En­tre o pre­sen­te e o pas­sa­do

A no­va novela das seis, Es­pe­lho da Vi­da, es­tá im­per­dí­vel! Alin­ne Mo­ra­es, que é Isa­bel, uma vi­lã da pe­sa­da, e Ra­fa­el Car­do­so, pre­so por ma­tar a sua noi­va na dé­ca­da de 30, con­ver­sa­ram com a Guia da TV e con­ta­ram to­dos os bas­ti­do­res da tra­ma!

Guia da Tevê - - CIRCULANDO - Texto: Aline Cam­pa­nhã/co­la­bo­ra­do­ra En­tre­vis­ta: An­dré Luís Romano/co­la­bo­ra­dor

Alin­ne Mo­ra­es

Co­mo se­rá es­sa sua no­va vi­lã em

Es­pe­lho da Vi­da?

“Es­sa vi­lã é bem vi­lã mes­mo. Vi­lã de fo­lhe­tim. E pra quem co­nhe­ce a Eli­za­beth Jhin sa­be que ela não tem me­do de ou­sar, mes­mo por­que são du­as his­tó­ri­as, e po­de ser que mui­tas des­sas mal­da­des serão jus­ti­fi­ca­das pe­la ou­tra per­so­na­gem, que vive em 1930. En­ten­den­do co­mo ela se tor­nou es­sa mu­lher. É uma per­so­na­gem hu­ma­na, mas va­mos ver até on­de o ser hu­ma­no é ca­paz de che­gar, a cer­te­za é que ela não me­de es­for­ços pa­ra con­se­guir o que quer.”

É sua se­gun­da par­ce­ria com a Eli­za­beth Jhin, né?

“Sim, e vol­tar co­mo an­ta­go­nis­ta é a coi­sa mais in­crí­vel do mun­do. Em Além do Tem­po tam­bém con­ta­mos du­as his­tó­ri­as, e ape­sar de uma tra­ma lem­brar a ou­tra, ago­ra es­ta­mos fa­zen­do um tra­ba­lho com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te, numa ou­tra po­si­ção. Em Além do Tem­po, a mi­nha per­so­na­gem era mais mi­ma­da e mais le­ve, es­sa de ago­ra é bem pe­sa­da, de­mo­nía­ca (ri­sos). Tan­to que qu­an­do fui fa­zer a escolha dos ves­ti­dos pa­ra o fi­gu­ri­no, eu quis lo­go abu­sar da cor ver­me­lha. Ela vai in­fer­ni­zar o Alain, mas nes­sa re­la­ção com ele, sa­be­re­mos quem é o ver­da­dei­ro an­ta­go­nis­ta da his­tó­ria.”

Co­mo es­tá sen­do pa­ra a preparação pa­ra es­ses per­so­na­gens?

“A gen­te co­me­çou a preparação pa­ra 1930 ago­ra, en­tão é tu­do bem re­cen­te. Cos­tu­mo brin­car que é um tra­ba­lho es­qui­zo­frê­ni­co. Ao meio dia es­ta­mos em 1930, às seis da tar­de es­ta­mos em 2018. Co­mo não te­mos ci­da­de ce­no­grá­fi­ca, por uma op­ção do di­re­tor Pe­dro Vasconcellos, tu­do fi­ca um pou­co mais de­li­ca­do, já que te­mos que vi­a­jar sem­pre pa­ra o in­te­ri­or de Mi­nas Ge­rais.”

Vo­cê acre­di­ta em re­en­car­na­ção?

“Eu já acre­di­tei mui­to, mas ago­ra não tenho uma opi­nião for­ma­da, não acre­di­to, nem de­sa­cre­di­to. Tenho mui­ta coi­sa pa­ra pen­sar nes­se mo­men­to, e acho que es­sas per­gun­tas me ator­men­ta­va qu­an­do era bem pe­que­ni­ni­nha, até mais ou me­nos 7 anos,de­pois dis­so foi di­mi­nuin­do. Tem gen­te que se per­gun­ta de­pois dos 30, 40 anos, e cada um tem um mo­men­to cer­to. Nes­se mo­men­to da mi­nha vi­da tem coi­sas que exi­gem tan­to de mim, que não con­si­go pres­tar aten­ção nes­sas ou­tras.”

Vo­cê se­gue al­gu­ma religião?

“Não, só de­se­jo o bem das pes­so­as. Me co­lo­co mui­to no lu­gar dos ou­tros, e acre­di­to que a bon­da­de ge­ra bon­da­de.”

O que mais a en­can­tou na per­so­na­gem?

“Eu acho que me en­can­tou o fa­to de ser vi­lã. A Sil­via, de Du­as Caras, não era uma vi­lã, ini­ci­al­men­te, mas aca­bou se tor­nan­do do mal ao lon­go da tra­ma. Em Rock Story, me dis­se­ram que eu se­ria uma vi­lã, mas eu lia e não con­se­guia en­xer­gar is­so, já que a per­so­na­gem era pas­si­o­nal e mui­to hu­ma­na. Mas a de ago­ra é com­ple­ta­men­te o opos­to de to­das, ela veio pa­ra cau­sar. Ela não é uma pes­soa boa, e is­so vai fi­car bem cla­ro. Che­ga até a ar­re­pi­ar.”

Vo­cê dis­se que ela é mui­to má. Co­mo vo­cê faz pa­ra se li­vrar dis­so de­pois?

“Ah, mas is­so desce ra­pi­di­nho (ri­sos). Eu gos­to mui­to de brin­car com vi­lã, por­que tu­do é pos­sí­vel. Mes­mo se vo­cê er­rar, es­tá cer­to. Fi­ca co­mo a per­so­na­gem fo­ra da ca­si­nha, tu­do é mais am­plo. Gos­to mais. Di­ria até que é mais fá­cil do que fa­zer mo­ci­nha. E qu­an­to a sair do

per­so­na­gem, fi­ca no es­tú­dio de­pois, por­que pa­ra mim é tu­do uma brin­ca­dei­ra. Eu não sou aque­la que en­tro e fa­lo ‘só um mi­nu­ti­nho que pre­ci­so res­pi­rar’. Ter­mi­nou a ação, deu o cor­ta, já es­tou rin­do e es­tá tu­do cer­to.” Ra­fa­el Car­do­so

Co­mo sur­giu o con­vi­te pa­ra atu­ar na novela?

“Eu já es­ta­va es­ca­la­do. Eu en­con­trei o Pe­dro Vas­con­ce­los na saí­da da pra­ça de ali­men­ta­ção e fui per­gun­tar da novela, mas ele dis­se que eu ti­nha que des­can­sar. Foi com o Pe­dro que eu fiz meu pri­mei­ro tes­te pa­ra novela, lá em Be­le­za Pu­ra, que foi meu pri­mei­ro per­so­na­gem. Foi ele quem me deu es­sa opor­tu­ni­da­de, e eu brin­co que se ele me chamar pa­ra pu­lar da pon­te eu pu­lo jun­to. Eu não po­dia dei­xar es­sa opor­tu­ni­da­de pas­sar, ain­da mais se tra­tan­do de uma novela da Eli­sa­beth Jin, com quem eu já tra­ba­lhei em Além do Tem­po.”

Vo­cê acre­di­ta em es­pi­ri­tis­mo?

“Eu acre­di­to, e gos­to de fa­lar dis­so. O meu per­so­na­gem, Da­ni­lo, é um pin­tor que a prin­cí­pio es­ta­va só no pas­sa­do. Por ser uma obra aber­ta, não sei o que vai acon­te­cer, mas, po­de acon­te­cer, de­le apa­re­cer de al­gu­ma ma­nei­ra no pre­sen­te.”

Mui­ta gen­te fa­lou so­bre vo­cê vol­tar pa­ra a novela com tão pou­co tem­po. O que vo­cê acha dis­so?

“Eu ado­ro tra­ba­lhar, e pa­ra mim é um de­sa­fio me rein­ven­tar em cur­tís­si­mo es­pa­ço de tem­po. Eu fa­ço o me­lhor que eu pos­so, se eu vou dar con­ta, eu já não sei, mas eu vou ten­tar.”

Em cur­to tem­po vo­cê se di­vi­de en­tre fa­mí­lia, ne­gó­ci­os e tra­ba­lhos. Co­mo é seu dia a dia?

“Eu es­tou com três res­tau­ran­tes, tenho uma fá­bri­ca de re­ci­clá­veis, uma fa­zen­da de or­gâ­ni­cos, mais a novela e a pa­ter­ni­da­de. Eu acho que o segredo é qua­li­da­de de tem­po e a or­ga­ni­za­ção. Eu não tenho nem whatsapp, e mi­nhas re­des so­ci­ais eu ali­men­to só com o ne­ces­sá­rio. Não sei o que vai ser da vi­da ama­nhã, mas qu­e­ro qua­li­da­de de vi­da. Não qu­e­ro ver meus fi­lhos cres­ci­dos e per­ce­ber que não ti­ve tem­po de cur­tir eles. Não qu­e­ro ter es­sa dor pra mim.”

Vo­cê tem von­ta­de de sair do país?

“No mo­men­to eu tenho mui­ta von­ta­de. Tem mui­ta coi­sa acon­te­cen­do lá fo­ra de ne­gó­ci­os pra mim, não só co­mo ator. Coi­sas de em­pre­sas que es­tão mui­to cer­to. Tem gran­de pos­si­bi­li­da­de de em pou­co tem­po eu es­tar par­tin­do. Mas, dá pa­ra le­var as du­as coi­sas tam­bém, não pre­ci­so aban­do­nar. Qu­e­ro ir pa­ra per­to de No­va York.”

Seu per­so­na­gem re­pe­te a par­ce­ria com a Aline Mo­ra­es de Além do Tem­po?

“Sim. Exis­te es­se re­en­con­tro, ela e eu é co­mo se es­ti­vés­se­mos em ca­sa.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.