FRED­DIE MER­CURY

A his­tó­ria de Far­rokh Bul­sa­ra, o de­sig­ner grá­fi­co que se tor­nou um dos me­lho­res e mais po­lê­mi­cos vo­ca­lis­tas do uni­ver­so da mú­si­ca

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Queen - - PLAYLIST - TEX­TO Ana Be­a­triz Gar­cia/Co­la­bo­ra­do­ra e Éri­ca Agui­ar DE­SIGN Ka­ri­na Ar­ru­da FOTOS Reprodução

En­tre al­tos e bai­xos, a vi­da sem­pre in­ten­sa de um dos mai­o­res ar­tis­tas do rock

Fred­die Mer­cury foi um as­tro de voz po­de­ro­sa, in­crí­vel pre­sen­ça de pal­co e ca­ris­ma su­fi­ci­en­te pa­ra con­quis­tar pla­tei­as do mun­do to­do, e is­so não é no­vi­da­de. Fred­die qua­se dis­pen­sa apre­sen­ta­ções. Mas, dei­xan­do, por ho­ra, a ce­le­bri­da­de fo­ra de fo­co, en­con­tra­mos o me­ni­no de Zan­zi­bar, uma ilha pró­xi­ma à cos­ta les­te da Áfri­ca, que, com de­ter­mi­na­ção e ta­len­to, con­quis­tou o mun­do.

O me­ni­no de Zan­zi­bar

Tu­do co­me­çou qu­an­do o ca­sal Jer e Bo­mi Bul­sa­ra se mu­dou da Ín­dia pa­ra a colô­nia bri­tâ­ni­ca Ci­da­de de Pe­dra, em Zan­zi­bar (ho­je, par­te da Tan­zâ­nia), on­de ti­ve­ram seu pri­mei­ro fi­lho, Far­rokh Bul­sa­ra, em 5 de se­tem­bro de 1946.

Aos oi­to anos, o ga­ro­to Far­rokh foi en­vi­a­do – so­zi­nho, a bor­do de um na­vio – pa­ra es­tu­dar em St. Pe­ter Bo­ar­ding Scho­ol, uma es­co­la pa­ra me­ni­nos na ci­da­de in­di­a­na de Bom­baim. Nes­sa épo­ca, ele deu seus pri­mei­ros pas­sos na car­rei­ra mu­si­cal e, in­flu­en­ci­a­do pe­la can­to­ra La­ta Man­gesh­kar, co­me­çou a fa­zer au­las de pi­a­no. Far­rokh tam­bém era afei­to aos es­por­tes e, aos dez anos de ida­de, foi cam­peão em uma com­pe­ti­ção de tê­nis de me­sa.

O ga­ro­to, já gran­de apre­ci­a­dor de mú­si­ca, aos 12 anos, mon­tou uma banda cha­ma­da The Hec­tics pa­ra se apre­sen­tar em even­tos es­co­la­res can­tan­do su­ces­sos de ar­tis­tas co­mo Cliff Ri­chard e Lit­tle Ri­chard. As­sim, seus ami­gos pas­sa­ram a cha­má-lo de “Fred­die”. Com o tem­po, até os seus pais ade­ri­ram ao ape­li­do.

Mes­mo com to­do ta­len­to e ca­ris­ma que apre­sen­ta­va, o me­ni­no era do­no de uma per­so­na­li­da­de in­tros­pec­ti­va e bas­tan­te tí­mi­da fo­ra dos pal­cos. So­ma­do a is­so, ti­nha um jei­to afe­mi­na­do que era al­vo de bullying por par­te das ou­tras cri­an­ças de sua ida­de.

Nas­ce o Que­en

Du­ran­te a ado­les­cên­cia, o jo­vem Fred­die vol­ta­va ca­da vez me­nos à sua ilha na­tal. Até que, em 1964, hou­ve a Re­vo­lu­ção Ci­vil de Zan­zi­bar. Com me­do, a fa­mí­lia Bul­sa­ra aban­do­nou o lo­cal e mu­dou-se pa­ra Feltham, su­búr­bio de Lon­dres.

Em 1966, che­ga­do o mo­men­to da de­ci­são de qual car­rei­ra pro­fis­si­o­nal se­gui­ria, Fred­die op­tou por cur­sar de­sign grá­fi­co no Ea­ling Col­le­ge of Art, uma fa­cul­da­de téc­ni­ca de ar­te lo­ca­li­za­da em Lon­dres, on­de fi­cou co­nhe­ci­do co­mo um alu­no exem­plar – con­cluiu os exa­mes fi­nais do cur­so com con­cei­to A – e mui­to qui­e­to.

Lá, ele co­nhe­ceu Tim Staf­fel, jo­vem bai­xis­ta de uma banda cha­ma­da Smi­le com dois ou­tros es­tu­dan­tes, Bri­an May e Ro­ger Tay­lor. En­tu­si­as­ta da mú­si­ca, Fred­die tam­bém ini­ci­ou uma banda. Em 1969, foi vo­ca­lis­ta do Ibex – de­pois no­me­a­do Wrec­ka­ge –, um gru­po que não du­rou mui­to, mas ori­gi­nou o Sour Milk Sea. Nes­se mo­men­to, o nas­ci­men­to do Que­en es­ta­va pró­xi­mo.

Em 1970, Tim Staf­fel dei­xou o trio Smi­le e Fred­die não só as­su­miu o vo­cal, co­mo al­te­rou o no­me da banda pa­ra Que­en e ado­tou “Mer­cury” co­mo so­bre­no­me ar­tís­ti­co, ba­se­a­do na le­tra de uma de su­as pri­mei­ras can­ções.

Do de­sign às com­po­si­ções

Em 1972, Fred­die par­ti­ci­pou de um pro­je­to mu­si­cal re­a­li­za­do pe­lo do­no da Tri­dent Stu­di­os, can­tan­do as fai­xas I Can He­ar Mu­sic e Going Back, com o pseudô­ni­mo de Lar­ry Lu­rex. Pa­ra al­guns, es­se mo­men­to é con­si­de­ra­do a es­treia do Que­en, mas ape­nas Bri­an May e Ro­ger Tay­lor par­ti­ci­pa­ram das gra­va­ções.

No quar­te­to, o vo­ca­lis­ta era o prin­ci­pal com­po­si­tor ao la­do de Bri­an May. Gran­de par­te dos su­ces­sos do Que­en é de sua au­to­ria, co­mo We Are the Cham­pi­ons, Bohe­mi­an Rhap­sody, Lo­ve of my Li­fe, Don’t Stop Me Now, Kil­ler Que­en e Crazy Lit­tle Thing Cal­led Lo­ve.

Fo­ra do gru­po

Du­ran­te um pe­río­do de hi­a­to da banda, em 1985, o can­tor lan­çou o ál­bum Mr. Bad Guy, con­ten­do 11 mú­si­cas, to­das es­cri­tas por ele. A obra foi de­di­ca­da ao seu “ga­to Jer­ry – e tam­bém Tom, Os­car e Tif­fany”. Fred­die era um aman­te de ga­tos as­su­mi­do.

Seu se­gun­do e úl­ti­mo ál­bum so­lo, Bar­ce­lo­na, foi lan­ça­do em 1988. Era a con­cre­ti­za­ção de um so­nho de Fred­die, pois o dis­co con­ta­va com a par­ti­ci­pa­ção de Mont­ser­rat Ca­bal­lé, uma can­to­ra lí­ri­ca es­pa­nho­la com quem Fred­die sem­pre de­se­jou gra­var.

Bis­se­xu­a­li­da­de

Pa­ra di­ver­sos bió­gra­fos, Mary Aus­tin é vis­ta co­mo o amor da vi­da de Fred­die Mer­cury. Já se­gun­do o vo­ca­lis­ta, ela sem­pre foi seu bra­ço di­rei­to e eter­na ami­ga. O fa­to é que o ca­sal se co­nhe­ceu na lo­ja de rou­pas em que Aus­tin tra­ba­lha­va e aca­ba­ram sain­do e na­mo­ran­do por in­sis­tên­cia de Fred­die. No iní­cio da dé­ca­da de 1970, di­vi­di­ram um apar­ta­men­to no oes­te de Lon­dres e a re­la­ção amo­ro­sa du­rou seis anos.

Em 1976, ao re­tor­nar de uma tur­nê pe­los Es­ta­dos Uni­dos, Mer­cury lhe con­tou que era bis­se­xu­al e ha­via se en­vol­vi­do com David Minns, um exe­cu­ti­vo da Elek­tra Re­cords. Con­tu­do, pe­diu pa­ra que Mary não se dis­tan­ci­as­se e a con­vi­dou pa­ra ser a se­cre­tá­ria do Que­en. Des­sa ma­nei­ra, a jo­vem o acom­pa­nhou até os úl­ti­mos di­as de sua vi­da. Além dis­so, Fred­die se tor­nou o pa­dri­nho do pri­mei­ro fi­lho de Aus­tin e, co­mo herança, do­ou sua man­são e royal­ti­es de su­as can­ções a ela.

Re­la­ci­o­na­men­tos

A vi­da amo­ro­sa de Fred­die foi mui­to con­tur­ba­da. O ar­tis­ta ti­nha na­mo­ros pou­co du­ra­dou­ros, so­fria com amo­res não cor­res­pon­di­dos e apro­vei­ta­do­res que só es­ta­vam in­te­res­sa­dos em sua fa­ma. Além dis­so, no iní­cio da dé­ca­da de 1980, fre­quen­ta­va mui­tos clu­bes gays e cos­tu­ma­va se re­la­ci­o­nar se­xu­al­men­te sem pro­te­ção. Por is­so, não é pos­sí­vel sa­ber qu­an­do ad­qui­riu o ví­rus da aids.

Al­gum tem­po de­pois, co­nhe­ceu seu úl­ti­mo na­mo­ra­do: o ca­be­le­rei­ro Jim Hut­ton. O par­cei­ro foi o pri­mei­ro a sa­ber, por te­le­fo­ne, que Fred­die era so­ro­po­si­ti­vo. Mer­cury ha­via di­to que en­ten­de­ria se Jim o aban­do­nas­se, mas não foi is­so o que acon­te­ceu por­que Hut­ton o acom­pa­nhou até os úl­ti­mos di­as.

Após a Ma­gic Tour, o vo­ca­lis­ta não quis mais par­ti­ci­par de tur­nês e sua saú­de fi­cou bas­tan­te de­bi­li­ta­da. Fred­die já apre­sen­ta­va sin­to­mas do sarcoma de Kar­po­si, tu­mor ma­lig­no que, du­ran­te a dé­ca­da de 1980, es­te­ve mui­to as­so­ci­a­do aos por­ta­do­res de HIV. As­sim, a im­pren­sa co­me­çou a pu­bli­car que Mer­cury es­ta­va com aids. No en­tan­to, a do­en­ça foi ne­ga­da por to­dos os mem­bros do Que­en.

Re­mé­di­os e ato fi­nal

O tra­ta­men­to de Fred­die Mer­cury era fei­to em ca­sa. O can­tor re­ce­bia os me­di­ca­men­tos em cai­xas em­bru­lha­das, con­tu­do, al­gu­mas ve­zes, pre­ci­sa­va ir ao hos­pi­tal, o que cha­ma­va a aten­ção da im­pren­sa. O vo­ca­lis­ta fa­zia trans­fu­sões de san­gue fre­quen­te­men­te e to­ma­va re­mé­di­os pa­ra ali­vi­ar as do­res. Per­to do fim, sua vi­são tam­bém co­me­çou a fi­car tur­va.

Fred­die ape­nas re­ve­lou sua do­en­ça, por meio de um co­mu­ni­ca­do, em no­vem­bro de 1991: “Ob­ser­van­do as sus­pei­tas da im­pren­sa nas du­as úl­ti­mas se­ma­nas, eu gos­ta­ria de con­fir­mar que sou so­ro­po­si­ti­vo e te­nho aids. Eu achei cor­re­to man­ter es­sa in­for­ma­ção em se­gre­do pa­ra pro­te­ger a pri­va­ci­da­de da­que­les que es­tão ao meu re­dor. En­tre­tan­to, che­gou a ho­ra de meus ami­gos e fãs sa­be­rem a ver­da­de e es­pe­ro que to­dos se jun­tem aos meus mé­di­cos e a to­do o mun­do na lu­ta con­tra es­sa do­en­ça ter­rí­vel. Mi­nha pri­va­ci­da­de sem­pre foi mui­to es­pe­ci­al e eu sou fa­mo­so pe­la mi­nha fal­ta de en­tre­vis­tas. Por fa­vor, en­ten­dam que es­sa prá­ti­ca con­ti­nu­a­rá”.

No en­tan­to, no dia 24 de no­vem­bro do mes­mo ano, Mer­cury, com ape­nas 45 anos, fa­le­ceu de­vi­do a uma bron­cop­neu­mo­nia. O rock perdia uma de su­as mais bri­lhan­tes vo­zes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.