Is­lân­dia In­ver­nal

Go Outside (Brazil) - - ÍNDICE - TEX­TO E FO­TOS An­drei Po­les­si

Fo­mos ver de per­to a au­ro­ra bo­re­al e as ca­ver­nas de ge­lo do país

PA­RA VER A AU­RO­RA BO­RE­AL E CO­NHE­CER DE PER­TO UMA DAS CIVILIZAÇÕES MAIS ISO­LA­DAS DA TER­RA, O ES­CRI­TOR E FO­TÓ­GRA­FO AN­DREI PO­LES­SI PAR­TE PA­RA A GÉLIDA ILHA – SO­ZI­NHO, A BOR­DO DE UMA VAN E CHEIO DE CO­RA­GEM QUE SÓ NO­VA­TOS EM NEVASCAS POS­SU­EM PA­RA EN­CA­RAR O PAÍS EM PLE­NO IN­VER­NO

ERA MEU ÚL­TI­MO DIA POR AQUE­LAS TER­RAS, E A TEM­PE­RA­TU­RA NÃO PARAVA DE CAIR.

To­da vez que eu des­cia da van pa­ra ti­rar uma foto, sen­tia o frio cor­tan­te no ros­to. Em ques­tão de mi­nu­tos, o am­bi­en­te gé­li­do to­ma­va con­ta tam­bém das per­nas e, de­pois, de to­do o cor­po. En­vol­to por um tem­po fe­cha­do, avis­tei no ho­ri­zon­te o que pa­re­cia ser uma ga­roa fi­na se apro­xi­man­do. “Com es­sa tem­pe­ra­tu­ra, não po­de ser chu­va”, pen­sei. A con­clu­são ób­via: era uma ne­vas­ca che­gan­do.

No pai­nel do veí­cu­lo, uma luz pis­ca­va, já avi­san­do: “Icy con­di­ti­ons”. Era o aler­ta pa­ra um pos­sí­vel con­ge­la­men­to da es­tra­da. Di­as as­sim exi­gem cui­da­do, aten­ção e ex­pe­ri­ên­cia (no meu ca­so, ine­xis­ten­te).

Eu ainda dis­pu­nha de três ho­ras de vi­a­gem pe­la fren­te até al­can­çar a ca­pi­tal, Reyk­ja­vík, e, de lá, a pe­re­gri­na­ção de 40 ho­ras em vá­ri­os vo­os de vol­ta pa­ra o Bra­sil. Ape­sar de ter com­bus­tí­vel e co­mi­da su­fi­ci­en­tes pa­ra al­guns di­as, a úl­ti­ma coi­sa que eu que­ria era fi­car pre­so ali no meio da­que­le mau tem­po. E na­da mais co­mum no in­ver­no da Is­lân­dia do que es­tra­das fe­cha­das por ge­lo e ne­ve.

Pi­sei no ace­le­ra­dor. Em 20 mi­nu­tos, os pri­mei­ros flo­cos co­me­ça­ram a acu­mu­lar no meu pa­ra-bri­sa, um bran­co que foi aos pou­cos to­man­do con­ta da pai­sa­gem ao meu re­dor, de­pois da es­tra­da, de­pois de tu­do.

Quan­do dei por mim, ti­nha si­do en­go­li­do pe­la tem­pes­ta­de. Eu es­ta­va ofi­ci­al­men­te em um fa­mo­so whi­te­out is­lan­dês (o ter­mo des­cre­ve a si­tu­a­ção em que, em uma ne­vas­ca, tu­do à nos­sa vol­ta se tor­na bran­co, com a vi­si­bi­li­da­de qua­se ze­ro). Os ven­tos ba­lan­ça­vam a van com uma for­ça as­sus­ta­do­ra. Ar­re­mes­sa­vam com fú­ria so­bre o veí­cu­lo to­da a ne­ve que caía.

As es­tra­das na Is­lân­dia, por si só, já são um ris­co: não têm acos­ta­men­to na gran­de mai­o­ria dos tre­chos e são de mão du­pla, com ape­nas uma fai­xa em ca­da sen­ti­do. No meio da­que­le bran­co to­do, só o que me gui­a­va eram pe­que­nas es­ta­cas la­te­rais que de­mar­ca­vam o tra­ça­do da ro­do­via. Es­ta­ci­o­nar, nes­ses ca­sos, é mais ar­ris­ca­do do que se­guir. En­tão con­ti­nu­ei em fren­te.

Na­que­la ho­ra, pen­sei que, em vez da­que­le lu­gar, eu po­de­ria es­tar em uma praia en­so­la­ra­da. Mas daí eu não te­ria en­chi­do os olhos com tan­tas pai­sa­gens e ex­pe­ri­ên­ci­as que vi­ven­ci­ei na­que­la úl­ti­ma se­ma­na. Te­ria per­di­do ce­nas de ti­rar o fô­le­go, com ca­cho­ei­ras, gla­ci­a­res, gêi­se­res, ca­ver­nas de ge­lo e au­ro­ras bo­re­ais. Lem­brei que al­guns destinos só se re­ve­lam pa­ra pes­so­as tei­mo­sas. Lu­ga­res que vo­cê tem que que­rer mui­to co­nhe­cer pa­ra con­se­guir che­gar. Can­tos em que o ca­mi­nho nos de­sa­fia e nos tes­ta a to­do ins­tan­te. Veio à men­te aquele di­ta­do que diz: “Pa­ra ver o ar­co-íris, é pre­ci­so en­ca­rar a chu­va”. “Ou uma ne­vas­ca”, acres­cen­tei. Sor­ri, li­guei o rá­dio e se­gui apre­ci­an­do aque­la imen­si­dão bran­ca e lin­da, que eu aca­ba­va de ga­nhar de pre­sen­te de des­pe­di­da.

A IS­LÂN­DIA É UM LU­GAR úni­co em to­dos os as­pec­tos. Com pou­co mais de 350 mil ha­bi­tan­tes, es­se país de lín­gua di­fí­cil se es­ten­de por uma ilha vul­câ­ni­ca de apro­xi­ma­da­men­te 102.000 km2 (o tamanho de Per­nam­bu­co). Si­tua-se no meio do Atlân­ti­co Nor­te, en­tre o Rei­no Uni­do e a Gro­en­lân­dia. Lo­ca­li­za­da em uma al­ta la­ti­tu­de, a ilha bei­ra o Cír­cu­lo Po­lar Ár­ti­co a 66o Nor­te, per­to do Mar da No­ru­e­ga (a ilha is­lan­de­sa de Grím­sey, 40 km da cos­ta, já fi­ca den­tro da fai­xa do Ár­ti­co).

Is­so faz com que a Is­lân­dia fi­que ex­pos­ta a con­di­ções cli­má­ti­cas ex­tre­mas por to­dos os la­dos. A cor­ren­te ma­rí­ti­ma do gol­fo, que so­be da Amé­ri­ca Cen­tral em di­re­ção à Eu­ro­pa, faz com que to­do o sul da ilha se­ja mais quen­te, com um in­ver­no me­nos ri­go­ro­so. O nor­te é con­ge­lan­te, com cli­ma su­bár­ti­co. Du­ran­te a es­ta­ção fria, per­ma­ne­ce com aces­so li­mi­ta­do em de­cor­rên­cia das nevascas que in­va­ri­a­vel­men­te fecham as es­tra­das.

O cli­ma, aliás, é uma das es­pe­ci­a­li­da­des dos is­lan­de­ses. Al­go que eles ti­ve­ram que apren­der a en­ten­der pa­ra vi­ver em meio a tan­ta im­pre­vi­si­bi­li­da­de. Os lo­cais cos­tu­mam di­zer: “Se vo­cê não gos­ta do cli­ma na Is­lân­dia, es­pe­re 15 mi­nu­tos”. E is­so é ver­da­de. Nes­se cur­to es­pa­ço de tem­po, tu­do po­de acon­te­cer. Po­de cho­ver, abrir o tem­po e sair o sol – pa­ra, lo­go em se­gui­da, cair uma ne­vas­ca. Tu­do em ques­tão de ho­ras.

O Es­cri­tó­rio Me­te­o­ro­ló­gi­co Is­lan­dês man­tém um si­te e dis­po­ni­bi­li­za um apli­ca­ti­vo, o Ve­dur (ve­dur.is). Seu uso é qua­se obri­ga­tó­rio pa­ra quem qu­er tran­si­tar pe­las es­tra­das do país e não ser pe­go de sur­pre­sa. To­do mun­do o uti­li­za por lá. O ser­vi­ço gra­tui­to ofe­re­ce pre­vi­são do tem­po e aler­tas de tem­pes­ta­des, nevascas e ven­tos (tão for­tes que po­dem ser ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­sos). Traz ainda in­for­ma­ções so­bre o ní­vel das águas, pos­si­bi­li­da­des de des­li­za­men­tos, ava­lan­ches e ati­vi­da­des sís­mi­cas. En­fim, coi­sas cor­ri­quei­ras por aque­las ban­das. Co­mo to­do ser­vi­ço de pre­vi­são do tem­po, a tec­no­lo­gia nem sem­pre acer­ta. En­tre­tan­to, na mai­o­ria das ve­zes, as in­for­ma­ções são bem con­fiá­veis. Ou­tro im­por­tan­te ser­vi­ço ofe­re­ci­do pe­lo si­te é a pre­vi­são das au­ro­ras bo­re­ais.

Pa­ra quem cur­te a vi­da outdoor, a Is­lân­dia é um des­ti­no que me­re­ce vá­ri­as vi­si­tas. Co­mo eu só con­ta­va com uma se­ma­na li­vre, op­tei por res­trin­gir o fo­co da mi­nha vi­a­gem pa­ra al­guns pou­cos lu­ga­res.

Di­fe­ren­te­men­te do que gran­de par­te das pes­so­as faz, eu não ti­nha a mí­ni­ma pre­ten­são de co­nhe­cer to­do o país. Mui­ta gen­te se­gue um tra­di­ci­o­nal ro­tei­ro co­nhe­ci­do co­mo Ring Ro­ad, em que se com­ple­ta a vol­ta na ilha pas­san­do pe­los prin­ci­pais pontos de vi­si­ta­ção. Na­da contra quem es­co­lha es­sa op­ção. Po­rém eu bus­ca­va ou­tra coi­sa.

Mi­nha vi­a­gem ia mui­to além do ob­je­ti­vo de con­se­guir bo­as ima­gens. Que­ria cal­ma e tran­qui­li­da­de pa­ra po­der co­nhe­cer – sem ne­nhu­ma pres­sa – ca­da um dos lu­ga­res que vi­si­ta­va. Não que­ria so­men­te parar, ti­rar uma foto e se­guir. Mi­nha von­ta­de era es­ta­ci­o­nar a van e pas­sar a noi­te ou­vin­do o ba­ru­lho da­que­las ca­cho­ei­ras. To­mar ca­fé da ma­nhã as­sis­tin­do ao mo­vi­men­to len­to dos ice­bergs em um la­go de ge­lo. Es­co­lher com tran­qui­li­da­de a me­lhor luz do dia pa­ra fa­zer uma foto. Co­nhe­cer pes­so­as e en­ten­der um pou­co mais so­bre es­sa cul­tu­ra tão sin­gu­lar e for­te, que vi­ve ge­o­gra­fi­ca­men­te iso­la­da do res­to do mun­do. Eu bus­ca­va tem­po pa­ra re­fle­xão e co­ne­xão com o lu­gar.

Além da von­ta­de de co­nhe­cer as icô­ni­cas ca­cho­ei­ras e praias do país, co­lo­quei na mi­nha lis­ta du­as pri­o­ri­da­des: a au­ro­ra bo­re­al e as ca­ver­nas de ge­lo – du­as atra­ções que só po­dem ser vi­ven­ci­a­das no in­ver­no. Op­tei por um ro­tei­ro pe­lo sul da ilha – evi­tan­do, as­sim, o frio ri­go­ro­so e as es­tra­das fe­cha­das no nor­te. Co­mo já era qua­se fim do in­ver­no, a ne­ve co­me­ça­va a der­re­ter, re­ve­lan­do o mus­go ver­de que con­tras­ta com o so­lo vul­câ­ni­co tão ca­rac­te­rís­ti­co em su­as pai­sa­gens.

Mi­nha ro­ta sain­do da ca­pi­tal se­guiu ru­mo ao les­te, pa­ran­do e dor­min­do em al­guns pontos: a im­pres­si­o­nan­te que­da de Sel­ja­lands­foss (é pos­sí­vel se­guir um ca­mi­nho pe­la la­te­ral que le­va até a par­te de trás da ca­cho­ei­ra), a pe­nín­su­la de Dyrhó­la­ey, a fa­mo­sa praia ne­gra de Rey­nisf­ja­ra (Black Be­a­ch) e a ci­da­de de Vik.

No Parque Na­ci­o­nal de Vat­najö­kull, a pe­di­da era a ca­cho­ei­ra Svar­ti­foss e o gla­ci­ar Skaf­ta­fellsjö­kull. Se­guin­do mais a les­te, há o

la­go Jö­kul­sár­lón (Gla­ci­er La­go­on), for­ma­do nos pés do gla­ci­ar Breiða­mer­kurjö­kull.

É pos­sí­vel cur­tir um trek­king de um dia pe­lo gla­ci­ar pa­ra co­nhe­cer as fa­mo­sas ca­ver­nas de ge­lo da Is­lân­dia. O der­re­ti­men­to faz com que uma re­de de ri­os sub­ter­râ­ne­os se for­me sob a cros­ta do gla­ci­ar. Aos pou­cos es­sa água vai es­cul­pin­do inú­me­ras ca­ver­nas por to­dos os can­tos. Al­gu­mas com pas­sa­gens es­trei­tas, ou­tras com sa­lões tão gran­des quan­to um te­a­tro. O mais in­te­res­san­te é que es­sas for­ma­ções são efê­me­ras e úni­cas; elas der­re­tem no verão, pa­ra de­pois da­rem lu­gar a no­vas ca­ver­nas no ano se­guin­te.

Em fren­te ao Gla­ci­er La­go­on, fi­ca tam­bém a fa­mo­sa Di­a­mond Be­a­ch. O lu­gar re­ce­be es­se no­me por­que gran­de par­te dos ice­bergs e pe­da­ços de ge­lo que se des­pren­dem do gla­ci­ar e vão pa­ra o la­go aca­bam no mar e nas arei­as des­sa praia – co­mo es­cul­tu­ras na­tu­rais trans­pa­ren­tes que lem­bram di­a­man­tes.

Es­ti­quei até Hof­fell pa­ra um ba­nho de hot pot. A ati­vi­da­de vul­câ­ni­ca in­ten­sa da ilha ge­ra uma in­fi­ni­da­de de len­çóis de águas ter­mais. Tan­to que se ba­nhar nes­sas pis­ci­nas quen­tes na­tu­rais ao ar li­vre é al­go que faz par­te da cul­tu­ra do país. E foi lá que ti­ve que sair cor­ren­do de sun­ga, to­do mo­lha­do, pa­ra fo­to­gra­far a mai­or au­ro­ra bo­re­al que já vi e que me pe­gou de sur­pre­sa quan­do eu re­la­xa­va na pis­ci­na!

No ca­mi­nho pa­ra Reyk­ja­vík, fiz um des­vio pa­ra a ma­jes­to­sa Gul­foss: uma sequên­cia lin­da de que­das d’água no rio Hví­tá.

Vi­a­jan­do so­zi­nho, a cam­per van me deu, além de mo­bi­li­da­de, eco­no­mia: a Is­lân­dia é o país mais ca­ro em que já es­ti­ve! Po­der fa­zer uma com­pra no su­per­mer­ca­do e pre­pa­rar su­as pró­pri­as re­fei­ções re­duz dras­ti­ca­men­te os custos da vi­a­gem. Is­so sem falar na des­pe­sa com hos­pe­da­gem.

“VO­CÊ É MEIO LOU­CO! Mas eu gos­to do seu es­ti­lo!” A fra­se do mo­to­ris­ta de tá­xi não era mui­to en­co­ra­ja­do­ra. Mi­nha ideia ini­ci­al de fi­car uma se­ma­na ca­çan­do au­ro­ras bo­re­ais e ca­ver­nas de ge­lo no in­ver­no da Is­lân­dia, so­zi­nho nu­ma cam­per van 4 x 4, com co­zi­nha e ca­ma adap­ta­das na par­te de trás, de fa­to não ar­re­ba­ta­va fãs por on­de eu pas­sa­va.

“Mas vo­cê de­ve ter tu­do bem pla­ne­ja­do, né?! É por­que es­ta­mos no in­ver­no e vo­cê sa­be...”, in­sis­tiu o mo­to­ris­ta. “Às ve­zes não ter um pla­no é o me­lhor pla­no”, res­pon­di com um sor­ri­so qua­se con­fi­an­te, dis­far­çan­do o ner­vo­sis­mo.

O ta­xis­ta me olhou pe­lo es­pe­lho re­tro­vi­sor com um ar de pai ir­ri­ta­do. E lo­go dis­pa­rou: “Vo­cê tem o apli­ca­ti­vo da cen­tral de emer­gên­ci­as aí com vo­cê? Se não tem, ins­ta­la no seu ce­lu­lar! Se es­ti­ver em apu­ros, use o apli­ca­ti­vo ou li­gue pa­ra 112!”. De­pois sus­sur­rou al­gu­ma coi­sa em is­lan­dês que de­via sig­ni­fi­car al­go co­mo: “Meu Deus! Por que es­ses tu­ris­tas gos­tam de vir aqui pa­ra mor­rer?!”.

Mas eu ti­nha tu­do pla­ne­ja­do. Ou qua­se... Eu sa­bia al­guns dos lu­ga­res que que­ria ir. Ha­via es­tu­da­do os ma­pas. Con­se­gui an­tes o con­ta­to de um guia que pro­me­te­ra me le­var atra­vés de um gla­ci­ar a al­gu­mas ca­ver­nas de ge­lo. Es­ta­va com um ce­lu­lar fun­ci­o­nan­do e, sim, eu bai­xa­ra o apli­ca­ti­vo da cen­tral 112. A-há!

Fo­ra is­so, eu tra­zia du­as bol­sas lo­ta­das com tra­lhas de ma­te­ri­al fo­to­grá­fi­co e o es­pí­ri­to de aven­tu­ra no pei­to. O que po­de­ria dar er­ra­do?

Co­mo diz meu gu­ru Amyr Klink: “Mui­tas ve­zes, o mai­or pe­ri­go é não par­tir”. Quan­tas ve­zes não de­sis­ti­mos dos so­nhos pe­lo simples medo de al­go dar er­ra­do? Pre­fi­ro me pre­pa­rar do que me pre­o­cu­par. Pre­fi­ro an­te­ci­par so­lu­ções do que pre­o­cu­pa­ções. Às ve­zes é se per­den­do – ou qua­se con­ge­lan­do – que a gen­te se en­con­tra.

DU­RAN­TE UM BA­NHO EM UMA PIS­CI­NA TERMAL, PRE­CI­SEI SAIR COR­REN­DO DE SUN­GA PARAFOTOGRAFAR A MAI­OR AU­RO­RA BO­RE­AL QUE Já VI NA VI­DA – FUI PE­GO DE SUR­PRE­SA PE­LOS EN­CAN­TOS IS­LAN­DE­SES.

BE­LE­ZA GE­LA­DA: A ca­ver­na de ge­lo Tre­a­su­re Is­land, no gla­ci­ar Breiða­mer­kurjö­kull

LINDEZA: Em sen­ti­do ho­rá­rio, es­tra­da cru­zan­do ri­os e mon­ta­nhas ne­va­das (tí­pi­co car­tão-pos­tal da Is­lân­dia); a ca­cho­ei­ra de Skó­ga­foss; a Praia Ne­gra de Rey­nisf­ja­ra; pai­sa­gem icô­ni­ca da Is­lân­dia, por de­trás da Sel­ja­lands­foss; e a Pe­nín­su­la de Dyrhó­la­ey

MARAVILHSAS DIVINAS: Au­ro­ra bo­re­al re­fle­tin­do em um la­go no ca­mi­nho pa­ra o gla­ci­ar Breiða­mer­kurjö­kull; abai­xo, nas­cer do sol em Gul­foss e a van do au­tor

Ca­ver­na de ge­lo no gla­ci­ar de Breiða­mer­kurjö­kull

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.