In­gê­nuo ou ma­lan­dro?

Pa­ra Ki­ko Mas­ca­re­nhas, o Teó­fi­lo, de O Tem­po Não Pa­ra, é um pou­co dos dois. Pa­ra nós, é um pre­sen­te de in­ter­pre­ta­ção!

Guia da Tevê - - CIRCULANDO -

Co­mo es­tá a re­cep­ção do pú­bli­co?

“O Teó­fi­lo é um per­so­na­gem in­crí­vel e a re­cep­ti­vi­da­de das pes­so­as na rua tam­bém é sen­sa­ci­o­nal. Prin­ci­pal­men­te com as cri­an­ças. Ou­tro dia, eu umas cri­an­ças me cha­ma­ram pe­lo no­me do per­so­na­gem. É sur­pre­en­den­te que se­ja um pa­pel que tam­bém atin­ge as cri­an­ças, mas en­ten­do, pois ele tem ca­rac­te­rís­ti­cas de ser in­gê­nuo. Ele tem uma cer­ta ma­lan­dra­gem, mas tam­bém es­sa in­ge­nui­da­de. Prin­ci­pal­men­te por ele ser de ou­tra épo­ca.”

Tem tam­bém o fa­to de ele ter per­di­do a me­mó­ria...

“Eu já sa­bia que ele iria per­der a me­mó­ria, mas não sa­bia se ele iria re­cu­pe­rar. Na me­di­da que vi­e­ram os blo­cos de ca­pí­tu­los, eu apos­tei que a me­mó­ria de­le não vol­ta­ria na ín­te­gra. De­pois eu co­me­cei a per­ce­ber que era opor­tu­no, que ele per­dia a me­mó­ria de acor­do com o in­te­res­se de­le. Mas de um tem­po pa­ra cá, a gen­te re­al­men­te per­ce­be que é mais uma ma­lan­dra­gem. Ele per­de a me­mó­ria sim, mas ele usa is­so tam­bém pa­ra a ma­lan­dra­gem.”

E o ca­sa­men­to com a Co­ro­ne­la, por­que ela quer ele de qual­quer jei­to?

“Não sa­be­mos ain­da, por­que o Teó­fi­lo já es­tá fler­tan­do com ou­tras per­so­na­gens. En­tão, não sei exa­ta­men­te co­mo vai ser o ca­so dos dois, mas ela es­tá bem in­te­res­sa­da ne­le e não vai lar­gar-lo tão ce­do.”

Pa­ra vo­cê, o Teó­fi­lo é ma­lan­dro ou in­gê­nuo?

“Em uma ce­na que eu fiz com o Ed­son Ce­lu­la­ri os dois con­ver­sa­vam so­bre a ami­za­de de­les na in­fân­cia e o Dom Sa­bi­no fa­lou que ele sem­pre foi ma­lan­drão, que Teó­fi­lo sem­pre ten­tou pas­sá-lo pa­ra trás, mas ele nun­ca foi bom nis­so. A par­tir des­sa in­for­ma­ção, eu co­me­cei a en­ten­der que ele não era tão ho­nes­to o quan­to eu ima­gi­na­va. Tal­vez ele até rou­ba­va o Dom Sa­bi­no na­que­la épo­ca e a gen­te não sa­be dis­so. Ele é di­ver­ti­do até, tem a mal­da­de, mas é uma mal­da­de in­gê­nua e qua­se in­con­se­quen­te.”

Co­mo é pa­ra atu­ar com ato­res jo­vens e com gran­des no­me da dra­ma­tur­gia?

“É in­crí­vel! A mi­nha pro­fis­são me pro­por­ci­o­na uma coi­sa in­crí­vel, que é con­tra­ce­nar com ato­res co­mo Mil­ton Gon­çal­ves, Ch­ris­ti­a­ne Tor­lo­ni, Ed­son Ce­lu­la­ri e tan­tos ali den­tro que são mais ex­pe­ri­en­tes do que eu. Ato­res que tem uma car­rei­ra só­li­da e is­so é sen­sa­ci­o­nal. E tam­bém me pro­por­ci­o­na es­tar ven­do o iní­cio de mui­tos. Mas es­se elen­co, es­pe­ci­fi­ca­men­te fa­lan­do, é mui­to es­pe­ci­al, eu as­sis­to aos ca­pí­tu­los e acho to­do mun­do tão ta­len­to­so. Vo­cê co­nhe­ce pes­so­al­men­te es­ses ato­res jo­vens e eles são mui­to di­fe­ren­tes dos per­so­na­gens que eles fa­zem. En­tão me sur­pre­en­de mui­to ver as es­co­lhas ar­tís­ti­cas de­les, eles já fa­zem es­co­lhas fir­mes e se­gu­ras. Eu acho que eu não ti­nha me­ta­de da se­gu­ran­ça de­les na ida­de de­les e is­so é in­crí­vel.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.