LAJES ÁRIDAS

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE - POR RI­CAR­DO AL­VES

NA­VAR­RO, GIORGI, VAR­GAS, RAONI, OS DANTAS E OS CHUMBO DESBRAVAM O DE­SER­TO DO CHI­LE

MI­NHA VI­A­GEM AO DE­SER­TO CHI­LE­NO co­me­çou na pa­ca­ta ci­da­de de

Cons­ti­tu­ción, on­de já es­ti­ve de­ze­nas de ve­zes, atrás das es­quer­das lon­gas e perfeitas que in­sis­tem em que­brar nes­se pe­da­ci­nho do Pa­cí­fi­co Sul. Já são mais de 20 anos, uma in­fi­ni­da­de de ami­gos e um amor sin­ce­ro no co­ra­ção.

Fo­ram cin­co ho­ras de ôni­bus até a ca­pi­tal San­ti­a­go e de­pois in­fi­ni­tas 24 até a ci­da­de de Iqui­que, on­de de­sem­bar­quei pa­ra fo­to­gra­far o WQS 1500. O que mais me cha­mou a aten­ção du­ran­te o ca­mi­nho foi o imen­so con­tras­te de co­res e ve­ge­ta­ção, já que saí dos ex­ten­sos bos­ques ver­des do Sul até che­gar ao in­fi­ni­to mar­rom do de­ser­to.

Trin­ta ho­ras de­pois eu já es­ta­va de rou­pa de bor­ra­cha, pé de pa­to e cai­xa es­tan­que. Pron­to pa­ra fo­to­gra­far a pri­mei­ra ses­são den­tro da água na praia de La Pun­ta, on­de se­ri­am re­a­li­za­das as ba­te­ri­as. Água con­ge­lan­te e mui­to crowd era o que eu en­fren­ta­ria du­ran­te to­da aque­la se­ma­na.

Iqui­que é co­nhe­ci­da co­mo a ci­da­de dos slabs, por­que ofe­re­ce uma in­fi­ni­da­de de­les mui­to pró­xi­mos uns dos ou­tros. Di­ria que em um raio de 10 quilô­me­tros exis­tem pe­lo me­nos uns dez ou mais, en­tre di­rei­tas e es­quer­das, com uma ca­rac­te­rís­ti­ca em co­mum en­tre to­dos: on­das for­tes e ban­ca­das ra­sas.

A on­da do cam­pe­o­na­to era uma das mais su­a­ves, mas es­ta­va a pou­cos me­tros da fa­mo­sa di­rei­ta do El Co­lé­gio, que re­ce­beu es­se no­me por con­ta da es­co­la que es­te­ve por anos na fren­te do pi­co. É uma on­da que lem­bra mui­to Sun­set, no Hawaii. Nos me­lho­res di­as, che­gou a que­brar com 8 pés que pro­por­ci­o­na­ram óti­mos mo­men­tos.

Es­sa on­da qu­e­bra so­bre uma ra­sa ban­ca­da de pe­dras que na ma­ré se­ca po­de fi­car qua­se sem água na par­te do in­si­de. En­quan­to ro­la­vam as ba­te­ri­as, a mai­o­ria dos atle­tas es­ta­va lá trei­nan­do e ti­ve a opor­tu­ni­da­de de fa­zer bo­as fo­tos, tan­to de den­tro d’água qu­an­to nos mais di­ver­sos ân­gu­los que o pi­co ofe­re­cia.

Eu es­ta­va nes­se mo­men­to hos­pe­da­do no hos­tel de um ami­go e di­vi­dia o quar­to com meu fi­lho­te, co­mo ca­ri­nho­sa­men­te cha­mo o atle­ta Matheus Na­var­ro. Nós tra­ba­lha­mos nas mes­mas em­pre­sas e tam­bém es­tá­va­mos ali pa­ra pro­du­zir ma­te­ri­al pa­ra nos­sos pa­tro­ci­na­do­res. Ele não foi tão bem na com­pe­ti­ção e, as­sim que per­deu, par­ti­mos em bus­ca de no­vos ce­ná­ri­os.

VOL­TA PA­RA O NO­VO

Alu­ga­mos um car­ro e di­ri­gi­mos qua­se três ho­ras pa­ra o sul em di­re­ção à ci­da­de de To­co­pil­la. Lá, en­con­tra­mos al­guns ami­gos meus que que­ri­am nos mos­trar uma on­da no­va, que ha­via si­do sur­fa­da pe­la pri­mei­ra vez há ape­nas três anos. Um slab pa­ra a di­rei­ta, mui­to pró­xi­mo das pe­dras, com um drop ver­ti­cal e um tu­bo em al­ta ve­lo­ci­da­de.

Não es­ta­va mui­to gran­de, em tor­no de 4 pés. Meus ami­gos do de­ser­to, lo­cais e body­bo­ards, pe­ga­ram a mai­o­ria das on­das bo­as, so­bran­do pa­ra Na­var­ro ape­nas al­gu­mas in­ter­me­diá­ri­as e umas que mal ro­da­vam. Mas is­so não tirou a vi­be de co­nhe­cer um lu­gar no­vo e re­ver ami­gos de lon­ga da­ta.

No fi­nal da tar­de, fo­mos em bus­ca de ou­tra on­da, pi­co no qual já es­ti­ve al­gu­mas ve­zes e até pro­du­zi uma ma­té­ria pa­ra a HARDCORE em mar­ço de 2014. Di­rei­ta ra­sa, mas sem tu­bos. Na ver­da­de, o Matheus nem que­ria mais sur­far, mas in­sis­ti mui­to pa­ra ele man­dar al­guns vo­os, por­que o ce­ná­rio e a luz es­ta­vam sur­re­ais. Res­ta­vam ape­nas 30 mi­nu­tos pa­ra o sol se pôr, mas ace­le­ra­mos e con­se­gui­mos fa­zer uma boa fo­to.

Na vol­ta, ain­da fi­quei al­guns di­as em Iqui­que. As on­das já es­ta­vam pe­que­nas e apro­vei­tei o tem­po pa­ra ver as ba­te­ri­as. Vi o bom de­sem­pe­nho do João Chum­bi­nho, que con­quis­tou o me­lhor re­sul­ta­do de sua car­rei­ra e qua­se che­gou na fi­nal ven­ci­da por Jack Ro­bin­son. Fim de cam­pe­o­na­to, era ho­ra de ar­ru­mar as coi­sas e par­tir pa­ra a pró­xi­ma eta­pa, na ci­da­de de Ari­ca.

Che­fe da web­cast e meu ami­go há mais de 20 anos, Yoyo Se­pul­ve­da vi­ve a pou­cos quilô­me­tros da praia on­de o cam­pe­o­na­to se­ria re­a­li­za­do. A con­vi­te de­le, par­ti­mos em sua van em uma vi­a­gem alu­ci­nan­te de seis ho­ras pe­lo de­ser­to, na com­pa­nhia de Raoni Mon­tei­ro, João Chum­bi­nho e três australianos.

Yoyo é um per­so­na­gem de Ari­ca, lo­cal de mui­to tem­po e se re­la­ci­o­na com to­do mun­do. Ele tem uma es­pé­cie de hos­tel no qual alu­ga os

Iqui­que é co­nhe­ci­da co­mo a ci­da­de dos slabs. Em um raio de 10 quilô­me­tros, exis­tem pe­lo me­nos dez, com uma ca­rac­te­rís­ti­ca em co­mum: on­das for­tes e ban­ca­das ra­sas.

28 de maio, pre­vi­são de on­das de 2 me­tros. Acor­da­mos to­dos de noi­te, su­per an­si­o­sos pe­lo pri­mei­ro dia de surf. An­tes mes­mo que saís­se qual­quer raio de luz, já da­va pa­ra ver que as on­das es­ta­vam bem mai­o­res que o pre­vis­to.

quar­tos pa­ra a ga­le­ra. Fi­ca­mos to­dos jun­tos com ele e lo­go che­ga­ram o Wiggolly e Wesl­ley Dantas e o ir­mão do João, Lu­cas Chumbo. Com is­so, for­ma­mos uma equi­pe mui­to ma­nei­ra so­ma­da aos chi­le­nos que tam­bém es­ta­vam co­nos­co.

Nos pri­mei­ros três di­as, não fi­ze­mos mui­ta coi­sa di­an­te da au­sên­cia das on­das. Só nos res­ta­va co­mer e to­mar cer­ve­ja. O Wesl­ley as­sis­tiu umas du­zen­tas sé­ri­es no Net­flix e o João se gru­dou no ce­lu­lar, en­quan­to nós es­tá­va­mos de um la­do pa­ra o ou­tro pro­cu­ran­do o que fa­zer, es­pe­ran­do que lo­go en­tras­se o swell pro­me­ti­do.

MAR DA MI­NHA VI­DA

Se­gun­da-fei­ra, 28 de maio, vés­pe­ra do iní­cio das com­pe­ti­ções, pre­vi­são de on­das de 2 me­tros. Acor­da­mos to­dos de noi­te, su­per an­si­o­sos pe­lo pri­mei­ro dia de surf. Che­ga­mos à praia an­tes mes­mo que saís­se qual­quer raio de luz, mas já da­va pa­ra ver que as on­das es­ta­vam bem mai­o­res que o pre­vis­to e che­ga­vam fá­cil aos 8 pés, com al­gu­mas mai­o­res.

À es­sa al­tu­ra, eu já es­ta­va adre­na­li­za­do, pois nun­ca ti­nha en­tra­do na­que­le mar pa­ra fo­to­gra­far. O ca­nal era su­per es­trei­to e as on­das la­va­vam as pe­dras por on­de tí­nha­mos que nos jo­gar. Pe­di ao Raoni que me au­xi­li­as­se na en­tra­da, já que ele co­nhe­cia o pi­co. De ci­ma das pe­dras, pron­to pa­ra sal­tar, vi o Lu­cas Chumbo fa­zer um tu­bão bi­zar­ro, mui­to gran­de e pro­fun­do.

Che­guei no out­si­de sem mai­o­res pro­ble­mas. Aque­les tu­bos que eu via de fo­ra eram ain­da mais im­pres­si­o­nan­tes de den­tro do mar. Na mi­nha opi­nião, es­ta é a on­da mais si­nis­tra da Amé­ri­ca do Sul. Um tu­bo que lem­bra Pi­pe­li­ne ou Te­ahu­po’o, mas que­bran­do na fren­te de um pa­re­dão de pe­dras em ci­ma de uma ban­ca­da ab­sur­da­men­te ra­sa.

Foi o mar que es­pe­rei mi­nha vi­da to­da pa­ra fo­to­gra­far. Tu­bos in­sa­nos e ex­ce­len­tes sur­fis­tas se ati­ran­do de ca­be­ça, de­sa­fi­an­do a for­ça da na­tu­re­za. Um mo­vi­men­to er­ra­do e o da­no po­de­ria ser gran­de. Fe­liz­men­te, ne­nhum aci­den­te mais gra­ve, ape­nas o Raoni que deu com a ca­be­ça na ban­ca­da, mas na­da pas­sou de um gran­de sus­to.

Os bra­si­lei­ros da no­va ge­ra­ção re­pre­sen­ta­ram na­que­le dia de com­pe­ti­ção. Ti­ro o meu cha­péu pa­ra os mo­le­ques que bo­ta­ram pa­ra den­tro de tu­bos imen­sos. Des­ta­que pa­ra Léo Bar­ce­los, Vi­tor Fer­rei­ra, Renan Pul­ga e Wesl­ley Dantas.

Mas, sem dú­vi­da, quem fez os tu­bos mais in­sa­nos des­se dia foi Lu­cas Chumbo. Ele es­ta­va mui­to à von­ta­de den­tro da água, com um bom co­nhe­ci­men­to do pi­co. Ele vi­nha nas mai­o­res e seus tu­bos eram com cer­te­za os mais pro­fun­dos. Seu ir­mão tam­bém dro­pou umas bom­bas e pa­re­ce es­tar no mes­mo ca­mi­nho de­le.

Fo­ram pra­ti­ca­men­te seis ho­ras de tu­bos pe­sa­dos até que en­tras­se o

ven­to. No de­ser­to, to­dos os di­as são pra­ti­ca­men­te iguais. De ma­nhã, uma né­voa por ve­zes den­sa. As­sim que sai o sol, o ven­to en­tra, nor­mal­men­te por vol­ta das 10 ou 11 ho­ras. Es­tá­va­mos to­dos can­sa­dos e já era ho­ra de vol­tar pa­ra ca­sa.

FES­TA BRA­SI­LEI­RA EM ARI­CA

No dia se­guin­te, o mar bai­xou e co­me­ça­ram as ba­te­ri­as. O even­to ini­ci­a­va às 7h30 da ma­nhã, o que me im­pe­diu de fo­to­gra­far o fre­e­surf de den­tro da água em uma luz pra­ti­ca­men­te nu­la. O mar cres­ceu. Nos pri­mei­ros mi­nu­tos da ma­nhã vi as mai­o­res sé­ri­es. Lo­go elas se acal­ma­ram, mas ain­da as­sim sur­gi­am bom­bas de 8 pés.

En­trei na água an­tes que co­me­ças­se o cam­pe­o­na­to e fi­quei até o tér­mi­no da úl­ti­ma ba­te­ria, cer­ca de seis ho­ras. Acom­pa­nhei tu­do no me­lhor ân­gu­lo pos­sí­vel, um ver­da­dei­ro pri­vi­lé­gio. Os bra­si­lei­ros es­ta­vam sur­fan­do mui­to e ti­ve­mos pou­cas bai­xas nes­se dia. Ain­da saiu o sol no fim da ma­nhã e pu­de fa­zer al­gu­mas pou­cas fo­tos an­tes que pa­ra­li­sas­sem o even­to.

O mar bai­xou bas­tan­te nos di­as sub­se­quen­tes, mas ain­da que­bra­vam bons tu­bos na ban­ca­da de El Grin­go. Até que, no sá­ba­do que an­te­ce­dia as fi­nais do even­to, o mar vol­tou a su­bir e os atle­tas con­ta­ram mui­to me­nos com a sor­te, já que en­tra­vam on­das bo­as pa­ra to­dos. Wesl­ley Dantas, Jerô­ni­mo Var­gas e Vi­tor Men­des se de­ram bem.

No do­min­go, der­ra­dei­ro dia de com­pe­ti­ção, as on­das fi­ca­ram um pou­co mais len­tas. Po­rém, co­mo as ba­te­ri­as eram ho­mem a ho­mem, o show de surf es­ta­va ga­ran­ti­do. Bons tu­bos e óti­mos sco­res fo­ram con­quis­ta­dos, mas quem se deu me­lhor e com di­rei­to a 10 na fi­nal foi o ca­ri­o­ca Jerô­ni­mo Var­gas, que su­biu no al­to do pó­dio e le­van­tou a ban­dei­ra bra­si­lei­ra.

Foi a pri­mei­ra vi­tó­ria de­le em eta­pas do QS. Te­ve pa­ci­ên­cia em to­das as su­as ba­te­ri­as e sou­be es­co­lher mui­to bem su­as on­das. Ha­via ou­tros no­mes que es­ta­vam mui­to mais em al­ta pa­ra con­quis­tar o tí­tu­lo, mas ba­te­ria após ba­te­ria ele foi cres­cen­do e pro­vou pa­ra to­do mun­do que es­ta­va ali pa­ra ga­nhar.

Fes­ta bra­si­lei­ra em Ari­ca, com um cam­peão na on­da mais pe­ri­go­sa da Amé­ri­ca. Só res­ta­va co­me­mo­rar, além do tí­tu­lo, a se­ma­na de al­tas on­das que ti­ve­mos o pri­vi­lé­gio de pe­gar. O de­ser­to re­al­men­te nos pre­sen­te­ou e sur­pre­en­deu com o que tem de me­lhor: tu­bos ocos, lar­gos e per­fei­tos. Com cer­te­za, um pe­da­ço do meu co­ra­ção vi­ve no Chi­le.

Não po­de­ria dei­xar de agra­de­cer a to­dos que tor­na­ram pos­sí­vel es­sa vi­a­gem. Yoyo Se­pul­ve­da, meu ami­go há vin­te anos. Max Di­as, ir­mão que te­nho no meio do De­ser­to. Ma­si Ro­jas, que é pra­ti­ca­men­te mi­nha fa­mí­lia e sem­pre dei­xa a por­ta aber­ta pa­ra mim em Cons­ti­tu­ción, e Snapy Surfboards e Oce­a­no Surfwe­ar, que são as em­pre­sas que me apoi­am e vis­to a ca­mi­sa com mui­to or­gu­lho. Gra­ti­dão.

O de­ser­to re­al­men­te nos pre­sen­te­ou e sur­pre­en­deu com o que tem de me­lhor: tu­bos ocos, lar­gos e per­fei­tos. Com cer­te­za, um pe­da­ço do meu co­ra­ção vi­ve no Chi­le.

O ex­ten­so de­ser­to chi­le­no guar­da al­gu­mas das mais de­sa­fi­a­do­ras lajes das Amé­ri­cas – ver­da­dei­ros oá­sis pa­ra os mais ati­ra­dos vi­zi­nhos bra­si­lei­ros.

ACI­MA Jerô­ni­mo Var­gas não ape­nas ga­nhou o QS em Ari­ca co­mo tam­bém apro­vei­tou o fre­e­surf em Iqui­que. AO LA­DO, À ESQ. A qua­dra­da e te­mi­da Ari­ca. AO LA­DO, À DIR. Matheus Na­var­ro ab­sor­veu ao má­xi­mo a ex­pe­ri­ên­cia nas lajes que pon­tu­am o li­to­ral do Atacama.

ACI­MA Bom co­nhe­ce­dor dos tri­lhos pe­lo mun­do, Wiggolly Dantas sem­pre se en­cai­xa na ári­da e rá­pi­da on­da de Ari­ca. AO LA­DO, À ESQ. Um vi­su­al cor­ri­quei­ro e mui­to apre­ci­a­do pe­los lo­cais chi­le­nos. AO LA­DO, À DIR. João Chum­bi­nho era o ca­çu­la da trip, mas é cria de Saquarema e com­pro­va sua har­mo­nia em mares pe­sa­dos de Iqui­que.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.