POLÊMICAS NA COR­TE

De ques­tões ra­ci­ais ao cír­cu­lo fe­cha­do de “ami­gos” ,El­vis te­ve que li­dar com vá­ri­as per­cal­ços em sua car­rei­ra

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL ROLLING STONES - 1 - - ÍNDICE -

Na lon­ga es­tra­da do su­ces­so, não fal­ta­ram obs­tá­cu­los e des­vi­os de ro­ta

Não exis­te vi­da per­fei­ta, nem mes­mo dos gran­des ído­los. El­vis en­ca­rou al­gu­mas polêmicas em sua trajetória pes­so­al e pro­fis­si­o­nal. O ca­sa­men­to con­tur­ba­do com Pris­cil­la Presley cha­mou a aten­ção da mí­dia e tal­vez se­ja o fa­to ne­ga­ti­vo mais lem­bra­do pe­los fãs, mas seu no­me es­te­ve en­vol­vi­do em di­ver­sos ca­sos com­pli­ca­dos. Re­cor­da­mos al­guns de­les.

A ques­tão ra­ci­al

É fa­to que El­vis Presley foi for­te­men­te in­flu­en­ci­a­do pe­la mú­si­ca ne­gra, prin­ci­pal­men­te rit­mos co­mo o R&B e o gos­pel. Por is­so, sem­pre de­mons­tra­va gran­de res­pei­to a to­dos os ar­tis­tas que mol­da­ram seu es­ti­lo. Des­sa ma­nei­ra, no iní­cio de sua car­rei­ra, o can­tor foi bem acei­to pe­la co­mu­ni­da­de ne­gra, o que des­per­tou tam­bém um sen­ti­men­to con­trá­rio a El­vis en­tre pes­so­as bran­cas.

Mas a si­tu­a­ção fi­cou ten­sa qu­an­do El­vis te­ria di­to que “as úni­cas coi­sas que ne­gros po­dem fa­zer por mim são com­prar meus dis­cos e en­gra­xar meus sa­pa­tos”. A fra­se so­ou tão ab­sur­da que um jor­na­lis­ta ne­gro cha­ma­do Louie Ro­bin­son de­ci­diu in­ves­ti­gar se o can­tor re­al­men­te ha­via fa­la­do aqui­lo. Presley fez ques­tão de dar uma en­tre­vis­ta pa­ra Ro­bin­son du­ran­te a pro­du­ção do fil­me Jai­lhou­se Rock pa­ra ne­gar a au­to­ria da fra­se e rei­te­rar o res­pei­to pe­los seus ído­los ne­gros.

Ou­tro te­ma que ain­da ge­ra polêmicas é a acu­sa­ção de que El­vis te­ria se apro­pri­a­do dos rit­mos mu­si­cais de ori­gem ne­gra pa­ra fa­zer su­ces­so. Presley sem­pre man­te­ve um dis­cur­so cla­ro em re­la­ção a is­so, di­zen­do que “o rock’n’roll es­tá por aí há mui­tos anos. Cos­tu­ma­va-se ser cha­ma­do de rhythm and blu­es”. Se o can­tor “rou­bou” ou não o es­ti­lo, is­so di­fi­cil­men­te se­rá pro­va­do, mas cer­ta­men­te o tor­nou po­pu­lar.

A “Má­fia de Memphis”

Não. El­vis não era mem­bro de ne­nhu­ma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa ou ti­nha li­ga­ção com al­gu­ma de­las, mas as­sim foi cha­ma­do o gru­po de ami­gos e fun­ci­o­ná­ri­os que acom­pa­nhou Presley em pra­ti­ca­men­te to­da sua car­rei­ra ( The Memphis Ma­fia, em in­glês). Ini­ci­al­men­te, es­sas pes­so­as fo­ram em­pre­ga­das pa­ra acom­pa­nhá-lo nas tur­nês, atu­ar co­mo se­gu­ran­ças e ou­tras fun­ções de bas­ti­do­res.

El­vis via es­se gru­po de ami­gos co­mo as pes­so­as mais le­ais com as quais po­de­ria tra­ba­lhar. Po­rém, quem não fa­zia par­te do cír­cu­lo acre­di­ta­va que eram ape­nas pa­ra­si­tas e ba­ju­la­do­res que se apro­vei­ta­vam do can­tor. De fa­to, Presley não so­men­te pa­ga­va seus sa­lá­ri­os, co­mo tam­bém da­va bô­nus pol­pu­dos, pre­sen­tes e até car­ros.

A ques­tão se tor­nou mais com­pli­ca­da na dé­ca­da de 1970. A saú­de de El­vis se de­te­ri­o­ra­va a ca­da dia com o con­su­mo de­sen­fre­a­do de drogas, ál­co­ol e ali­men­ta­ção pe­sa­da. No en­tan­to, a “Má­fia de Memphis” di­fi­cul­ta­va a vi­da de qual­quer pes­soa que ten­tas­se se apro­xi­mar do can­tor. Em con­tra­par­ti­da, os mem­bros do gru­po ale­ga­vam que Presley es­ta­ria mor­to mui­to an­tes sem o apoio de­les.

Fa­çam o que di­go...

Ape­sar de ter pe­di­do ao ex-pre­si­den­te Ri­chard Ni­xon que en­du­re­ces­se a lu­ta dos Es­ta­dos Uni­dos con­tra as drogas, El­vis se tor­nou um usuá­rio re­gu­lar de­las– tan­to le­gais quan­to proi­bi­das. No exér­ci­to, foi apre­sen­ta­do à an­fe­ta­mi­na; nos úl­ti­mos anos de sua vi­da, faz uso pe­sa­do de se­da­ti­vos, nar­có­ti­cos e es­ti­mu­lan­tes. O fa­to cha­mou a aten­ção de Paul McCart­ney, um dos “al­vos” da lu­ta de Presley, que acre­di­ta­va que os Be­a­tles eram má in­fluên­cia por sua as­so­ci­a­ção com subs­tân­ci­as ilí­ci­tas. “A gran­de pi­a­da era que nós to­má­va­mos as drogas, e olha o que acon­te­ceu com ele”, lem­brou Paul.

Paul McCart­ney afir­mou tam­bém se sen­tir “traí­do” com a fa­la de El­vis. Afi­nal, Presley era um dos gran­des ído­los dos in­te­gran­tes da banda e ha­vi­am se co­nhe­ci­do anos an­tes num bre­ve – e aguar­da­do – en­con­tro que du­rou cer­ca de qua­tro ho­ras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.