Uma Mar­got pa­re­ci­da com Ire­ne!

Ire­ne Ra­va­che, que está na no­ve­la Es­pe­lho da Vi­da co­mo Mar­got, con­ver­sou com a Guia da TV e con­tou um pou­co da sua re­la­ção com o te­ma da his­tó­ria das 18h!

Guia da Tevê - - A VOZ DOS FAMOSOS - Tex­to: Ali­ne Cam­pa­nhã/ Co­la­bo­ra­do­ra En­tre­vis­ta: An­dré Luís Ro­ma­no/co­la­bo­ra­dor

Quais são os seus pon­tos em co­mum com a Mar­got?

“Eu me iden­ti­fi­co mui­to com a Mar­got. Te­mos ca­be­lo gri­sa­lho, gos­ta­mos de um es­ti­lo mais bá­si­co. Ho­je eu pas­sei um es­mal­te, mas, ge­ral­men­te, nas gra­va­ções, nós não cos­tu­ma­mos usar. Os aces­só­ri­os tam­bém são sem­pre mui­to de­li­ca­dos, usa­mos só um brin­co pe­que­ni­ni­nho. Nós gos­ta­mos de cri­an­ças e so­mos aco­lhe­do­ras, mas, ao mes­mo tem­po, a Mar­got tam­bém tem um la­do for­te. Ela bri­ga por su­as po­si­ções e de­fen­de o que quer sem ba­ter de fren­te. Con­si­de­ro ela mui­to mais es­pi­ri­tu­a­li­za­da do que eu, mes­mo eu ten­do um cer­to fas­cí­nio - não ti­nha, mas pas­sei a ter de­pois de fa­zer Além do Tem­po, em 2015 - pe­lo la­do es­pi­ri­tu­al.”

O que está achan­do da re­pri­se de Be­lís­si­ma?

“Ado­ro! Aque­le ca­be­lo da Ka­ti­na era o de uma mu­lher mui­to mais jo­vem né (ri­sos). Eu acho que eu ti­nha 60 anos na épo­ca que gra­vei a no­ve­la, e ho­je es­tou com 74, en­tão tem uma di­fe­ren­ça bem gran­de.”

Es­se é o seu se­gun­do tra­ba­lho com a Eli­za­beth Jhin, né? Qual a di­fe­ren­ça en­tre a con­des­sa Vi­tó­ria, de Além do Tem­po, e Mar­got, de Es­pe­lho da Vi­da?

“Tem uma di­fe­ren­ça bem gran­de. A con­des­sa era au­to­ri­tá­ria, amar­ga, cen­tra­li­za­do­ra e não ti­nha ge­ne­ro­si­da­de. A Mar­got é com­ple­ta­men­te o opos­to. Ela é su­a­ve, doce, es­pi­ri­tu­a­li­za­da.”

Vo­cê já leu al­gu­ma obra re­la­ci­o­na­da ao es­pi­ri­tis­mo?

“Sim, já li, mas não para es­se tra­ba­lho. O úl­ti­mo que li foi a bi­o­gra­fia de Al­lan Kar­dec, e di­ga­mos que foi uma pes­qui­sa bem in­te­res­san­te. Eu fi­quei mui­to im­pres­si­o­na­da em sa­ber co­mo ele co­me­çou no es­pi­ri­tis­mo e se in­te­res­sou pela me­diu­ni­da­de. O Al­lan Kar­dec se apro­fun­dou mui­to no te­ma e cri­ou uma fi­lo­so­fia de vi­da. Ul­ti­ma­men­te, eu an­do mui­to cu­ri­o­sa, e já fui em vá­ri­os cen­tros es­pí­ri­tas. To­do mun­do já foi, né, tan­to de me­sa bran­ca co­mo Um­ban­da. Acho le­gal co­nhe­cer. Eu fui para o meu cres­ci­men­to pes­so­al, não para fa­zer a no­ve­la.”

A Eli­za­beth se ins­pi­rou mui­to na es­cri­to­ra es­pí­ri­ta Zí­bia Gas­pa­ret­to. Vo­cê co­nhe­ce as obras de­la?

“Eu já li al­gu­mas coi­sas da Zí­bia, mas co­mo não que­ro sa­ber o que vai acon­te­cer na no­ve­la, eu não fi­co pro­cu­ran­do. A Eli­za­beth é mui­to cla­ra no que ela quer, e eu acho que de­ve ser uma coi­sa tão avas­sa­la­do­ra e tão úni­ca, que eu não gos­ta­ria que nin­guém me an­te­ci­pas­se. Que­ro agir co­mo se fos­se um fil­me, e des­co­brir tu­do na ho­ra.”

Vo­cê já te­ve ex­pe­ri­ên­ci­as es­pí­ri­tas?

“Eu fiz te­ra­pia com o Flá­vio Gi­ko­va­te, um psi­qui­a­tra ju­deu, e ele me fa­lou a res­pei­to de um ca­so de re­gres­são a vi­das pas­sa­das. En­tão eu me per­gun­to: se um ho­mem de­di­ca­do à ci­ên­cia co­mo ele deu es­sa aber­tu­ra pra es­se ti­po de ca­nal, por­que eu não da­ria, sa­be? Eu já ti­ve um Déjà vu, mas não me lem­bro exa­ta­men­te co­mo foi. Acho que to­do mun­do já te­ve is­so.

Vo­cê já te­ve al­gu­ma ex­pe­ri­ên­cia re­la­ci­o­na­da a vi­das pas­sa­das?

“Pas­sei por al­gu­mas si­tu­a­ções em Ve­ne­za, que é uma ci­da­de que sem­pre me­xe mui­to co­mi­go. Qu­an­do es­ti­ve lá pela pri­mei­ra vez, as­sim que eu che­guei à ci­da­de, eu ti­ve um me­do mui­to gran­de, e agar­rei o bra­ço do meu ma­ri­do, e não que­ria mais sol­tar. No dia se­guin­te, qu­an­do me le­van­tei, tu­do is­so ti­nha pas­sa­do. Eu cho­ra­va mui­to na­que­le país.”

Qual a sua opi­nião so­bre a so­ci­e­da­de de ho­je?

“Es­ta­mos vi­ven­do há mui­to tem­po si­tu­a­ções de mui­to con­fli­to e mui­to ódio. É uma coi­sa tão in­ten­sa que, de re­pen­te, du­as pes­so­as se tor­nam ini­mi­gas, basta uma só pa­la­vra. Ho­je não exis­te um meio-ter­mo, ou vo­cê ama ou vo­cê odeia, e is­so é pés­si­mo! E se eu pen­sar di­fe­ren­te do ou­tro, au­to­ma­ti­ca­men­te sou des­clas­si­fi­ca­da e ig­no­ran­te.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.