O ME­LHOR BIG RI­DER

DOS MARES GRAN­DES E VERSÁTEIS DE SAQUAREMA SUR­GIU O MAI­OR BIG RI­DER DA ATU­A­LI­DA­DE. CO­NHE­ÇA A HIS­TÓ­RIA DE LU­CAS CHIANCA “CHUMBO”

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE - POR KE­VIN DA­MA­SIO

A TRAJETÓRIA DE LU­CAS CHIANCA – DOS MARES PE­SA­DOS DE SAQUAREMA ÀS BOM­BAS DE NA­ZA­RÉ

NA VI­RA­DA DE 2017 PA­RA 2018,

Lu­cas Chianca vi­veu os di­as mais in­ten­sos de sua vi­da. As pre­vi­sões in­di­ca­vam um swell gi­gan­te pa­ra Na­za­ré. “Chumbo” com­prou uma pas­sa­gem de úl­ti­ma ho­ra e de­sem­bar­ca­va em Por­tu­gal, em 29 de de­zem­bro. Es­pe­cu­la­va-se que o Na­za­ré Chal­len­ge, eta­pa do Big Wa­ve Tour, acon­te­ce­ria. No fi­nal, os or­ga­ni­za­do­res de­ci­di­ram não re­a­li­zar a com­pe­ti­ção. Po­rém, Chumbo con­ti­nu­ou lá, na­que­las con­di­ções abis­mais da Praia do Nor­te. Não ape­nas pa­ra dro­par, mas sim per­for­mar na re­ma­da nas mon­ta­nhas d’água. Em 1º de ja­nei­ro, ele já pe­ga­va uma das pri­mei­ras on­das do ano – e de uma ma­ra­to­na que lhe ren­deu, aos 22 anos, o prê­mio de me­lhor per­for­man­ce da tem­po­ra­da 2017/18, no Big Wa­ve Awards.

Após dois di­as de swell per­fei­to pa­ra cair no bra­ço, Chumbo re­ce­beu uma li­ga­ção. “Olha, se pre­pa­ra que tu vai ter que ir pa­ra Jaws”, aler­tou seu trei­na­dor, Car­los Bur­le, que já es­ta­va no Hawaii. Lo­go, o jo­vem big ri­der pu­la­va em um voo de Na­za­ré a Oahu, pe­gou su­as pran­chas com o sha­per Ly­le Carl­son e se man­dou pa­ra a ilha de Maui. Ou­tros dois di­as de con­di­ções in­crí­veis. “No pri­mei­ro, me dei su­per mal. Só to­mei va­ca. Es­ta­va des­truí­do da vi­a­gem, com jet lag. Dor­mi o res­to do dia”, lem­bra Chumbo. No se­guin­te, o mar es­ta­va épi­co, per­fei­to, gi­gan­te. “Foi his­tó­ri­co pa­ra mim, por­que pe­guei, na re­ma­da, meu pri­mei­ro tu­bo em Jaws pa­ra a di­rei­ta e uma das mi­nhas mai­o­res on­das pa­ra a es­quer­da.”

De­pois, Chumbo e Bur­le vol­ta­ram pa­ra Oahu, “adre­na­li­za­dos” e re­a­li­za­dos com as óti­mas per­for­man­ces. Mas o des­can­so fi­cou pa­ra de­pois. Lo­go que che­ga­ram à ilha, sou­be­ram de um swell que se apro­xi­ma­va de Ma­ve­ricks. Po­rém, eles te­ri­am ape­nas du­as ho­ras de ja­ne­la pa­ra sur­fá-lo no ápi­ce. “Não tí­nha­mos na­da a per­der, pre­ci­sá­va­mos fa­zer uns tra­ba­lhos lá mes­mo”, con­ta Chumbo, “en­tão demos es­se ti­ro. Só que a gen­te nun­ca pen­sou que o swell es­ta­ria tão gran­de”.

Qu­an­do en­tra­ram na água, de­ram-se con­ta das pa­re­des gi­gan­tes do pi­co ca­li­for­ni­a­no que que­bram a 3 quilô­me­tros da cos­ta de Half Mo­on Bay. Di­zi­am ser o mai­or Ma­ve­ricks já vis­to na úl­ti­ma dé­ca­da. As­sim que pu­lou no mar, Chumbo ace­le­rou pa­ra o out­si­de. En­tão, uma sé­rie sur­giu. Peter Mel re­mou na pri­mei­ra on­da. “Fui na se­gun­da, já vi­ran­do em­bai­xo e con­se­gui pe­gar aque­la on­da que foi tão in­crí­vel que, pa­ra mim, é a mais es­pe­ci­al da mi­nha vi­da, a mais di­fí­cil que já sur­fei”, de­fi­ne Chumbo. Ele ain­da pe­gou ou­tras du­as on­das, até que o bar­co de sua equi­pe vi­rou de tão gran­de que o mar es­ta­va. De­pois dis­so, foi “ter­ror e pâ­ni­co”, ele clas­si­fi­ca. Ti­ve­ram de ti­rar o bar­co das pe­dras. Câ­me­ras e tri­pu­la­ção em al­to-mar. Mas deu tu­do cer­to no des­fe­cho da­que­les 17 fre­né­ti­cos di­as.

Na vol­ta ao Hawaii, fi­nal­men­te o “pós” de uma ses­são de big surf (três, nes­te ca­so): “Sem cor­po”, con­ti­nua Chumbo, “cin­co di­as sem se me­xer. Só re­cu­pe­ran­do ener­gia, mús­cu­los, co­men­do bas­tan­te, mas­sa­gem, alon­ga­men­to, io­ga, fi­si­o­te­ra­pia. Tu­do que for pos­sí­vel fa­zer pa­ra res­ta­be­le­cer o cor­po”.

NÃO É DE HO­JE QUE

Lu­cas Chianca se ins­ti­ga em con­di­ções de­sa­fi­a­do­ras. Ele nas­ceu em 25 de agos­to de 1995, na ci­da­de de Saquarema, na Re­gião dos La­gos, a 118 quilô­me­tros da ca­pi­tal Rio de Ja­nei­ro. Co­me­çou a sur­far na Praia da Vi­la, aos 3 anos. Aos 5, o pai e in­cen­ti­va­dor, Gus­ta­vo Chianca “Chum­bão”, o le­vou a um mar gran­de pa­ra uma cri­an­ça da­que­la ida­de, que ain­da en­tra­va no mar de boia no bra­ço, e o em­pur­rou em uma on­da.

Com o pas­sar dos anos, Chumbo di­vi­diu seus di­as en­tre as on­das de Saquarema e os es­tu­dos em es­co­las do Rio de Ja­nei­ro. Na ci­da­de na­tal, des­fru­tou do po­ten­ci­al dos pi­cos que o lo­cal cons­tan­te­men­te pro­por­ci­o­na: Point de Itaú­na, Back­do­or, Vi­la, Bar­ri­nha. “Cres­ci to­man­do cal­dos for­tes e sem­pre fui o mo­le­que mais ati­ra­do da ga­le­ra. O que mais gos­ta­va e que­ria era es­tar em mar gran­de”, con­ta.

Qu­an­do o mar su­bia e que­bra­va pe­sa­do de ver­da­de, Chumbo acom­pa­nha­va sua ins­pi­ra­ção con­ter­râ­nea, o bom­bei­ro e big ri­der Mar­cos Mon­tei­ro. Ami­go da fa­mí­lia Chianca, Mar­cos viu Lu­cas nas­cer e foi o pon­to de equi­lí­brio do instigado ga­ro­to nos swells gran­des. “Ele já ti­nha um ta­len­to na­to, mas no iní­cio a gen­te sem­pre bus­ca exem­plos”, ob­ser­va Mon­tei­ro. “Tal­vez te­nha bus­ca­do is­so em mim. Eu já pos­suía uma ex­pe­ri­ên­cia

boa em on­das gran­des, en­tão ele quis me se­guir con­for­me sen­tia a ca­pa­ci­da­de de se dar bem em mares ca­da vez mai­o­res.”

Em 2009, Mon­tei­ro com­pe­tiu a eta­pa de es­treia do Cir­cui­to Mun­di­al de On­das Gran­des, no Chi­le. Car­los Bur­le tam­bém dis­pu­tou o even­to. Em uma das con­ver­sas, Bur­le men­ci­o­nou a ne­ces­si­da­de de in­ves­tir em no­vos ta­len­tos do big surf bra­si­lei­ro. Mon­tei­ro pron­ta­men­te in­di­cou o no­me de Chumbo, com quem já di­vi­di­ra li­neups ca­da vez mai­o­res em trips co­mo, por exem­plo, Pun­ta Lo­bos (Chi­le), Ma­ve­ricks e To­dos San­tos (Mé­xi­co). “Pu­de ver que, em si­tu­a­ções em que os sur­fis­tas ape­nas ‘so­bre­vi­vi­am’, ele se di­ver­tia”, diz Mon­tei­ro. Em maio des­te ano, do­bra­di­nha sa­qua­re­men­se: Chumbo e Mon­tei­ro fo­ram, res­pec­ti­va­men­te, cam­peão e vi­ce do Mor­maii Chal­len­ge re­a­li­za­do na Praia do Car­do­so, em La­gu­na, San­ta Ca­ta­ri­na.

En­quan­to is­so, Chumbo acu­mu­la­va bons re­sul­ta­dos em com­pe­ti­ções de pran­chi­nha nos tem­pos de ama­dor, mas se frus­tra­va qu­an­do per­dia pa­ra sur­fis­tas que se en­cai­xa­vam na ma­ro­la. Ape­sar dis­so, foi três ve­zes vi­ce-cam­peão ca­ri­o­ca, du­as ve­zes vi­ce-cam­peão bra­si­lei­ro. Com­pe­tiu dois anos no QS. Mas ele não que­ria e não gos­ta­va. O di­nhei­ro ga­nha­do nas com­pe­ti­ções era re­ver­ti­do em trips atrás de on­das gran­des.

COM TAL IN­VES­TI­MEN­TO

pa­ra­le­lo, Chumbo co­nhe­ceu ou­tro gran­de in­cen­ti­va­dor na­que­le prin­cí­pio da car­rei­ra de big ri­der, Ly­le Carl­son. Sha­per ca­li­for­ni­a­no ra­di­ca­do no Hawaii, Carl­son ama sur­far, so­bre­tu­do as on­das de Jaws e Ma­ve­ricks. Tem co­mo mes­tre e pro­fes­sor o sha­per le­gend Dick Brewer, que ado­ra­va cair nos mares de Wai­mea Bay, no North Sho­re de Oahu. Em co­mum com Chumbo, tam­bém es­tá o gos­to por jiu-jít­su, snow­bo­ard e mú­si­ca.

Du­ran­te uma tem­po­ra­da em Ma­ve­ricks, Chumbo foi pa­ra o pi­co ca­li­for­ni­a­no e pre­ci­sa­va de uma gun pa­ra en­ca­rar um swell re­al­men­te gran­de, re­cor­da Carl­son. Grant Wash­burn, um ve­te­ra­no em Mavs pa­ra quem o ca­li­for­ni­a­no faz pran­chas, em­pres­tou uma 9’6” pa­ra o bra­si­lei­ro. So­bre aque­le dia de ne­vo­ei­ro, chu­va e frio, Grant dis­se a Carl­son que Chumbo pe­ga­ra a mai­or on­da sur­fa­da do swell – e uma das mai­o­res que já vi­ra em Mavs – em uma prancha da­que­le ta­ma­nho.

Carl­son não de­mo­rou a en­trar em con­ta­to com Chumbo. O sha­per de­se­ja­va fa­zer pran­chas pa­ra o jo­vem bra­si­lei­ro. Aos 18, Chumbo es­ta­va no Hawaii, tra­ba­lhan­do em Oahu pa­ra jun­tar di­nhei­ro e co­nhe­cer a fa­mo­sa on­da de Jaws, em Maui. Pri­mei­ro, Carl­son ha­via fei­to uma prancha si­mi­lar a uma que Dick Brewer sha­pe­a­ra pa­ra Ed­die Ai­kau e Buzzy Trent. Pre­ser­va­ram a re­gião da ra­be­ta e dei­xa­ram mais mo­der­nos o roc­ker e a po­si­ção das qui­lhas. “Ele sur­fou on­das in­crí­veis em Pu­er­to Es­con­di­do e de­pois em Ma­ve­ricks, en­tão co­me­ça­mos a pes­qui­sar e de­sen­vol­ver as guns de­le”, con­ta Carl­son. “Seu fe­ed­back é bem honesto. O approach de­le é calculado. O Lu­cas é mui­to in­te­li­gen­te e es­tá sem­pre em sin­to­nia com as on­das e com o que as pran­chas ne­ces­si­tam pa­ra ca­da pi­co.”

Já são cin­co tem­po­ra­das de par­ce­ria en­tre Chumbo e Carl­son, sem­pre com re­a­va­li­a­ções e al­te­ra­ções pa­ra que os foguetes con­tri­bu­am com a per­for­man­ce de van­guar­da do big ri­der. “Pa­ra Ma­ve­ricks, a prancha é mais cur­ta e le­ve­men­te mais gros­sa, pa­ra en­cai­xar no tu­bo e nas par­tes ver­ti­cais da on­da”, ana­li­sa Carl­son. “Pa­ra Jaws, ele gos­ta de pran­chas 6 po­le­ga­das mai­o­res que as de Mavs; um pou­co mais es­trei­tas e pesadas pa­ra su­por­ta­rem os ven­tos. Pa­ra Na­za­ré, o bi­co es­tá mais es­trei­to nes­te ano, as pran­chas es­tão fi­can­do mais fi­nas e as bor­das, mais es­trei­tas.”

Eis o qui­ver, re­ve­la­do por Carl­son: as me­di­das da gun fa­vo­ri­ta de Chumbo são 9’7” x 20.5 x 3.5; uma 9’9” si­mi­lar, po­rém mais gros­sa; uma 10’2” com 21 de lar­gu­ra e tam­bém mais es­pes­sa; e uma 10’6” com 21.25 e 3.75 de es­pes­su­ra. “Nes­ta tem­po­ra­da, nós mu­da­mos as bor­das e os con­tor­nos do fun­do pa­ra ver se te­ria ve­lo­ci­da­de a pon­to de sair de um gran­de tu­bo em Na­za­ré e Jaws”, ex­pli­ca Carl­son. “O ob­je­ti­vo não é ape­nas pe­gar on­das gran­des, mas tam­bém sur­fá-las co­mo se fos­sem on­das pe­que­nas, com ma­no­bras po­ten­tes.”

SO­MAN­DO-SE AO QUI­VER DE PON­TA,

fei­to por um big ri­der, es­tá a pre­pa­ra­ção com a len­da Car­los Bur­le. Em ou­tu­bro de 2016, Bur­le con­vi­dou Chumbo, Pe­dro Ca­la­do e Fe­li­pe Ce­sa­ra­no pa­ra trei­nar em Na­za­ré. Ape­nas Chumbo pô­de ir. Ao lon­go da vi­a­gem, flo­res­ce­ram uma sin­to­nia e uma ami­za­de trans­for­ma­das, de­pois, em uma par­ce­ria ofi­ci­al en­tre trei­na­dor e atle­ta. Anos an­tes, Bur­le já per­ce­be­ra o ta­len­to de Chumbo qu­an­do

“FE­ED­BACK HONESTO, APPROACH CALCULADO, O LU­CAS ES­Tá SEM­PRE EM SIN­TO­NIA COM AS ON­DAS E COM O QUE AS PRAN­CHAS NE­CES­SI­TAM PA­RA CA­DA PI­CO” – LY­LE CARL­SON

se en­con­tra­ram no Chi­le. Sen­tiu que o jo­vem pre­ci­sa­ria de con­cen­tra­ção pa­ra trans­for­mar tan­to po­ten­ci­al em re­sul­ta­dos. “Sem­pre fo­quei em atle­tas que pu­des­sem re­pre­sen­tar bem o Bra­sil no cir­cui­to, e que de­se­jas­sem bo­tar tem­po pa­ra is­so”, con­ta Bur­le. “Só o Lu­cas vi­a­jou pa­ra Na­za­ré e foi um mo­men­to bom pa­ra con­ver­sar­mos. Fa­lei so­bre mi­nhas ex­pec­ta­ti­vas e ele me dis­se: ‘Pô, en­tão me trei­na’. Eu já que­ria há um tem­po, pois é um ta­len­to fo­ra do co­mum.”

Eles lo­go fo­ca­ram em um ob­je­ti­vo gran­de. Tra­ça­ram um pla­no pa­ra a clas­si­fi­ca­ção de Chumbo no Cir­cui­to Mun­di­al de On­das Gran­des. Pre­ci­sa­va ter­mi­nar en­tre os dez me­lho­res de­sem­pe­nhos ava­li­a­dos pe­lo pai­nel da World Surf Le­a­gue. Pas­sa­ram a tem­po­ra­da in­tei­ra nes­ta mis­são, de swell em swell. Chumbo foi con­si­de­ra­do o se­gun­do me­lhor do mun­do no Per­for­man­ce do Big Wa­ve Awards.

“Com o Bur­le, tu­do fi­cou mais fá­cil. O ca­mi­nho das pe­dras ele já sa­be, en­tão é só se­guir. Sem ele, acho que nem 50% te­ria acontecido”, ava­lia Chumbo. “Eu es­ta­va pres­tes a mor­rer na es­qui­na, que­ria pa­rar de sur­far, sair des­se uni­ver­so, co­me­çar a tra­ba­lhar, ga­nhar di­nhei­ro. E ho­je me ve­jo en­tre os me­lho­res do mun­do, ga­nhan­do cam­pe­o­na­tos, re­ce­ben­do prê­mi­os. O Bur­le me trans­for­mou em uma pes­soa mui­to me­lhor, mais sá­bia, mais cal­ma, mais cul­ta.”

Em 2017, o ob­je­ti­vo era che­gar ao to­po do mun­do. Chumbo es­ta­va obs­ti­na­do a al­can­çar tal fei­to. Po­rém, um obs­tá­cu­lo sur­giu. En­quan­to trei­na­va tow-in na Bar­ra da Ti­ju­ca, man­dou um aé­reo e ter­mi­nou com uma fra­tu­ra no pé. Fe­liz­men­te, a re­cu­pe­ra­ção foi rá­pi­da, a tem­po de ga­nhar a se­gun­da eta­pa do Ca­ri­o­ca Pro, dis­pu­ta­do nas bom­bas de Itaú­na. O pri­mei­ro tí­tu­lo pro­fis­si­o­nal abas­te­ceu a con­fi­an­ça de Chumbo e o im­pul­si­o­nou pa­ra o iní­cio da tem­po­ra­da. Em ou­tu­bro, o in­ver­no eu­ro­peu te­ve iní­cio e ele foi pa­ra Na­za­ré. Que­ria pe­gar to­dos os swells, em to­dos os lu­ga­res. Re­mar – e per­for­mar – nas mai­o­res on­das do pla­ne­ta. E as­sim ele fez.

Qu­an­do a tem­po­ra­da do big surf co­me­ça, Chumbo con­ta que en­tra em um “mo­do swell”. Es­tá 24 ho­ras por dia li­ga­do nas on­du­la­ções, à es­pe­ra de um ro­xo nos ma­pas de pre­vi­são pa­ra pu­lar em um avião. Foi o que acon­te­ceu em fe­ve­rei­ro des­te ano, após du­as se­ma­nas de des­can­so da­que­les 17 di­as de mares gi­gan­tes. As­sim que se des­pe­diu de sua na­mo­ra­da no aeroporto no Hawaii, Chumbo sou­be que a eta­pa do Big Wa­ve Tour na Praia do Nor­te fi­nal­men­te acon­te­ce­ria.

O Na­za­ré Chal­len­ge mar­cou a apo­sen­ta­do­ria de Bur­le nas com­pe­ti­ções, aos 50 anos. En­tre os fei­tos da car­rei­ra, em 2001 foi o pri­mei­ro cam­peão do mun­do do big surf, além de que­brar o re­cor­de de on­da sur­fa­da por uma bom­ba de 68 pés em Ma­ve­ricks. Bur­le per­deu no iní­cio, mas Chumbo te­ve uma per­for­man­ce im­pe­cá­vel, ma­no­bran­do as bom­bas de 20 pés co­mo se es­ti­ves­se sur­fan­do em seu ho­me bre­ak. Re­sul­ta­do: sa­grou-se pe­la pri­mei­ra vez cam­peão de uma eta­pa mun­di­al do Big Wa­ve Tour.

“O que mais me mar­cou na vi­tó­ria de­le em Na­za­ré é que, se sou­ber­mos ge­ren­ci­ar os ris­cos e ti­ver­mos uma boa lei­tu­ra na com­pe­ti­ção, es­ti­ver­mos bem fí­si­ca e emo­ci­o­nal­men­te e com os equi­pa­men­tos ade­qua­dos, te­re­mos bo­as chan­ces de man­ter uma cons­tân­cia, um rit­mo, e is­so tra­rá re­sul­ta­dos ain­da me­lho­res”, ava­lia, tec­ni­ca­men­te, Bur­le, an­tes de le­var em con­ta ou­tro la­do des­sa du­pla con­quis­ta. “Na­que­le mo­men­to, vi um des­fe­cho na­tu­ral das coi­sas, de uma for­ma mui­to po­si­ti­va. Eu es­ta­va me des­pe­din­do dos cam­pe­o­na­tos, com sau­dá­veis 50 anos, em uma si­tu­a­ção de mar crí­ti­ca, ten­sa. E ele es­ta­va ga­nhan­do. Aqui­lo te­ve uma sim­bo­lo­gia mui­to for­te pa­ra mim. Per­ce­bi o qu­an­to es­ta­mos conectados.”

Pou­cos big ri­ders se sen­tem tão con­for­tá­veis na Praia do Nor­te co­mo Lu­cas Chianca “Chumbo”. Um mis­to de adre­na­li­na e tran­qui­li­da­de é ema­na­do a quem o as­sis­te. “Meu mai­or mar­co em Na­za­ré foi meu pri­mei­ro tu­bo – a mai­or on­da em que já co­lo­quei pa­ra den­tro. Lem­bro da­que­la ca­ver­na 24 ho­ras do meu dia”, con­ta o mai­or big ri­der da atu­a­li­da­de. “Na­za­ré é ter­ror e pâ­ni­co. Ao mes­mo tem­po, vo­cê po­de pe­gar a mai­or on­da da vi­da e to­mar o pi­or cal­do. Do céu ao in­fer­no em ques­tão de se­gun­dos, mas é is­so que a gen­te ama. Na­za­ré, pa­ra mim, é co­mo se fos­se mi­nha se­gun­da ca­sa.”

“EU ME DESPEDIA DOS CAM­PE­O­NA­TOS EM UM MAR TEN­SO EM NA­ZA­Ré, E ELE GA­NHAN­DO. UMA SIM­BO­LO­GIA MUI­TO FOR­TE. PER­CE­BI O QU­AN­TO ES­TA­MOS CONECTADOS” – CAR­LOS BUR­LE

Em 2014, aos 18 anos, Chumbo co­nhe­ceu Jaws – o iní­cio de uma jo­vem e fre­né­ti­ca car­rei­ra que já con­ta com a Me­lhor Per­for­man­ce do Big Wa­ve Awards 2017/18.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.