Rainha da co­zi­nha

O pro­gra­ma Mais Vo­cê es­tá há qua­se vin­te anos no ar e con­ti­nua sen­do um su­ces­so. A co­zi­nhei­ra de mão cheia, Ana Ma­ria Braga, con­se­guiu trans­for­mar a pai­xão pe­la cu­li­ná­ria em um íco­ne da te­le­vi­são bra­si­lei­ra!

Guia da Tevê - - CIRCULANDO - Texto: Aline Cam­pa­nhã/co­la­bo­ra­do­ra

Em bre­ve, o Mais Vo­cê com­ple­ta 19 anos. Vo­cê ima­gi­na­va que o pro­gra­ma fos­se ser um gran­de su­ces­so?

“Cla­ro, eu ti­nha cer­te­za, por­que vi­nha de uma his­tó­ria de su­ces­so na Re­cord, le­van­tei aque­le canal com oi­to anos de tra­ba­lho. Eu fi­ca­va seis ho­ras no ar, sa­bia exa­ta­men­te tu­do que ti­nha apren­di­do, a mu­lher que eu era, tu­do que a vi­da me ti­nha per­mi­ti­do apren­der. Eu ti­nha cer­te­za que ia dar cer­to. Não ti­nha dú­vi­da ne­nhu­ma.”

Ao que vo­cê atri­bui o su­ces­so do Mais Vo­cê?

“É uma ques­tão de ser ver­da­dei­ro com o que sen­te. Eu não acre­di­to na­que­le apre­sen­ta­dor que não pres­ta aten­ção no que faz. É um pri­vi­lé­gio ter um es­pa­ço de uma ho­ra e meia den­tro da Glo­bo to­do dia. Eu fa­ço par­te da equi­pe que apro­va as ma­té­ri­as, que tem um di­re­ci­o­na­men­to, e a gen­te des­co­briu, ao lon­go des­ses qua­se vin­te anos, o que é o co­ra­ção do pro­gra­ma. Eu acho que sa­ber o que es­tá fa­zen­do, e acre­di­tar nis­so é a gran­de di­fe­ren­ça.”

Co­mo vo­cê vê os me­mes fei­tos com os seus mo­men­tos no pro­gra­ma?

“Eu re­ce­bo to­dos. Re­pli­co. Eu acho uma de­lí­cia! Se vo­cê não apren­der a rir de vo­cê mes­mo, vo­cê não vai con­se­guir ser fe­liz nun­ca na vi­da. Se lá no ini­cio da car­rei­ra eu me cha­te­a­va com al­gu­ma coi­sa, ho­je em dia eu mor­ro de rir. O que eu não gos­to é da mal­da­de e da men­ti­ra.”

Co­mo fo­ram os seus pri­mei­ros pas­sos na cu­li­ná­ria?

“Nun­ca ti­ve­mos em­pre­ga­da, éra­mos mui­to sim­ples. O chei­ri­nho da co­mi­da da mi­nha mãe era sem­pre mui­to boa, mas o re­sul­ta­do não era (ri­sos). Eu ti­nha a mai­or cu­ri­o­si­da­de de co­nhe­cer no­vas co­mi­das. Qu­an­do eu co­me­cei a cres­cer no in­te­ri­or e a des­co­brir as re­cei­tas que as vi­zi­nhas fa­zen­dei­ras faziam, fui fi­can­do mui­to in­te­res­sa­da nis­so. Qu­an­do saí de ca­sa com 18 anos, au­to­ma­ti­ca­men­te, eu ti­ve que me vi­rar co­mo to­do mun­do, e aca­bei cain­do nis­so pa­ra o res­to da vi­da. Eu mo­ra­va em pen­si­o­na­to, nin­guém sa­bia co­zi­nhar, e eu ia pa­ra a co­zi­nha. Qu­an­do vim es­tu­dar em São Pau­lo, com­prei uma bar­ra­ca lin­da e qu­an­do ía­mos acam­par quem co­zi­nha­va era sem­pre eu.”

Vo­cê vai pa­ra a co­zi­nha qu­an­do es­tá em ca­sa?

“Gos­to de che­gar em ca­sa e co­zi­nhar, is­so me faz mui­to fe­liz. Eu sem­pre tenho du­as co­zi­nhas nos meus lu­ga­res. No apartamento, eu tenho uma co­zi­nha e fiz um can­to em ci­ma, on­de eu con­si­go co­zi­nhar. Eu gos­to de che­gar e fa­zer mas­sa, pão, gos­to de sen­tir o chei­ro da co­mi­da. In­clu­si­ve, as mi­nhas co­zi­nhei­ras pri­mei­ro apren­dem co­mi­go. Elas vêm com uma ba­se e nós va­mos aper­fei­ço­an­do. Só fi­ca quem re­al­men­te quer apren­der.”

Co­mo é pa­ra vo­cê ver mu­lhe­res no po­der?

“Fal­ta mui­to ain­da. A úni­ca coi­sa que eu tenho pe­na é que qu­an­do ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de ter re­al­men­te uma mu­lher no po­der, que foi a nossa pre­si­den­te da re­pú­bli­ca, per­de­mos mui­to. Com to­do o res­pei­to que ela me­re­ce.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.