CLI­PES HIS­TÓ­RI­COS

Os bas­ti­do­res dos cli­pes mais co­nhe­ci­dos do Nir­va­na

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - NIRVANA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Índice - TEX­TO Éri­ca Agui­ar DE­SIGN Rafael Na­ka­o­ka

Uma lista com os vi­de­o­cli­pes mais icô­ni­cos do Nir­va­na

Não im­por­ta o li­vro ou a en­tre­vis­ta, to­dos que tra­ba­lha­ram por trás dos cli­pes do Nir­va­na irão afir­mar que Kurt Co­bain sem­pre par­ti­ci­pou da ide­a­li­za­ção dos ví­de­os, su­ge­rin­do idei­as aos di­re­to­res e ra­bis­can­do de­se­nhos em seu diá­rio par­ti­cu­lar. E tal­vez os bas­ti­do­res se­jam a par­te que mais in­te­res­sa aos fãs. Por is­so, re­sol­ve­mos con­tar co­mo fo­ram as gra­va­ções e edi­ções dos prin­ci­pais vi­de­o­cli­pes do gru­po.

Smells Like Te­en Spi­rit

Em meio a lí­de­res de tor­ci­da e uma pla­teia agi­ta­da, sur­ge um ze­la­dor lim­pan­do o chão com um es­fre­gão. O per­so­na­gem era uma re­fe­rên­cia ao an­ti­go em­pre­go de Kurt Co­bain no seu co­lé­gio em Aber­de­en. Foi o vo­ca­lis­ta qu­em tam­bém de­fi­niu que o cli­pe con­sis­ti­ria em um show de co­lé­gio com um fim de­sas­tro­so, anar­quis­ta – as­sim co­mo o sím­bo­lo ver­me­lho nos ves­ti­dos das ga­ro­tas – e tu­mul­tu­a­do.

“Ele dis­se a John Gan­non, operador de câ­me­ra na fil­ma­gem, que ele queria que uma ‘câ­me­ra-dan­çan­te’ o fil­mas­se, ‘al­gu­ma coi­sa con­tra a qual eu pos­sa ba­ter mi­nha ca­be­ça’”, re­la­ta o jor­na­lis­ta Char­les R. Cross na bi­o­gra­fia de Co­bain, in­ti­tu­la­da Mais Pe­sa­do Que o Céu. As ins­pi­ra­ções do vo­ca­lis­ta vi­e­ram dos fil­mes A Um Pas­so do Abis­mo (1979) e Rock ‘n’ Roll High Scho­ol (1979), es­te úl­ti­mo com a par­ti­ci­pa­ção dos Ra­mo­nes.

O ví­deo foi gra­va­do, em 17 de agos­to de 1991, em um estúdio de Cul­ver City, na Ca­li­fór­nia. As gra­va­ções co­me­ça­ram ao meio-dia e du­ra­ram o dia to­do. De­pois de vá­ri­as to­ma­das e da “eter­na” re­pe­ti­ção da mú­si­ca, os ado­les­cen­tes já es­ta­vam de “sa­co cheio”, o que con­tri­buiu pa­ra a ge­nuí­na destruição de to­do o ce­ná­rio ao fi­nal do cli­pe, in­cen­ti­va­do por Kurt, res­pon­sá­vel por con­ven­cer o di­re­tor Sam Bayer a ado­tar a ideia.

Um de­ta­lhe so­bre o cli­pe fi­nal é que o vo­ca­lis­ta odi­ou a edi­ção e re­sol­veu re­e­di­tar o ví­deo. As­sim, aca­bou por adi­ci­o­nar os tre­chos em que a câ­me­ra fil­ma seu ros­to mais de per­to, con­tri­buin­do pa­ra a no­ção de ca­os que de­se­ja­va pro­vo­car des­de o iní­cio.

Co­me As You Are

O di­re­tor do cli­pe, Ke­vin Kers­la­ke, co­nhe­ceu Court­ney Lo­ve tem­pos an­tes de ser apre­sen­ta­do ao Nir­va­na. A can­to­ra era mui­to ami­ga de Roddy Bot­tum, do Faith No Mo­re, as­sim co­mo Ke­vin. No en­tan­to, em um cer­to dia, em San Fran­cis­co, nos Es­ta­dos Uni­dos, tra­ba­lhan­do pa­ra as ban­das Ho­le, Smashing Pump­kins e Pri­mus, o di­re­tor foi con­vi­da­do por Lo­ve pa­ra ser apre­sen­ta­do a Kurt Co­bain. Du­ran­te o en­con­tro, o vo­ca­lis­ta elo­gi­ou o tra­ba­lho de Kers­la­ke em Ha­lah, do gru­po Mazzy Star, e o con­vi­dou pa­ra pro­du­zir o que se­ria o pró­xi­mo vi­de­o­cli­pe do Nir­va­na – Co­me As You Are.

Se­gun­do o jor­na­lis­ta Micha­el Azer­rad, no li­vro Co­me As You Are: A His­tó­ria do Nir­va­na, na épo­ca da gra­va­ção, Ch­ris e Da­ve fi­ca­ram sa­ben­do que Kurt es­ta­va pas­san­do por um “de­tox” das dro­gas e não pa­re­cia ani­ma­do pa­ra a pro­du­ção do cli­pe. Mes­mo as­sim, o vo­ca­lis­ta su­ge­riu tons de ro­xo e ver­me­lho, e per­mi­tiu que Kers­la­ke con­cei­tu­as­se o ví­deo.

Co­bain tam­bém queria que os ros­tos dos in­te­gran­tes não apa­re­ces­sem tan­to. Em en­tre­vis­ta ao si­te Te­am Rock, Ke­vin con­tou que a ban­da es­ta­va em al­ta na mí­dia e Kurt in­co­mo­da­va-se com is­so. Con­tu­do, esconder os mú­si­cos du­ran­te a fa­se de sua apre­sen­ta­ção ao pú­bli­co cau­sa­ria pro­ble­mas. As­sim, Kers­la­ke cri­ou es­tra­té­gi­as:“Eu ten­tei en­con­trar ma­nei­ras de ocul­tar a iden­ti­da­de de­les, sa­ben­do que a gra­va­do­ra e o se­lo iri­am que­rer co­lo­car os ros­tos da ban­da no ví­deo – eles eram o tu­bo de pas­ta de den­te, e vo­cê tem que ver a pas­ta no anún­cio. En­tão to­do o ví­deo foi uma dan­ça so­bre co­mo ocul­tá-los, mas vê-los ao mes­mo tem­po”. Des­sa ma­nei­ra, o efei­to de água cor­ren­te foi adi­ci­o­na­do ao cli­pe, além de som­bras. So­bre os ca­chor­ros com co­la­res eli­sa­be­ta­nos? Eles eram ape­nas um fenô­me­no na épo­ca!

Se­gun­do o que es­cre­ve Azer­rad, Kers­la­ke te­ve a ideia de usar pro­je­ções dos in­te­gran­tes, gra­va­das em um par­que, nas di­ver­sas sequên­ci­as de gra­va­ção. Era o co­me­ço de uma par­ce­ria, res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção pos­te­ri­or de Lithium, In Blo­om e Sli­ver.

In Blo­om

O cli­pe é uma cla­ra pa­ró­dia de pro­gra­mas de va­ri­e­da­des co­mo o co­nhe­ci­do The Ed Sul­li­van Show na dé­ca­da de 1960, em que di­ver­sas ban­das se apre­sen­ta­ram, in­clu­si­ve os Be­a­tles.

A fil­ma­gem foi re­a­li­za­da por uma an­ti­ga câ­me­ra ki­nes­co­pe e di­ri­gi­da no­va­men­te por Kers­la­ke. O apre­sen­ta­dor do iní­cio do ví­deo é Doug Llewelyn, fa­mo­so por seu tra­ba­lho no pro­gra­ma te­le­vi­si­vo Pe­o­ple’s Court que si­mu­la um tri­bu­nal. Em sua fa­la ini­ci­al, afir­ma que o trio é for­ma­do por ra­pa­zes de­cen­tes e ten­ta acal­mar a pla­teia re­ple­ta de jo­vens his­té­ri­cas. Eis que de­pois de al­guns mi­nu­tos, os ga­ro­tos apa­re­cem de ves­ti­do e ter­mi­nam o ví­deo des­truin­do o pal­co.

Uma cu­ri­o­si­da­de é que a pri­mei­ra ver­são de Kurt era so­bre uma ga­ro­ta que cres­ceu nu­ma fa­mí­lia li­ga­da à Ku Klux Klan e de­ci­diu não se­guir o mes­mo ca­mi­nho. Mas a ideia não vin­gou! Por is­so, a ban­da re­sol­veu usar o hu­mor pa­ra iro­ni­zar o fa­to de a mí­dia con­si­de­rá-la tão fa­mo­sa quan­to os Be­a­tles.

A gra­va­ção foi rá­pi­da, fo­ram ape­nas du­as sequên­ci­as usan­do ter­no, mais du­as com ves­ti­dos e a úl­ti­ma com a destruição do pal­co. Le­vou ape­nas um dia pa­ra ser con­cluí­da.

He­art-Sha­ped Box

Ape­sar dos cin­co ro­tei­ros pro­du­zi­dos por Ke­vin Kers­la­ke, o Nir­va­na op­tou por tra­ba­lhar com o fo­tó­gra­fo e di­re­tor ale­mão An­ton Cor­bijn. No­va­men­te, o ro­tei­ro foi pro­du­zi­do por Kurt Co­bain e co­me­ça com o gru­po, em uma es­pé­cie de hos­pi­tal, ob­ser­van­do um ido­so do­en­te. Cor­bijn con­tri­buiu com ele­men­tos co­mo os cor­vos e a mu­lher obe­sa que, pa­ra ele, sig­ni­fi­ca­va a Mãe Ter­ra. Co­bain com­par­ti­lha­va su­as idei­as com o di­re­tor por meio de um fax e mui­tas de­las fo­ram co­lo­ca­das em prá­ti­ca.

Em­bo­ra o cli­pe te­nha si­do gra­va­do com­ple­ta­men­te em co­res, An­ton e seu pro­du­tor trans­fe­ri­ram o ví­deo pa­ra bran­co e pre­to e usa­ram a téc­ni­ca de co­lo­ra­ção te­ch­ni­co­lor pa­ra co­lo­rir ca­da qua­dro. Fo­ram se­ma­nas de tra­ba­lho, mas se­gun­do a en­tre­vis­ta de Cor­bijn ao por­tal de cul­tu­ra pop The Daily Be­ast, o efei­to “deu ao ví­deo um vi­su­al par­ti­cu­lar – um bri­lho ex­clu­si­vo às co­res”.

Ape­sar da cen­su­ra da MTV, a co­lo­ra­ção atraiu tan­to que se­quer fo­ram con­trá­ri­os à ideia de uma cri­an­ça ves­ti­da com o uni­for­me da Ku Klux Klan ten­tan­do al­can­çar um fe­to pen­du­ra­do em uma ár­vo­re.

Em 2013, o di­re­tor lan­çou ou­tra ver­são com mais imagens da ga­ro­ta e da mu­lher, além de Kurt es­ti­ra­do no cam­po flo­ri­do. Ain­da em en­tre­vis­ta, An­ton re­la­tou que os mo­men­tos mais com­pli­ca­dos fo­ram fa­zer a me­ni­na atu­ar nas ce­nas em que o san­gue es­cor­ria por sua ca­mi­sa e en­con­trar um ido­so que não ti­ves­se a “ca­ra de Hollywo­od”.

Lithium

A pro­pos­ta ini­ci­al de Kurt Co­bain e Ke­vin Kers­la­ke era pro­du­zir uma ani­ma­ção. A his­tó­ria con­ta­ria a tra­je­tó­ria de uma ga­ro­ta cha­ma­da Pre­go que des­co­bre ovos pres­tes a cho­car. Con­tu­do, de­vi­do ao tem­po es­ti­ma­do da pro­du­ção – apro­xi­ma­da­men­te, qua­tro me­ses –, mu­da­ram de ideia e re­sol­ve­ram apro­vei­tar gra­va­ções do Nir­va­na to­can­do ao vi­vo.

FON­TES Li­vro Co­me As You Are: A His­tó­ria do Nir­va­na, de Micha­el Azer­rad; Li­vro Mais Pe­sa­do Que o Céu – Uma Bi­o­gra­fia de Kurt Co­bain, de Char­les R. Cross; Ar­ti­go The ex­tra­or­di­nary sto­ri­es behind Ke­vin Kers­la­ke’s gre­a­test rock vi­de­os, dis­po­ní­vel em...

A co­le­tâ­nea Jour­nals traz le­tras de mú­si­cas, de­se­nhos e car­tas es­cri­tas por Kurt Co­bain. Em uma das pá­gi­nas, é pos­sí­vel en­con­trar os ras­cu­nhos do vi­de­o­cli­pe de Co­me As You Are. O vo­ca­lis­ta já ti­nha ima­gi­na­do a pa­le­ta de co­res e pen­sa­do em Ke­vin...

Uma pu­bli­ca­ção con­vi­da­va fãs do Nir­va­na pa­ra par­ti­ci­par do cli­pe de Smells Like Te­en Spi­rit. Era pre­ci­so ter en­tre 18 e 25 anos e in­ter­pre­tar um ado­les­cen­te na fa­se de En­si­no Mé­dio. Além dis­so, o anún­cio já di­zia que a gra­va­ção de­mo­ra­ria mui­tas ho­ras!

Em 2016, Kel­sey Rohr, a ga­ro­ti­nha do ví­deo, re­en­con­trou Da­ve Grohl e pu­bli­cou uma fo­to no Ins­ta­gram com o mú­si­co. Ela se lem­brou de co­mo era con­si­de­ra­da, na épo­ca, a cri­an­ça mais in­ti­mi­da­do­ra do par­qui­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.