Além do cu­me

MONTANHISTAS BRA­SI­LEI­ROS CO­NEC­TAM EX­PE­DI­ÇÃO NA AL­TI­TU­DE COM AÇÃO SO­LI­DÁ­RIA NA TAN­Z­NIA EM PROL DE CO­MU­NI­DA­DE LO­CAL

Go Outside (Brazil) - - RADAR TREKKING - POR BRU­NO RO­MA­NO

COM POU­COS RE­CUR­SOS e mui­ta cri­a­ti­vi­da­de, vo­lun­tá­ri­os mon­tam um pe­que­no hos­pi­tal im­pro­vi­sa­do. O es­pa­ço me­xe com a ro­ti­na do vi­la­re­jo afri­ca­no de Pa­sua, na zo­na ru­ral da ci­da­de de Moshi, nor­des­te da Tan­zâ­nia. En­quan­to as fi­las de pa­ci­en­tes cres­cem, mé­di­cos es­tran­gei­ros se re­ve­zam em aten­di­men­tos va­ri­a­dos. As de­man­das vão de ca­sos mais con­tro­lá­veis, co­mo pro­ble­mas de den­ti­ção e apli­ca­ção de ver­mí­fu­gos, aos mais com­ple­xos – des­nu­tri­ção, ca­ta­ra­ta e HIV en­ca­be­çam uma lis­ta bas­tan­te ex­ten­sa. Du­ran­te três di­as, mais de 200 pes­so­as re­ce­bem cui­da­dos. Além da dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra aju­dar, os “grin­gos” pos­su­em ou­tra coi­sa em co­mum: to­dos são montanhistas bra­si­lei­ros. E aca­ba­ram de com­ple­tar uma das aven­tu­ras ao ar li­vre mais de­sa­fi­an­te de su­as vi­das.

Pou­cas ho­ras an­tes do pri­mei­ro aten­di­men­to, no úl­ti­mo mês de agos­to, 15 dos vo­lun­tá­ri­os ti­nham pi­sa­do pe­la pri­mei­ra vez no cu­me do Ki­li­man­ja­ro (5.895 me­tros), o pon­to mais al­to do con­ti­nen­te afri­ca­no, na di­vi­sa da Tan­zâ­nia com o Quê­nia. Exaus­tos pe­lo des­gas­te fí­si­co da em­prei­ta­da, mas com a ener­gia ele­va­da pe­la con­quis­ta, o gru­po es­ta­va pres­tes a pi­sar no ho­tel que ser­via de ba­se pa­ra a ex­pe­di­ção quan­do foi sur­pre­en­di­do. Cri­an­ças de um or­fa­na­to lo­cal, o Ki­li­man­ja­ro Orpha­na­ge Cen­tre, já os es­pe­ra­vam can­tan­do mú­si­cas tí­pi­cas e di­vi­din­do abra­ços e sor­ri­sos de ce­le­bra­ção. Co­me­ça­va ali a se­gun­da par­te da ex­pe­di­ção. O encontro, que ha­via si­do pro­gra­ma­do pre­vi­a­men­te, era par­te es­sen­ci­al do pro­gra­ma Ro­tei­ro So­li­dá­rio, uma ini­ci­a­ti­va da agên­cia bra­si­lei­ra Gen­te de Montanha em par­ce­ria com o Ins­ti­tu­to Dhar­ma, que pro­mo­ve ações so­ci­ais em áre­as re­mo­tas no Bra­sil e no ex­te­ri­or.

A trans­for­ma­ção pes­so­al que ca­da um de­les ti­nha vi­vi­do na du­ra su­bi­da ao “Ki­li” ga­nha­va ago­ra um no­vo ca­pí­tu­lo. “No am­bi­en­te de montanha vo­cê está to­tal­men­te co­nec­ta­do com a natureza, vi­ven­do mo­men­tos ‘li­vres’, com mais tem­po pa­ra pen­sar na vi­da e no seu en­tor­no”, diz o ad­mi­nis­tra­dor Ch­ris­ti­an Gu­a­ri­glia, 45, que com­ple­tou a ex­pe­di­ção. Apai­xo­na­do por cor­ri­das de aven­tu­ra, ele pró­prio ha­via ten­ta­do subir até o to­po do Ki­li­man­ja­ro no ano de 2000, po­rém sem su­ces­so. Quan­do sou­be da opor­tu­ni­da­de de ali­ar uma no­va ten­ta­ti­va com um pro­je­to so­ci­al, sen­tiu que era a sua ho­ra. “Con­cluir um pro­ces­so co­mo es­se e re­tor­nar com o con­ta­to com cri­an­ças é al­go mui­to po­de­ro­so”, re­la­ta.

A re­a­li­da­de de quem ban­ca uma ex­pe­di­ção do ti­po cos­tu­ma ser bem di­fe­ren­te do dia a dia lo­cal. Com uma lon­ga his­tó­ria que re­mon­ta a al­guns dos fós­seis hu­ma­nos mais an­ti­gos já en­con­tra­dos, a Tan­zâ­nia foi colô­nia ale­mã e bri­tâ­ni­ca nos tem­pos mo­der­nos. O país se uni­fi­cou e ga­nhou in­de­pen­dên­cia ape­nas em 1964 e atu­al­men­te re­gis­tra uma das pi­o­res ta­xas do Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no (IDH) do pla­ne­ta. Dos 40 mi­lhões de ha­bi­tan­tes – de lín­gua ofi­ci­al su­aí­li, di­vi­di­dos pra­ti­ca­men­te na me­ta­de en­tre cris­tãos e mu­çul­ma­nos –, mais de 80% vi­vem em zo­nas ru­rais.

É o ca­so da fai­xa nor­te e nor­des­te do ter­ri­tó­rio, uma re­gião que abri­ga o Ki­li­man­ja­ro e o Parque Na­ci­o­nal do Se­ren­ge­ti, fa­mo­so pe­las gran­di­o­sas mi­gra­ções anu­ais de animais sel­va­gens de gran­de por­te. Aquele can­to da Tan­zâ­nia é tam­bém ca­sa das tri­bos iti­ne­ran­tes de et­nia mas­sai. Na

“As mon­ta­nhas nos en­si­nam que po­de­mos mais, e es­sas ações mos­tram a ver­da­dei­ra for­ça de um gru­po de montanhistas”, diz João Sou­za.

mis­tu­ra de po­vos mi­le­na­res com no­vos e de­sor­de­na­dos cen­tros ur­ba­nos co­mo Moshi, o dé­ci­mo mais po­pu­lo­so do país, com cer­ca de 150 mil ha­bi­tan­tes, a es­cas­sez de re­cur­sos e opor­tu­ni­da­des im­pe­ra. Em vi­las mais pe­ri­fé­ri­cas, com de­se­qui­lí­brio so­ci­o­e­conô­mi­co gri­tan­te, o ce­ná­rio cos­tu­ma ser crí­ti­co.

Nas­cer e vi­ver ali é um de­sa­fio. Mais de 550 me­ni­nos e me­ni­nas em si­tu­a­ção de ris­co já pas­sa­ram pe­la se­de do Orpha­na­ge Cen­tre, que ago­ra re­ce­be a aju­da dos montanhistas vo­lun­tá­ri­os. “Cal­cu­lo que 75% das cri­an­ças te­ri­am mor­ri­do sem nos­sa aju­da”, con­ta Edward La­za­ro, o “Te­a­cher”, fun­da­dor do cen­tro. Há exa­tos 22 anos es­se tan­za­ni­a­no co­me­çou a cui­dar de ór­fãos na sua vi­la na­tal, Njo­ro. Du­ran­te du­as dé­ca­das, ele mes­clou a ati­vi­da­de com o tra­ba­lho de car­re­ga­dor em expedições ao Ki­li­man­ja­ro, de on­de ti­ra­va seu mai­or sus­ten­to.

Após anos de lu­ta, Te­a­cher con­se­guiu con­so­li­dar uma fun­da­ção, a Ki­li­man­ja­ro Chil­dren Foun­da­ti­on, que saiu do pa­pel em 2009 pa­ra aju­dar a re­ce­ber e con­cen­trar fun­dos pa­ra sua mis­são no or­fa­na­to. Pa­ra­le­la­men­te, ele acu­mu­la­va mais ex­pe­ri­ên­ci­as no am­bi­en­te de montanha, tra­ba­lhan­do em fun­ções de co­zi­nha, as­sis­tên­cia de gui­as e, fi­nal­men­te, al­can­çan­do o sta­tus de guia-che­fe em expedições mais lon­gas. A con­vi­vên­cia com os vi­si­tan­tes es­tran­gei­ros o aju­dou no apren­di­za­do do in­glês, um en­si­na­men­to com­par­ti­lha­do com ou­tros an­ti­gos car­re­ga­do­res co­mo ele e o prin­ci­pal mo­ti­vo do seu ape­li­do de “pro­fes­sor”.

“O tra­ba­lho e o idi­o­ma me co­nec­ta­ram com gen­te de to­do o mun­do, e is­so co­me­çou a abrir al­gu­mas por­tas”, con­ta Te­a­cher à Go Out­si­de. Foi as­sim que ele e Ma­xi­mo Kaus­ch, guia de al­ta montanha ar­gen­ti­no ra­di­ca­do no Bra­sil, se apro­xi­ma­ram. Há qua­tro anos, quan­do sur­giu a pri­mei­ra ideia de uma par­ce­ria, a du­pla se for­ta­le­ceu ainda mais, a pon­to de se re­fe­ri­rem um ao ou­tro atu­al­men­te co­mo brother. “Há anos pas­san­do por re­giões re­mo­tas de montanha pe­lo mun­do, sem­pre me cha­ma a aten­ção a po­bre­za e a di­fi­cul­da­de de quem vi­ve nes­ses ambientes”, diz Ma­xi­mo, que li­de­rou o bem-su­ce­di­do ata­que ao cu­me do gru­po de cli­en­tes no Ki­li, ao la­do

do guia bra­si­lei­ro Edu­ar­do To­net­ti. “Vi­ven­do is­so de per­to, sa­bía­mos que qu­e­ría­mos aju­dar as pes­so­as de al­gu­ma for­ma com nos­so tra­ba­lho na agên­cia, mas não en­ten­día­mos exa­ta­men­te co­mo”, com­ple­ta. O encontro com Te­a­cher mos­trou um ca­mi­nho pos­sí­vel.

Era o em­brião de um con­cei­to que ga­nhou for­ça nos anos se­guin­tes, os ro­tei­ros so­li­dá­ri­os. Em sín­te­se, os pa­co­tes des­se ti­po de vi­a­gem são ven­di­dos nor­mal­men­te. Os in­te­res­sa­dos em­bar­cam em al­go que os mo­ti­va: subir uma al­ta montanha. O lu­cro da ex­pe­di­ção é re­ver­ti­do 100% pa­ra uma ação lo­cal, co­mo a do or­fa­na­to em Pa­sua. Ca­so te­nham dis­po­ni­bi­li­da­de, os par­ti­ci­pan­tes es­ti­cam mais al­guns di­as pa­ra aju­dar – há sem­pre al­go pa­ra se fa­zer, mes­mo não sen­do pro­fis­si­o­nal da área de saú­de. No ca­so de es­pe­ci­a­lis­tas, no en­tan­to, há a pos­si­bi­li­da­de de ofe­re­cer ser­vi­ços de for­ma vo­lun­tá­ria. A ini­ci­a­ti­va de 2018, por exem­plo, ge­rou US$ 11 mil de aju­da (cer­ca de R$ 45 mil), o su­fi­ci­en­te pa­ra ga­ran­tir um ano de fun­ci­o­na­men­to bá­si­co do Orpha­na­ge Cen­tre.

Em 2015, um ro­tei­ro so­li­dá­rio pi­o­nei­ro no Ki­li­man­ja­ro ins­ti­gou uma gran­de ação so­ci­al nos Hi­ma­lai­as. O pro­je­to, en­ca­be­ça­do pe­la mé­di­ca e aven­tu­rei­ra pau­lis­ta Ka­ri­na Oliani (que tam­bém vi­veu to­da es­sa ação do Ki­li em 2018) e pe­lo fo­tó­gra­fo e mon­ta­nhis­ta An­drei Po­les­si, ide­a­li­za­do­res do Ins­ti­tu­to Dhar­ma, or­ga­ni­zou um trek­king so­li­dá­rio ru­mo ao acam­pa­men­to-ba­se do Eve­rest, nos Hi­ma­lai­as. Com cli­en­tes bra­si­lei­ros, te­ve pre­sen­ça de 39 pes­so­as no ano de 2017. No to­tal, fo­ram ar­re­ca­da­dos cer­ca de R$ 100 mil. Tu­do foi in­ves­ti­do em Pa­tle, uma pe­que­na vi­la no Nepal. Além da cons­tru­ção de uma es­co­la lo­cal, apoi­os pon­tu­ais aju­da­ram a co­mu­ni­da­de a se re­er­guer dos de­sas­tres do avas­sa­la­dor ter­re­mo­to que atin­giu a re­gião em 2015.

No ano pas­sa­do, foi a vez de ex­pe­ri­men­tar o pro­ces­so em ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro. A mes­ma tru­pe li­de­rou um trek­king ao Mon­te Ro­rai­ma, com 24 par­ti­ci­pan­tes. O lu­cro foi des­ti­na­do a uma pos­te­ri­or ex­pe­di­ção mé­di­ca a uma área ca­ren­te no ser­tão do Pi­auí. “Tu­do is­so dá bas­tan­te tra­ba­lho, mas é ex­tre­ma­men­te re­com­pen­sa­dor”, diz Ma­xi­mo. “E tam­bém aca­ba sen­do um in­ves­ti­men­to que nos traz re­tor­no futuro de cli­en­tes”, agre­ga o guia. “É al­go que eu não es­pe­ra­va e que ago­ra tam­bém nos mo­ti­va a es­pa­lhar es­se con­cei­to por aí.”

Quem ex­pe­ri­men­tou na pe­le a vi­vên­cia tam­bém en­con­trou sur­pre­sas bo­as. “Foi mui­to mais in­ten­so do que eu ima­gi­na­va”, con­ta o mé­di­co João Sou­za, 36, que par­ti­ci­pou das in­ves­ti­das no Nepal em 2017 e na Tan­zâ­nia nes­te ano. “As mon­ta­nhas sem­pre nos en­si­nam que po­de­mos al­can­çar um pou­co mais, e es­sas ações so­li­dá­ri­as me mos­tra­ram a ver­da­dei­ra for­ça que um gru­po de montanhistas po­de ter.”

Pa­ra o ad­vo­ga­do ca­ri­o­ca Hen­ri­que Barbosa, 38, mais um que al­can­çou o to­po do Ki­li e se lan­çou no apoio às cri­an­ças, nin­guém que participa do pro­je­to sai o mes­mo da ex­pe­ri­ên­cia. Em­pol­ga­do com tu­do o que vi­veu por lá, ele com­ple­ta: “Acho até que a ba­lan­ça fi­cou de­se­qui­li­bra­da no fim; mes­mo com to­do nos­so es­for­ço, saí­mos da Tan­zâ­nia ten­do re­ce­bi­do mui­to mais do que do­a­mos”.

Por trás da ani­ma­ção, nin­guém pa­re­ce se ilu­dir achan­do que al­guns di­as de aju­da vão aca­bar com to­dos os pro­ble­mas. As ne­ces­si­da­des se­guem ur­gen­tes na ro­ti­na de Te­a­cher. Co­mi­da, rou­pas, aten­di­men­to hos­pi­ta­lar e edu­ca­ção en­ca­be­çam su­as pri­o­ri­da­des. Nos úl­ti­mos qua­tro anos se­gui­dos de ro­tei­ros afri­ca­nos que ter­mi­nam com vi­si­tas ao or­fa­na­to, no en­tan­to, a trans­for­ma­ção tem si­do no­tá­vel. Te­a­cher in­ves­tiu em um ter­re­no mai­or e cons­truiu mais quar­tos e um no­vo am­bi­en­te de co­zi­nha – e há até uma re­cém-er­gui­da pa­re­de de escalada.

Em par­ce­ria com o or­fa­na­to, os vo­lun­tá­ri­os bra­si­lei­ros re­gis­tra­ram em 2018 al­guns ca­sos es­pe­cí­fi­cos pa­ra pla­ne­jar uma aju­da con­tí­nua e mais cer­tei­ra no pró­xi­mo ano. Jun­to de ou­tros pro­gra­mas es­tran­gei­ros, a ideia ago­ra é mo­ni­to­rar e cus­te­ar exa­mes e con­sul­tas fre­quen­tes em hos­pi­tais par­ti­cu­la­res pa­ra tra­tar de ca­sos mais com­pli­ca­dos. “Ge­ral­men­te as pes­so­as vão ao or­fa­na­to de­pois de uma ex­pe­di­ção pe­la área ape­nas pa­ra dar do­ci­nhos pa­ra as cri­an­ças, ti­rar fo­tos e pos­tar nas re­des so­ci­ais... acon­te­ce mui­to por ali”, re­la­ta Ma­xi­mo. “Pre­ci­sa­mos que­brar a bar­rei­ra e ir além – e es­ta­mos en­con­tran­do uma for­ma de fa­zer is­so.”

Ao se lan­çar no de­sa­fio pós-cu­me, montanhistas ama­do­res e pro­fis­si­o­nais têm per­ce­bi­do que vá­ri­os dos obs­tá­cu­los, co­mo o idi­o­ma ou a fal­ta de re­cur­sos, são pos­sí­veis de se­rem su­pe­ra­dos. Há ou­tros sen­ti­men­tos co­muns. Que to­do mun­do tem al­go a en­si­nar. Que en­xer­gar mais gen­te ao re­dor com von­ta­de de aju­dar é al­go con­ta­gi­an­te. E que desafios apa­ren­te­men­te im­pos­sí­veis não pas­sam de tra­vas nas nos­sas men­tes. Qual­quer se­me­lhan­ça com uma ex­pe­di­ção de al­ta montanha não é me­ra coin­ci­dên­cia.

O lu­cro da ex­pe­di­ção é re­ver­ti­do 100% pa­ra o or­fa­na­to – ape­sar das di­fi­cul­da­des, a trans­for­ma­ção nos úl­ti­mos anos é no­tá­vel.

LA­DO A, LA­DO B:Vis­ta do acam­pa­men­to Bar­ran­co, no Ki­li­man­ja­ro; aci­ma, os mé­di­cos e montanhistas João Sou­za e Ka­ri­na Oliani em ação

TO­CA PRA CI­MA:Mem­bros da ex­pe­di­ção ce­le­bram a ex­pe­ri­ên­cia no “Ki­li”; à esq., gru­po ca­mi­nha em di­re­ção ao acam­pa­men­to Ka­ran­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.