TI­RE SU­AS DÚ­VI­DAS

A se­guir, o gi­ne­co­lo­gis­ta e obs­te­tra Él­vio Flo­res­ti res­pon­de al­gu­mas per­gun­tas so­bre se­xo:

Guia Astral - - Sexo + Gostoso -

• Por que não con­si­go che­gar no or­gas­mo?

Por cau­sa de di­ver­sos fa­to­res. O ci­clo mens­tru­al e o psi­co­ló­gi­co da mu­lher são exem­plos. A fa­se en­tre a ovu­la­ção e a TPM cau­sa mui­ta ten­são, o que po­de atra­pa­lhar bas­tan­te. Ten­te che­gar lá en­tre a se­ma­na da mens­tru­a­ção e a se­guin­te, pe­río­do em que os hormô­ni­os fi­cam em al­ta. O psi­co­ló­gi­co da mu­lher con­ta mui­to pa­ra ter o or­gas­mo. Se exis­tir me­do, in­se­gu­ran­ça, fal­ta de von­ta­de ou bai­xa au­to­es­ti­ma, se­rá mais di­fí­cil che­gar ao or­gas­mo.

• Por que te­nho pou­ca lu­bri­fi­ca­ção?

A lu­bri­fi­ca­ção acon­te­ce por meio das pre­li­mi­na­res, quan­do ocor­re a pro­du­ção da do­pa­mi­na. Es­se hormô­nio faz com que o co­ra­ção ba­ta mais for­te e o san­gue cor­ra mais rá­pi­do, o que ge­ra acú­mu­lo de san­gue nos ór­gãos ge­ni­tais e li­be­ra a lu­bri­fi­ca­ção na va­gi­na. Is­so quer di­zer que se não ti­ver as pre­li­mi­na­res, não ha­ve­rá lu­bri­fi­ca­ção ne­ces­sá­ria. Por is­so que elas são tão im­por­tan­tes.

• Co­mo re­a­cen­der a cha­ma quan­do não te­nho von­ta­de de tran­sar?

A fal­ta de ape­ti­te se­xu­al é um dos mai­o­res ta­bus. Mui­tas mu­lhe­res fa­zem se­xo por obri­ga­ção, o que po­de cau­sar ain­da mais

re­jei­ção ao ato. Um pon­to é des­co­brir se há al­gu­ma in­se­gu­ran­ça, trau­ma ou do­en­ça, co­mo a de­pres­são, que po­de es­tar li­ga­da com a per­da da li­bi­do. Pa­ra is­so, é in­dis­pen­sá­vel fa­zer au­to­a­ná­li­se. Os an­ti­con­cep­ci­o­nais tam­bém po­dem ser res­pon­sá­veis pe­la fal­ta de li­bi­do, por­que o es­tro­gê­nio e a pro­ges­te­ro­na (hormô­ni­os pre­sen­tes nos an­ti­con­cep­ci­o­nais) com­bi­na­dos ini­bem a pro­du­ção hor­mo­nal dos ová­ri­os. Com is­so, a pro­du­ção dos hormô­ni­os an­dro­gê­ni­os (mas­cu­li­nos) fi­ca mais bai­xo, di­mi­nuin­do a li­bi­do.

O fa­tor emo­ci­o­nal ain­da é o mais im­por­tan­te. In­ves­tir no bom re­la­ci­o­na­men­to com o par­cei­ro, na tran­qui­li­da­de, ter mui­tas pre­li­mi­na­res e dei­xar um pou­co o la­do ma­ter­nal e as­su­mir o da aman­te são pon­tos im­por­tan­tes pa­ra res­ga­tar o pra­zer se­xu­al.

• On­de fi­ca o pon­to G?

O pon­to G não é um ór­gão ex­ter­no e sem­pre sur­ge a dú­vi­da so­bre sua re­al exis­tên­cia. A prin­cí­pio, ele fi­ca na par­te su­pe­ri­or da va­gi­na, pró­xi­mo à en­tra­da. Quan­do o corpo da mu­lher re­ce­be es­tí­mu­los e se ex­ci­ta, o pon­to G in­cha e re­ce­be es­ses es­tí­mu­los. Mas não va­le se pren­der a ele. Exis­tem ou­tros lu­ga­res que tam­bém dão pra­zer a mu­lher, co­mo o cli­tó­ris. O que va­le re­al­men­te é a mu­lher se sen­tir à von­ta­de na re­la­ção se­xu­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.