ES­PE­TÁ­CU­LO MU­SI­CAL

As con­tri­bui­ções do Que­en pa­ra o mun­do da mú­si­ca e as in­fluên­ci­as da banda e de seus in­te­gran­tes

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Queen - - PLAYLIST - TEX­TO João Pau­lo Fer­nan­des/Co­la­bo­ra­dor DE­SIGN Gui­lher­me Lau­ren­te/Co­la­bo­ra­dor FOTOS Wi­ki­me­dia Com­mons

Do ecle­tis­mo de es­ti­los mu­si­cais e de per­so­na­li­da­des tão di­fe­ren­tes nas­ceu o Que­en

Ape­sar de ser co­nhe­ci­da co­mo uma banda de rock, al­guns fãs de Que­en con­si­de­ram es­sa de­fi­ni­ção um pou­co su­per­fi­ci­al. As mú­si­cas do gru­po in­glês per­cor­rem os mais di­fe­ren­tes es­ti­los, pe­gan­do um pou­co de ca­da e mis­tu­ran­do tu­do em um cal­dei­rão eclé­ti­co pa­ra, no fi­nal, apre­sen­tar ao pú­bli­co uma obra-pri­ma de fu­são de gê­ne­ros, on­de o rock ser­viu ape­nas co­mo ba­se. A mes­ma es- tru­tu­ra, in­clu­si­ve, que o pró­prio Que­en se tor­nou pa­ra ban­das e mú­si­cos pos­te­ri­o­res.

A mis­tu­ra de gos­tos e in­fluên­ci­as pre­sen­te den­tro da banda foi um fa­tor de­ci­si­vo pa­ra a con­cre­ti­za­ção des­sas com­bi­na­ções. O am­bi­en­te re­cep­ti­vo a no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as cri­a­do pe­lo con­jun­to per­mi­tiu que ca­da in­te­gran­te con­tri­buís­se com seu re­per­tó­rio pes­so­al de al­gu­ma for­ma, im­pos­si­bi­li­tan­do a cri­a­ção de can­ções sim­plis­tas e pou­co ela­bo­ra­das.

O som da mo­da

Qu­an­do Fred­die Mer­cury, Bri­an May, Ro­ger Tay­lor e John De­a­con ain­da eram ado­les­cen­tes, as ban­das em as­cen­são na épo­ca – não as úni­cas, mas com cer­te­za as mais in­flu­en­tes –, e que ti­nham mai­or re­per­cus­são no ce­ná­rio mu­si­cal, den­tro e fo­ra da In­gla­ter­ra, eram na­da me­nos que os Rolling Sto­nes e os Be­a­tles. Ou­vin­do dis­cos co­mo Sgt Pep­per’s Lo­nely He­arts Club Band, Whi­te Al­bum e Rub­ber Soul, pro­du­zi­dos pe­lo quar­te­to de Li­ver­po­ol, é pos­sí­vel iden­ti­fi­car de on­de o Que­en ti­rou a ins­pi­ra­ção pa­ra a mis­tu­ra de es­ti­los. Po­rém, não fo­ram as úni­cas.

Em uma ma­té­ria es­cri­ta pa­ra o já ex­tin­to jor­nal de mú­si­ca in­glês Me­lody Ma­ker, em 1973, o re­da­tor as­su­miu que o Que­en, em seu pri­mei­ro ál­bum – que le­va o mes­mo no­me do con­jun­to –, trou­xe uma mis­tu­ra in­crí­vel de di­fe­ren­tes sons, pas­san­do do mais rá­pi­do rock até a mais le­ve ba­la­da, na qual é pos­sí­vel iden­ti­fi­car, por exem­plo, tra­ços do gru­po de he­avy me­tal Black Sab­bath e do tam­bém in­glês Yes.

Du­ran­te a car­rei­ra da banda, ou­tras ex­pe­ri­ên­ci­as co­mo es­sa se tor­na­ram igual­men­te mar­can­tes, co­mo a fu­são de ele­men­tos da ópe­ra às mú­si­cas do con­jun­to, que tem sua ex­pres­são má­xi­ma na clás­si­ca

Bohe­mi­an Rhap­sody, fai­xa de aber­tu­ra do ál­bum A

Night at the Ope­ra (1975). Con­tu­do, tal mis­tu­ra não foi in­ven­ção do Que­en. O The Who, em 1969, com o ál­bum Tommy, co­lo­cou-se, se­não co­mo pre­cur­sor, co­mo o res­pon­sá­vel por di­fun­dir tal gê­ne­ro em es­ca­la glo­bal, per­mi­tin­do que ban­das, co­mo o pró­prio Que­en, vi­es­sem a ter con­ta­to com o es­ti­lo.

E foi o que acon­te­ceu. Não só com a ópe­ra, mas tam­bém com o coun­try, o pop, o he­avy me­tal e o blu­es. To­das es­sas mis­tu­ras par­ti­am do in­tui­to da banda em se des­ta­car pe­lo di­fe­ren­te, pe­la ino­va­ção. E is­so eles le­va­vam mui­to a sé­rio.

Co­mo na épo­ca ou­tros ar­tis­tas tam­bém es­ta­vam fa­zen­do su­ces­so for­jan­do um es­ti­lo pa­re­ci­do com o do Que­en, com apre­sen­ta­ções que ape­la­vam pa­ra per­for­man­ces ex­tra­va­gan­tes e ves­tuá­ri­os exó­ti­cos, na mes­ma en­tre­vis­ta pa­ra o Me­lody Ma­ker, o gui­tar­ris­ta da banda, Bri­an May, afir­mou que “des­de o iní­cio, o gru­po man­te­ve seu con­cei­to ori­gi­nal. Nós es­tá­va­mos nes­sa on­da do rock glam an­tes de sur­gi­rem gru­pos co­mo o The Swe­et e David Bowie. E es­ta­mos pre­o­cu­pa­dos, ago­ra, por­que po­de­mos ter che­ga­do tar­de de­mais”.

Um pou­co de ca­da

Ape­sar de, de­pois de for­ma­do, o gru­po ter da­do uma ca­rac­te­rís­ti­ca pró­pria ao seu tra­ba­lho, is­so não se­ria pos­sí­vel sem a con­tri­bui­ção in­di­vi­du­al de ca­da in­te­gran­te. A cri­a­ção de obras tão di­ver­sas e com­ple­tas só foi pos­sí­vel gra­ças ao diá­lo­go cons­truí­do por Fred­die, Bri­an, Ro­ger e John com o in­tui­to de ti­rar o má­xi­mo pro­vei­to da ba­ga­gem e do co­nhe­ci­men­to mu­si­cal de ca­da um.

To­man­do o bai­xis­ta John De­a­con co­mo pri­mei­ro exem­plo, po­de­mos des­ta­car sua gran­de ad­mi­ra­ção por Chris Squi­re, mú­si­co do gru­po in­glês Yes. Não só con­tem­pla­ção, co­mo tam­bém ta­len­to equi­va­len­te. De­a­con se des­ta­ca­va por ser rá­pi­do e sus­ten­tar uma ha­bi­li­da­de ad­mi­rá­vel com os gra­ves, in­fluên­cia tal­vez do soul e do R&B, es­ti­los com os quais ti­nha mui­to con­ta­to, e que ser­vi­ram de ba­se pa­ra que com­pu­ses­se can­ções co­mo Another One Bi­tes the Dust.

Por fa­lar em es­ti­los, o clás­si­co foi um dos que mais in­flu­en­ci­a­ram os in­te­gran­tes do Que­en. Fred­die Mer­cury, por exem­plo, nu­tria um apre­ço imen­so por com­po­si­to­res co­mo Mo­zart e Cho­pin, o que ex­pli­ca sua ver­sa­ti­li­da­de ao pi­a­no. Ain­da nes­sa li­nha, o can­tor tam­bém não ne­ga­va sua ad­mi­ra­ção pe­la ópe­ra e, em di­ver­sas com­po­si­ções su­as, é pos­sí­vel re­co­nhe­cer a in­fluên­cia de tal es­ti­lo nos com­ple­xos ar­ran­jos vo­cais. No meio po­pu­lar, as in­fluên­ci­as de Fred­die vi­e­ram prin­ci­pal­men­te da mú­si­ca ne­gra e do rock, de vo­zes co­mo Lit­tle Ri­chards, Fats Do­mi­no, Aretha Fran­klin e Ro­bert Plant, vo­ca­lis­ta do Led Zep­pe­lin, e tam­bém de Ji­mi Hen­drix.

Vol­tan­do ao clás­si­co, na for­ma­ção de Ro­ger Tay­lor, o gê­ne­ro tam­bém se fez pre­sen­te. A téc­ni­ca e a ver­sa­ti­li­da­de com di­ver­sos ins­tru­men­tos – prin­ci­pal­men­te de per­cus­são, mas tam­bém de cor­das – dei­xam is­so cla­ro. Po­de­mos ain­da des­ta­car, den­tre as in­fluên­ci­as de Tay­lor, o gos­pel, es­ti­lo que o en­si­nou, a par­tir dos co­rais, to­da a téc­ni­ca vo­cal que mais tar­de o per­mi­ti­ria se ar­ris­car co­mo can­tor, tan­to no Que­en quan­to em car­rei­ra so­lo. No que diz res­pei­to ao po­pu­lar, os ba­te­ris­tas de jazz Ge­ne Kru­pa e Joe Mo­rel­lo são no­mes ci­ta­dos pe­lo pró­prio Ro­ger co­mo in­fluên­ci­as em seu es­ti­lo de to­car e, em Keith Mo­on, fa­le­ci­do ba­te­ris­ta da banda bri­tâ­ni­ca The Who, Tay­lor re­co­nhe­ce um mú­si­co ino­va­dor e de ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do rock mo­der­no.

Em Bri­an May, a in­fluên­cia e o gos­to pe­lo rock fi­cam ain­da mais evi­den­tes. É qua­se im­pos­sí­vel en­con­trar um gui­tar­ris­ta que não ad­mi­re ou ao me­nos res­pei­te o tra­ba­lho e o ta­len­to de Ji­mi Hen­drix, e May com cer­te­za não faz par­te des­se gru­po. Po­rém, as in­fluên­ci­as mais di­re­tas do gui­tar­ris­ta são tam­bém seus con­ter­râ­ne­os. Eric Clap­ton e Ge­or­ge Har­ri­son fo­ram ído­los im­por­tan­tes pa­ra o gui­tar­ris­ta do Que­en, que via no be­a­tle um gui­tar­ris­ta versátil e de “pen­sa­men­to li­vre”.

Fon­te de ins­pi­ra­ção

To­da es­sa mis­tu­ra de in­fluên­ci­as e es­ti­los se mos­trou mui­to útil ao gru­po in­glês, prin­ci­pal­men­te pa­ra aju­dá-lo a con­cre­ti­zar o de­se­jo de seus in­te­gran­tes de pro­du­zir al­go to­tal­men­te di­fe­ren­te do co­mum. E deu cer­to. As­sim co­mo ti­ve­ram su­as re­fe­rên­ci­as, o Que­en se tor­nou uma banda de res­pei­to em pou­co tem­po de ati­vi­da­de, e tam­bém se con­sa­grou co­mo mo­de­lo pa­ra mui­tos mú­si­cos e con­jun­tos pos­te­ri­o­res a ele.

Um exem­plo é Ja­mes Het­fi­eld, vo­ca­lis­ta da banda Me­tal­li­ca. De­cla­ra­do fã do Que­en, elo­gi­a­va a pri­ma­zia com que a banda con­se­guia tra­ba­lhar com o ecle­tis­mo, e par­ti­ci­pou in­clu­si­ve do show Fred­die Mer­cury Tri­bu­te Con­cert, re­a­li­za­do em 1992, em ho­me­na­gem ao can­tor que, no ano an­te­ri­or, ha­via fa­le­ci­do de bron­cop­neu­mo­nia, por con­sequên­cia da Aids. En­tre ou­tros ar­tis­tas que ci­tam o Que­en co­mo re­fe­rên­cia pa­ra seus tra­ba­lhos, po­de­mos des­ta­car o can­tor Ge­or­ge Mi­cha­el, as can­to­ras Lady Ga­ga e Katy Per­ry, e ain­da as ban­das Van Ha­len, Nir­va­na, Ra­di­ohe­ad, Foo Figh­ters e Mu­se.

Ain­da ho­je, o Que­en é clas­si­fi­ca­do por di­ver­sos mei­os de co­mu­ni­ca­ção es­pe­ci­a­li­za­dos em mú­si­ca co­mo uma das ban­das mais in­flu­en­tes do mun­do. A re­vis­ta Rolling Sto­ne, por exem­plo, es­ca­lou a banda na 51ª po­si­ção na lis­ta The 100 Gre­a­test Ar­tists of All Ti­me, e o ca­nal de te­le­vi­são VH1 lis­tou o gru­po co­mo o 17º en­tre os mai­o­res ar­tis­tas de to­dos os tem­pos. So­man­do to­dos os ál­buns, seus dis­cos ven­de­ram al­go es­ti­ma­do em 300 mi­lhões de có­pi­as no mun­do to­do, e mui­tas mú­si­cas ain­da apa­re­cem nas pa­ra­das de su­ces­so, co­mo Bohe­mi­an Rhap­sody, elei­ta a can­ção pre­fe­ri­da dos in­gle­ses nos úl­ti­mos 60 anos.

En­tre­tan­to, não foi ape­nas no as­pec­to mu­si­cal que o Que­en dei­xou sua mar­ca. A ex­tra­va­gân­cia e o en­tu­si­as­mo, bem co­mo o con­ta­to in­ten­so com o pú­bli­co du­ran­te as apre­sen­ta­ções tam­bém são mar­cas fin­ca­das pe­lo gru­po no ce­ná­rio mu­si­cal que per­pe­tu­am até ho­je. É ra­ro en­con­trar ban­das e ar­tis­tas que não ti­rem um mo­men­to do show pa­ra brin­car com o pú­bli­co ou que não pe­ça o apoio do mes­mo pa­ra can­tar, pa­ra ba­lan­çar as mãos ou pu­lar. Fred­die Mer­cury, co­mo front­man da banda, fa­zia is­so de for­ma en­vol­ven­te, evi­tan­do que os es­pec­ta­do­res se sen­tis­sem afas­ta­dos do es­pe­tá­cu­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.