Uma Miss con­ge­la­da!

Ma­ria Edu­ar­da Car­va­lho es­tá ar­ra­san­do co­mo Miss Ce­li­ne, em O Tem­po Não Pa­ra. A ex-con­ge­la­da é su­per pa­ra fren­te, e con­se­gue ver o mun­do atu­al de mo­do di­fe­ren­te dos ou­tros con­ge­la­dos!

Guia da Tevê - - CIRCULANDO - Tex­to: Ali­ne Cam­pa­nhã/co­la­bo­ra­do­ra En­tre­vis­ta: An­dré Luís Ro­ma­no/co­la­bo­ra­dor

Co­mo es­tá sen­do in­te­grar o elen­co de O

Tem­po Não Pa­ra?

“É uma no­ve­la mui­to ori­gi­nal, mui­to bem es­cri­ta. Eu acho que tem um hu­mor mais pa­ra o sar­cas­mo, que con­ver­sa mui­to com o ti­po de hu­mor que eu gos­to de tra­ba­lhar. Es­tou pro­fun­da­men­te fe­liz com es­se tra­ba­lho, por­que eu acho que além de um tex­to bem es­cri­to, os ato­res que es­tão tra­ba­lhan­do mui­to bem. A no­ve­la fa­la de ques­tões mui­to im­por­tan­tes pa­ra se­rem tra­ba­lha­das ho­je, a es­cra­vi­dão, o pre­con­cei­to ra­ci­al, as ques­tões fe­mi­ni­nas, e dei­xa cla­ro os abis­mos so­ci­ais que a gen­te vem man­ten­do des­de aque­la épo­ca. É uma no­ve­la que vai da gra­ça até as ques­tões mais pro­fun­das e im­por­tan­tes da gen­te ques­ti­o­nar e tra­ba­lhar.”

Quem é a Miss Ce­li­ne?

“Na ver­da­de, é Ce­li­ne. Miss é se­nho­ria, por­que ela é fi­lha de um in­glês. Eles a cha­mam edu­ca­da­men­te, cor­di­al­men­te de miss. Miss Ce­li­ne é uma per­so­na­gem sen­sa­ci­o­nal. Ela é in­gê­nua, pu­ra, tem en­can­to pe­lo no­vo, e uma se­de de co­nhe­ci­men­to. É tu­do tão in­ten­so e pro­fun­do que ela me emo­ci­o­na, e quan­do ve­jo te­nho que me se­gu­rar pa­ra não es­tar com os olhos chei­os de lá­gri­mas o tem­po in­tei­ro. Re­al­men­te, é mui­to ar­re­ba­ta­dor tu­do o que ela me traz.”

Co­mo foi sua pre­pa­ra­ção pa­ra a per­so­na­gem?

“Ti­ve­mos um tra­ba­lho mui­to ba­ca­na de pre­pa­ra­ção de elen­co, on­de tra­ba­lha­mos mi­nu­ci­o­sa­men­te os jei­tos da épo­ca, os cos­tu­mes, co­mo eles se por­ta­vam, se ves­ti­am, co­mi­am. Eu vi al­guns fil­mes, mas na pró­pria pre­pa­ra­ção ti­ve­mos mui­to cui­da­do. Es­sa coi­sa do ges­tu­al, da mão­zi­nha, do re­ca­to, de não cru­zar as per­nas, é man­ti­da nos di­as atu­ais, en­tão te­mos que fi­car o tem­po to­do li­ga­do e não re­la­xar.”

Vo­cê co­men­tou que tem di­fi­cul­da­de pa­ra se emo­ci­o­nar em ce­na. Al­gum mo­men­to da sua car­rei­ra faz es­se sen­ti­men­to ser des­per­ta­do?

“Al­guns. Aliás, um mui­to pró­xi­mo. Eu fiz um fil­me do Mi­guel Fa­la­bel­la cha­ma­do Ve­ne­za, que ain­da não es­tre­ou. Eu fiz uma per­so­na­gem que ti­nha uma par­ti­ci­pa­ção pon­tu­al, mas mui­to im­por­tan­te. Ela es­tá mui­to do­en­te e uma das ce­nas mais im­por­tan­te de­la é no hos­pi­tal de­fi­nhan­do. E foi mui­to de­sa­fi­a­dor, por­que eu acho que é mais fá­cil e tem mais pe­dal quan­do vo­cê vai acom­pa­nhan­do e vi­ven­do aque­la his­tó­ria até che­gar no fim da li­nha de­la. Em Se­te Vi­das, eu fa­zia a Lai­la, e em A Vi­da da Gen­te, eu fa­zia a Nan­da, que era uma per­so­na­gem que ti­nha mui­ta di­fi­cul­da­de de se li­gar afe­ti­va­men­te com as pes­so­as, mas aca­bou se apai­xo­nan­do por um mú­si­co. Em um de­ter­mi­na­do mo­men­to da tra­ma es­se ra­paz mor­reu e ela te­ve que li­dar com o fi­lho de­le. Ela meio que ado­tou aque­le me­ni­no. E ali foi, tam­bém, um mo­men­to bem com­ple­xo pa­ra mim.”

Co­mo é con­tra­ce­nar com as gê­me­as Ni­co (Rapha­e­la Al­vit­tos) e Ki­ki (Nattha­lia Gon­çal­ves)?

“Um ba­ra­to, é mui­to di­ver­ti­do! A gen­te faz uma far­ra no ca­ma­rim. Elas são mui­to in­te­res­sa­das, es­tu­di­o­sas, in­te­li­gen­tes. Ape­sar do tra­ba­lho e das res­pon­sa­bi­li­da­des, elas ain­da são cri­an­ças. E eu acho is­so mui­to le­gal. Eu te­nho uma fi­lha de oi­to anos e dou mui­to va­lor às cri­an­ças que ain­da são cri­an­ças, ape­sar dos di­as de ho­je.”

Quan­to tem­po vo­cê tem de car­rei­ra e co­mo vo­cê en­xer­ga a ar­te?

“Eu co­me­cei no te­a­tro com 13 anos, en­tão, te­nho 23 anos. Ho­je, o ar­tis­ta se con­fun­de mui­to com a pes­soa fa­mo­sa. Ser ar­tis­ta es­tá mui­to nu­bla­do, mis­tu­ra­do com es­sa coi­sa de al­can­çar a fa­ma. Pa­ra mim o que é mui­to im­por­tan­te, des­de que me en­ten­do por cri­an­ça e ia ao te­a­tro, é usar a ar­te co­mo fer­ra­men­ta de trans­for­ma­ção. Re­al­men­te eu acre­di­to nis­so. Pa­ra mim a ar­te é uma pos­si­bi­li­da­de de vo­cê olhar de um ou­tro pon­to de vis­ta al­gu­ma coi­sa ou, de re­pen­te, com um ócu­los de po­e­sia que a olho nu não con­se­gui­ria ver. Eu me man­te­nho mui­to fi­el a es­se prin­cí­pio.”

Co­mo vo­cê ana­li­sa a tra­je­tó­ria ar­tís­ti­ca no Bra­sil?

“Há pou­co tem­po, eu co­me­cei a es­cre­ver. Con­se­gui en­ce­nar uma pe­ça que es­cre­vi e pro­du­zi, que fa­la so­bre mor­te pa­ra cri­an­ça. Eu ti­ve uma ex­pe­ri­ên­cia ab­sur­da de per­der uma ir­mã e ga­nhar uma fi­lha num in­ter­va­lo de um mês. E meio que pa­ra dar con­ta de fa­lar e ex­pli­car so­bre mor­te pa­ra mi­nha fi­lha, eu co­me­cei a ela­bo­rar es­sa pe­ça. De re­pen­te, eu vi que era um as­sun­to que in­te­res­sa­va mui­ta gen­te. Eu ve­nho ten­tan­do me man­ter fir­me, ape­sar do Bra­sil, do nos­so go­ver­no e da fal­ta to­tal de in­cen­ti­vo à cul­tu­ra. Ao fa­to da gen­te ter um país que ig­no­ra a im­por­tân­cia da edu­ca­ção e da cul­tu­ra, eu ve­nho me man­ten­do fi­el a es­sa mis­são de mos­trar ao meu país que a ar­te tem uma im­por­tân­cia ele­men­tar na for­ma­ção de um in­di­ví­duo. Ela não é su­pér­flua. A ar­te re­al­men­te trans­for­ma um in­di­ví­duo.”

“Eu ve­nho ten­tan­do me man­ter fir­me, ape­sar do Bra­sil, do nos­so go­ver­no e da fal­ta to­tal de in­cen­ti­vo à cul­tu­ra.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.