HIS­TÓ­RIA DE FA­MÍ­LIA

Uma fa­mí­lia re­li­gi­o­sa e mu­si­cal aba­la­da pe­la per­da pre­ma­tu­ra da mãe de­di­ca­da. A his­tó­ria dos McCart­ney ex­pli­ca bem a ori­gem da de­di­ca­ção e do ta­len­to de Paul

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL PAUL MACCARTNEY - 2 - - ÍNDICE - Tex­to Ra­fa­el Gui­ma­rães/ Co­la­bo­ra­dor De­sign Ana Pau­la Mal­do­na­do

A car­rei­ra de Paul foi mui­to in­flu­en­ci­a­da pe­las su­as ori­gens

Jim McCart­ney era fi­lho de um cor­ta­dor de tabaco que evi­ta­va o ál­co­ol e que ia pa­ra a ca­ma to­dos os di­as às dez ho­ras da noi­te. A fa­mí­lia era de ori­gens ir­lan­de­sas e in­flu­en­ci­a­da por for­tes ele­men­tos ca­tó­li­cos. Mary Pa­tri­cia Mohan era fi­lha de um ir­lan­dês que tra­ba­lha­va co­mo car­vo­ei­ro após ter emi­gra­do pa­ra Li­ver­po­ol pro­cu­ran­do apro­vei­tar a as­cen­são econô­mi­ca da ci­da­de no fim da Se­gun­da Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al.

Li­ver­po­ol era en­tão um cen­tro in­dus­tri­al im­por­tan­te pa­ra a In­gla­ter­ra, apro­vei­tan­do sua re­la­ção com o mar e a pro­xi­mi­da­de a fon­tes de fer­ro e car­vão pa­ra se tor­nar uma gran­de pro­du­to­ra de aço. Os McCart­ney e os Mohan não fo­ram os úni­cos ir­lan­de­ses a mu­dar pa­ra a re­gião pro­cu­ran­do em­pre­go.

Jim nas­ceu em 1902, com ida­de pa­ra ser no­vo de­mais pa­ra lu­tar na Pri­mei­ra Gu­er­ra Mun­di­al e ve­lho de­mais pa­ra par­ti­ci­par da Se­gun­da. Ele era o ter­cei­ro de se­te fi­lhos e co­me­çou mui­to jo­vem a tra­ba­lhar nos mer­ca­dos de al­go­dão co­mo ne­go­ci­a­dor. Ape­sar de ter so­fri­do uma le­são no tím­pa­no di­rei­to quan­do cri­an­ça, vi­via uma re­la­ção de pai­xão com a mú­si­ca, to­can­do em grupos de jazz e rag­ti­me.

Jim ti­nha 38 anos quan­do co­nhe­ceu Mary, uma en­fer­mei­ra e par­tei­ra de 31. Eles se co­nhe­ce­ram en­quan­to se pro­te­gi­am de um bom­bar­deio ale­mão so­bre a ci­da­de em 1940, du­ran­te a Se­gun­da Gu­er­ra.

Os dois se ca­sa­ram e mu­da­ram pa­ra uma ca­sa pré- fa­bri­ca­da do­a­da pe­lo go­ver­no de­vi­do aos tra­ba­lhos dos dois du­ran­te a gu­er­ra. Nes­sa al­tu­ra, eles já ti­nham dois fi­lhos: Ja­mes Paul McCart­ney, que vi­ria a ser um dos mais bem-su­ce­di­dos mú­si­cos de to­dos os tem­pos, nas­ci­do em 1942, e Pe­ter Mi­cha­el McCart­ney, nas­ci­do em 1944.

A fa­mí­lia pros­pe­rou no pós- Gu­er­ra e che­gou até mes­mo a con­se­guir com­prar ou­tra ca­sa. Os dois fi­lhos fo­ram ba­ti­za­dos na fé cris­tã da mãe e edu­ca­dos re­li­gi­o­sa­men­te com o apoio do pai, mas não fre­quen­ta­ram es­co­las ca­tó­li­cas por Jim acre­di­tar que es­sas ins­ti­tui­ções não pre­za­vam pe­lo en­si­no se­cu­lar tan­to quan­to pe­lo re­li­gi­o­so.

Mary in­cen­ti­va­va os fi­lhos a usar o in­glês ofi­ci­al, di­fe­ren­te do uso da va­ri­a­ção de Li­ver­po­ol co­mum à épo­ca. Ela foi di­ag­nos­ti­ca­da com cân­cer de ma­ma e fa­le­ceu em 1956 de um em­bo­lis­mo após re­ti­rar um de seus sei­os pa­ra fre­ar o avan­ço da do­en­ça.

So­zi­nho com os fi­lhos, Jim to­mou o pa­pel de cuidar da ca­sa, co­zi­nhan­do e lim­pan­do. Ele in­cen­ti­vou os fi­lhos, en­tão jo­vens, a pra­ti­car mú­si­ca, acre­di­tan­do que is­so di­mi­nui­ria o im­pac­to dos pro­ble­mas com a per­da da mãe. Quan­do Paul co­me­çou a to­car com a ban­da no Ca­vern Club, seu pai, em uma ati­tu­de gen­til, fa­zia o jan­tar de to­dos e en­tre­ga­va pa­ra que o fi­lho es­quen­tas­se e co­mes­se com os co­le­gas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.