DA VI­DA PA­RA A HIS­TÓ­RIA

Mes­mo com a saú­de de­bi­li­ta­da, a mor­te de El­vis Presley foi um gran­de cho­que pa­ra seus fãs, tan­to que mui­tos cus­tam a acre­di­tar que ele se foi

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL ROLLING STONES - 1 - - ÍNDICE -

Sim, El­vis Presley mor­reu. Mas mui­tas ques­tões ain­da ron­dam o fa­tí­di­co epi­só­dio

Des­de seu re­tor­no aos pal­cos, a vi­da de El­vis Prel­sey era mar­ca­da por uma imen­sa ins­ta­bi­li­da­de. Por um la­do, as apre­sen­ta­ções sem­pre al­can­ça­vam gran­de pú­bli­co e al­tos ín­di­ces de au­di­ên­cia na te­le­vi­são, o que tam­bém im­pul­si­o­na­va as ven­das de dis­cos e sin­gles. Na con­tra­mão, os pro­ble­mas pes­so­ais tor­na­vam sua si­tu­a­ção ca­da vez mais caó­ti­ca – e sua saú­de ain­da mais frá­gil.

Ins­ta­bi­li­da­de e cri­se

O di­vór­cio ha­via si­do um enor­me ba­que pa­ra El­vis, e os for­tes me­di­ca­men­tos que to­ma­va pa­re­ci­am a úni­ca so­lu­ção pa­ra ali­vi­ar seu so­fri­men­to. O pro­ble­ma é que o can­tor abu­sa­va a tal pon­to de co­lo­car sua saú­de em ris­co. No ano da se­pa­ra­ção (1973), ele so­freu du­as over­do­ses por con­ta do uso ex­ces­si­vo de bar­bi­tú­ri­cos (to­dos re­cei­ta­dos por mé­di­cos, de acor­do com Presley). Na pri­mei­ra cri­se, che­gou a fi­car em co­ma por três di­as nu­ma ca­ma de ho­tel.

O con­su­mo de subs­tân­ci­as tam­bém era jus­ti­fi­ca­do pe­lo gran­de nú­me­ro de apre­sen­ta­ções – fo­ram 168 so­men­te em 1973. Mes­mo can­sa­do, El­vis não gos­ta­va de can­ce­lar seus com­pro­mis­sos, o que agra­va­va ain­da mais sua si­tu­a­ção. Um epi­só­dio em se­tem­bro de 1974 é um exem­plo dis­so.

Presley che­gou em sua li­mu­si­ne pa­ra um show em Mary­land. Qu­an­do a por­ta se abriu, ele des­pen­cou do car­ro so­bre os jo­e­lhos, mas em­pur­ra­va qual­quer pes­soa que ten­tas­se aju­dá-lo. To­dos em vol­ta re­co­nhe­ci­am que El­vis es­ta­va bas­tan­te al­te­ra­do. Mes­mo as­sim, su­biu ao pal­co, em­bo­ra não con­se­guis­se se­quer can­tar além das pri­mei­ras pa­la­vras de ca­da can­ção. Di­as de­pois, uma ce­na pa­re­ci­da acon­te­ceu em De­troit: o can­tor es­ta­va jo­ga­do so­bre uma ca­dei­ra sem con­di­ção de se me­xer. No en­tan­to, fez ques­tão de tra­ba­lhar na­que­la noi­te.

El­vis che­gou aos úl­ti­mos me­ses de sua vi­da com­pa­ra­do a “uma ca­ri­ca­tu­ra gro­tes­ca da ima­gem bri­lhan­te e cheia de ener­gia de seu pró­prio pas­sa­do”, co­mo des­cre­veu o jor­na­lis­ta Tony Scher­man à épo­ca. Os re­la­tos eram re­al­men­te tris­tes: per­for­man­ces so­frí­veis no pal­co, apre­sen­ta­ções e tur­nês can­ce­la­das, e o psi­co­ló­gi­co vi­si­vel­men­te afe­ta­do. Além dis­so, Presley so­fria de pro­ble­mas de saú­de co­mo glau­co­ma, pres­são al­ta, da­nos no fí­ga­do e no có­lon, mui­to por con­ta do uso ex­ces­si­vo de subs­tân­ci­as.

Re­la­ções con­tur­ba­das

Cin­co me­ses após o di­vór­cio, El­vis Presley co­me­çou um re­la­ci­o­na­men­to com Lin­da Thomp­son, uma com­po­si­to­ra que já ha­via par­ti­ci­pa­do de con­cur­sos de be­le­za no pas­sa­do. O na­mo­ro du­rou pou­co mais de três anos. Lo­go de­pois, o can­tor es­ta­va na­mo­ran­do Gin­ger Al­den, e, em pou­co mais de dois me­ses, pe­diu-a em ca­sa­men­to, con­tra­ri­an­do su­as pró­pri­as in­ten­ções, pois o rei do rock não pen­sa­va mais em ma­trimô­nio.

No en­tan­to, as re­la­ções que mais cau­sa­ram pro­ble­mas a El­vis no fim de sua vi­da en­vol­vi­am seus ami­gos mais pró­xi­mos. Seu pai, Ver­non, es­ta­va ca­da vez mais en­vol­vi­do nos ne­gó­ci­os do fi­lho, e de­ci­diu de­mi­tir Red West, Sonny West e David Hel­ber, três guar­da-cos­tas do fi­lho, ami­gos de lon­ga da­ta e que fa­zi­am par­te da “Má­fia de Memphis”. Pes­so­as pró­xi­mas acu­sa­ram El­vis de co­var­dia ao não ter co­ra­gem de de­mi­tir seus com­pa­nhei­ros pes­so­al­men­te.

O mo­ti­vo apre­sen­ta­do pe­lo pai de El­vis foi cor­te de des­pe­sas. Um dos só­ci­os do can­tor, John O’Grady, acu­sou os se­gu­ran­ças de agi­rem com de­ma­si­a­da for­ça pa­ra com os fãs, o que ren­dia vá­ri­os pro­ces­sos. No en­tan­to, a ver­da­dei­ra ra­zão da dis­pen­sa se­ria a co­ni­vên­cia dos três ho­mens em re­la­ção à de­pen­dên­cia quí­mi­ca de Presley.

Di­as an­tes da mor­te, Red West, Sonny West e David Hel­ber pu­bli­ca­ram um li­vro cha­ma­do El­vis: What Hap­pe­ned? (El­vis, o que acon­te­ceu?, sem edi­ção no Bra­sil), em que ex­pu­se­ram pe­la pri­mei­ra vez os pro­ble­mas de Presley com drogas. A “vin­gan­ça” tam­bém dei­xou o can­tor de­vas­ta­do, a pon­to de pe­dir aos edi­to­res pa­ra que can­ce­las­sem o lan­ça­men­to. O es­tra­go, en­tre­tan­to, já ha­via si­do fei­to.

Adeus re­pen­ti­no

Na ma­dru­ga­da de 16 de agos­to de 1977, El­vis re­tor­nou de uma con­sul­ta ao den­tis­ta mar­ca­da às 23 ho­ras, um ho­rá­rio tí­pi­co em seu dia a dia pa­ra es­se ti­po de com­pro­mis­so. Du­ran­te as pri­mei­ras ho­ras do dia, ele pas­sou um tem­po com a fa­mí­lia, to­cou mú­si­cas no pi­a­no e, às se­te da ma­nhã, foi pa­ra sua suí­te pa­ra des­can­sar. À noi­te, o can­tor pe­ga­ria o avião pa­ra mais uma sé­rie de apre­sen­ta­ções pe­los EUA.

A par­tir des­te pon­to, os fa­tos se tor­nam des­co­ne­xos. El­vis te­ria se le­van­ta­do às dez da ma­nhã pa­ra ir ao ba­nhei­ro. So­men­te qua­tro ho­ras de­pois, sua na­mo­ra­da o en­con­trou des­mai­a­do e sem re­a­ção no lo­cal. As ten­ta­ti­vas de re­a­ni­ma-lo fo­ram inú­teis, e às 15h30, o Bap­tist Me­mo­ri­al Hos­pi­tal anun­ci­ou que El­vis Presley es­ta­va mor­to de­vi­do a um co­lap­so ful­mi­nan­te.

A no­tí­cia foi um cho­que em to­do o mun­do. O ve­ló­rio de El­vis, mar­ca­do pa­ra o dia se­guin­te em sua man­são, reu­niu mais de 80 mil pes­so­as, que de­se­ja­vam dar seu adeus ao ído­lo. As li­nhas te­lefô­ni­cas em Gra­ce­land fi­ca­ram inu­ti­li­za­das de­vi­do ao enor­me nú­me­ro de li­ga­ções. Fo­ra dos por­tões, um car­ro des­go­ver­na­do atin­giu um gru­po de fãs, ma­tan­do du­as pes­so­as e fe­rin­do uma ter­cei­ra. No dia 18, a ce­rimô­nia foi fe­cha­da pa­ra ami­gos e pa­ren­tes. O can­tor foi en­ter­ra­do ao la­do de sua mãe, no ce­mi­té­rio de Fo­rest Hill, mas re­mo­vi­do di­as de­pois pa­ra um tú­mu­lo es­pe­ci­al em Gra­ce­land de­pois de uma ten­ta­ti­va do rou­bo de seu ca­dá­ver.

Em bus­ca de res­pos­tas

Os dois mé­di­cos que cui­da­vam da saú­de de El­vis Presley há anos fo­ram mui­to ques­ti­o­na­dos após a mor­te do can­tor. Jer­ry Fran­cis­co ale­gou que a cau­sa mor­tis do rei do rock ha­via si­do ar­rit­ma car­día­ca, uma con­di­ção pos­sí­vel de ser de­ter­mi­na­da so­men­te em uma pes­soa vi­va, o que le­van­tou mui­tas sus­pei­tas em re­la­ção a aba­fa­men­to do ca­so.

O prin­ci­pal mé­di­co de El­vis, Ge­or­ge Ni­cho­pou­los, te­ve sua li­cen­ça sus­pen­sa por três me­ses após uma gra­ve de­nún­cia. Nos me­ses de 1977 em que Presley es­te­ve vi­vo, Ni­cho­pou­los pres­cre­veu pou­co mais de dez mil do­ses de se- da­ti­vos, an­fe­ta­mi­nas e nar­có­ti­cos, to­dos pa­ra o can­tor. Em 1990, após no­vas in­ves­ti­ga­ções, sua li­cen­ça foi per­ma­nen­te­men­te re­vo­ga­da.

De fa­to, os pro­ble­mas de saú­de de El­vis fo­ram agra­va­dos pe­lo uso in­dis­cri­mi­na­do de me­di­ca­men­tos pe­sa­dos, cu­ja mis­tu­ra em do­ses ca­va­la­res che­gou a ser con­si­de­ra­do co­mo a cau­sa prin­ci­pal de sua mor­te – um la­bo­ra­tó­rio ale­gou que fo­ram en­con­tra­dos 14 ti­pos de drogas no or­ga­nis­mo de Presley, sen­do dez em gran­de quan­ti­da­de. A ques­tão é que o pró­prio can­tor foi ne­gli­gen­te com sua con­di­ção, e as pes­so­as ao seu re­dor pa­re­ce­ram não sa­ber co­mo aju­dá-lo.

Se El­vis não mor­reu...

Pa­ra on­de ele foi en­tão? As te­o­ri­as pa­ra es­sa e ou­tras per­gun­tas so­bre um dos gran­des “mis­té­ri­os” da his­tó­ria

Po­de pa­re­cer uma re­ve­rên­cia à obra inesquecível de El­vis Presley, mas há quem acre­di­te ao pé da le­tra que “El­vis não mor­reu”. Co­mo abor­da­do an­te­ri­or­men­te, há al­gu­mas la­cu­nas que não fo­ram pre­en­chi­das a res­pei­to de sua mor­te, o que le­van­ta sus­pei­tas des­de 16 de agos­to de 1977 – e se tor­na­ram um ter­re­no bas­tan­te fér­til pa­ra te­o­ri­as da cons­pi­ra­ção.

Uma das ver­sões ale­ga que El­vis es­ta­va can­sa­do do as­sé­dio e que­ria uma vi­da co­mum. Por is­so, for­jou sua pró­pria mor­te, ten­do pro­vi­den­ci­a­do in­clu­si­ve um bo­ne­co de ce­ra pa­ra ser co­lo­ca­do em seu cai­xão, a fim de en­ga­nar as pes­so­as. Des­de en­tão, ele es­ta­ria cur­tin­do sua apo­sen­ta­do­ria em al­gum lu­gar do mun­do. Mas a his­tó­ria mais co­nhe­ci­da so­bre a “fal­sa mor­te” de El­vis co­me­ça an­tes do fa­tí­di­co dia. O can­tor es­ta­ria sen­do ame­a­ça­do pe­la má­fia dos Es­ta­dos Uni­dos (sem qual­quer re­la­ção com sua “Má­fia de Memphis”) por­que de­ci­diu co­la­bo­rar com o FBI em in­ves­ti­ga­ções so­bre o cri­me or­ga­ni­za­do do país. Os ma­fi­o­sos tam­bém te­ri­am ou­tro mo­ti­vo pa­ra per­se­guir Presley: os in­tér­pre­tes mais apre­ci­a­dos por eles, co­mo De­an Mar­tin e Frank Si­na­tra, eram eclip­sa­dos pe­lo enor­me su­ces­so de El­vis.

Com me­do de uma re­a­ção vi­o­len­ta da má­fia, o pró­prio Presley te­ria to­ma­do uma ati­tu­de ra­di­cal. Ele pe­diu aju­da ao go­ver­no dos Es­ta­dos Uni­dos, que pron­ta­men­te o co­lo­ca­ram em um ser­vi­ço de pro­te­ção a tes­te­mu­nhas. Co­mo for­ma de jus­ti­fi­car sua au­sên­cia re­pen­ti­na, El­vis ha­via ar­qui­te­ta­do sua pró­pria mor­te.

Em 2007, uma edi­ção la­ti­na da re­vis­ta Rolling Sto­ne res­ga­tou uma his­tó­ria so­bre o pa­ra­dei­ro de El­vis. Um sol­da­do ar­gen­ti­no cha­ma­do Jor­ge Gar­cia afir­mou que, um dia após a mor­te do can­tor, um avião mo­de­lo Bo­eing 747 ha­via pou­sa­do na ba­se mi­li­tar de Pa­lo­mar, pró­xi­mo a Bu­e­nos Ai­res, ten­do par­ti­do de Memphis. Na pis­ta, uma lu­xu­o­sa li­mu­si­ne es­pe­ra­va um dos pas­sa­gei­ros.

A his­tó­ria con­ta­da por Gar­cia ba­te com um bo­a­to de que um ho­mem cha­ma­do John Bur­rows, com uma apa­rên­cia mui­to pa­re­ci­da com a de El­vis, ha­via com­pra­do uma pas­sa­gem de avião de Memphis pa­ra Bu­e­nos Ai­res. Pa­ra cons­pi­ra­do­res, es­sa se­ria a no­va iden­ti­da­de de Presley após ter en­tra­do pa­ra o pro­gra­ma do FBI. Des­de en­tão, o can­tor es­ta­ria vi­ven­do “em uma zo­na a oes­te na Pro­vín­cia de Bu­e­nos

Ai­res”, co­mo ex­pli­ca a pu­bli­ca­ção.

Em seu pi­a­no, a úl­ti­ma mú­si­ca que El­vis to­cou an­tes de sua mor­te foi Blue Eyes Crying in the Rain, e sua re­fei­ção der­ra­dei­ra fo­ram qua­tro bo­las de sor­ve­te acom­pa­nha­das de seis co­o­ki­es de cho­co­la­te. A ci­da­de de Memphis pa­rou pa­ra dar adeus ao seu...

A ver­são ga­nhou for­ça por­que El­vis Presley te­ria com­pra­do uma ca­sa na Ar­gen­ti­na anos an­tes de sua mor­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.