DIS­CRE­TO E PO­DE­RO­SO

A his­tó­ria de um dos au­to­res das li­nhas de bai­xo mais icô­ni­cas do mun­do da mú­si­ca

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - Queen - - PLAYLIST - TEX­TO Éri­ca Agui­ar DE­SIGN Gui­lher­me Lau­ren­te/Co­la­bo­ra­dor FOTOS Shutterstock Ima­ges

Com seu bai­xo, John De­a­con cri­ou al­guns dos riffs mais ines­que­cí­veis da mú­si­ca

Another One Bi­tes the Dust é uma da­que­las obras-pri­mas cu­jos riffs de bai­xo são di­fí­ceis de sair da ca­be­ça. E não é à toa que a can­ção foi com­pos­ta por John De­a­con. O bai­xis­ta ti­nha se ins­pi­ra­do na mú­si­ca Go­od Ti­mes do gru­po mu­si­cal Chic, os mes­mos au­to­res da fa­mo­sa Le Fre­ak.

No en­tan­to, pa­ra o qui­e­to e re­ser­va­do De­a­con, o tra­ba­lho não pa­re­ceu tão pe­no­so. Lan­ça­da co­mo sin­gle, a fai­xa tor­nou-se um hit mun­di­al em pou­co tem­po. Es­se, en­tre­tan­to, não foi o úni­co mo­men­to mar­can­te de sua vi­da.

In­fân­cia e ju­ven­tu­de

John Ri­chard De­a­con nas­ceu em 19 de agos­to de 1951, na ci­da­de de Lei­ces­ter (na In­gla­ter­ra), lo­ca­li­za­da ao no­ro­es­te de Lon­dres. Ele ga­nhou sua pri­mei­ra gui­tar­ra – um pre­sen­te de seus pais – aos se­te anos de ida­de.

Após o en­si­no mé­dio, John mu­dou-se pa­ra Lon­dres, on­de es­tu­dou ele­trô­ni­ca na Chel­sea Col­le­ge (Uni­ver­si­da­de de Lon­dres), con­for­me seu pai – fa­le­ci­do qu­an­do ain­da ti­nha 11 anos – ha­via in­cen­ti­va­do. “Era al­go que eu sem­pre quis fa­zer. Ma­te­má­ti­ca e fí­si­ca ti­nham si­do mi­nhas dis­ci­pli­nas fa­vo­ri­tas na es­co­la e eu sen­tia que po­de­ria li­dar com is­so”, dis­se em en­tre­vis­ta à re­vis­ta Mu­sic Star em 1974.

Co­me­ço mu­si­cal

Em­bo­ra gos­tas­se de ele­trô­ni­ca, John tam­bém era mui­to apai­xo­na­do por mú­si­ca e um gran­de fã dos Be­a­tles. Es­sa pai­xão fez com que de­ci­dis­se apren­der a to­car gui­tar­ra e, lo­go, es­ta­va se di­ver­tin­do com acor­des na ga­ra­gem de um ami­go.

Aos 14 anos, en­trou pa­ra a sua pri­mei­ra banda, The Op­po­si­ti­on. Al­gum tem­po de­pois, já no fi­nal de 1966, com a saí­da do bai­xis­ta, John ocu­pou a va­ga. As­sim, com­prou seu pri­mei­ro bai­xo – um Eko, por 60 li­bras – e o gru­po pas­sou a se cha­mar The New Op­po­si­ti­on.

Vi­da no­va em Lon­dres

Em 1969, De­a­con pre­ci­sou mu­dar-se pa­ra a ca­pi­tal in­gle­sa e de­di­car-se aos es­tu­dos de ele­trô­ni­ca. Con­tu­do, o que pa­re­cia ser um “adeus” pa­ra a mú­si­ca, foi um re­co­me­ço. “Pes­so­al­men­te, um dos mo­men­tos mais im­por­tan­tes pa­ra mim foi qu­an­do eu saí de ca­sa pa­ra es­tu­dar em Lon­dres. Não era mui­to pe­lo even­to em si, mas is­so me gui­ou no ca­mi­nho da mú­si­ca. Eu co­nhe­ci ou­tros ra­pa­zes e fi­quei mais pro­fis­si­o­nal, ha­via to­ca­do, em ca­sa, em pe­que­nos gru­pos ama­do­res”, re­ve­lou John em ou­tra en­tre­vis­ta à Mu­sic Star.

Par­te da realeza

Já em ou­tu­bro de 1970, De­a­con re­sol­veu ir ao show de uma banda cha­ma­da Que­en. No en­tan­to, em um pri­mei­ro mo­men­to, a apre­sen­ta­ção não o im­pres­si­o­nou mui­to. O ce­ná­rio só mu­dou no co­me­ço de 1971, qu­an­do John foi apre­sen­ta­do a Bri­an May e Ro­ger Tay­lor. “Eu co­nhe­ci Ro­ger e Bri­an em uma dis­co­te­ca. Ti­nha ou­vi­do que es­ta­vam pro­cu­ran­do um bai­xis­ta, en­tão con­ver­sei com eles. Re­al­men­te ti­nham fei­to au­di­ções nas se­ma­nas an­te­ri­o­res, mas não con­se­gui­ram en­con­trar al­guém que se en­cai­xas­se”, con­tou em en­tre­vis­ta.

May e Tay­lor per­gun­ta­ram se o jo­vem es­ta­va in­te­res­sa­do e, al­guns di­as de­pois, John apa­re­ceu na sa­la de au­la do Im­pe­ri­al Col­le­ge, on­de Bri­an May es­tu­da­va e a banda cos­tu­ma­va en­sai­ar. De­a­con le­vou seu bai­xo e seu am­pli­fi­ca­dor cus­to­mi­za­do, o De­acy Amp. En­fim, em mar­ço, tor­nou-se o quar­to e úl­ti­mo mem­bro do Que­en (além de ser o mais jo­vem!).

Ta­len­to si­len­ci­o­so

Se bai­xis­tas cos­tu­mam ser con­si­de­ra­dos os mem­bros mais qui­e­tos e re­ser­va­dos de uma banda, is­so não foi di­fe­ren­te com John De­a­con. Po­rém, o jei­to de agir não o im­pe­diu de ser um mú­si­co ta­len­to­so e com­por fai­xas icô­ni­cas, co­mo You’re My Best Fri­end, I Want To Break Free e a já ci­ta­da Another One Bi­tes the Dust.

Pa­ra mui­tos crí­ti­cos da mú­si­ca, o bai­xis­ta sem­pre acha­va es­pa­ços on­de se en­cai­xar den­tro das can­ções, sem tro­pe­çar no vo­cal ou nos so­los de gui­tar­ra. Con­tu­do, não se tra­ta­va de um mú­si­co ape­nas pa­ra “dar su­por­te”, De­a­con fa­zia mais. Seu jei­to de to­car fa­zia com que to­dos os ou­tros in­te­gran­tes bri­lhas­sem. Além dis­so, John não fa­zia o uso de pa­lhe­tas.

Vi­da re­clu­sa

Em me­a­dos da dé­ca­da de 1980, o bai­xis­ta se aven­tu­rou com ou­tros ar­tis­tas. Ele tra­ba­lhou com El­ton John na tri­lha so­no­ra do fil­me Big­gles (de 1988) e na can­ção No Tur­ning Back dos The Im­mor­tals.

Após a mor­te de Fred­die Mer­cury, De­a­con de­ci­diu se apo­sen­tar do Que­en. No en­tan­to, os in­te­gran­tes se reu­ni­ram pa­ra mais al­guns con­cer­tos e na gra­va­ção de uma mú­si­ca tri­bu­to a Fred­die, No-One But You (Only The Go­od Die Young), em ou­tu­bro de 1997.

Ho­je, John se de­di­ca a sua fa­mí­lia e, ra­ra­men­te, apa­re­ce em pú­bli­co. Con­tu­do, seu sta­tus co­mo gran­de bai­xis­ta e com­po­si­tor ain­da per­ma­ne­ce, ele só não pre­ci­sa li­dar com pa­pa­raz­zi o per­se­guin­do to­dos os di­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.