ALLOW ME TO INTRODUCE MYSELF...

A gê­ne­se da mai­or banda de rock de to­dos os tem­pos

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA ESPECIAL ROLLING STONES - 1 - - ÍNDICE -

A fa­se em­bri­o­ná­ria dos Rol­lin’ Sto­nes

Adé­ca­da de 1960 foi a era de ou­ro do rock, um pe­río­do que re­ve­lou ao mun­do al­guns dos mai­o­res no­mes do es­ti­lo. Fo­ram tem­pos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os es­pe­ci­al­men­te no He­mis­fé­rio Nor­te, mais pre­ci­sa­men­te, na Eu­ro­pa e nos Es­ta­dos Uni­dos. Mi­lha­res de gru­pos, com inú­me­ras pro­pos­tas di­fe­ren­tes – em­bo­ra con­ver­gen­tes de al­gu­ma ma­nei­ra – sur­gi­am por to­dos os can­tos e pro­fun­de­zas. Al­guns, ge­ni­ais, se­mi­nais pa­ra tu­do o que se pro­du­zi­ria em ter­mos de mú­si­ca da­li em di­an­te.

En­tre to­dos os gran­des no­mes re­ve­la­dos du­ran­te aque­la era, dois se so­bres­sa­em: Be­a­tles e Rolling Sto­nes. O pri­mei­ro não so­bre­vi­veu à sua pró­pria gran­de­za, ape­sar de ain­da se­rem con­si­de­ra­dos co­mo a banda de rock-pop mais im­por­tan­te de to­dos os tem­pos. Os Sto­nes, por sua vez, ain­da es­tão por aí, se­ten­tões sa­cu­din­do os tra­sei­ros, lan­çan­do ál­buns e re­a­li­zan­do apre­sen­ta­ções his­tó­ri­cas pa­ra cen­te­nas de mi­lha­res de pes­so­as, co­mo a de mar­ço de 2016, em Ha­va­na, Cu­ba. E nes­te ano lan­ça­ram seu 23º ál­bum com a mes­ma vi­ta­li­da­de de seu dis­co de es­treia. Os Be­a­tles ain­da são mais po­pu­la­res, dis­so não há dú­vi­da, mas os Sto­nes são in­su­pe­rá­veis qu­an­do se tra­ta pu­ra e sim­ples­men­te de rock’n’roll... And we all li­ke it!

Uni­dos pe­lo blu­es

A par­ce­ria Jag­ger-Ri­chards é a es­sên­cia do Rolling Sto­nes. É ver­da­de que sem­pre con­ta­ram com gran­des

mú­si­cos nas vá­ri­as for­ma­ções da banda nes­se mais de meio sé­cu­lo de exis­tên­cia. Fo­ram ou são “sto­nes” tam­bém gui­tar­ris­tas ge­ni­ais co­mo Mick Tay­lor, Ron Wo­od e Bri­an Jo­nes, bem co­mo o te­cla­dis­ta Ian Stewart, a quem Keith Ri­chards re­ve­ren­cia co­mo “cul­pa­do” pe­lo Rolling Sto­nes ter da­do cer­to no iní­cio, o bai­xis­ta Bill Wy­man e o ba­te­ra Char­lie Watts. É ver­da­de tam­bém que o fun­da­dor do gru­po foi Bri­an Jo­nes. Mas não há qual­quer dú­vi­da de que a al­ma dos Sto­nes sem­pre es­te­ve na cum­pli­ci­da­de en­tre Mick e Keith, cu­jas vi­das se cru­za­ram des­de a in­fân­cia.

Jag­ger e Ri­chards nas­ce­ram no mes­mo lu­gar, o Li­vings­to­ne Hos­pi­tal, em Dart­ford, ci­da­de que fi­ca a ape­nas 25km de Lon­dres, no mes­mo ano (1943) e com cer­ca de cin­co me­ses de di­fe­ren­ça um do ou­tro (o vo­ca­lis­ta é mais ve­lho). En­tre os oi­to e dez anos de ida­de, es­tu­da­ram jun­tos na Wentworth County Pri­mary, on­de tro­ca­ram as pri­mei­ras pa­la­vras. Mick cos­tu­ma se lem­brar que em um ba­te-pa­po no pá­tio da es­co­la, Keith lhe dis­se que, qu­an­do cres­ces­se, que­ria ser co­mo Roy Ro­gers, he­rói do Ve­lho Oes­te ido­la­tra­do por dez en­tre dez ga­ro­tos in­gle­ses da épo­ca, e to­car vi­o­lão. Os dois até mo­ra­ram bem per­to um do ou­tro, mas não che­ga­ram a apro­fun­dar uma ami­za­de.

Em 1961, o aca­so os apro­xi­ma­ria no­va­men­te. Des­ta vez, pa­ra sem­pre. Ri­chards re­gis­trou o en­con­tro em uma car­ta pa­ra sua tia Patty, qua­tro me­ses de­pois do his­tó­ri­co re­en­con­tro: “Vo­cê sa­be quan­to eu gos­to de Chuck Ber­ry e pen­sei que fos­se o úni­co fã de­le num raio de mui­tos quilô­me­tros, mas um dia de ma­nhã, na es­ta­ção de Dart­ford, eu es­ta­va se­gu­ran­do uns dis­cos do Chuck qu­an­do um ca­ri­nha que eu já co­nhe­cia do pri­má­rio veio fa­lar co­mi­go. Ele ti­nha to­dos os dis­cos que o Chuck Ber­ry ha­via gra­va­do até en­tão, e a tur­ma de­le tam­bém ti­nha os dis­cos, são to­dos fãs de rhythm and blu­es, qu­er di­zer do r& b de ver­da­de ( não es­sas por­ca­ri­as de Di­nah Sho­re ou Bro­ok Ben­ton), Jimmy Re­ed, Muddy Wa­ters, Chuck, Ho­wlin’ Wolf, John Lee Ho­o­ker, to­dos os blu­e­sei­ros de Chi­ca­go com aque­le som ma­ra­vi­lho­so, con­ti­do, re­al. Bo Did­dley, ou­tro mú­si­co ge­ni­al. En­fim, es­se ca­ra na es­ta­ção se cha­ma Mick Jag­ger e as ga­ro­tas e os ca­ras se reú­nem to­dos os sá­ba­dos de ma­nhã no Ca­rou­sel, um bo­te­co com uma ju­ke­box”.

Tu­bo de en­saio

Na épo­ca, Mick já can­ta­va em uma banda, jun­to com os gui­tar­ris­tas Dick Tay­lor e Bob Beckwith, e o ba­te­ris­ta Alan Ethe­ring­ton. Os dois vol­ta­ri­am a se re­en­con­trar no Ca­rou­sel e es­trei­ta­ram a ami­za­de em tor­no dos dis­cos, mas tam­bém pe­lo fa­to de Mick sa­ber can­tar e Keith to­car gui­tar­ra. Lo­go, pas­sa­ram a se en­con­trar pa­ra ou­vir um som e ten­tar apren­der as mú­si­cas. A sin­to­nia foi ins­tan­tâ­nea. As­sim, foi na­tu­ral Jag­ger o le­var aos en­sai­os da banda e su­ge­rir que se tor­nas­se um mem­bro per­ma­nen­te do gru­po, ain­da não ba­ti­za­do.

Ape­sar da des­con­fi­an­ça dos de­mais in­te­gran­tes – Keith já ti­nha aque­le jei­tão de bad boy su­bur­ba­no, en­quan­to eles man­ti­nham um es­ti­lo mais com­por­ta­do, de ga­ro­tos de clas­se mé­dia – bas­tou um en­saio pa­ra que con­cor­das­sem em ad­mi­ti-lo. “O ami­go do Mi­ke é mes­mo um tras­te to­tal, mas um tras­te mui­to le­gal”, te­ria di­to Dick Tay­lor so­bre Keith pa­ra os de­mais in­te­gran­tes. Com o no­vo mem­bro, o gru­po tam­bém ga­nhou um no­me: Lit­tle Boy Blue and the Blue Boys. Des­sa épo­ca, o úni­co re­gis­tro exis­ten­te é uma fi­ta ca­sei­ra com se­te mú­si­cas, to­das co­vers, le­va­das a lei­lão por Ri­chards 30 anos de­pois de ser gra­va­da e ven­di­da por uma for­tu­na. O ar­re­ma­ta­dor da ra­ri­da­de foi Mick Jag­ger.

En­con­tran­do um lar

Em 1962, o gru­po des­co­briu que o Ea­ling Jazz Club, ca­sa fun­da­da por Ale­xis Kor­ner, fi­gu­ra fun­da­men­tal pa­ra o blu­es in­glês, re­ser­va­va uma noi­te por se­ma­na pa­ra apre­sen­ta­ções de gru­pos de rhythm and blu­es. Kor­ner já era um mú­si­co ve­te­ra­no, or­bi­ta­va na noi­te de Lon­dres e ar­re­do­res com ban­das de jazz des­de 1947, Keith Ri­chards, em sua au­to­bi­o­gra­fia, se re­fe­re a ele co­mo “pai” da ce­na Lon­dri­na de blu­es. Na épo­ca ti­nha um gru­po, o Blu­es In­cor­po­ra­ted, com seu par­cei­ro, o len­dá­rio Cy­rill Da­vi­es. Os dois eram os úni­cos mem­bros per­ma­nen­tes, em tor­no dos quais se re­ve­za­vam di­ver­sos mú­si­cos. En­tre os con­vi­da­dos que cons­tan­te­men­te

su­bi­am ao pal­co com a du­pla, es­ta­vam o te­cla­dis­ta Ian Stewart e o ba­te­ris­ta Char­lie Watts.

De­pois de co­nhe­ce­rem o clu­be, Jag­ger de­ci­diu en­vi­ar uma fi­ta com cin­co mú­si­cas do Lit­tle Boy Blue pa­ra Kor­ner, que não se im­pres­si­o­nou com o que ou­viu, mas co­mo sem­pre fa­zia, de­ci­diu dar uma chan­ce aos ga­ro­tos. No en­tan­to, con­vi­dou ape­nas Jag­ger e Ri­chards pa­ra se apre­sen­ta­rem com ele e o bai­xis­ta Jack Bru­ce, fu­tu­ro mem­bro do Cre­am, o que de fa­to acon­te­ceu.

Por su­ges­tão da du­pla de no­va­tos, to­ca­ram Around and around, de Chuck Ber­ry. Ape­sar de a apre­sen­ta­ção não ter agra­da­do à pe­que­na pla­teia pre­sen­te, Kor­ner gos­tou do es­ti­lo in­qui­e­to de Mick e o con­vi­dou a vol­tar na se­ma­na se­guin­te pa­ra can­tar com a for­ma­ção prin­ci­pal do Blu­es In­cor­po­ra­ted, que in­cluía tam­bém o ba­te­ris­ta Dick Hecks­tall-Smith. Nas se­ma­nas se­guin­tes, Mick su­bi­ria ao pal­co com eles al­gu­mas ve­zes.

Nú­cleo ba­se

Na­tu­ral­men­te, Mick e Keith se tor­na­ram fre­quen­ta­do­res as­sí­du­os do Ea­ling, as­sim co­mo mui­tos ou­tros mú­si­cos in­te­res­sa­dos em blu­es. En­tre eles, es­ta­va um ca­ra cha­ma­do Bri­an Jo­nes, que se apre­sen­ta­va com o no­me El­mo Lewis, re­fe­rên­cia a El­mo­re Ja­mes, o gênio da sli­de gui­tar (ou bot­tle­neck, a téc­ni­ca em que se uti­li­za um tu­bo me­tá­li­co pa­ra pres­si­o­nar as cor­das), ao la­do de um vo­ca­lis­ta cha­ma­do Paul Pond, que mais tar­de se­ria um dos fun­da­do­res do Man­fred Mann, usan­do o no­me Paul Jo­nes. Kor­ner foi o res­pon­sá­vel por apro­xi­má-los. Keith es­pe­ci­al­men­te fi­cou de quei­xo caí­do ao ver Bri­an to­car.

Jo­nes, ape­nas um ano mais ve­lho que os dois, já era “es­co­la­do” – des­de os 15 anos to­ca­va pro­fis­si­o­nal­men­te e já ar­qui­te­ta­va os pla­nos for­mar sua pró­pria banda. Além do gos­to pe­lo blu­es, os três ti­nham al­go mais em co­mum: a re­bel­dia e a ir­res­pon­sa­bi­li­da­de. Nes­te que­si­to Jo­nes era mes­tre. Aos 16 anos, en­gra­vi­da­ra uma sua ga­ro­ta, Va­le­rie, dois anos mais no­va. O acon­te­ci­men­to es­can­da­li­zou a sua fa­mí­lia clas­se mé­dia e tra­di­ci­o­na­lis­ta. Mas era só o co­me­ço. Aos 20 anos já era pai de mais du­as cri­an­ças e, qu­an­do mor­reu, aos 27 anos,de mães com mu­lhe­res di­fe­ren­tes. Mais uma vez, sin­to­nia to­tal e os la­ços de ami­za­de en­tre os três não de­mo­ra­ram a se es­trei­tar.

Ou o su­jei­to era do blu­es e do jazz, ou do rock and roll que ti­nha mor­ri­do e vi­ra­do pop. Não ti­nha so­bra­do na­da. (Keith Ri­chards, so­bre a ce­na lon­dri­na no iní­cio dos anos 60)

As pe­dras co­me­çam a ro­lar

Em maio de 1962, Ha­rold Pen­dle­ton, pro­pri­e­tá­rio de ou­tro lo­cal len­dá­rio de Lon­dres, o Mar­quee Club, con­vi­dou Kor­ner e seu gru­po pa­ra to­car nas noi­tes de ter­ça, es­te, acei­tou e re­cru­tou Jag­ger pa­ra acom­pa­nhá-los, não sem an­tes fa­lar com Keith, uma vez que sa­bia que os dois ain­da es­ta­vam jun­tos no Lit­tle Blue Boy. A ofi­ci­a­li­za­ção de Jag­ger co­mo vo­ca­lis­ta do Blu­es Inc. che­gou a ser no­ti­ci­a­da por uma re­vis­ta da épo­ca, a Disc.

Qua­se ao mes­mo tem­po, Bri­an Jo­nes pu­bli­ca­va um anún­cio na re­vis­ta Jazz News, à pro­cu­ra de mú­si­cos pa­ra for­mar um no­vo gru­po de r&b. A au­di­ção se­ria em um pub cha­ma­do Whi­te Be­ar, mas te­ve de ser trans­fe­ri­da pa­ra ou­tro lo­cal, o Bric­klayers Arms, uma vez que Jo­nes foi pe­go rou­ban­do o cai­xa do Whi­te Be­ar. O pri­mei­ro a pas­sar pe­lo cri­vo de Bri­an foi o pi­a­nis­ta Ian “Stu” Stewart, um ca­ra mais ve­lho, com lar­ga ex­pe­ri­ên­cia em gru­pos de jazz. Pou­co de­pois, che­ga­ram o gui­tar­ris­ta Ge­off Brad­ford e o vo­ca­lis­ta Bri­an Knight. Os qua­tro en­sai­a­ram por al­gu­mas se­ma­nas, en­tão Keith Ri­chards se jun­tou a eles.

Knight e Brad­ford vi­nham de uma banda cha­ma­da Blu­es By Six e que­ri­am man­ter o es­ti­lo mais tra­di­ci­o­nal de blu­es. Não que­ri­am na­da na li­nha de Chuck Ber­ry, ou se­ja, com uma pe­ga­da rock’n’roll. Mas era is­so que Jo­nes que­ria. Pa­ra sor­te de to­dos, os dois de­ci­di­ram não ir em fren­te e abri­ram ca­mi­nho pa­ra Mick, que já es­ta­va de olho na va­ga, uma vez que ele e Keith con­ti­nu­a­vam sen­do unha e car­ne. Dick Tay­lor foi es­ca­la­do pa­ra o bai­xo, já que àque­la al­tu­ra o Lit­tle Boy Blue es­ta­va ex­tin­to. Ago­ra fal­ta­va ape­nas um ba­te­ris­ta e um no­me.

A pri­mei­ra la­cu­na se­ria pre­en­chi­da pro­vi­so­ri­a­men­te por Tony Chap­man, após Bri­an pu­bli­car um no­vo anún­cio no jor­nal se­ma­nal Me­lody Ma­ker. Há uma con­tro­vér­sia quan­to a Mick Avory, que mais tar­de se­ria um dos in­te­gran­tes da for­ma­ção clás­si­ca do The Kinks, ter si­do o ba­te­ra na es­treia do gru­po (Keith afir­ma is­so em sua au­to­bi­o­gra­fia, Vi­da). No en­tan­to, o pró­prio Avory ne­ga o fa­to e afir­ma que a úni­ca vez em que to­cou com o gru­po foi em um en­saio, pou­co an­tes da his­tó­ri­ca pri­mei­ra apre­sen­ta­ção dos Sto­nes no Mar­quee. “Sei que is­so con­tra­diz com­ple­ta­men­te os re­la­tos do que acon­te­ceu, e is­so não é in­te­res­san­te”, te­ria di­to, de acor­do com Paul Tryn­ka, au­tor de uma res­pei­ta­da bi­o­gra­fia de Bri­an Jo­nes (inédita no Bra­sil). Avory fo­ra in­di­ca­do por um ba­te­ris­ta pro­fis­si­o­nal pro­cu­ra­do pe­la banda pa­ra even­tu­al­men­te subs­ti­tuir Tony Chap­man, que cos­tu­ma­va fal­tar a en­sai­os e com o qual não po­di­am con­tar.

Quan­to ao sur­gi­men­to do no­me há al­gu­mas ver­sões, a mais po­pu­lar, que apa­re­ce na bi­o­gra­fia de Mick Jag­ger es­cri­ta por Phi­lip Nor­man, afir­ma que qu­an­do Ale­xis Kor­ner ar­ran­jou uma apre­sen­ta­ção pa­ra eles no Mar­quee, Bri­an Jo­nes li­gou pa­ra a Jazz News que man­ti­nha um es­pa­ço pa­ra anun­ci­ar o que ro­la­va em ter­mos de shows em Lon­dres. Qu­an­do per­gun­ta­do qual era o no­me da banda, Jo­nes he­si­tou um pou­co até que, ins­pi­ra­do por Muddy Wa­ters, dis­pa­rou: “Rol­lin’ Sto­nes”, tí­tu­lo de uma das can­ções do ído­lo.

Já na bi­o­gra­fia de Bri­an Jo­nes, es­cri­ta por Paul Tryn­ka (inédita no Bra­sil), o no­me te­ria sur­gi­do por su­ges­tão de Bri­an qu­an­do de­ci­di­ram re­ba­ti­zar banda, que até en­tão eles mes­mos cha­ma­vam de Bri­an Jo­nes Blu­es Band. E a ins­pi­ra­ção te­ria si­do um dos ver­sos de ou­tra can­ção de Muddy (no ca­so, Man­nish Boy). Se­ja co­mo for, a fon­te ins­pi­ra­do­ra é a mes­ma e, em 12 de ju­lho de 1962, no mi­nús­cu­lo pal­co do Mar­quee Club, o Rol­lin’ Sto­nes su­bia ao pal­co pe­la pri­mei­ra vez. O rock nun­ca mais se­ria o mes­mo.

O pi­o­nei­ro Chuck Ber­ry, nos anos de 1950. Sem ele, tal­vez, não exis­ti­ria Rolling Sto­nes, pe­lo me­nos não do jei­to que ou­vi­mos

Foi de uma mú­si­ca de Muddy Wa­ters – que Bri­an, Mick e Keith ado­ra­vam co­mo a um deus – que sur­giu o no­me do gru­po. No iní­cio, usa­vam a gra­fia Rol­lin’ Sto­nes

Ale­xis Kor­ner, em fo­to de 1980, é con­si­de­ra­do o pai do rhythm & blu­es in­glês. Li­de­ra­va o Blu­es In­cor­po­ra­ted, gru­po pe­lo qual pas­sa­ram em épo­cas di­fe­ren­tes Mick Jag­ger, Ian Stewart e Char­lie Watts. Ho­je, no lo­cal, há uma pla­ca em sua ho­me­na­gem

Na Ho­lan­da, em show que fez par­te da na tur­nê eu­ro­peia de 1967, que se­ria a úl­ti­ma de um ci­clo, en­cer­ra­do com Bettwe­en The But­tons, o quin­to ál­bum do gru­po

Em Es­to­col­mo, 1966, ano de Af­ter­math, com Bri­an Jo­nes ain­da lú­ci­do e in­te­res­sa­do no gru­po e Mick Jag­ger em uma atu­a­ção à la Ja­mes Brown

Keith, Char­lie, Mick e Bri­an mi­nu­tos an­tes de se apre­sen­ta­rem em Lon­dres, 1963, qu­an­do já eram fa­mo­sos no Rei­no Uni­do. O amor pe­lo blu­es era a úni­ca mo­ti­va­ção

Em 2012, na co­me­mo­ra­ção dos 50 anos de car­rei­ra, os Sto­nes vol­ta­ram ao Mar­quee, on­de fi­ze­ram sua pri­mei­ra apre­sen­ta­ção. Ago­ra, ape­nas pa­ra fa­zer fotos pro­mo­ci­o­nais e, tal­vez, rir um pou­co dos per­ren­gues que pas­sa­ram ali

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.