SWEET AND SOUR

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE -

Que frio, o in­ver­no che­gou! Se­ria uma óti­ma opor­tu­ni­da­de pa­ra re­cla­mar um pou­co da vi­da, mas co­mo pro­me­ti na co­lu­na pas­sa­da, es­te mês fa­la­re­mos so­bre ame­ni­da­des. Co­mo não há na­da tão ame­no qu­an­to fa­lar so­bre o cli­ma, va­mos a ele.

Eu so­fro um tan­to com o frio e ele me faz pen­sar e re­pen­sar se a que­da vai va­ler mes­mo a pe­na. Ape­sar da cer­te­za de sa­ber que na re­al sem­pre va­le. Mes­mo sa­ben­do que vai ser di­ver­ti­do sur­far com frio, com chu­va ou com ven­to, por que ain­da me man­te­nho pre­gui­ço­sa e en­co­lhi­da fei­to uma la­gar­ta no ca­su­lo?

Tu­do mu­da com o sol! Ele me aque­ce, me ani­ma, dá mais vi­da à vi­da. Dia des­ses, uma pro­du­to­ra de cas­ting me son­dou pa­ra sa­ber a mi­nha re­la­ção com o sol, al­gum co­mer­ci­al de cre­me hi­dra­tan­te ou al­go do ti­po. No dia fa­zia ca­lor e o sol es­ta­va a pi­no, as­sim não pen­sei mui­to pa­ra res­pon­der: “Amo o ca­lor, mas is­so não afe­ta meu mo­do de vi­da”. Ain­da de­vo ter adi­ci­o­na­do um “ho­nes­ta­men­te”. To­li­nha! Aca­bei sem o tra­ba­lho...

Ho­je, pen­san­do me­lhor so­bre a per­gun­ta da pro­du­to­ra e pas­san­do um frio dos in­fer­nos pa­ra sur­far, eu di­ria que o sol faz sim mui­ta di­fe­ren­ça na mi­nha vi­da. Oras, cus­ta­va es­sa moça ter me pro­cu­ra­do na ho­ra cer­ta? Ti­po, ho­je, em ple­no in­ver­no?

A ami­ga que in­di­cou o tes­te não en­ten­deu na­da. “E aí, Jan, e o tes­te?” “Ah, Bru, não ro­lou. Acho que fui ho­nes­ta de­mais, sei lá”, res­pon­di. Tal­vez ela nun­ca mais me in­di­que pra cas­ting ne­nhum, vou en­ten­der. O que se­ria uma pe­na já que qual­quer ex­tra é mais que bem vin­do. A gra­na es­tá mais cur­ta do que nun­ca, mas já fa­la­mos so­bre is­so por aqui.

Me per­doe a re­pe­ti­ção de te­mas, mas o fa­to de es­tar du­ra não me es­pan­ta, afi­nal nun­ca ti­ve mui­ta gra­na mes­mo. O que in­co­mo­da é que eu nun­ca tra­ba­lhei tan­to e ao mes­mo tem­po nun­ca es­ti­ve tão sem gra­na. Nes­sas ho­ras, lem­bro da mi­nha tia me aler­tan­do so­bre os pe­ri­gos da car­rei­ra de fre­e­lan­cer. Eu ain­da acho que o er­ro foi ter es­co­lhi­do o jor­na­lis­mo, ape­sar de mor­rer de amo­res pe­la pro­fis­são, ela pa­ga mui­to mal. Além do mais, nin­guém quer fa­zer jus­ti­ça com jor­na­lis­mo ho­je em dia, a re­gra é ven­der anún­cio. Bom, ago­ra já foi, não con­si­go me ima­gi­nar en­tran­do nu­ma sa­la de au­la aos 35 anos.

Lem­bro de qu­an­do fa­zia co­le­gi­al e ain­da ima­gi­na­va o que eu se­ria da vi­da, pa­re­cia tão dis­tan­te. Ho­je me ve­jo com o pé nos qua­ren­ta (aca­bo de fa­zer 35!) e um pon­to de in­ter­ro­ga­ção na ca­be­ça. Lem­bro das ou­tras pro­fis­sões que co­gi­tei na épo­ca do cur­si­nho, umas bem di­fe­ren­tes das ou­tras, co­mo Fi­si­o­te­ra­pia, His­tó­ria, Ar­tes Cê­ni­cas, Di­rei­to, mas aca­bei no Jor­na­lis­mo. En­gra­ça­do que eu nun­ca quis ser “sur­fis­ta”, o es­por­te sem­pre es­te­ve ao meu la­do, mas ja­mais co­mo uma opor­tu­ni­da­de de pro­fis­são. Aliás, eu co­me­cei tar­de e só vim mo­rar na praia re­cen­te­men­te, lo­go, me tor­nar uma sur­fis­ta pro­fis­si­o­nal es­ta­va fo­ra de co­gi­ta­ção.

Ain­da so­bre as pro­fis­sões, eu ti­nha uma cer­te­za mui­to gran­de du­ran­te a in­fân­cia. Den­tro de mim al­go di­zia que ia ser no te­a­tro o lu­gar em que eu fin­ca­ria meus pés, mas o surf veio e aca­bou com os pla­nos das en­ce­na­ções. As­sim, os en­sai­os fo­ram subs­ti­tuí­dos pe­las vi­a­gens de fi­nais de se­ma­na, afi­nal que gru­po de te­a­tro ia acei­tar uma pes­soa que não fi­ca­va em São Pau­lo aos sá­ba­dos, do­min­gos e fe­ri­a­dos? Já que são nes­tes di­as em que ocor­re a mai­o­ria dos es­pe­tá­cu­los, mes­mo as­sim, ima­gi­na­va que ce­do ou tar­de eu aca­ba­ria no pal­co.

Além dos fil­mes de surf e o “Zo­na de Im­pac­to”, pro­gra­ma pre­fe­ri­do du­ran­te bons anos, as­sis­ti mui­ta te­le­vi­são du­ran­te a in­fân­cia e a ado­les­cên­cia (co­mo a mai­o­ria das cri­an­ças nas­ci­das na dé­ca­da de 80). Youtu­be nes­ta épo­ca era fic­ção ci­en­tí­fi­ca. Cu­ri­o­sa­men­te, pa­rei com­ple­ta­men­te de ver TV des­de que vol­tei da Aus­trá­lia, já são mais de cin­co anos que eu não sei o que sig­ni­fi­ca acom­pa­nhar um fo­lhe­tim te­le­vi­si­vo bra­si­lei­ro.

Por ou­tro la­do, se vo­cê me per­gun­tar so­bre stre­a­ming aí sim po­de­mos ter mui­tas coi­sas em co­mum. Al­go na TV fi­cou mui­to ul­tra­pas­sa­do, co­mo se to­do o atra­so do meu país de ori­gem, que eu tei­ma­va em acei­tar, fos­se re­pre­sen­ta­do por aque­la ga­ma de pro­gra­mas tos­cos dos ho­rá­ri­os no­bres da TV aber­ta. O mes­mo cho­que que eu le­vei ao retornar ao Bra­sil, de­pois de anos sem pi­sar aqui, foi o cho­que ao re­ver um ca­pí­tu­lo da novelas das oi­to. Aqui­lo era in­sa­no, non­sen­se de­mais pra mim.

Vol­tan­do ao cli­ma e ao surf, o es­por­te es­tá mui­to mais re­la­ci­o­na­do ao in­ver­no do que ao ve­rão, a não ser que vo­cê vi­va num pa­raí­so co­mo a In­do­né­sia, por exem­plo, lu­gar em que to­dos os me­ses do ano são quen­tes e a água é sim­ples­men­te per­fei­ta (nem mui­to mor­na, nem mui­to fria co­mo al­guns pi­cos ao sul do país ou até mes­mo da Aus­trá­lia, co­mo Bells Be­a­ch – fi­ca­rá pa­ra sem­pre na mi­nha me­mó­ria qu­an­to frio pas­sei por lá!).

Por aqui te­mos óti­mas on­das du­ran­te o in­ver­no, não dá nem pra re­cla­mar. Uma rou­pa de bor­ra­cha em dia se­gu­ra bem a on­da. Di­fe­ren­te da mi­nha que de tão lar­ga no pes­co­ço é pos­sí­vel per­mi­tir a en­tra­da de um tsu­na­mi gé­li­do. Por ou­tro la­do, man­gas e per­nas ves­tem per­fei­ta­men­te. No Bra­sil é um pro­ble­ma achar um bom mo­de­lo de rou­pa de bor­ra­cha fe­mi­ni­na (mas já foi mui­to pi­or), o opos­to de lu­ga­res co­mo a Aus­trá­lia e Ca­li­fór­nia, on­de exis­tem mi­lha­res de op­ções de mo­de­la­gens. Co­mo o fo­co é so­bre ame­ni­da­des, não va­mos dis­cu­tir ago­ra o mo­ti­vo pe­lo qual é uma droga com­prar uma rou­pa de bor­ra­cha fe­mi­ni­na no Bra­sil. Cer­to?

Ou­to­no é mi­nha es­ta­ção pre­fe­ri­da, mas tam­bém são nos me­ses de ju­lho e agos­to que ro­lam on­du­la­ções for­tes, ori­gi­na­das de gran­des tem­pes­ta­des for­ma­das a mi­lhas e mi­lhas da cos­ta. A ener­gia pro­mo­vi­da nos nú­cle­os efer­ves­cen­tes do fenô­me­no vi­a­ja nu­ma sequên­cia má­gi­ca, for­man­do sé­ri­es de on­das que, por sua vez, po­dem ser mais ou me­nos fre­quen­tes. Tu­do de­pen­de do pe­río­do, que na­da mais é do que o tem­po de es­pe­ra en­tre uma sé­rie e ou­tra. Quão má­gi­co é is­so? Sur­far sig­ni­fi­ca es­tar em con­ta­to com to­da es­ta ener­gia!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.