Mul­ti­fa­ce­ta­do!

Ator, apre­sen­ta­dor, cantor, di­re­tor, du­bla­dor, hu­mo­ris­ta... Rob­son Nunes é a união do ta­len­to, su­ces­so e sim­pa­tia!

Guia da Tevê - - A VOZ DOS FAMOSOS -

Qua­se vin­te anos após in­ter­pre­tar o Sá­vio, em Ma­lha­ção, Rob­son Nunes se des­ta­ca co­mo Bo­la, o as­sis­ten­te de di­re­ção de Alain, em Es­pe­lho da Vi­da. Ta­len­to­so e di­ver­ti­do, o per­so­na­gem en­tra na ca­sa dos te­les­pec­ta­do­res co­mo um ami­go sin­ce­ro e par­cei­ro de tra­ba­lho do pro­ta­go­nis­ta.

ES­PE­LHO DA VI­DA O Bo­la e o Alain têm uma amizade ver­da­dei­ra, né?

“Ele é as­sis­ten­te de di­re­ção de ci­ne­ma e gran­de ami­go do Alain (João Vi­cen­te de Cas­tro). Para mi­nha sor­te, eu e o João já tí­nha­mos tra­ba­lha­do jun­tos em uma sé­rie e im­pro­vi­sá­va­mos mui­to, en­tão já tí­nha­mos es­sa afi­ni­da­de cê­ni­ca e na vi­da pes­so­al tam­bém. Ele tem uma re­la­ção mui­to pró­xi­ma com o Alain, en­tão tal­vez ele se­ja um dos úni­cos que te­nha com ele es­sa li­ber­da­de de che­gar e fa­lar umas ver­da­des, de fa­zer umas pi­a­das.”

Es­sa no­ve­la fa­la de dois tem­pos: 1932 e o atu­al. Vo­cê cur­te es­se ti­po de as­sun­to?

“Eu cur­to as­sis­tir, cur­to ler e mor­ro de me­do, mas eu ado­ro o te­ma, e ele des­per­ta uma cu­ri­o­si­da­de enor­me, por­que to­do mun­do co­nhe­ce al­guém com al­gu­ma his­tó­ria pa­re­ci­da ou co­nhe­ce al­guém que vi­veu al­go pa­re­ci­do. Es­sa sen­sa­ção de vo­cê che­gar em al­gum lu­gar e acre­di­tar já ter ido ali em al­gum mo­men­to ou achar que co­nhe­ce al­guém de al­gum lu­gar e es­tar ven­do pela pri­mei­ra vez é al­go que to­do mun­do já sen­tiu.”

PRO­JE­TOS Por que de­mo­rou tan­to para fa­zer no­ve­la na Glo­bo?

“Eu fiz umas ou­tras coi­sas pon­tu­ais na Glo­bo. Fiz um es­pe­ci­al do Tim Maia, fiz um es­pe­ci­al da De­ni­se Fra­ga tam­bém. Ti­nha o fa­to de eu ter fi­ca­do um tem­po con­tra­ta­do da Dis­ney e de­pois da SKY, e aí, qu­an­do vi­nha um con­vi­te e até mes­mo um tes­te, a pri­mei­ra coi­sa que per­gun­ta­vam era se eu es­ta­va con­tra­ta­do, e aí não ro­la­va.”

Vo­cê tem uma car­rei­ra lon­ga e com pa­péis im­por­tan­tes. Pas­sou por mui­tos pro­ble­mas para che­gar até aqui?

“Eu acho que qu­an­do vo­cê es­co­lhe ser ator, vo­cê já sa­be dos per­ren­gues. Ho­je a gen­te vi­ve um mo­men­to úni­co, eu fa­lo dos ne­gros em mo­do ge­ral no Bra­sil. Com as re­des so­ci­ais, a gen­te co­me­çou a me­xer em fe­ri­das que pa­re­ci­am es­tar ci­ca­tri­za­das, mas não, elas in­co­mo­dam. Exis­te um ra­cis­mo ve­la­do no Bra­sil des­de sem­pre e ho­je se fa­la mui­to nis­so, as pes­so­as, in­clu­si­ve, co­me­ça­ram a per­ce­ber que fa­lar al­gu­mas coi­sas era con­si­de­ra­do ofen­sa e co­me­ça­ram a ter uma cons­ci­ên­cia. Ser ator, ne­gro e da pe­ri­fe­ria é com­pli­ca­do. Eu sa­bia que eu que­ria ser ator, eu acho que ti­ve sor­te por co­me­çar a vi­ver da mi­nha ar­te mui­to ce­do. O meu primeiro tra­ba­lho na ver­da­de foi aos 14 anos e até ho­je vi­vo de ar­te, não te­nho o que re­cla­mar. Por in­crí­vel que pa­re­ça, é a pri­mei­ra no­ve­la que eu es­tou fa­zen­do.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.