Quan­to mais quen­te me­lhor

AS TERAPIAS COM CA­LOR ES­TÃO VI­RAN­DO MO­DA EN­TRE ATLE­TAS – MAS SE­RÁ QUE RE­AL­MEN­TE AJU­DAM NA PER­FOR­MAN­CE?

Go Outside (Brazil) - - RADAR TREINAMENTO - POR ALEX HUTCHINSON

TERAPIAS COM GE­LO sem­pre con­quis­ta­ram uma le­gião de fãs en­tre atle­tas pro­fis­si­o­nais e ama­do­res. Mas, nos úl­ti­mos anos, uma no­va ten­dên­cia co­me­çou a sur­gir no meio es­por­ti­vo: a mo­da ago­ra é o ca­lor.

Atle­tas de to­do o mun­do co­me­ça­ram a ex­plo­rar os po­ten­ci­ais be­ne­fí­ci­os do trei­na­men­to de ca­lor pa­ra tu­do, de ma­ra­to­na a al­ta montanha. A te­ra­pia de ca­lor tam­bém está ga­nhan­do aten­ção co­mo uma fer­ra­men­ta efi­caz no com­ba­te a do­en­ças car­día­cas e pa­ra aju­dar na re­pa­ra­ção de mús­cu­los le­si­o­na­dos. Tal­vez os fin­lan­de­ses es­ti­ves­sem cer­tos cen­te­nas de anos atrás – es­ses es­can­di­na­vos aman­tes da sau­na acu­mu­lam mais de 100 me­da­lhas olím­pi­cas de atle­tis­mo e tam­bém es­tão no to­po do ran­king de 2018 dos po­vos mais fe­li­zes do mun­do.

As ori­gens do atu­al bo­om nas pes­qui­sas so­bre os be­ne­fí­ci­os do ca­lor re­mon­tam às Olim­pía­das de 2008. Na­que­le ano, Chris Min­son, fi­si­o­lo­gis­ta da Uni­ver­si­da­de do Ore­gon (EUA), es­ta­va au­xi­li­an­do o ma­ra­to­nis­ta e con­ter­râ­neo Dathan Rit­ze­nhein a se pre­pa­rar pa­ra o verão su­fo­can­te em Pe­quim. Os pro­to­co­los de acli­ma­ta­ção ao ca­lor, que ge­ral­men­te en­vol­vem uma ou du­as se­ma­nas de exer­cí­ci­os su­a­dos, são uma for­ma efi­ci­en­te de pro­vo­car adap­ta­ções no cor­po – co­mo o au­men­to do vo­lu­me plas­má­ti­co e da ta­xa de trans­pi­ra­ção, que aju­da­ri­am a me­lho­rar a per­for­man­ce em tem­pe­ra­tu­ras mais ele­va­das. “Mas eu ti­nha um medo re­cor­ren­te”, lem­bra Chris. “E se na cor­ri­da não fi­zer ca­lor? E se es­ti­ver um dia mais fres­co?”

Nin­guém sa­bia ao cer­to se es­tar bem adap­ta­do ao ca­lor po­de­ria mes­mo ge­rar com­pen­sa­ções ou se re­sul­ta­ria em um de­sem­pe­nho pi­or no frio. En­tão Chris or­ga­ni­zou um es­tu­do com 20 ci­clis­tas pa­ra des­co­brir. Os re­sul­ta­dos, pu­bli­ca­dos em 2010, pro­vo­ca­ram um fre­ne­si en­tre os ci­en­tis­tas do es­por­te. Dez di­as de trei­na­men­to sob um ca­lor de 40oc acar­re­ta­ram um au­men­to de 5% do VO2 má­xi­mo dos ci­clis­tas e me­lho­ra­ram em 6% sua per­for­man­ce em um con­trar­re­ló­gio de uma ho­ra – mes­mo com a sa­la man­ti­da a me­ros 13oc. As­sim, de uma ho­ra pa­ra a ou­tra, sa­las quen­tes e rou­pas não res­pi­rá­veis se tor­na­ram co­que­lu­che, es­pe­ci­al­men­te en­tre aque­les sem o mes­mo po­der aqui­si­ti­vo de quem vai pa­ra as al­tas al­ti­tu­des me­lho­rar o de­sem­pe­nho.

O pen­sa­men­to ini­ci­al era que, en­quan­to o exer­cí­cio fí­si­co em ambientes com ar ra­re­fei­to es­ti­mu­la a for­ma­ção de gló­bu­los ver­me­lhos trans­por­ta­do­res de oxi­gê­nio, um dos prin­ci­pais be­ne­fí­ci­os do trei­na­men­to no ca­lor se­ria o au­men­to do vo­lu­me de plas­ma san­guí­neo, que trans­por­ta as he­má­ci­as pa­ra os mús­cu­los. En­tre­tan­to a te­se de que o au­men­to do plas­ma re­al­men­te sig­ni­fi­ca me­lhor de­sem­pe­nho atlé­ti­co ainda é con­tro­ver­sa.

Cars­ten Lundby, es­pe­ci­a­lis­ta em trei­na­men­to de en­du­ran­ce do Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio de Co­pe­nha­gue, na Di­na­mar­ca, es­tu­dou o trei­na­men­to no ca­lor e en­ca­ra com ce­ti­cis­mo a ideia de que sim­ples­men­te au­men­tar o vo­lu­me de plas­ma me­lho­ra o de­sem­pe­nho após ape­nas uma se­ma­na ou du­as. No en­tan­to a di­lui­ção re­sul­tan­te do san­gue po­de de­sen­ca­de­ar uma res­pos­ta na­tu­ral de EPO pa­ra pro­du­zir no­vos gló­bu­los ver­me­lhos, exa­ta­men­te co­mo o trei­na­men­to em al­ti­tu­de – uma ideia que o pes­qui­sa­dor está tes­tan­do atu­al­men­te com um es­tu­do com pro­to­co­lo de seis se­ma­nas.

O vo­lu­me de plas­ma não é o úni­co pa­râ­me­tro al­te­ra­do pe­lo ca­lor. De acor­do com Cars­ten, a re­si­li­ên­cia psi­co­ló­gi­ca e a mu­dan­ça na per­cep­ção de al­tas tem­pe­ra­tu­ras es­tão en­tre os prin­ci­pais be­ne­fí­ci­os que os par­ti­ci­pan­tes da sua pes­qui­sa ob­ti­ve­ram com o trei­na­men­to de ca­lor.

De ma­nei­ra ge­ral, o ca­lor é um choque pa­ra o sis­te­ma, ge­ran­do al­gu­mas das mes­mas res­pos­tas ce­lu­la­res que o exer­cí­cio e a al­ti­tu­de de­sen­ca­dei­am. Por es­sa ra­zão, os ci­en­tis­tas es­tão ago­ra es­tu­dan­do seus be­ne­fí­ci­os te­ra­pêu­ti­cos (leia abai­xo “A cu­ra pe­lo su­or”), bem co­mo a adap­ta­ção cru­za­da – ideia de que o ca­lor po­de pre­pa­rar o atle­ta pa­ra uma vi­a­gem à al­ta montanha ou aju­dá­lo a man­ter a van­ta­gem na vol­ta.

Um exem­plo prá­ti­co: no ano pas­sa­do, três atle­tas de eli­te da cor­ri­da com obs­tá­cu­los fo­ram ao la­bo­ra­tó­rio de Chris três ou qua­tro ve­zes por se­ma­na pa­ra mer­gu­lhar em uma ba­nhei­ra com água a 40oc por cer­ca de 40 mi­nu­tos, es­pe­ran­do que o ca­lor aju­das­se a man­ter os ní­veis ele­va­dos de he­má­ci­as de­sen­vol­vi­dos du­ran­te o trei­na­men­to em al­ti­tu­de no Ari­zo­na. Os exa­mes de san­gue su­ge­ri­ram que a abor­da­gem te­ve su­ces­so.

Tu­do is­so soa tão im­pro­vá­vel que Chris é cui­da­do­so e não faz alar­de so­bre su­as des­co­ber­tas pa­ra não ge­rar ex­pec­ta­ti­vas. Pa­ra a mai­o­ria dos atle­tas de di­fe­ren­tes fai­xas etá­ri­as, que o con­sul­tam a res­pei­to de co­mo aproveitar os be­ne­fí­ci­os do ca­lor, o pes­qui­sa­dor su­ge­re que eles sim­ples­men­te trei­nem mais, fo­quem na re­cu­pe­ra­ção e, tal­vez, per­cam um pou­co de pe­so.

“Do pon­to de vis­ta da saú­de”, diz Chris, “se vo­cê ti­ver que es­co­lher en­tre exer­cí­ci­os fí­si­cos e uma ba­nhei­ra de água quen­te, nem pen­se du­as ve­zes: es­co­lha a pri­mei­ra op­ção.” Ainda as­sim, ele está mui­to ani­ma­do com o po­ten­ci­al des­sa área de pes­qui­sa e trei­na­men­to – mes­mo que se­ja coi­sa das an­ti­gas pa­ra os fin­lan­de­ses.

O ca­lor pro­vo­ca um choque em nos­so or­ga­nis­mo, ge­ran­do res­pos­tas ce­lu­la­res se­me­lhan­tes às dos exer­cí­ci­os em al­tas al­ti­tu­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.