CA­BO POLONIO, Uru­guai

Boa pa­ra: Re­la­xar, ob­ser­var animais e se des­co­nec­tar dos ele­trô­ni­cos.

Go Outside (Brazil) - - GO OUTSIDE -

NO AL­TO DO SO­LI­TÁ­RIO fa­rol de Ca­bo Polonio, vê-se a imen­si­dão de du­nas de areia e água sal­ga­da que cir­cun­dam es­se pe­que­no e aco­lhe­dor vi­la­re­jo. Na ba­se do fa­rol, es­pé­ci­es de lobos-ma­ri­nhos se es­pa­lham e emi­tem sons ca­rac­te­rís­ti­cos so­bre as ro­chas ba­nha­das pe­lo Atlân­ti­co. Um dos can­tos mais sel­va­gens do li­to­ral uru­guaio, o Ca­bo Polonio dos di­as de ho­je une iso­la­men­to ge­o­grá­fi­co e ri­ca fau­na com cli­ma su­a­ve e bu­e­na on­da per­me­an­do as ca­sas de ve­ra­neio, as hos­pe­da­gens rús­ti­cas e o pe­que­no co­mér­cio lo­cal no es­ti­lo 100% pé na areia.

Den­tro das agi­ta­das ro­ti­nas mo­der­nas, é o ti­po de lo­cal que tem tem­po “pró­prio”. A ele­tri­ci­da­de e a co­ne­xão de in­ter­net bas­tan­te li­mi­ta­das – há al­guns ge­ra­do­res e sis­te­mas de ener­gia so­lar – re­for­çam o con­vi­te pa­ra se in­te­grar com a pai­sa­gem, ofi­ci­a­li­za­da co­mo parque na­ci­o­nal em 2009, um im­por­tan­te pas­so pa­ra de­fi­nir me­lhor sua pre­ser­va­ção. Apro­vei­te pa­ra ex­pe­ri­men­tar mais mo­men­tos de si­lên­cio ou bo­as con­ver­sas pa­ra en­ten­der me­lhor a re­gião com os pou­cos re­si­den­tes lo­cais.

Pa­ra ali­ar me­lho­res chan­ces de bom tem­po com ser­vi­ços aber­tos ao pú­bli­co, op­te pe­la mé­dia es­ta­ção, de pre­fe­rên­cia lo­go an­tes ou pou­co de­pois da al­ta tem­po­ra­da de verão. A en­tra­da ofi­ci­al do parque fi­ca no Km 264,5 da Ru­ta 10, es­tra­da que co­nec­ta a di­vi­sa bra­si­lei­ra no Chuí com Mon­te­vi­déu.

Con­sul­te pre­ços atu­a­li­za­dos de trans­fer e es­ta­ci­o­na­men­to (tu­ris­mo­ro­cha.gub.uy) e le­ve di­nhei­ro vivo. Im­por­tan­te: ofi­ci­al­men­te não é per­mi­ti­do acam­par nem ir com animais de es­ti­ma­ção.

Há ou­tra pos­si­bi­li­da­de de co­me­çar a jor­na­da, des­sa vez em Va­li­zas. O aces­so é via uma lon­ga ca­mi­nha­da, to­da fei­ta pe­lo li­to­ral, em um ce­ná­rio bas­tan­te selvagem e sem ne­nhum pon­to de apoio. De um jei­to ou de ou­tro, vo­cê vai no­tar que o di­fí­cil em Ca­bo Polonio não é che­gar. É ir em­bo­ra. Cur­ta as playas sul e nor­te, ca­mi­nhe pe­la “ave­ni­da” Jo­sé Pe­pe Mu­ji­ca (a cur­ta fai­xa de areia que cru­za o cen­tri­nho em ho­me­na­gem ao ex-pre­si­den­te uru­guaio) e pro­ve os de­li­ci­o­sos buñu­e­los de al­ga, es­pe­ci­a­li­da­de dos ba­res e res­tau­ran­tes. Pro­gra­me­se pa­ra pas­sar pe­lo me­nos uma noi­te por ali. Fa­ça tu­do sem pres­sa. Não vai de­mo­rar pa­ra vo­cê se apai­xo­nar pe­los en­can­tos e pe­lo cli­ma úni­co do lu­gar.

ON­DE FI­CAR: A hos­pe­da­ria e res­tau­ran­te La Per­la del Ca­bo (la­per­la­del­ca­bo.com) ofe­re­ce tran­qui­li­da­de e bo­as op­ções de cardápio. No Hos­tel Vi­e­jo Lo­bo (vi­e­jo­lo­bohos­tel.com) a pe­di­da é so­ci­a­li­zar e ex­plo­rar as ati­vi­da­des outdoor.

DI­CA: Con­si­de­re a al­ter­na­ti­va mais aven­tu­rei­ra de aces­sar o lu­gar via Va­li­zas, um pi­to­res­co vi­la­re­jo a cer­ca de 20 km ao nor­te. A tra­ves­sia é lon­ga, inós­pi­ta e de vi­su­al es­pe­ta­cu­lar. Aten­te-se pa­ra a pre­vi­são do tem­po e a tá­bua de ma­rés e le­ve água e su­pri­men­tos bá­si­cos pa­ra o ca­mi­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.