SE­NHOR VERSÁTIL

To­da a au­dá­cia e de­di­ca­ção do ba­te­ris­ta, can­tor e com­po­si­tor do Que­en

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Queen - - PLAYLIST - TEX­TO João Pau­lo Fer­nan­des/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Ka­ri­na Ar­ru­da FOTOS Reprodução

En­tre tan­tas ha­bi­li­da­des mu­si­cais, Ro­ger Tay­lor se des­ta­cou com as ba­que­tas

Gui­tar­ra, uku­le­lê, ba­te­ria, te­cla­dos, per­cus­são, sin­te­ti­za­do­res... a gama de ins­tru­men­tos que Ro­ger Tay­lor con­se­gue to­car é tão ex­ten­sa quan­to o seu ta­len­to e sua de­di­ca­ção. O mú­si­co, que fi­cou fa­mo­so co­man­dan­do a ba­te­ria do Que­en, até que ten­tou ou­tras áre­as e es­pe­ci­a­li­da­des, mas não adi­an­tou: ele sa­bia que, in­de­pen­den­te do tem­po que le­vas­se pa­ra is­so acon­te­cer, era a mú­si­ca que lhe tor­na­ria fa­mo­so e o fa­ria re­a­li­za­do. E ele não só apos­tou nis­so, co­mo tam­bém in­ves­tiu em tal pro­je­to de to­das as for­mas.

Ro­ger Med­dows Tay­lor nas­ceu em 26 de ju­lho de 1949, na ci­da­de de King’s Lynn, per­ten­cen­te ao con­da­do de Nor­folk, na In­gla­ter­ra. Mo­rou ali por pou­co tem­po, pois já em 1953, sua fa­mí­lia mu­dou-se pa­ra Tru­ro, no con­da­do da Cor­nu­a­lha, mes­mo ano em que sua ir­mã Cla­re veio ao mun­do. Já na no­va ci­da­de, foi ma­tri­cu­la­do pe­los pais na Bos­vi­go Scho­ol. Se­ria ali que Ro­ger, ain­da mui­to no­vo, te­ria sua pai­xão pe­la mú­si­ca des­per­ta­da, e co­me­ça­ria a tri­lhar o ca­mi­nho que, mais tar­de, ele re­co­nhe­ce­ria co­mo o úni­co pos­sí­vel pa­ra seu su­ces­so, pes­so­al e pro­fis­si­o­nal.

Das cor­das às ba­que­tas

Tay­lor é re­co­nhe­ci­do até ho­je co­mo um dos me­lho­res ba­te­ris­tas de to­dos os tem­pos, pe­la pri­ma­zia com que as­su­miu o ins­tru­men­to no Que­en, adap­tan­do-se a to­das as

ex­pe­ri­ên­ci­as e es­ti­los mu­si­cais di­ver­sos dos quais a banda se uti­li­za­va pa­ra pro­du­zir su­as mú­si­cas. En­tre­tan­to, o pri­mei­ro ins­tru­men­to com o qual Ro­ger te­ve con­ta­to era bem mais sim­ples, e mui­to me­nor: um uku­le­lê.

Qu­an­do ain­da ti­nha oi­to anos, viu o pri­mo to­can­do al­guns acor­des no vi­o­lão, e de­ci­diu que tam­bém que­ria apren­der a fa­zer aqui­lo. Já com o ins­tru­men­to em mãos – o uku­le­lê no ca­so –, o pe­que­no Ro­ger sen­tiu­se ex­tre­ma­men­te per­su­a­di­do a for­mar um con­jun­to. Não que­ria sa­ber de mais na­da, a não ser to­car.

E acon­te­ceu. Sua pri­mei­ra banda cha­ma­va-se Bub­blin­go­ver Boys, e com ela apre­sen­tou-se ape­nas uma vez, na Bos­vi­go Scho­ol, du­ran­te um bai­le or­ga­ni­za­do pe­la es­co­la. O gru­po – que ti­nha Tay­lor no uku­le­lê, um bai­xo e mais du­as gui­tar­ras –, te­ve vi­da cur­ta, pois em maio de 1960, Ro­ger con­se­guiu uma bol­sa de es­tu­dos na Tru­ro Cathe­dral Scho­ol, a me­lhor ins­ti­tui­ção pú­bli­ca de en­si­no do con­da­do, e aca­bou aban­do­nan­do sua an­ti­ga es­co­la e a banda.

No no­vo co­lé­gio, o fu­tu­ro in­te­gran­te do Que­en te­ve seu con­ta­to com a mú­si­ca am­pli­a­do. Mo­ti­va­do a par­ti­ci­par do co­ral man­ti­do pe­la ins­ti­tui­ção, ele de­sen­vol­ve­ria ali uma téc­ni­ca im­pres­si­o­nan­te, que mais tar­de se­ria fun­da­men­tal pa­ra re­pro­du­zir as can­ções ma­jes­to­sas do gru­po, tan­to em es­tú­dio quan­to ao vi­vo, sus­ten­tan­do os vo­cais ao la­do de Fred­die Mer­cury.

Ao pas­so em que de­sen­vol­via su­as ha­bi­li­da­des en­quan­to can­tor, sua von­ta­de de to­car gui­tar­ra foi se per­den­do, sen­do subs­ti­tuí­da por um de­se­jo enor­me de se aven­tu­rar na per­cus­são. Mais es­pe­ci­fi­ca­men­te, na ba­te­ria. Em 1961, com uma cai­xa que en­con­trou per­di­da, um bum­bo e um tom da­dos por seu pai, e um chim­bal e um pra­to que ele mes­mo ha­via com­pra­do, Ro­ger Tay­lor con­se­guiu mon­tar seu pri­mei­ro kit de ba­te­ria e co­me­çou a to­car. Em 1963, já ha­via for­ma­do ou­tra banda, que tam­bém não du­rou mui­to. Foi só em 1965 que as coi­sas co­me­ça­ram re­al­men­te a to­mar um ru­mo.

Iní­cio da jor­na­da

Com o gru­po Johnny Qu­a­le and the Re­ac­ti­on, o ba­te­ris­ta par­ti­ci­pou de um con­cur­so anu­al de ban­das da Cor­nu­a­lha cha­ma­do The Rock and Rythm Cham­pi­onship. Com a con­quis­ta do quar­to lu­gar, a banda sen­tiu-se mo­ti­va­da e con­ti­nu­ou par­ti­ci­pan­do de even­tos de pro­por­ções ca­da vez mai­o­res. Mes­mo em boa fa­se, o gru­po aca­bou per­den­do Johnny, vo­ca­lis­ta e front­man da banda. Co­mo era o úni­co que sa­bia can­tar, Tay­lor as­su­miu os vo­cais sem dei­xar, con­tu­do, a ba­te­ria.

Com es­sa no­va for­ma­ção, o The Re­ac­ti­on, ago­ra sem o pri­mei­ro no­me após a saí­da de Johnny Qu­a­le, vol­tou a to­car, em 1966, no The Rock and Rythm Cham­pi­onship, do qual des­sa vez saí­ram ven­ce­do­res. Is­so, po­rém, não im­pe­diu Ro­ger de, mais uma vez, aban­do­nar uma banda. Mo­ti­va­do a ten­tar ou­tra car­rei­ra além da mú­si­ca, o ba­te­ris­ta mu­dou-se pa­ra Lon­dres, fa­zen­do com que o The Re­ac­ti­on che­gas­se ao fim.

Ba­te­ris­ta de con­sul­tó­rio

A mu­dan­ça de ares foi tam­bém de área. Por con­ta de seu de­sem­pe­nho ex­ce­len­te em bi­o­ló­gi­cas, Ro­ger Tay­lor foi acon­se­lha­do por seus pro­fes­so­res a in­ves­tir na car­rei­ra mé­di­ca. De­ci­din­do-se pe­la odon­to­lo­gia, con­se­guiu ser apro­va­do na Lon­don Hos­pi­tal Me­di­cal Scho­ol, on­de ini­ci­ou os es­tu­dos em 1968. Con­tu­do, não con­se­guia aban­do­nar a mú­si­ca.

Sem­pre aten­to a anún­ci­os de ban­das que es­ti­ves­sem à pro­cu­ra de no­vos mú­si­cos, aca­bou co­nhe­cen­do o gui­tar­ris­ta e fu­tu­ro com­pa­nhei­ro do Que­en, Bryan May, que na épo­ca es­ta­va jus­ta­men­te pro­cu­ran­do um ba­te­ris­ta pa­ra ini­ci­ar um no­vo pro­je­to. A banda for­ma­da pe­los dois foi o em­brião do que mais tar­de se tor­na­ria o fenô­me­no co­nhe­ci­do co­mo “rai­nha”.

É des­ne­ces­sá­rio di­zer que Ro­ger Tay­lor aca­bou aban­do­nan­do a car­rei­ra de den­tis­ta. Na­que­le mo­men­to, mais do que nun­ca, o mú­si­co viu que, re­al­men­te, seu pro­je­to de vi­da era to­car e ser fa­mo­so. E con­se­guiu. Além da ap­ti­dão ine­gá­vel pa­ra ba­te­ria, Tay­lor se mos­trou tam­bém um ex­ce­len­te can­tor e com­po­si­tor, ta­len­to es­se com­pro­va­do pe­lo su­ces­so de hits co­mo Ra­dio Ga Ga e A Kind Of Ma­gic, am­bos de sua au­to­ria.

Con­ven­ci­do de seu ta­len­to e de que tu­do o que con­quis­ta­ria se­ria atra­vés da mú­si­ca, Tay­lor foi o pri­mei­ro – mas não o úni­co – in­te­gran­te do Que­en a apos­tar tam­bém em pro­je­tos in­de­pen­den­tes. Com Fun In Spa­ce (1981), o ba­te­ris­ta ini­ci­ou seu tra­ba­lho co­mo mú­si­co so­lo sem, con­tu­do, aban­do­nar o Que­en. Ao to­do, Tay­lor gra­vou cin­co ál­buns so­los, ten­do o úl­ti­mo si­do lan­ça­do em 2013, com o tí­tu­lo Fun On Earth.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.