O Uber dos aven­tu­rei­ros?

A STARTUP LYFX QU­ER REVOLUCIONAR O MO­DO CO­MO VI­VE­MOS O OUTDOOR AO CO­NEC­TAR GUI­AS LO­CAIS A VI­A­JAN­TES

Go Outside (Brazil) - - RADAR TECNOLOGIA - POR GRAHAM AVERILL

O BRA­SI­LEI­RO PE­DRO MCCARDELL es­ta­va so­zi­nho em uma vi­a­gem de mo­to pe­la Pa­tagô­nia quan­do per­ce­beu que ne­ces­si­ta­va de aju­da. As mon­ta­nhas que do­mi­na­vam o ho­ri­zon­te eram con­vi­da­ti­vas, mas o aces­so até lá pa­re­cia um mistério. “Eu pre­ci­sa­va de uma pes­soa lo­cal pa­ra me mos­trar os ar­re­do­res. Só que não ti­nha ideia de co­mo me co­nec­tar com elas”, con­ta o ex-exe­cu­ti­vo de pu­bli­ci­da­de pau­lis­ta­no, que atu­al­men­te mo­ra na Itá­lia. Aque­la ex­pe­ri­ên­cia o le­vou a cri­ar a startup Lyfx (gí­ria do Va­le do Si­lí­cio pa­ra “ex­pe­ri­ên­cia de vi­da”). O apli­ca­ti­vo foi lan­ça­do em ju­lho de 2018 e tem co­mo ob­je­ti­vo ser o Uber ou Airbnb das aven­tu­ras – co­nec­tan­do vi­a­jan­tes que pre­ci­sam de di­cas pre­ci­o­sas com re­si­den­tes que co­nhe­çam a área e es­te­jam dis­pos­tos a mos­trar a re­gião por uma cer­ta quan­tia.

O Lyfx não é o úni­co app que ten­ta me­xer com a in­dús­tria de gui­as tu­rís­ti­cos. O Clim­bli­fe co­lo­ca em con­ta­to vi­a­jan­tes e as­pi­ran­tes a guia, o Showa­round pos­si­bi­li­ta que es­tran­gei­ros agen­dem ex­pe­ri­ên­ci­as gui­a­das por pes­so­as da re­gião, e o Back40 li­ga tu­ris­tas ou­sa­dos com “an­fi­triões” nos Es­ta­dos Uni­dos.

É cla­ro que pla­ta­for­mas se­me­lhan­tes já apa­re­ce­ram e su­mi­ram. Em 2015, Ja­mes Hamilton lan­çou o Gui­de Hi­re, mas não con­se­guiu man­ter o apli­ca­ti­vo em cir­cu­la­ção. “Não foi uma ques­tão de fa­zer as pes­so­as par­ti­ci­pa­rem. Tí­nha­mos mui­tos gui­as e mui­tos usuá­ri­os”, con­ta. “Mas não con­se­guía­mos fa­zer as pes­so­as agen­da­rem as vi­si­tas via apli­ca­ti­vo. O pú­bli­co usa­va o app pa­ra fa­zer pes­qui­sas, mas de­pois mar­ca­va o pas­seio di­re­ta­men­te com o guia.”

Ja­mes acre­di­ta que lan­çou o apli­ca­ti­vo na ho­ra er­ra­da, quan­do os vi­a­jan­tes ainda não es­ta­vam dis­pos­tos a mar­car aven­tu­ras sem um pou­co de in­te­ra­ção pes­so­al pri­mei­ro. Mas ago­ra a si­tu­a­ção mu­dou – con­si­de­re, por exem­plo, a oni­pre­sen­ça do Uber e o cres­ci­men­to do Airbnb Ex­pe­ri­en­ces, a ten­ta­ti­va da gi­gan­te dos alu­guéis tem­po­rá­ri­os de fa­zer com que seus usuá­ri­os tro­quem ex­pe­ri­ên­ci­as. Ho­je o mer­ca­do pa­re­ce mui­to mais pron­to pa­ra ten­ta­ti­vas co­mo es­sas.

“Eu acho que o pú­bli­co vai usar o ser­vi­ço”, acre­di­ta Nik­ki Harth, co­pro­pri­e­tá­rio do Surfhou­se, um ho­tel e gru­po de gui­as na Ca­li­fór­nia. As­sim co­mo o Lyfx, a Surfhou­se bus­ca co­nec­tar hós­pe­des com a ce­na lo­cal. “Ago­ra as pes­so­as gas­tam mais di­nhei­ro com ex­pe­ri­ên­ci­as do que com coi­sas”, afir­ma ele. “Quan­do es­ta­mos sur­fan­do, ter uma pes­soa da re­gião pa­ra mos­trar as re­don­de­zas faz com que a ex­pe­ri­ên­cia se­ja mui­to mais ri­ca.”

Alex Kos­seff, di­re­tor-exe­cu­ti­vo da As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na de Gui­as de Montanha, fi­cou in­te­res­sa­do na ideia de apli­ca­ti­vos pa­ra gui­as e acha que is­so po­de be­ne­fi­ci­ar es­ses pro­fis­si­o­nais, pois mui­tos não têm tem­po ou não sa­bem co­mo fa­zer pa­ra se au­to­pro­mo­ver de for­ma efi­caz. Mas ele já não tem tan­ta cer­te­za quan­to aos as­pec­tos le­gais da coi­sa to­da. “Em di­ver­sos paí­ses, atu­ar co­mo guia é uma ati­vi­da­de cheia de re­gu­la­men­ta­ções”, afir­ma Alex. Pa­ra su­pe­rar es­se obs­tá­cu­lo, a Lyfx ini­ci­ou su­as ati­vi­da­des com pro­fis­si­o­nais que já pos­su­em a do­cu­men­ta­ção ne­ces­sá­ria e exi­ge que os es­pe­ci­a­lis­tas en­vol­vi­dos si­gam to­das as leis e re­gu­la­men­ta­ções apli­cá­veis. En­tre­tan­to o apli­ca­ti­vo deixa a car­go dos gui­as a ob­ten­ção de to­das as li­cen­ças e cer­ti­fi­ca­ções.

Se a Lyfx e seus con­cor­ren­tes con­se­gui­rem su­pe­rar os obs­tá­cu­los, es­ses apli­ca­ti­vos ainda te­rão que en­ca­rar o de­sa­fio mais di­fí­cil de to­dos: as­se­gu­rar sua fa­tia de mer­ca­do. “Até os apli­ca­ti­vos en­gre­na­rem e con­se­gui­rem uma quan­ti­da­de sig­ni­fi­ca­ti­va de usuá­ri­os, re­ceio que con­ti­nu­em sur­gin­do e de­sa­pa­re­cen­do”, diz Alex.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.