Uma vi­lã de lu­xo

Guia da Tevê - - VOCÊ VIU? -

Pres­tes a es­tre­ar co­mo a dis­si­mu­la­da e cru­el Va­len­ti­na Mar­sal­la, Lí­lia Ca­bral, umas da mai­o­res es­tre­las da te­le­vi­são bra­si­lei­ra, co­me­mo­ra a car­rei­ra co­mo vi­lã em O Sé­ti­mo Gu­ar­dião

Co­mo se­rá a Va­len­ti­na, sua per­so­na­gem em O Sé­ti­mo Gu­ar­dião?

“A Va­len­ti­na é uma mu­lher amar­gu­ra­da e má. Já nas­ceu cru­el, mas só des­co­briu de­pois, quan­do foi aban­do­na­da no al­tar. Ela apro­vei­ta a vi­da que es­co­lheu pa­ra to­mar as ati­tu­des que quer. Co­mo ela fi­cou em­po­de­ra­da e en­ri­que­ceu, den­tro des­sas ati­tu­des, não tem fol­ga pa­ra bon­da­de.”

Ela não pos­sui ne­nhum la­ço de afe­to? nem com o fi­lho, Ga­bri­el, in­ter­pre­ta­do por Bruno Ga­gli­as­so?

“Não. Ela in­clu­si­ve não gos­ta des­se fi­lho, e as pes­so­as vão des­co­brir is­so mais adi­an­te.”

O fa­to de­la não gos­tar do fi­lho, es­tá li­ga­do ao fa­to de­la ter si­do aban­do­na­da pe­lo pai de­le?

“Ló­gi­co. Ela não cri­ou uma de­fe­sa con­tra is­so. Co­mo ela en­ri­que­ceu, ela se acha no di­rei­to de usar des­sa cons­tru­ção da vi­da co­mo ar­ti­fí­cio pa­ra poder ser aqui­lo o que é e di­zer o que pen­sa. Ela faz o que quer, man­da até ma­tar se for pre­ci­so. Ela não é uma pes­soa do bem, acho que tem mui­ta gen­te as­sim, dis­si­mu­la­da.”

Vo­cê acha que foi o fa­to da per­so­na­gem ter si­do aban­do­na­da que a tor­nou vi­lã?

“Ah, mas quan­tas pes­so­as são aban­do­na­das ou qu­an­ta tra­gé­dia po­de acon­te­cer quan­do se é no­vo? Nem por is­so a pes­soa se trans­for­ma nu­ma pes­soa in­tra­gá­vel. Eu não acre­di­to que ela te­nha se trans­for­ma­do. Acre­di­to que ela sem­pre foi má. Se eu fi­car pen­san­do que ela se trans­for­mou fi­ca pa­re­cen­do que ela ti­nha uma vi­da an­tes e uma vi­da de­pois.”

Vo­cê se ins­pi­rou em al­gu­ma ou­tra vi­lã?

“Ela é uma vi­lã com­ple­ta­men­te mi­nha (ri­sos). Eu amo fa­zer es­se la­do dis­si­mu­la­do. Amo fa­zer as pes­so­as cho­ra­rem co­mi­go e em cin­co mi­nu­tos ve­rem que não é na­da da­qui­lo.”

A Va­len­ti­na vai vol­tar pa­ra Ser­ro Azul pa­ra se vin­gar. O que vo­cê pen­sa dis­so?

“Uma per­da de tem­po, tem tan­ta coi­sa pa­ra a gen­te ir pa­ra a fren­te. Acho que te­mos que nos ape­gar a coi­sas que va­lham a pe­na. As ou­tras, te­mos que dei­xar pa­ra trás.”

Vo­cê já é uma ve­te­ra­na no trabalho com o Agui­nal­do. O que ele tem de es­pe­ci­al e co­mo é vol­tar a tra­ba­lhar com ele?

“Es­sa já é a sex­ta novela que fa­ço que foi es­cri­ta por ele. Ele é mui­to cri­a­ti­vo, tem uma in­te­li­gên­cia bri­lhan­te pa­ra cri­ar per­so­na­gens que se en­cai­xam per­fei­ta­men­te em su­as his­tó­ri­as. E eu sou e se­rei eter­na­men­te agra­de­ci­da. As mi­nhas con­quis­tas são por­que ele olhou pa­ra mim co­mo atriz e es­tar ao la­do de uma pes­soa que olha pa­ra vo­cê des­sa for­ma é in­crí­vel. De fa­to, o que ele me man­dar fa­zer, eu vou fa­zer.”

Seus per­so­na­gens são sem­pre um su­ces­so e o pa­drão Lí­lia Ca­bral é ge­ral­men­te con­si­de­ra­do de qua­li­da­de. O que te faz acei­tar per­so­na­gens tão gran­des?

“Eu acei­to quan­do ve­jo que tem mui­ta coi­sa boa na­que­le trabalho, se­ja um au­tor ou di­re­tor que eu gos­te. Pos­so di­zer que te­nho sor­te. Na pri­mei­ra con­ver­sa com o au­tor já sin­to se o per­so­na­gem vai dar cer­to ou não. É im­pres­si­o­nan­te, acho que é por­que a gen­te faz mui­ta novela e aca­ba acos­tu­man­do.”

O Sé­ti­mo Gu­ar­dião tra­ta so­bre o realismo má­gi­co. Vo­cê acha que es­ta­va fal­tan­do is­so na te­le­vi­são?

“Sim, com cer­te­za. Tem uma ge­ra­ção que não co­nhe­ce es­se realismo má­gi­co. E é mui­to im­por­tan­te co­nhe­cer, por­que é a his­tó­ria da dra­ma­tur­gia bra­si­lei­ra. Quem não co­nhe­ce vai ver co­mo é bom vo­cê se des­li­gar um pou­co da re­a­li­da­de e co­me­çar a as­sis­tir a uma novela co­mo se es­ti­ves­se len­do um li­vro.”

A novela tem o se­gre­do da fon­te da ju­ven­tu­de. Vo­cê tem a pre­o­cu­pa­ção de não en­ve­lhe­cer?

“Eu não te­nho in­ter­fe­rên­cia ci­rúr­gi­ca ne­nhu­ma. Nun­ca co­lo­quei bo­tox na mi­nha vi­da. Te­nho sim uma ge­né­ti­ca mui­to boa, que é fa­mi­li­ar, e is­so aju­da bas­tan­te. Vou tor­cer pa­ra que eu con­ti­nue nes­se es­ta­do, por­que eu acre­di­to que os per­so­na­gens ca­bem a vo­cê, con­for­me o tem­po vai pas­san­do. Não adi­an­ta­ria eu que­rer ser mais no­va ou até men­tir a mi­nha ida­de, por­que al­gum ami­go iria sa­ber. Eu te­nho 61 anos, e me cui­do, sou vai­do­sa, não gos­to de co­mer coi­sas gor­du­ro­sas, fa­ço pi­la­tes. En­fim, te­nho to­do um cui­da­do, mas vol­ta­do pa­ra a saú­de em pri­mei­ro lu­gar.”

Vo­cê sem­pre so­nhou com es­se mo­men­to na car­rei­ra?

“Sem­pre so­nhei e so­nho to­dos os di­as. Que­ro mais que to­do mun­do so­nhe, mas não adi­an­ta só so­nhar. Tem que so­nhar e ir à lu­ta. Trabalho com gen­te que lu­ta e que gos­ta da pro­fis­são. Aqui não tem uma pes­soa com quem eu não fa­le que não es­te­ja es­ti­mu­la­do. Es­sas coi­sas tam­bém me es­ti­mu­lam.”

“Sem­pre so­nhei e so­nho to­dos os di­as. Que­ro mais que to­do mun­do so­nhe, mas não adi­an­ta só so­nhar. Tem que so­nhar e ir à lu­ta.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.