­den­tes que cum­pri­ram seus man­da­tos inteiros des­de 1926 ex­pan­di­ram o sis­te­ma de par­ques, que ago­ra to­ta­li­za 21,2% do país. Em to­dos os lu­ga­res que vi­si­to, per­gun­to aos lo­cais o que eles pen­sam dos no­vos par­ques. A mai­o­ria se diz ani­ma­da, mas acres­cen­ta sem­pre que a si­tu­a­ção “es com­pli­ca­da”. Mui­tos ex­pres­sam pre­o­cu­pa­ções so­bre co­mo os par­ques vão im­pac­tar as co­mu­ni­da­des lo­cais e co­mo o país ad­mi­nis­tra­rá tan­tos mi­lhões adi­ci­o­nais de hec­ta­res pro­te­gi­dos.

Em­bo­ra a mai­o­ria dos par­ques não che­gue nem per­to dos 250.000 vi­si­tan­tes que Tor­res del Pai­ne re­ce­be anu­al­men­te, até mes­mo es­se parque con­ta com um or­ça­men­to li­mi­ta­do de US$ 2 mi­lhões ao ano e pos­sui ape­nas 30 guar­das flo­res­tais tra­ba­lhan­do em tem­po in­te­gral pa­ra su­per­vi­si­o­nar 1.120 km2. Os de­ta­lhes fi­nais da Ro­ta dos Par­ques – fron­tei­ras exa­tas, re­cru­ta­men­to de pes­so­al ne­ces­sá­rio, or­ça­men­tos – ainda pre­ci­sam ser re­sol­vi­dos. “O fi­nan­ci­a­men­to de áre­as pro­te­gi­das é um gran­de de­sa­fio no mun­do in­tei­ro, e no Chile o ce­ná­rio é si­mi­lar”, diz Ri­chard Tor­res Pi­nil­la, ge­ren­te de áre­as sel­va­gens pro­te­gi­das da Co­naf, por e-mail. Ele ex­pli­cou que, além de fi­nan­ci­a­men­to fe­de­ral, o di­nhei­ro pa­ra ad­mi­nis­trar e man­ter os par­ques vi­ria de go­ver­nos lo­cais e re­gi­o­nais e de vá­ri­as ou­tras or­ga­ni­za­ções na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais.

A Co­naf planeja co­me­çar a ad­mi­nis­trar os no­vos par­ques em abril de 2019. A Tomp­kins Con­ser­va­ti­on co­la­bo­ra­rá com a Co­naf du­ran­te, pe­lo me­nos, os pró­xi­mos dez anos, es­pe­ci­al­men­te nos pro­gra­mas de res­ta­be­le­ci­men­to e re­a­bi­li­ta­ção da vi­da selvagem que a or­ga­ni­za­ção cri­ou nos par­ques na­ci­o­nais Pu­ma­lín–dou­glas R. Tomp­kins e Pa­tagô­nia. E uma no­va or­ga­ni­za­ção in­ter­na­ci­o­nal cha­ma­da Cor­po­ra­ción de Ami­gos de los Par­ques, lan­ça­da em ju­nho pe­la Tomp­kins Con­ser­va­ti­on, ar­re­ca­da­rá di­nhei­ro e pro­po­rá po­lí­ti­cas pa­ra aju­dar na ma­nu­ten­ção des­sas áre­as.

Kris­ti­ne, que di­vi­de seu tem­po en­tre pro­je­tos no Chile e na Ar­gen­ti­na e a ar­re­ca­da­ção de fun­dos nos Es­ta­dos Uni­dos, está con­fi­an­te de que o Chile fa­rá o cor­re­to com seu pre­sen­te. “O go­ver­no chi­le­no cui­da­rá bem dos par­ques, por­que eles es­tão ani­ma­dos com a ideia de ter um sis­te­ma de par­ques na­ci­o­nais de pri­mei­ra qua­li­da­de”, diz ela. “Es­ses são lu­ga­res ma­ra­vi­lho­sos que as pes­so­as vão que­rer vi­si­tar. A po­pu­la­ção e as pai­sa­gens do sul do Chile são ex­tra­or­di­ná­ri­as.”

A RE­GRA NÚ­ME­RO 1 quan­do se vi­a­ja pe­lo sul do Chile: pen­se em um pla­no B. Par­tes da Car­re­te­ra Aus­tral têm um as­fal­to ma­cio co­mo man­tei­ga, ou­tras são tão es­bu­ra­ca­das, ero­di­das ou es­trei­tas que um úni­co mo­vi­men­to equi­vo­ca­do po­de te lan­çar pe­lo pre­ci­pí­cio, te jogar em uma va­le­ta ou no pa­ra-choque de al­gum ca­mi­nhão. Dis­tra­ções são cons­tan­tes – uma for­ta­le­za de picos ne­va­dos, um mo­chi­lei­ro pe­din­do ca­ro­na, um gaú­cho com cal­ças re­ves­ti­das de lã con­du­zin­do seu re­ba­nho pe­la es­tra­da.

As dis­tân­ci­as en­tre os par­ques não são gran­des, mas a Mãe Natureza po­de tor­nar a vi­a­gem com­pli­ca­da. No mês de de­zem­bro pas­sa­do, um rio de la­ma jor­rou pe­la en­cos­ta de uma montanha no Parque Na­ci­o­nal Cor­co­va­do, uma fai­xa de cos­ta a apro­xi­ma­da­men­te 200 km de Pu­er­to Montt. O jor­ro en­ter­rou a pe­que­na al­deia de San­ta Lu­cia, ma­tan­do pe­lo me­nos 15 pes­so­as, ani­qui­lan­do 28 ca­sas e des­truin­do quilô­me­tros da Car­re­te­ra Aus­tral. A re­cons­tru­ção da es­tra­da avan­ça len­ta­men­te. Nos­so atra­so de du­as ho­ras ao sair de San­ta Lu­cia é pe­que­no se­gun­do nos­sos no­vos ami­gos, um gru­po de ho­mens de ne­gó­ci­os de San­ti­a­go em um SUV na nos­sa fren­te. Eles vi­e­ram pre­pa­ra­dos com uma cai­xa de vi­nho e es­tão reu­ni­dos ao re­dor do por­ta-ma­las.

Ape­sar das pa­ra­das de­vi­do às obras, os di­as pas­sam rá­pi­do à me­di­da que ca­mi­nha­mos, acam­pa­mos, fi­ca­mos de mo­lho em fon­tes ter­mais, be­be­ri­ca­mos vi­nhos chi­le­nos e co­me­mos cor­dei­ro as­sa­do. No co­me­ço da vi­a­gem, no ba­nhei­ro do nos­so cha­lé em Ca­le­ta Gon­za­lo, no Parque Na­ci­o­nal Pu­ma­lín–dou­glas R. Tomp­kins, eu ri quan­do vi os su­por­tes de pa­pel hi­gi­ê­ni­co de faia com de­ta­lha­das flo­res en­ta­lha­das e lem­brei o que Yvon ti­nha me fa­la­do so­bre Doug du­ran­te uma en­tre­vis­ta lo­go de­pois da morte de seu ami­go.

“Ele era um mi­cro­ad­mi­nis­tra­dor”, dis­se Yvon. “Cos­tu­má­va­mos zom­bar di­zen­do que ele es­co­lhe­ria até mes­mo o ti­po de pa­pel hi­gi­ê­ni­co se dei­xas­sem. Se vo­cê olha pa­ra as in­fra­es­tru­tu­ras dos par­ques Pu­ma­lín e Pa­tagô­nia, elas são es­pa­lha­fa­to­sas. Ele era um de­sig­ner de in­te­ri­o­res frus­tra­do.”

Ao lon­go do ca­mi­nho, co­nhe­ce­mos, so­bre­tu­do, chi­le­nos que ao ou­vir o bur­bu­ri­nho so­bre os par­ques ti­nham se aven­tu­ra­do em di­re­ção ao sul pa­ra co­nhe­cer a Pa­tagô­nia, na pri­mei­ra gran­de vi­a­gem da vi­da pa­ra a mai­o­ria. De­pois de du­as se­ma­nas, já ex­plo­ra­mos cinco par­ques, mas eu vou fi­can­do ca­da vez mais agi­ta­da com a bal­sa que te­mos que pe­gar em Pu­er­to Yun­gay. Quan­do fi­nal­men­te che­ga­mos à al­deia, que con­sis­te em uma bi­lhe­te­ria da bal­sa e uma ca­fe­te­ria, o fa­ze­mos com qua­tro ho­ras de an­te­ce­dên­cia, fi­co tão con­ten­te por es­tar aqui que não me alar­ma o fa­to de que não há ne­nhum bar­co e ne­nhum ou­tro ser hu­ma­no à vis­ta.

“Olha só, fo­mos os pri­mei­ros a che­gar”, brin­ca Bri­an. Pa­ra ali­vi­ar mi­nha ob­ses­são com a par­ti­da da bal­sa, ele ha­via di­ri­gi­do he­roi­ca­men­te du­ran­te o úl­ti­mo tre­cho de 80 km da Car­re­te­ra Aus­tral, que era es­pe­ci­al­men­te ín­gre­me e aci­den­ta­do, de­bai­xo de chu­va e gra­ni­zo, pa­ra ga­ran­tir que che­gás­se­mos a tem­po.

“Por que vo­cês es­tão aqui?”, per­gun­ta a amá­vel mu­lher que está atrás do bal­cão da ca­fe­te­ria, que de­cla­ra ser Inés de Pu­er­to Yun­gay, a úni­ca re­si­den­te da ci­da­de. “Es­ta­mos aqui pa­ra pe­gar a bal­sa”, di­go. “Vo­cês não fi­ca­ram sa­ben­do?”, ela per­gun­ta. “Hou­ve um acidente. A bal­sa está que­bra­da.”

Não te­mos ne­nhum pla­no B. De­pois de uma pe­que­na dis­cus­são com Inés, que nos em­pan­tur­ra com em­pa­na­das de pre­sun­to e quei­jo tamanho gi­gan­te, de­ci­di­mos re­tro­ce­der qua­se 500 km em di­re­ção ao nor­te até Coyhai­que, a ca­pi­tal de Ay­sén, on­de es­pe­ra­ría­mos a gre­ve de uma com­pa­nhia aé­rea ter­mi­nar pa­ra pe­gar um voo até Pun­ta Are­nas. De lá di­ri­gi­ría­mos em di­re­ção nor­te até Tor­res del Pai­ne. Se tu­do cor­rer de acor­do com nos­so pla­no B, che­ga­re­mos lá em três di­as.

“Im­pres­si­o­nan­te! Vou di­ri­gir no tre­cho mais pre­cá­rio da es­tra­da du­as ve­zes”, diz Bri­an, ace­le­ran­do so­bre o cas­ca­lho a qua­se 100 km/h. Está es­cu­re­cen­do e es­ta­mos fi­can­do sem ga­so­li­na. Mas Bri­an me lem­bra ale­gre­men­te de que bal­sas per­di­das e imi­nen­tes tem­pes­ta­des de ne­ve são par­te da diversão na Car­re­te­ra Aus­tral.

Quan­do che­ga­mos a Tor­res del Pai­ne, dou de cara com um ami­go que ca­lhou de es­tar no parque: Eu­an Wil­son, fun­da­dor da H&I Ad­ven­tu­res, uma agên­cia es­co­ce­sa es­pe­ci­a­li­za­da em vi­a­gens de moun­tain bike.

“O ter­re­no aqui é re­al­men­te ina­cre­di­tá­vel”, ele nos diz ani­ma­do. “É co­mo se vo­cê es­ti­ves­se na Lua, com cor­ren­tes de la­va e ro­chas.” Wil­son re­ce­beu uma au­to­ri­za­ção pa­ra re­co­nhe­cer no­vas ro­tas em uma fa­zen­da pri­va­da den­tro das fron­tei­ras do parque e trou­xe Er­nes­to Ara­ne­da, cam­peão chi­le­no de MTB cross-coun­try de 2010, jun­to com ele.

“On­tem foi um dos meus me­lho­res di­as”, con­ta. “Pe­da­la­mos cinco ho­ras e pas­sa­mos só dez mi­nu­tos fo­ra da bike. Es­tá­va­mos ti­po Be­a­vis e Butt-he­ad – con­ti­nuá­va­mos rin­do sim­ples­men­te por­que era mui­to di­fí­cil parar. O ter­re­no é per­fei­to pa­ra moun­tain bike por cau­sa da óti­ma dre­na­gem do so­lo.”

Bri­an, que já foi um ciclista fo­ca­do e ago­ra com­pe­te em pro­vas de bike gra­vel, vai pe­da­lar com eles. Eu pre­fi­ro um trek­king até a ba­se do fa­mo­so Tor­res com Se­bas­ti­an Kus­ch, guia de 27 anos do Ti­er­ra Pa­ta­go­ni­ca, o lod­ge que fi­ca na mar­gem oci­den­tal do la­go Sar­mi­en­to e que é uma ma­ra­vi­lha da ar­qui­te­tu­ra, on­de es­ta­mos hos­pe­da­dos. O chi­le­no Ca­zú Ze­gers pro­je­tou o ho­tel pa­ra de­sa­pa­re­cer qua­se ma­gi­ca­men­te den­tro do ári­do gra­ma­do da es­te­pe pa­tagô­ni­ca.

A tri­lha de qua­se 10 km so­be cer­ca de 900 me­tros até a ba­se das tor­res de gra­ni­to e che­ga a re­ce­ber 1.200 pes­so­as nos di­as mais agi­ta­dos de verão. Ho­je ve­mos ape­nas al­gu­mas pou­cas de­ze­nas de vi­si­tan­tes, al­guns de­les usan­do ja­que­tas ano­ra­ques pou­co con­vin­cen­tes pa­ra se pro­te­ger da ne­ve e do ven­to cor­tan­te. Eu se­co al­gu­mas lá­gri­mas quan­do che­ga­mos ao pe­que­no la­go lo­ca­li­za­do na ba­se dos mo­nó­li­tos de 12 mi­lhões de anos, sen­tin­do uma imen­sa sensação de alí­vio por­que, em um mun­do que se mo­ve a ve­lo­ci­da­des es­tra­tos­fé­ri­cas, pe­lo me­nos aque­las ro­chas não ti­nham mu­da­do nos 18 anos que se pas­sa­ram des­de que as vi pe­la úl­ti­ma vez.

Quan­do nos en­con­tra­mos no­va­men­te no ho­tel, Bri­an está igual­men­te ani­ma­do. “Nun­ca pe­da­lei em ta­ma­nha imen­si­dão”, diz. “Acho que fo­mos as pri­mei­ras pes­so­as a pe­da­lar na­que­las tri­lhas.”

An­tes de ir­mos em­bo­ra de Tor­res del Pai­ne, Ba­si­lio Rei­ni­ke, o che­fe dos gui­as do Ti­er­ra Pa­ta­go­ni­ca, nos le­va até uma pe­que­na ca­sa co­nec­ta­da a um pos­to da gu­ar­da flo­res­tal pa­ra co­nhe­cer Ju­an To­ro Qui­ri­lef, o pri­mei­ro gu­ar­da do parque. A mãe de Ju­an era des­cen­den­te dos ma­pu­ches, conhecidos co­mo a tri­bo que os es­pa­nhóis ja­mais pu­de­ram con­quis­tar.

Ago­ra um ho­mem ani­ma­do e en­xu­to de 65 anos, Ju­an ainda pa­tru­lha a ca­va­lo e diz que seu pro­ble­ma prin­ci­pal é a quan­ti­da­de de gen­te. “Quan­do o parque está re­ple­to de vi­si­tan­tes, não te­mos o tem­po, os re­cur­sos nem o di­nhei­ro ne­ces­sá­ri­os”, con­ta, acres­cen­tan­do que recentemente lhe ofe­re­ce­ram um tra­ba­lho co­mo o úni­co gu­ar­da flo­res­tal do Parque Na­ci­o­nal de Yen­de­gaia. Ele re­cu­sou.

“Aquele parque é enor­me!”, afir­ma. “Cons­truí es­ta ca­sa há 26 anos. Tor­res del Pai­ne é o meu lar.”

BRI­AN E EU TAM­BÉM nun­ca che­ga­mos a Yen­de­gaia. An­tes de pe­gar a es­tra­da até Pun­ta Are­nas pa­ra nos­so voo de vol­ta pa­ra ca­sa, al­mo­ça­mos em Pu­er­to Na­ta­les com Gon­za­lo Fu­en­za­li­da, mo­ra­dor de San­ti­a­go que veio pa­ra cá há cer­ca de 20 anos.

Ele é do­no da Chile Na­ti­vo, que or­ga­ni­za trek­kings e vi­a­gens a ca­va­lo a rin­cões in­to­ca­dos do Chile. Gon­za­lo fi­ca qua­se eu­fó­ri­co ao me con­tar so­bre o ro­tei­ro que está pre­pa­ran­do no Parque Na­ci­o­nal de Yen­de­gaia. “Se­ria im­pos­sí­vel re­a­li­zar uma vi­a­gem des­se ti­po por con­ta pró­pria”, ele diz. “A lo­gís­ti­ca é bas­tan­te com­pli­ca­da.”

A jor­na­da en­vol­ve pe­gar uma bal­sa de Pun­ta Are­nas até a Ter­ra do Fo­go e di­ri­gir ao fim de uma ro­do­via em cons­tru­ção, que che­ga al­guns me­tros mais per­to do parque a ca­da mês – uma au­to­ri­za­ção do go­ver­no é exi­gi­da pa­ra vi­a­jar além des­sa bar­rei­ra. Ali os vi­si­tan­tes se pre­pa­ram pa­ra atra­ves­sar ca­mi­nhan­do os picos da Cor­di­lhei­ra Darwin. De­pois de qua­tro ho­ras de trek­king, eles pe­gam um bar­co pa­ra Pu­er­to Wil­li­ams, de on­de vo­am em um pe­que­no avião de vol­ta a Pun­ta Are­nas.

Fi­quei cha­te­a­da por­que tal­vez nun­ca che­gue a co­nhe­cer Yen­de­gaia. Mas pen­so que é sem­pre bom dei­xar al­gu­ma coi­sa por con­ta da ima­gi­na­ção.

“Quan­do vo­cê acha que a es­tra­da até Yen­de­gaia es­ta­rá ter­mi­na­da?”, per­gun­to a Gon­za­lo.

“Nun­ca, eu es­pe­ro.”

TER­RA DE GI­GAN­TES: Parque Na­ci­o­nal Tor­res del Pai­ne, Chile

FO­TO­GRA­FI­AS DE BETH WALD

Parque Na­ci­o­nal Pu­ma­lín-dou­glas R. Tomp­kins

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.