TRAJETÓRIA RE­AL

A trajetória de qua­tro jo­vens, com per­so­na­li­da­des bem di­fe­ren­tes, que mu­da­ram a his­tó­ria da mú­si­ca com su­as com­po­si­ções de “le­van­tar es­tá­di­os”

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Queen - - PLAYLIST - TEX­TO Éri­ca Agui­ar DE­SIGN Gui­lher­me Lau­ren­te/Co­la­bo­ra­dor FOTOS Wi­ki­me­dia Com­mons

Nos anos 70, uma rai­nha co­me­çou a fa­zer barulho na In­gla­ter­ra – e não era Eli­za­beth II

Qual se­ria o re­sul­ta­do da reu­nião de um as­tro­fí­si­co com um en­ge­nhei­ro ele­trô­ni­co, um fu­tu­ro den­tis­ta e um de­sig­ner grá­fi­co? Vo­cê apos­ta­ria no sur­gi­men­to de uma das mai­o­res ban­das de rock de to­dos os tem­pos ou di­ria que tu­do aca­ba­ria em uma bela con­fu­são? O fa­to é que – se­ja is­so ques­tão de des­ti­no, ta­len­to, cri­a­ti­vi­da­de ou mui­ta sor­te – o Que­en se tor­nou um gran­de gru­po mu­si­cal, acla­ma­do por di­ver­sas ge­ra­ções.

On­de tu­do co­me­çou...

Em 1968, Bri­an May era ape­nas um alu­no na Uni­ver­si­da­de Im­pe­ri­al Col­le­ge em Lon­dres, na In­gla­ter­ra. Jun­to com o ami­go e bai­xis­ta Tim Staf­fell, re­sol­veu or­ga­ni­zar uma banda de rock e es­pa­lhou um anún­cio à pro­cu­ra de um ba­te­ris­ta com o es­ti­lo de Gin­ger Ba­ker, do Cre­am. O es­tu­dan­te de odon­to­lo­gia Ro­ger Tay­lor re­sol­veu fa­zer um tes­te e ga­ran­tiu sua va­ga na banda, en­tão co­nhe­ci­da co­mo Smi­le.

Em me­a­dos de ju­nho

Bri­an tra­ba­lha­va co­mo pro­fes­sor de ma­te­má­ti­ca e Ro­ger era um ven­de­dor de rou­pas usa­das, no ve­rão de 1969, qu­an­do per­ce­be­ram que, sem um dis­co gra­va­do, não con­se­gui­ri­am ser lem­bra­dos pe­lo pú­bli­co. Por is­so, ain­da em ju­nho do mes­mo ano, o trio te­ve sua pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia em es­tú­dio, na gra­va­do­ra Mer­cury Re­cords, com a gra­va­ção das com­po­si­ções Earth (de Staf­fell), Step on Me (Bri­an May) e Doin’ All Right (uma par­ce­ria en­tre os dois).

Um fã im­pe­cá­vel

Na mes­ma épo­ca, Staf­fell es­ta­va es­tu­dan­do com um jo­vem cha­ma­do Far­rokh, ou Fred­die, Bul­sa­ra e o apre­sen­tou à banda. Em pou­co tem­po, ele tor­nou-se um “fã de car­tei­ri­nha” do gru­po.

Qu­an­do Tim dei­xou a banda, em 1970, pa­ra se jun­tar ao gru­po Humpy Bong, o Smi­le qua­se te­ve seu fim. Con­tu­do, foi Fred­die quem en­tu­si­as­mou Bri­an e Ro­ger a con­ti­nu­a­rem to­can­do. Além dis­so, pas­sou a fa­zer par­te do con­jun­to co­mo vo­ca­lis­ta e tro­cou seu so­bre­no­me pa­ra Mer­cury, por con­si­de­rar mais ar­tís­ti­co. Ape­sar de seu es­ti­lo pe­cu­li­ar, Fred­die era ca­ti­van­te. Foi des­sa ma­nei­ra que o Que­en deu seus pri­mei­ros pas­sos.

Vá­ri­os bai­xis­tas, ne­nhum ide­al

Com a saí­da de Staf­flell, a banda te­ve que pro­cu­rar um no­vo bai­xis­ta. Du­ran­te es­se pe­río­do, al­guns mú­si­cos co­mo Mi­ke Gro­se, Bar­ry Mit­chell e Doug Bo­gie ten­ta­ram a va­ga, mas pa­re­cia que ne­nhum de­les es­ta­va de acor­do com o que o Que­en ide­a­li­za­va. No en­tan­to, o pri­mei­ro foi o que pas­sou mais tem­po com a banda, já que era um ami­go de Ro­ger, pos­suía uma Kom­bi pa­ra trans­por­tar os equi­pa­men­tos e um gran­de am­pli­fi­ca­dor da Marshall. O gru­po cos­tu­ma­va en­sai­ar – mui­tos co­vers e pou­cas com­po­si­ções pró­pri­as – nos pal­cos de sa­las va­zi­as na pró­pria uni­ver­si­da­de em que Bri­an May es­tu­da­va.

A pri­mei­ra apre­sen­ta­ção do Que­en, ain­da com Gro­se, foi pa­ra um even­to de ca­ri­da­de or­ga­ni­za­do pe­la mãe de Ro­ger Tay­lor. Após o show, co­me­ça­ram a ser con­vi­da­dos pa­ra con­cer­tos de ou­tros ami­gos e mú­si­cos que co­nhe­ci­am. Al­gum tem­po de­pois, Mi­ke aban­do­na­ria a banda pra ar­ru­mar “um em­pre­go de ver­da­de”.

Bar­ry Mit­chell foi o se­gun­do bai­xis­ta e du­rou pou­co tem­po. Nes­ses pri­mei­ros mo­men­tos do gru­po, eles se apre­sen­ta­vam com rou­pas mais ela­bo­ra­das e ten­ta­vam de­sen­vol­ver al­guns atos te­a­trais, en­quan­to ou­tras ban­das ves­ti­am cal­ças je­ans e ca­mi­se­tas e ape­nas su­bi­am nos pal­cos pa­ra to­car.

Em ja­nei­ro, Mit­chell aban­do­nou o Que­en por um mo­ti­vo bem pa­re­ci­do com o de Mi­ke Gro­se. As­sim, fi­ze­ram uma no­va au­di­ção e en­con­tra­ram o jo­vem Doug Bo­gie. Po­rém, a ten­ta­ti­va do bai­xis­ta em ser a “es­tre­la” da banda fez com que fos­se edu­ca­da­men­te ex­pul­so.

Sur­ge De­a­con

Co­mo jo­vens co­muns da épo­ca, Ro­ger e Bri­an fo­ram con­vi­da­dos pa­ra ir a uma fes­ta com John Har­ris, um ami­go que os aju­da­va a trans­por­tar os ins­tru­men­tos e lu­zes dos shows. No lo­cal, Har­ris os apre­sen­tou a John De­a­con. Os as­sun­tos fo­ram sur­gin­do e, co­mo con­sequên­cia de ho­ras de con­ver­sa, o bai­xis­ta foi con­vi­da­do pa­ra fa­zer uma au­di­ção pa­ra o Que­en.

Em­bo­ra fos­se bas­tan­te qui­e­to, o ta­len­to de De­a­con im­pres­si­o­nou to­dos os in­te­gran­tes e, as­sim, em 1971, nas­cia a for­ma­ção ori­gi­nal do quar­te­to, que per­du­ra­ria até a mor­te de Fred­die Mer­cury.

Uma banda uni­ver­si­tá­ria

Em ju­lho de 1971, o Que­en fez seus pri­mei­ros shows. Um de­les acon­te­ceu na pró­pria Im­pe­ri­al Col­le­ge. Aos pou­cos, Mer­cury ad­qui­riu seu es­ti­lo de can­tar se­gu­ran­do o su­por­te do mi­cro­fo­ne. No en­tan­to, os jo­vens ain­da pre­ci­sa­vam gra­var seu pri­mei­ro dis­co pa­ra con­se­gui­rem di­vul­gar su­as com­po­si­ções pa­ra se­los fo­no­grá­fi­cos. Des­sa ma­nei­ra, um ami­go de May, que es­ta­va aju­dan­do a mon­tar um no­vo es­tú­dio em Wem­bley, avi­sou que pre­ci­sa­vam de mú­si­cos (que fi­zes­sem um som bem pe­sa­do) pa­ra tes­tar o no­vo equi­pa­men­to. Em tro­ca do fa­vor, o gru­po po­de­ria gra­var al­gu­mas can­ções sem gas­tar um tos­tão. Li­ar, Ke­ep Your­self Ali­ve, The Night Co­mes Down e Je­sus fo­ram as es­co­lhi­das da vez.

Pri­mei­ro con­tra­to

Em 1972, ain­da tes­tan­do os no­vos apa­re­lhos do es­tú­dio, Bri­an e Ro­ger re­en­con­tra­ram os as­sis­ten­tes de som John Anthony e Roy Tho­mas Ba­ker. O pri­mei­ro ha­via pro­du­zi­do a can­ção Earth, ain­da dos tem­pos do Smi­le, e am­bos tra­ba­lha­vam na pro­du­to­ra Tri­dent, em Lon­dres, on­de ten­ta­ram con­ven­cer os do­nos – Bar­ry e Nor­man Shef­fi­eld – a dar uma chan­ce pa­ra o Que­en. E, de fa­to, foi o que acon­te­ceu.

O acor­do fir­ma­do de­fi­niu os di­rei­tos de di­vul­ga­ção, gra­va­ção e agen­ci­a­men­to da banda. Além dis­so, os mem­bros do gru­po ga­nha­ram no­vos ins­tru­men­tos – me­nos May, que ain­da fi­cou com sua gui­tar­ra pes­so­al –, am­pli­fi­ca­do­res e um em­pre­sá­rio, Jack Nel­son.

Não, não e... não!

Em um pri­mei­ro mo­men­to, Jack mos­trou as de­mos do Que­en pa­ra seus con­ta­tos pes­so­ais, que acha­ram que a banda não ti­nha fu­tu­ro. Mas não fo­ram só os ami­gos de Nel­son que ne­ga­ram o ta­len­to da banda: as gra­va­do­ras tam­bém não que­ri­am dis­tri­buir as can­ções.

Mes­mo as­sim, os do­nos da Tri­dent resolveram que o gru­po pre­ci­sa­va gra­var seu pri­mei­ro dis­co. No en­tan­to, só po­de­ri­am uti­li­zar o es­tú­dio qu­an­do mais nin­guém es­ti­ves­se pre­ci­san­do, o que era uma ta­re­fa bem com­pli­ca­da! Em se­tem­bro, mes­mo sem ál­buns sen­do co­mer­ci­a­li­za­dos, o es­tú­dio re­sol­veu co­me­çar a pa­gá-los.

1973

No co­me­ço do ano, Jack Nel­son vi­a­jou ao sul da Fran­ça pa­ra par­ti­ci­par de um gran­de even­to da in­dús­tria mu­si­cal. Lá, en­con­trou Roy Fethers­to­ne, um exe­cu­ti­vo da gra­va­do­ra EMI, a quem mos­trou uma fi­ta do Que­en. O exe­cu­ti­vo fi­cou in­te­res­sa­do e man­dou um te­le­gra­ma à banda di­zen­do pa­ra que não as­si­nas­sem acor­dos com mais nin­guém. A pres­sa sur­giu de­vi­do a um ble­fe de Nel­son, afir­man­do que mui­tos se­los fi­ca­ram in­te­res­sa­dos na pro­du­ção do quar­te­to.

Em mar­ço do mes­mo ano, o Que­en as­si­nou seu con­tra­to de gra­va­ção com a EMI na In­gla­ter­ra. Nos Es­ta­dos Uni­dos, a dis­tri­bui­ção fi­cou por con­ta da gra­va­do­ra Elek­tra.

Que­en...

O gru­po par­ti­ci­pou de to­do o pro­ces­so de cri­a­ção da ca­pa do ál­bum Que­en, o pri­mei­ro da banda, lan­ça­do em ju­lho de 1973. Co­me­ça­va, as­sim, a as­cen­são da banda. Já em 1974, em­bar­ca­ram em uma tur­nê de­sas­tro­sa e na­da re­cep­ti­va no ter­ri­tó­rio aus­tra­li­a­no. Re­su­mi­da­men­te, tu­do deu er­ra­do. No en­tan­to, is­so não im­pe­diu o gru­po de co­me­çar a car­rei­ra, de­fi­ni­ti­va­men­te, com o pé di­rei­to.

Em 21 de fe­ve­rei­ro da­que­le ano, o Que­en apa­re­ceu no pro­gra­ma Top Of The Pops, pro­du­zi­do pe­la BBC, e apre­sen­tou a can­ção Se­ven Se­as of Rhye. No dia se­guin­te, Jack Nel­son es­ta­va em to­das as rá­di­os pos­sí­veis di­vul­gan­do o sin­gle, fi­na­li­za­do às pres­sas dois di­as de­pois da apa­ri­ção.

... e Que­en II

O se­gun­do ál­bum de es­tú­dio da banda, Que­en II, foi lan­ça­do em mar­ço de 1974 e al­can­çou a quin­ta po­si­ção nas pa­ra­das bri­tâ­ni­cas. De­vi­do ao su­ces­so do dis­co e do sin­gle, a po­pu­la­ri­da­de do quar­te­to cres­ceu, o que fez com que em­bar­cas­sem em uma tur­nê pe­lo Rei­no Uni­do. Na épo­ca, Fred­die es­ta­va en­can­ta­do com sua ca­pa bran­ca fei­ta pe­la de­sig­ner de rou­pas Zan­dra Rho­des.

Lou­cos pe­la rai­nha

No iní­cio de 1975, acon­te­ce­ram as tur­nês nos Es­ta­dos Uni­dos e no Ja­pão, o úl­ti­mo es­ta­va do­mi­na­do pe­la “Qu­e­en­ma­nia”. Ape­sar da ani­ma­ção, o Que­en já es­ta­va far­to da Tri­dent, qu­an­do con­tra­ta­ram o ad­vo­ga­do Jim Be­a­ch pa­ra ti­rar seu em­pre­sá­rio da jo­ga­da.

Ago­ra, o gru­po ti­nha um con­tra­to di­re­to com a EMI e com a Elek­tra e o em­pre­sá­rio John Reid – fa­mo­so por seu tra­ba­lho com El­ton John – foi con­ta­ta­do pa­ra tra­ba­lhar com o Que­en.

Bohe­mi­an Rhap­sody foi apre­sen­ta­da ao no­vo em­pre­sá­rio co­mo pro­pos­ta de ser um sin­gle. Con­tu­do, em­bo­ra fos­se uma óti­ma can­ção, ha­via o re­ceio de ser lon­ga de­mais (seis mi­nu­tos, en­quan­to os sin­gles da épo­ca pos­suíam três). Com uma “pres­são”, con­se­gui­ram o que que­ri­am.

Dé­ca­da de 1970

1976 foi mar­ca­do pe­lo lan­ça­men­to de You're My Best Fri­end e So­me­body To Lo­ve, além do fa­mo­so show gratuito no Hy­de Park, em Lon­dres, em 18 de se­tem­bro. O es­pe­tá­cu­lo atraiu cer­ca de 150 mil pes­so­as. Na épo­ca, a banda tam­bém dis­pen­sou o pro­du­tor mu­si­cal Roy Tho­mas Ba­ker e pre­fe­riu tra­ba­lhar so­zi­nha.

No ano se­guin­te, a tur­nê nor­te-ame­ri­ca­na A Day at the Ra­ces fez com que o Que­en se apro­xi­mas­se da banda ir­lan­de­sa de hard rock Thin Lizzy, que fa­zia a aber­tu­ra de seus shows. Em ou­tu­bro, foi lan­ça­do o sex­to ál­bum da banda: News of The World, tra­zen­do com­po­si­ções co­mo We Will Rock You, We Are The Cham­pi­ons e Spre­ad Your Wings.

O pró­xi­mo dis­co, Jazz, so­men­te co­me­çou a ser pro­du­zi­do em ju­lho de 1978. E, no­va­men­te, os mú­si­cos es­ta­vam reu­ni­dos com Roy Tho­mas Ba­ker. Lan­ça­do em no­vem­bro, o ál­bum al­can­çou a se­gun­da po­si­ção das pa­ra­das bri­tâ­ni­cas.

Lo­go no iní­cio de 1979, o Que­en ini­ci­ou sua tur­nê pe­la Eu­ro­pa e o sin­gle Don't Stop Me Now foi di­vul­ga­do. E o pró­xi­mo dis­co, The Ga­me, co­me­çou a ser gra­va­do nos es­tú­di­os Moun­tain, em Moun­treux, na Suí­ça.

Sin­te­ti­za­do­res e um bi­go­de inu­si­ta­do

Em 1980, Fred­die cor­tou o ca­be­lo e dei­xou seu bi­go­de icô­ni­co cres­cer. Ini­ci­al­men­te, os fãs não gos­ta­ram do no­vo vi­su­al e, além de jo­ga­rem gi­le­tes no pal­co, tam­bém en­vi­a­ram os uten­sí­li­os pa­ra os es­cri­tó­ri­os da banda.

Além des­sa no­vi­da­de, The Ga­me, dis­co lan­ça­do em ju­nho, foi o pri­mei­ro da banda a uti­li­zar sin­te­ti­za­do­res. “Qui­se­mos ex­pe­ri­men­tar to­dos os no­vos equi­pa­men­tos do es­tú­dio. Nós sem­pre fo­mos in­te­res­sa­dos em ten­tar coi­sas no­vas além da sim­ples gra­va­ção. Os sin­te­ti­za­do­res eram mui­tos bons, mais avan­ça­dos se com­pa­ra­dos com os pri­mei­ros Mo­ogs, que fa­zi­am um pou­co mais do que uns ba­ru­lhos es­tra­nhos. Os que es­tá­va­mos uti­li­zan­do po­di­am du­pli­car qual­quer ti­po de som e ins­tru­men­to – vo­cê con­se­gui­ria ter uma or­ques­tra in­tei­ra com o to­que de um bo­tão. In­crí­vel!”, ex­pli­cou John De­a­con no li­vro Que­en: Com­ple­te Works de Ge­or­ge Pur­vis.

Ou­tro con­ti­nen­te

A Amé­ri­ca do Sul foi o gran­de pal­co do Que­en no co­me­ço da dé­ca­da de 1980. O gru­po fez cin­co apre­sen­ta­ções na Ar­gen­ti­na e ou­tro gran­de show no es­tá­dio do Mo­rum­bi, em São Pau­lo, pa­ra 250 mil pes­so­as.

Em se­gui­da, de ju­lho a se­tem­bro de 1981, o quar­te­to co­me­çou as gra­va­ções de Hot Spa­ce em Moun­treux. Na mes­ma épo­ca, David Bowie es­ta­va na Suí­ça e acei­tou o con­vi­te pa­ra vi­si­tar o gru­po bri­tâ­ni­co. Ines­pe­ra­da­men­te, o en­con­tro ge­rou a fa­mo­sa can­ção Un­der Pres­su­re.

Es­pa­ço ne­ces­sá­rio

Após mui­tos atri­tos en­tre os mem­bros da banda, as fé­ri­as do Que­en vi­e­ram em 1983 e du­ra­ram cer­ca de cin­co me­ses. A banda não ha­via

se se­pa­ra­do, ape­nas ti­ra­do um tem­po pa­ra res­pi­rar. No en­tan­to, os pro­ble­mas con­ti­nu­a­ram. Fred­die não que­ria que a Elek­tra dis­tri­buís­se mais os ál­buns, por is­so, um no­vo acor­do foi as­si­na­do com a Ca­pi­tol Re­cords.

Sin­gles e gran­des apre­sen­ta­ções

Em 1984, hou­ve o lan­ça­men­to do dis­co The Works e dos sin­gles Ra­dio Ga Ga (a com­po­si­ção al­can­çou o to­po das pa­ra­das em 19 paí­ses) e I Want To Break Free.

No ano se­guin­te, o Que­en re­tor­nou à Amé­ri­ca do Sul pa­ra sua apre­sen­ta­ção no Rock in Rio. De­pois da tur­nê, a banda se pre­pa­rou pa­ra o pró­xi­mo show no Li­ve Aid em 13 de ju­lho. Ape­sar da in­fec­ção na gar­gan­ta, Mer­cury le­van­tou o pú­bli­co can­sa­do e a per­for­man­ce é ti­da co­mo a me­lhor ao vi­vo da car­rei­ra da banda.

A vez da Eu­ro­pa foi em 1986, on­de to­ca­ram pa­ra mais de um mi­lhão de pes­so­as du­ran­te a tur­nê. Ao con­trá­rio do ano an­te­ri­or, 1987 foi um ano pa­ra­do: Ro­ger e John ti­ra­ram fé­ri­as, Bri­an fi­cou em sua ca­sa e Fred­die apro­vei­tou a opor­tu­ni­da­de pa­ra se de­di­car aos tra­ba­lhos pes­so­ais.

O mi­la­gre

O 16º sex­to dis­co da banda, The Mi­ra­cle, foi lan­ça­do em maio de 1989 e tam­bém al­can­çou o to­po das pa­ra­das bri­tâ­ni­cas. No ano se­guin­te, a banda com­ple­tou 20 anos de exis­tên­cia e uma fes­ta foi pro­mo­vi­da pa­ra co­me­mo­rar a da­ta.

Ain­da no mes­mo ano, o Que­en can­ce­lou seu con­tra­to com a Ca­pi­tol nos Es­ta­dos Uni­dos e fe­chou um acor­do com a Hollywo­od Re­cords. Pa­ra o res­to do mun­do, a dis­tri­bui­ção dos dis­cos e sin­gles fi­cou por con­ta da EMI.

Ato fi­nal

Em 1991, In­nu­en­do foi lan­ça­do e mui­tas polêmicas sur­gi­ram so­bre o es­ta­do de saú­de de Fred­die Mer­cury. Em 23 de no­vem­bro, o vo­ca­lis­ta con­fir­mou as es­pe­cu­la­ções so­bre es­tar de­bi­li­ta­do por con­ta da aids e, no dia se­guin­te, aca­bou fa­le­cen­do. Era o ato fi­nal do Que­en com a pre­sen­ça do me­mo­rá­vel vo­ca­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.