Che­gan­do pa­ra cau­sar!

Co­mo Mar­cos Pau­lo, o quí­mi­co que vai en­fren­tar vi­la­ni­as e pre­con­cei­tos, Nany Pe­o­ple brilha em O Sé­ti­mo Guar­dião

Guia da Tevê - - A VOZ DOS FAMOSOS - Tex­to: Hé­ri­ca Ro­dri­gues En­tre­vis­ta: An­dré Luís Ro­ma­no/co­la­bo­ra­dor

Mar­cos Pau­lo che­ga pa­ra cau­sar?

“Che­ga pa­ra cau­sar e mui­to. Mar­cos Pau­lo é o pon­to de sa­tu­ra­ção da Va­len­ti­na, o cal­ca­nhar de Aqui­les, ini­mi­go ín­ti­mo da vi­lã. É o úni­co que fa­la: ‘fi­lhi­nha, acor­da pa­ra a vi­da. Acor­da vi­a­do’. Tem um tex­to mui­to in­ti­mis­ta, ti­po: ‘ta boa mo­na? to­mou água de chu­ca?’. Ela fa­la­ria is­so pa­ra a ami­ga, por­que elas se co­nhe­cem do pas­sa­do. Mar­cos Pau­lo aju­dou Va­len­ti­na a fa­zer a for­tu­na que fez, mas em um mo­men­to ti­ve­ram uma tre­ta.

Co­mo foi seu en­con­tro com a Li­lia Ca­bral?

“Quan­do vi Li­lia Ca­bral na mi­nha fren­te não sa­bia se ajo­e­lha­va, se acen­dia uma ve­la, cha­ma­va o Sa­mu ou to­ma­va água com açú­car (ri­sos). Pe­di um abra­ço e foi lin­do. Co­mo mi­nha praia é te­a­tro, co­me­ça­mos a con­ver­sar e des­co­bri que con­vi­ve­mos com mui­tas pes­so­as em co­mum. Acho que é um en­con­tro de al­mas.”

Vo­cê acha que es­sa opor­tu­ni­da­de de es­tre­ar na Glo­bo veio na ho­ra cer­ta?

“Tu­do vem na ho­ra cer­ta. Eu pre­ci­sei pro­var pa­ra as pes­so­as que es­tou aci­ma da per­so­na­gem que cri­ei en­quan­to drag que­en. Até quan­do me tor­nei trans mui­ta gen­te te­ve um es­tra­nha­men­to mui­to gran­de pe­lo fa­to de eu ter fei­to mi­nha vi­da mi­diá­ti­ca nes­ses pro­gra­mas po­pu­la­res, co­me­çan­do co­mo ju­ra­da, re­pór­ter na TV Man­che­te, tu­do is­so fa­zen­do te­a­tro. A vi­da vai vi­ran­do uma col­cha de re­ta­lho, que quan­do vo­cê olha não sa­be qu­em faz par­te do bar­ra­do ou do mi­o­lo da col­cha. Por is­so, acre­di­to que veio na ho­ra cer­ta. Se ti­ves­se vin­do an­tes, não te­ria tem­po nem de sur­tar. Não dá tem­po nem de fa­zer a li­nha bla­sé.”

O meio ar­tís­ti­co tem mui­to ego. Po­rém, quan­do vo­cê foi anun­ci­a­da na no­ve­la, to­dos elo­gi­a­ram. Co­mo re­ce­be es­se ca­ri­nho?

“O bom de ter 53 anos é a ma­nei­ra co­mo se le­va a sua vi­da, e a cons­trói. A mi­nha vi­da foi to­da no te­a­tro, on­de fiz a mi­nha his­tó­ria. Com­ple­tei 33 anos de São Pau­lo. Che­guei em São Pau­lo com 20 anos, fiz Ma­cu­naí­ma, Ses­são Uni­ver­si­tá­ria na Uni­camp, tra­ba­lhei no te­a­tro Pai­ol, e fiz a mi­nha his­tó­ria acon­te­cer na TV li­ga­da ao te­a­tro. Che­guei com 53 anos na Re­de Glo­bo, de­pois de ter fei­to Man­che­te, Re­cord, SBT, Ban­dei­ran­tes, Mul­tishow, e che­guei aqui num nú­cleo des­ses, com Ro­gé­rio Go­mes di­ri­gin­do, no­ve­la de Agui­nal­do Sil­va, Li­lia Ca­bral, mu­sa ins­pi­ra­do­ra de uma ge­ra­ção. Acre­di­to que aque­la coi­sa do uni­ver­so cons­pi­rar a fa­vor é is­so.”

No seu RG já es­tá o no­me Nany Pe­o­ple...

“É um pre­sen­te! Di­fe­ren­te do Mar­cos Pau­lo, que faz ques­tão de não mu­dar de no­me, es­sa era uma coi­sa que eu que­ria há 18 anos. Há 18 anos es­tou ten­tan­do is­so. An­ti­ga­men­te, o pro­ces­so era mui­to mais com­ple­xo, era mais bu­ro­crá­ti­co, in­clu­si­ve cli­ni­ca­men­te. Ho­je me apre­sen­to co­mo Nany Pe­o­ple Cu­nha San­tos, mui­to pra­zer.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.