HEARTBREAK HO­TEL

Ti­do co­mo pou­co ta­len­to­so, El­vis se fir­mou co­mo um gran­de can­tor, e não de­mo­rou mui­to pa­ra ter seu pri­mei­ro nú­me­ro 1 nas pa­ra­das

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL ROLLING STONES - 1 - - ÍNDICE -

A mú­si­ca que in­flu­en­ci­ou uma ge­ra­ção de ga­ro­tos, co­mo John Len­non, Ro­bert Plant e Keith Ri­chards

Em al­gum dia de agos­to de 1953, El­vis Presley en­trou nos es­tú­di­os da Sun Re­cords a fim de usar o lo­cal pa­ra gra­var du­as mú­si­cas em um pe­que­no dis­co de ace­ta­to: My Hap­pi­ness and That’s When Your He­ar­ta­ches Be­gin. Ele jus­ti­fi­cou que era um pre­sen­te pa­ra sua mãe, mas sua re­al in­ten­ção era sen­tir co­mo ele se sai­ria em uma gra­va­ção e, quem sa­be, ser des­co­ber­to pe­la gra­va­do­ra. A “ca­ra de pau” fun­ci­o­nou: o do­no do lo­cal, Sam Phil­lips, pe­diu pa­ra que sua se­cre­tá­ria ano- tas­se o no­me do ra­paz e a ob­ser­va­ção “bom can­tor de ba­la­das. Aguar­dar”.

Pou­co mais de dois anos de­pois, a Sun Re­cords não foi ca­paz de se­gu­rar aque­le can­tor, que as­si­nou um bom con­tra­to com a RCA, uma gra­va­do­ra mais co­nhe­ci­da – e que te­ria El­vis até o fim de sua car­rei­ra. Quis o des­ti­no tam­bém que Presley, em seu pri­mei­ro tra­ba­lho na no­va ca­sa, gra­vas­se o sin­gle Heartbreak Ho­tel, que mu­da­ria pa­ra sem­pre a sua vi­da – e a de mui­tas pes­so­as em to­do o mun­do.

An­tes do es­tou­ro

A che­ga­da até o su­ces­so não foi fá­cil. No iní­cio de 1954, El­vis fez um tes­te pa­ra o Song­fel­lows, um quar­te­to vo­cal lo­cal, mas não foi acei­to por­que ele não sa­bia can­tar. En­quan­to tra­ba­lha­va co­mo ca­mi­nho­nei­ro da com­pa­nhia elé­tri­ca Crown, fez ou­tro tes­te pa­ra vo­ca­lis­ta de uma banda pro­fis­si­o­nal. O lí­der do gru­po, Ed­die Bond, su­ge­riu a El­vis con­ti­nu­ar fir­me na car­rei­ra de mo­to­ris­ta, “por­que vo­cê nun­ca vai se fir­mar co­mo um can­tor”, afir­mou.

En­quan­to is­so, Sam Phil­lips pro­cu­ra­va um no­vo ar­tis­ta, e lem­brou-se da­que­le ra­paz que su­ge­riu “aguar­dar”. Cha­ma­do pa­ra um tes­te, Presley le­vou dois ami­gos mú­si­cos, o gui­tar­ris­ta Scotty Mo­o­re e o bai­xis­ta Bill Black, com quem for­ma­va o gru­po Blue Mo­on Boys. A gra­va­ção, en­tre­tan­to, foi um de­sas­tre.

Frus­tra­do, El­vis pe­gou seu vi­o­lão e co­me­çou a to­car That’s All Right, emen­dan­do uma dan­ci­nha bo­ba ape­nas por di­ver­são. Seus ami­gos o acom­pa­nha­ram em seus ins­tru­men­tos. Ali, sem qual­quer com­pro­mis­so, Presley mos­trou seu ver­da­dei­ro som, o que cha­mou a aten­ção de Phil­lips. Três di­as de­pois, a banda es­ta­va to­can­do sem pa­rar num pro­gra­ma de rá­dio, já que pe­di­dos dos ou­vin­tes che­ga­vam a to­da ho­ra. Nos di­as se­guin­tes, o trio gra­vou seu pri­mei­ro sin­gle, com That’s All Right no la­do A e Blue Mo­on of Ken­tucky no la­do B. O jo­go co­me­ça­va a vi­rar.

A che­ga­da do “Co­ro­nel”

No fi­nal de 1954, o trio Presley/Scotty/Bill co­me­çou a se de­di­car ex­clu­si­va­men­te à mú­si­ca, tan­to que os três aban­do­na­ram seus em­pre­gos fi­xos. A apos­ta na car­rei­ra foi re­com­pen­sa­da com a as­si­na­tu­ra de um con­tra­to em que a banda se apre­sen­ta­ria to­dos os sá­ba­dos no pe­río­do de um ano na Loui­si­a­na Hay­ri­de, um show trans­mi­ti­do pe­la rá­dio KWKH. Foi a opor­tu­ni­da­de pa­ra que El­vis tam­bém tro­cas­se seu vi­o­lão de US$ 8 do iní­cio da car­rei­ra por um mais pro­fis­si­o­nal, que cus­tou US$ 175.

No ano se­guin­te, El­vis co­nhe­ce­ria aque­le que se­ria seu em­pre­sá­rio até o fim de sua vi­da, Co­lo­nel Tom Par­ker. No dia 20 de no­vem­bro de 1955, Par­ker le­vou seu ar­tis­ta pa­ra a RCA, jun­to com os cin­co sin­gles lan­ça­dos e gra­va­ções ain­da iné­di­tas. A tran­sa­ção to­da cus­tou US$ 35 mil, uma pe­que­na for­tu­na na épo­ca, além de US$ 5 mil pa­ra Presley. Ao mes­mo tem­po, El­vis as­si­nou uma par­ce­ria com a Hill and Ran­ge Pu­blishing Com­pany, que ad­mi­nis­tra­ria as mú­si­cas do can­tor.

A tra­gé­dia que vi­rou su­ces­so

Dois di­as após seu 21º ani­ver­sá­rio, El­vis Presley fez su­as pri­mei­ras gra­va­ções nos es­tú­di­os da RCA em Nash­vil­le. Além de seus dois par­cei­ros da banda, o can­tor con­tou com a par­ti­ci­pa­ção do gui­tar­ris­ta Chet At­kins e do pi­a­nis­ta Floyd Car­mer pa­ra a ses­são da­que­le dia.

A mú­si­ca que se­ria gra­va­da ti­nha uma le­tra pe­sa­da, que fa­zia re­fe­rên­cia a um ho­tel dos co­ra­ções par­ti­dos, on­de o eu-lí­ri­co es­ta­va vi­ven­do após o fim do re­la­ci­o­na­men­to. A ver­da­de é que os dois com­po­si­to­res da ba­la­da, a pro­fes­so­ra Mae Bo­ren Ax­ton e o can­tor Tho­mas Dur­den, ba­se­a­ram-se nu­ma no­tí­cia de jor­nal que con­ta­va a his­tó­ria de um ho­mem que des­truiu seus do­cu­men­tos e se jo­gou da ja­ne­la do quar­to de ho­tel, dei­xan­do ape­nas um pa­pel di­zen­do “eu an­dei por uma rua so­li­tá­ria”.

Tra­gé­di­as à par­te, Heartbreak Ho­tel foi gra­va­da de uma ma­nei­ra bem di­fe­ren­te do que os pro­du­to­res ima­gi­na­vam – al­go que des­to­a­va do es­ti­lo de El­vis e do que o pró­prio can­tor ha­via apre­sen­ta­do na pri­mei­ra vez. A in­ter­pre­ta­ção me­lo­dra­má­ti­ca de Presley, acom­pa­nha­da de um rit­mo for­te­men­te mar­ca­do pe­lo blu­es no pi­a­no de Car­mer e o so­lo de gui­tar­ra me­lan­có­li­co de Mo­o­re, cau­sou um im­pac­to tão sur­pre­en­den­te que foi cha­ma­da de “ba­gun­ça mór­bi­da” por Sam Phil­lips, do­no da an­ti­ga gra­va­do­ra de El­vis.

Po­de­ria pa­re­cer ciú­me de ex, mas até mes­mo mem­bros da RCA de­cla­ra­ram que Heartbreak Ho­tel era uma es­co­lha hor­rí­vel, es­pe­ci­al­men­te por­que a mú­si­ca em na­da se pa­re­cia com o es­ti­lo de El­vis. Um dos al­tos exe­cu­ti­vos da gra­va­do­ra, bas­tan­te des­fa­vo­rá­vel à can­ção, che­gou a di­vul­gar um me­mo­ran­do in­ter­no in­sis­tin­do que “nós cer­ta­men­te não po­de­mos lan­çá-la”. Presley fi­cou bas­tan­te cha­te­a­do com as in­si­nu­a­ções, mas acre­di­ta­va for­te­men­te que aque­la se­ria o su­ces­so que o le­va­ria ao es­tre­la­to. Ape­sar de mui­tos con­tras, o pri­mei­ro sin­gle de El­vis Presley pe­la RCA foi lan­ça­do no dia 27 de ja­nei­ro de 1956, com a con­tro­ver­sa Heartbreak Ho­tel no la­do A e I Was The One no la­do B.

Mais que um #1

El­vis es­ta­va cer­to. Heartbreak Ho­tel/I Was The One al­can­çou o to­po em du­as lis­tas da re­no­ma­da re­vis­ta Bill­bo­ard, nas ca­te­go­ri­as pop e coun­try, além de che­gar ao Top 5 na ca­te­go­ria R&B – no ge­ral, fi­cou 27 se­ma­nas no Top 100 da pu­bli­ca­ção. Em abril do mes­mo ano, che­gou à ca­sa de um mi­lhão de có­pi­as ven­di­das, o que ga­ran­tiu o pri­mei­ro cer­ti­fi­ca­do de ou­ro da RIAA, a as­so­ci­a­ção de gra­va­do­ras dos EUA.

No en­tan­to, os nú­me­ros pa­re­cem pe­que­nos di­an­te do cho­que que Heartbreak Ho­tel cau­sou. Ge­or­ge Har­ri­son te­ve uma “epi­fa­nia” qu­an­do a ou­viu pe­la pri­mei­ra vez, al­go tão for­te que o fez lar­gar tu­do pa­ra to­car gui­tar­ra. Ro­bert Plant, do Led Zep­pe­lin, afir­mou que a mú­si­ca “mu­dou sua vi­da”. O eter­no gui­tar­ris­ta dos Rolling Sto­nes, Keith Ri­chards, sen­tiu-se obri­ga­do a “ti­rar o cha­péu pa­ra El­vis” di­an­te da­que­le “som to­tal­men­te di­fe­ren­te”.

E 60 anos de­pois, a mú­si­ca que ca­ta­pul­tou El­vis à con­di­ção de es­tre­la ain­da é vis­ta co­mo o mar­co in­tro­du­tó­rio do rock. Ain­da que o as­sun­to ren­da dis­cus­sões, não se po­de ne­gar o tre­men­do im­pac­to que Heartbreak Ho­tel cau­sou à épo­ca. Uma can­ção ca­paz de ba­lan­çar aque­les que se tor­na­ri­am os Be­a­tles, os Rolling Sto­nes e o Led Zep­pe­lin (pa­ra ci­tar al­guns) me­re­ce um lu­gar na his­tó­ria.

“Heartbreak Ho­tel” foi in­cluí­da no Hall da Fa­ma do Rock and Roll co­mo uma das 500 mú­si­cas que mol­da­ram o rock

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.