PATACHO, Ala­go­as

Boa pa­ra: Des­li­gar do mun­do e cur­tir pis­ci­nas na­tu­rais.

Go Outside (Brazil) - - GO OUTSIDE -

PRAIAS QUE PER­MI­TEM sos­se­go to­tal são ca­da vez mais ra­ras. Patacho, no nor­te de Ala­go­as, é um des­ses pe­da­ços de areia com be­le­za mar­can­te, pai­sa­gem vas­ta e aco­lhe­do­ra e bom aces­so, o que ga­ran­te uma ex­pe­ri­ên­cia re­com­pen­sa­do­ra. Par­te da área de pre­ser­va­ção da Cos­ta dos Co­rais e da Zo­na de San­tuá­rio do Pei­xe-boi Ma­ri­nho, a ex­ten­sa or­la de Patacho dis­si­pa a con­cen­tra­ção de vi­si­tan­tes na mai­or par­te do ano – e não é di­fí­cil se ver so­zi­nho por es­sas ban­das.

As al­ter­nân­ci­as de ma­ré al­ta e bai­xa for­mam pra­ti­ca­men­te du­as praias dis­tin­tas. Na bai­xa, dá pa­ra ca­mi­nhar (ou ir de jan­ga­da com na­ve­ga­do­res lo­cais) até as pis­ci­nas for­ma­das na­tu­ral­men­te no en­tor­no do fun­do de re­ci­fes. Nas ho­ras de al­ta, na­dar e mer­gu­lhar na bei­ra-mar são a pe­di­da cer­ta. Quan­do o oce­a­no re­cua no fim de tar­de, a com­bi­na­ção de uma área mais lar­ga de areia com a som­bra dos co­quei­ros da or­la cha­ma os vi­si­tan­tes pa­ra lon­gas ca­mi­nha­das ou até es­ti­ca­das de bike.

Ti­ran­do a épo­ca de chu­vas (en­tre maio e agos­to), a di­nâ­mi­ca se re­pe­te e dá o tom da vi­si­ta. Pa­ra aces­sar a praia via a ca­pi­tal, Ma­ceió, cru­za-se a zo­na co­nhe­ci­da co­mo Ro­ta Eco­ló­gi­ca, pas­san­do por Pa­ri­pu­ei­ra, Pas­so de Ca­ma­ra­gi­be e São Mi­guel dos Mi­la­gres, a 10 km de distância de Por­to de Pe­dras, mu­ni­cí­pio que abri­ga Patacho. Vin­do do nor­te, atra­ves­sa-se o rio Man­gua­ba de bal­sa an­tes de aces­sar Por­to de Pe­dras (bom pas­seio pa­ra o fim de tar­de).

Apro­vei­tan­do a vi­si­ta, va­le co­nhe­cer o tu­ris­mo de ba­se co­mu­ni­tá­ria da As­so­ci­a­ção Pei­xe­boi. Se­di­a­do no po­vo­a­do de Ta­tu­a­mu­nha, bem per­ti­nho de Por­to de Pe­dras, o pro­je­to fo­ca na pre­ser­va­ção do am­bi­en­te cos­tei­ro e na re­pro­du­ção e rein­tro­du­ção dos ma­mí­fe­ros em si­tu­a­ção crí­ti­ca na ta­be­la de ris­co de extinção na­ci­o­nal. Os gui­as na­ti­vos le­vam os tu­ris­tas ru­mo ao cer­ne do tra­ba­lho, que en­vol­ve um lin­do encontro de rio com o mar, com pi­ta­das úni­cas de co­nhe­ci­men­to e vi­vên­cia lo­cais.

ON­DE FI­CAR: Con­for­to, rus­ti­ci­da­de e ex­pe­ri­ên­ci­as gas­tronô­mi­cas, além de op­ções de pas­sei­os e aces­so fa­ci­li­ta­do, fa­zem da Pou­sa­da Patacho (pou­sa­da­pa­ta­cho.com.br) uma óti­ma pe­di­da.

DI­CA: Nas fa­ses de lua cheia e no­va, os “extremos” das ma­rés bai­xa e al­ta cos­tu­mam se in­ten­si­fi­car. Em Patacho, is­so sig­ni­fi­ca boa opor­tu­ni­da­de pa­ra des­fru­tar das for­ma­ções na­tu­rais de água sal­ga­da nos fun­dos de re­ci­fe.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.