A ver­da­de está lá fo­ra – na água

ON­DAS AR­TI­FI­CI­AIS AGO­RA PROPORCIONAM UM SURF TÃO BOM QUAN­TO AS DE VER­DA­DE. MAS, SE TIRAMOS O SURF DA NATUREZA, CON­TI­NUA SEN­DO SURF?

Go Outside (Brazil) - - RADAR SURF - POR ALEX WIL­SON*

A IDEIA DE QUE a hu­ma­ni­da­de avan­ça em di­re­ção a um futuro ul­tra­tec­no­ló­gi­co – no qu­al ho­mens, má­qui­nas e natureza se fun­di­ri­am de for­ma nun­ca an­tes vis­ta – está em pro­gres­so. Na área da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, es­pe­ci­a­lis­tas acre­di­tam que es­se tal “futuro high te­ch” che­ga­rá ainda nes­te sé­cu­lo. Em al­guns es­por­tes, já che­gou.

Pro­va dis­so é a on­da ar­ti­fi­ci­al cri­a­da no co­ra­ção do de­sér­ti­co Va­le Cen­tral da Ca­li­fór­nia, nos EUA. Mais exa­ta­men­te a cer­ca de 160 km do Oce­a­no Pa­cí­fi­co, na ci­da­de agrí­co­la de Le­mo­o­re. De­sen­vol­vi­da pe­la Wa­ve Com­pany, em­pre­sa do mi­to Kelly Sla­ter, o Surf Ran­ch abri­ga uma pis­ci­na de qua­se 700 me­tros de com­pri­men­to que pro­duz uma on­da bi­di­men­si­o­nal de al­ta per­for­man­ce. Em se­tem­bro des­te ano, o lo­cal se­di­ou uma com­pe­ti­ção da World Surf Le­a­gue, a li­ga mun­di­al do surf pro­fis­si­o­nal, ven­ci­da pe­lo bra­si­lei­ro Gabriel Medina.

A on­da em si é ge­ra­da por um hi­dro­fó­lio (uma es­pé­cie de pá) sub­mer­so, pu­xa­do ao lon­go da pis­ci­na por uma es­tei­ra ro­lan­te que pa­re­ce um trem. Pa­ra cons­truí-la, Kelly, 11 ve­zes cam­peão mun­di­al de surf, fez par­ce­ria com um es­pe­ci­a­lis­ta em di­nâ­mi­ca de flui­dos cha­ma­do Adam Fin­cham. Eles pas­sa­ram anos re­a­li­zan­do si­mu­la­ções em su­per­com­pu­ta­do­res, fa­zen­do ajus­tes fi­nos dos con­tor­nos da bor­da da pis­ci­na e de­fi­nin­do a ve­lo­ci­da­de e a ca­vi­da­de da on­da. Pa­ra os sur­fis­tas, os re­sul­ta­dos são his­tó­ri­cos: on­das im­pe­cá­veis ca­pa­zes de com­pe­tir – e até mes­mo de des­ban­car – as en­con­tra­das na natureza. E dis­po­ní­veis com um aper­tar de bo­tão.

Es­sa não é uma ideia no­va. Surf ar­ti­fi­ci­al pa­ra re­cre­a­ção exis­te des­de os anos 1930. Nos Es­ta­dos Uni­dos, a pis­ci­na de on­das do Big Surf Wa­ter­park, aber­to em 1969 no Ari­zo­na, é a mais co­nhe­ci­da da pri­mei­ra ge-

ra­ção des­se ti­po, em­bo­ra ela ape­nas fa­bri­que on­das es­pu­mo­sas na al­tu­ra da cin­tu­ra. A dé­ca­da pas­sa­da vi­ven­ci­ou uma ex­plo­são de pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to na área, com uma em­pre­sa es­pa­nho­la, a Wa­ve­gar­den, cri­an­do pis­ci­nas no Te­xas e na Eu­ro­pa.

Até recentemente, no en­tan­to, ne­nhu­ma pis­ci­na ti­nha che­ga­do per­to de ofe­re­cer um surf pa­re­ci­do com o en­con­tra­do na natureza. Ago­ra es­ta­mos en­tran­do em uma no­va fa­se, de­pois da pri­mei­ra pis­ci­na bem-su­ce­di­da. A em­pre­sa de Kelly já está pla­ne­jan­do uma ex­pan­são do Surf Ran­ch de Le­mo­o­re, com mais du­as pis­ci­nas aber­tas ao pú­bli­co (até ago­ra a on­da mo­de­lo tem si­do sur­fa­da so­bre­tu­do por con­vi­da­dos). Um se­gun­do Surf Ran­ch em Palm Be­a­ch, na Flórida, se­rá aber­to no ano que vem. Ou­tra em­pre­sa, o BSR Surf Re­sort de Wa­co, no Te­xas, tam­bém inau­gu­rou uma pis­ci­na em maio des­te ano.

Tu­do is­so é apa­ren­te­men­te uma óti­ma no­vi­da­de pa­ra aque­les in­te­res­sa­dos no pro­gres­so téc­ni­co e atlé­ti­co do surf. As no­vas pis­ci­nas de on­das ar­ti­fi­ci­as dão aos sur­fis­tas um es­pa­ço con­tro­la­do, on­de po­dem aper­fei­ço­ar su­as ha­bi­li­da­des e re­fi­nar os equi­pa­men­tos – al­go que nun­ca ha­vi­am ti­do an­tes. Em­bo­ra a estreia do surf nas Olim­pía­das de 2020 no Ja­pão ainda es­te­ja pre­vis­ta pa­ra acon­te­cer no Pa­cí­fi­co, pou­cos du­vi­dam de que o futuro do surf com­pe­ti­ti­vo irá se apro­xi­mar ca­da vez mais das on­das fa­bri­ca­das, es­pe­ci­al­men­te de­vi­do aos in­cen­ti­vos fi­nan­cei­ros pa­ra com­bi­nar os ho­rá­ri­os dos swells com a agen­da de trans­mis­sões te­le­vi­si­vas.

No en­tan­to as con­sequên­ci­as de uma mu­dan­ça de fo­co pa­ra ambientes ar­ti­fi­ci­ais po­dem al­te­rar fun­da­men­tal­men­te o sig­ni­fi­ca­do do que é ser sur­fis­ta. Até ago­ra, sur­far on­das es­ta­va inex­tri­ca­vel­men­te re­la­ci­o­na­do com os ce­ná­ri­os mais sel­va­gens e me­nos pre­vi­sí­veis do pla­ne­ta. Co­mo re­sul­ta­do dis­so, a cul­tu­ra do surf está per­me­a­da de trans­cen­den­ta­lis­mo.

Tom Bla­ke, len­da do surf do sé­cu­lo 20, res­sal­tou em um li­vro, Voi­ce of the Atom [Voz do Áto­mo], o que mui­tos sur­fis­tas sa­bem ins­tin­ti­va­men­te: que sur­far é uma for­ma de se su­jei­tar aos rit­mos do pla­ne­ta e de en­trar em sin­cro­nia com eles.

Tro­car o oce­a­no por uma pis­ci­na aca­ba com es­sa li­nha de pen­sa­men­to. É cla­ro que sur­far não pre­ci­sa ser mais que uma ex­pe­ri­ên­cia pra­ze­ro­sa pro­por­ci­o­na­da pe­la trans­fe­rên­cia de ener­gia den­tro de um meio lí­qui­do. Mas, se is­so po­de ser pro­du­zi­do sob de­man­da, por uma má­qui­na, to­dos os be­ne­fí­ci­os de uma vi­da li­ga­da ao oce­a­no de­sa­pa­re­cem – a sensação de re­a­li­za­ção de apren­der os ci­clos das es­ta­ções, as ma­rés e o cli­ma, a sub­mis­são do ego di­an­te de um ecos­sis­te­ma na­tu­ral mas­si­vo, as re­com­pen­sas men­tais de sa­ber re­co­nhe­cer pa­drões per­cep­tí­veis em um apa­ren­te ca­os, a paciência e os tra­ços de ca­rác­ter de­sen­vol­vi­dos du­ran­te ho­ras e ho­ras sem fa­zer na­da além de olhar fi­xa­men­te pa­ra o ho­ri­zon­te. O que se­rá da cul­tu­ra do surf quan­do pis­ci­nas pro­du­zi­rem ge­ra­ções que vão achar que nem pre­ci­sam co­lo­car os pés den­tro do oce­a­no?

Re­fle­ti so­bre is­so na pri­ma­ve­ra pas­sa­da, a ca­mi­nho de Le­mo­o­re pa­ra as­sis­tir à Foun­ders’ Cup, que ser­viu de tes­te pa­ra o even­to da World Surf Le­a­gue. Ex­ce­to pe­lo tom azul-ul­tra­ma­ri­no, a pis­ci­na do Surf Ran­ch pa­re­cia mui­to com os ca­nais de ir­ri­ga­ção que eu ti­nha vis­to do la­do da es­tra­da.

Ob­ser­vei a luz do sol so­bre a su­per­fí­cie da água por al­guns mi­nu­tos, até que uma voz anun­ci­ou que uma on­da es­ta­va pres­tes a ser ge­ra­da. En­tão um zum­bi­do de trem elé­tri­co cor­tou o ar e uma di­rei­ta im­pe­cá­vel se for­mou, per­cor­ren­do 600 me­tros.

En­quan­to os ex-cam­peões mun­di­ais Mick Fan­ning e Stephanie Gil­mo­re se di­ver­ti­am, eu me vi des­lum­bra­do pe­la per­fei­ção da on­da. Até mes­mo me dis­traí por um tem­pi­nho com a com­pe­ti­ção. No en­tan­to, de­pois de mais ou me­nos uma ho­ra, co­me­cei a me sen­tir res­se­ca­do pe­lo ca­lor do in­te­ri­or dos Es­ta­dos Uni­dos, de­pois um pou­co en­te­di­a­do, com um ins­tin­to fa­mi­li­ar cres­cen­do den­tro de mim que me pe­dia pa­ra vol­tar à cos­ta. Es­ta­va cla­ro que as con­di­ções e as per­for­man­ces de surf se man­te­ri­am idên­ti­cas e pre­vi­sí­veis. O even­to ainda es­ta­va acon­te­cen­do quan­do fui em­bo­ra.

A tec­no­lo­gia fez mui­to pa­ra mu­dar o surf, so­bre­tu­do pa­ra me­lhor. Avan­ços na Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al per­mi­ti­ram o sur­gi­men­to das rou­pas de ne­o­pre­ne e de ma­te­ri­ais usa­dos nas pran­chas de surf mo­der­nas. Mas on­das fei­tas por hu­ma­nos são ou­tra coi­sa. Não é uma tec­no­lo­gia que pos­sa ser le­va­da ao oce­a­no co­nos­co ou que tor­ne mais fá­cil nos­sa adap­ta­ção aos seus ci­clos. É uma ex­pe­ri­ên­cia al­ter­na­ti­va em um am­bi­en­te ar­ti­fi­ci­al. Des­co­nec­te as on­das da natureza e o surf se su­bor­di­na a nos­so avan­ço em di­re­ção a um futuro al­ta­men­te tec­no­ló­gi­co – e cer­ta­men­te mais cha­to e pre­vi­sí­vel.

ALEX WIL­SON é edi­tor as­sis­ten­te da re­vis­ta The Sur­fer’s Jour­nal

Se o surf pas­sar a ser pro­du­zi­do sob de­man­da, por uma má­qui­na, is­so po­de ti­rar de nós to­dos os be­ne­fí­ci­os de uma vi­da li­ga­da ao oce­a­no.

FOTO DE Han­nah Mc­caughey

RE­A­LI­DA­DE AR­TI­FI­CI­AL: Kelly Sla­ter man­dan­do ver no Surf Ran­ch

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.