Lu­xu­o­sa e im­pla­cá­vel

Bran­ca, a memorável vi­lã ar­ro­gan­te de Por Amor, mar­cou a car­rei­ra de Su­sa­na Vi­ei­ra e fez his­tó­ria na te­le­dra­ma­tur­gia

Guia da Tevê - - CIRCULANDO - Tex­to: Da­ni­e­le Olim­pio/co­la­bo­ra­do­ra

Bran­ca Le­tí­cia de Bar­ros Mota era uma mu­lher mui­to ri­ca e de­ci­di­da. Não ha­via na­da que a loi­ra qui­ses­se que não aca­bas­se con­se­guin­do. Mãe de Mi­le­na (Ca­ro­li­na Fer­raz), Mar­ce­lo (Fá­bio Assunção) e Le­o­nar­do (Mu­ri­lo Be­ní­cio), ela se me­tia sem­pre que po­dia na vi­da de seus fi­lhos pre­di­le­tos, Mar­ce­lo e Mi­le­na, atra­pa­lhan­do to­dos os seus ro­man­ces de ma­nei­ra obs­ti­na­da. Du­ran­te a tra­ma, a vi­lã pla­ne­jou in­con­tá­veis mal­da­des pa­ra se­pa­rar, prin­ci­pal­men­te, a fi­lha de seu gran­de amor, Nan­do (Edu­ar­do Mos­co­vis), por ele ser um sim­ples pi­lo­to de he­li­cóp­te­ros. Por is­so, sua re­la­ção com a me­ni­na era mui­to con­fli­tu­o­sa e su­as dis­cus­sões sem­pre aca­ba­vam em bar­ra­cos.

Mui­ta con­fu­são

As ce­nas mais mar­can­tes de Por Amor, com cer­te­za, par­ti­ram de Bran­ca, que sem­pre ar­ru­ma­va uma ma­nei­ra de bri­gar com to­dos à sua vol­ta. Na sua pró­pria ca­sa, to­do dia era um cli­mão ou uma gri­ta­ria. Com Isa­bel (Cás­sia Kis), uma ex-ami­ga que tor­nou-se aman­te de seu ma­ri­do, Bran­ca até par­tiu pa­ra a agres­são fí­si­ca, usan­do uma te­sou­ra. A vi­lã tam­bém ame­a­çou com a te­sou­ra seu fi­lho me­nos ama­do, Léo. O úni­co com quem Bran­ca não bri­ga­va era Mar­ce­lo.

O fi­lho re­jei­ta­do

Du­ran­te o de­sen­ro­lar da tra­ma, veio à to­na que um de seus fi­lhos era, na ver­da­de, fru­to de um an­ti­go re­la­ci­o­na­men­to com Atí­lio (An­to­nio Fa­gun­des), o ca­so de amor que Bran­ca nun­ca su­pe­rou. A mu­lher sem­pre achou que es­se fi­lho fos­se Mar­ce­lo e, por is­so, re­jei­ta­va Léo, cha­man­do-o de “pa­ti­nho feio da fa­mí­lia”. Con­tu­do, no fi­nal da no­ve­la, por meio do exa­me de DNA, to­dos se sur­pre­en­de­ram ao des­co­brir que o fi­lho de Bran­ca com Atí­lio era Le­o­nar­do.

Sem per­der a po­se

No úl­ti­mo ca­pí­tu­lo, Bran­ca fi­cou so­zi­nha. Aban­do­na­da por to­dos, a vi­lã não per­deu a po­se e, em sua úl­ti­ma ce­na, en­cer­rou a his­tó­ria de Por Amor co­mo co­me­çou: to­man­do um drink da for­ma mais so­ber­ba pos­sí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.