Vi­lã me­mo­rá­vel!

Na­za­ré Te­des­co era má e fez Re­na­ta Sor­rah se des­ta­car em Se­nho­ra do Des­ti­no, co­mo uma das me­lho­res vi­lãs já vis­tas

Guia da Tevê - - A VOZ DOS FAMOSOS - Tex­to: Da­ni­e­le Olim­pio/co­la­bo­ra­do­ra

No Rio de Ja­nei­ro de 1968, Na­za­ré (Adri­a­na Es­te­ves) tra­ba­lha­va co­mo pros­ti­tu­ta no bor­del da Ma­da­me Berthe (Tô­nia Car­re­ro) e ti­nha o so­nho de se ca­sar de vez com Luís Car­los (Tar­cí­sio Fi­lho), de quem era aman­te. Es­té­ril, ela acre­di­ta­va que ape­nas o gol­pe da bar­ri­ga a aju­da­ria, e in­ven­tou uma gravidez fal­sa. Um dia, a sem ca­rá­ter co­nhe­ceu a nor­des­ti­na Ma­ria do Car­mo (Ca­ro­li­na Di­eck­mann) e seus cin­co fi­lhos. Com o in­tui­to de rou­bar a me­nor de­les, Lin­dal­va, ain­da re­cém-nas­ci­da, a loi­ra se apre­sen­tou co­mo Lour­des e, num des­cui­do de Ma­ria, rap­tou a me­ni­na, que foi cri­a­da co­mo filha de Na­za­ré e Luís Car­los, que aban­do­nou a fa­mí­lia para fi­car com a vi­ga­ris­ta. As­sas­si­na­to

Na tra­ma, anos se pas­sa­ram, e Lin­dal­va foi re­ba­ti­za­da de Isabel (Ca­ro­li­na Di­eck­mann). Na­za­ré (Re­na­ta Sor­rah) ain­da vi­via com Luís Car­los, mas nun­ca dei­xou de ser pe­ri­go­sa. Ti­nha um bom re­la­ci­o­na­men­to com a fal­sa filha, mas odi­a­va a en­te­a­da Cláudia (Le­an­dra Le­al), que foi mo­rar com eles após a mãe fa­le­cer. Ma­ria do Car­mo nun­ca de­sis­tiu de en­con­trar sua filha e, por meio de uma fo­to de Na­za­ré ain­da jo­vem, que a nor­des­ti­na con­se­guiu en­ve­lhe­cer, o ros­to da se­ques­tra­do­ra fi­cou ní­ti­do. A fo­to foi mos­tra­da em um pro­gra­ma in­ves­ti­ga­ti­vo da TV que Luís Car­los es­ta­va as­sis­tin­do. Na­za­ré e o com­pa­nhei­ro bri­ga­ram feio e ela o em­pur­rou do al­to da es­ca­da. No chão com for­tes dores no pei­to, ele im­plo­rou por seu re­mé­dio, mas Na­za, fria, sim­ples­men­te se re­cu­sou a aju­dá-lo. Qu­an­do Clau­dia e Isabel che­ga­ram, Luís Car­los es­ta­va mor­to.

Se­gre­do re­ve­la­do

Com o de­sen­ro­lar da tra­ma, o cer­co fe­chou e Isabel des­co­briu a ver­da­de com a aju­da de Cláudia, que des­con­fi­a­va do en­vol­vi­men­to da ma­dras­ta na mor­te de seu pai e fez de tu­do para se vin­gar da co­bra. Mes­mo as­sim, Isabel ain­da de­mo­rou para ver que a mu­lher não pres­ta­va.

Fim trá­gi­co

Na­za­ré, num úl­ti­mo ato de de­ses­pe­ro, se­ques­trou a filha de Isabel, mas, por cau­sa do amor que sen­tia pela me­ni­na, de­vol­veu o be­bê e se ati­rou de uma pon­te na ca­cho­ei­ra de Pau­lo Afon­so, na Bahia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.