O POLEMISTA

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE - POR FER­NAN­DO MA­LUF

COCAINE+SURFING E O ES­FOR­ÇO DIÁ­RIO DE CHAS SMITH PA­RA “SU­JAR NO­VA­MEN­TE” A IMA­GEM DO SURF

CHAS SMITH É UM CA­RA PO­LÊ­MI­CO – E SE ALI­MEN­TA DIS­SO. LI­TE­RAL­MEN­TE. IN­SA­TIS­FEI­TO COM O MO­MEN­TO ATU­AL DO SURF E COM O FU­TU­RO QUE SE DE­SE­NHA, CHAS GA­NHA SEU PÃO DO DIA DESFILANDO DI­A­RI­A­MEN­TE NO SITE BE­A­CH GRIT TO­DO TI­PO DE SARCASMO E IRO­NIA CON­TRA QUA­SE TU­DO NES­SA GRAN­DE BO­LHA: SURFISTAS PRO­FIS­SI­O­NAIS E APO­SEN­TA­DOS, MAR­CAS, MÍ­DI­AS CON­COR­REN­TES, KELLY SLATER E PRIN­CI­PAL­MEN­TE A WORLD SURF LE­A­GUE, QUE CON­SI­DE­RA A PRIN­CI­PAL VI­LÃ DE UMA TEN­TA­TI­VA DE TRANS­FOR­MAR O SURF EM AL­GO QUE ELE NÃO É. A LÍN­GUA SOL­TA REN­DEU UM CUR­RÍ­CU­LO DE DE­SA­FE­TOS QUE JÁ FOI DE MICK FANNING A ED­DIE ROTHMAN E IAN CAIRNS E UM CA­RIM­BO DE PER­SO­NA NON GRA­TA EM AL­GUNS DES­TI­NOS CA­TI­VOS DO SURF MUN­DI­AL – PRE­ÇO JUS­TO POR LAN­ÇAR UM POU­CO MAIS DE HO­NES­TI­DA­DE NUA E CRUA NA MÍ­DIA IN­TER­NA­CI­O­NAL. COM SEU NO­VO LI­VRO, COCAINE + SURFING, QUER LEM­BRAR QUE A MO­NO­TO­NIA E O “BOM MOCISMO” PO­LI­TI­CA­MEN­TE COR­RE­TO QUE QUE­REM CO­LAR NO SURF MO­DER­NO NA­DA TEM A VER COM O ES­POR­TE DOS AN­TI­GOS REIS HAVAIANOS – E DOS PE­RU­A­NOS PRÉ-INCAS QUE PE­GA­RAM AS PRI­MEI­RAS ON­DAS DA HIS­TÓ­RIA COM AS BOCHECHAS RECHEADAS DE FO­LHAS DE CO­CA. SEM ME­DO DE MAIS PO­LÊ­MI­CAS, CHAS FOI RÁ­PI­DO EM RES­PON­DER NOS­SOS E-MAILS: “SE­RÁ UM PRA­ZER!”.

VO­CÊ TEM AS­SIS­TI­DO A COM­PE­TI­ÇÕES RE­GU­LAR­MEN­TE? VIU AL­GUM EVEN­TO DA WSL ES­TE ANO?

Não te­nho acom­pa­nha­do as com­pe­ti­ções tão re­gu­lar­men­te nes­te ano quan­to já fiz no pas­sa­do. Eu de­ve­ria, mas... não sei. Es­ta úl­ti­ma tem­po­ra­da não con­se­guiu me agar­rar pe­la gar­gan­ta e fa­zer com que eu me pre­o­cu­pas­se. Tem al­guns surfistas in­te­res­san­tes, Fi­li­pe, Ita­lo, Ga­bri­el, Ju­li­an, al­gu­mas nar­ra­ti­vas le­gais, al­gu­mas ri­va­li­da­des in­te­res­san­tes, mas... de no­vo, eu não sei. Pa­re­ce va­zio. Em ne­nhum even­to pe­guei meu com­pu­ta­dor com­pul­si­va­men­te e li­guei na com­pe­ti­ção quan­do eu sa­bia que ela es­ta­va ro­lan­do, co­mo cos­tu­ma­va fa­zer an­tes. Vi al­guns even­tos da WSL es­te ano e tu­do me pa­re­ce mui­to can­sa­ti­vo. Os co­men­ta­ris­tas são te­di­o­sos, a falta de vi­são é te­di­o­sa, a ab­so­lu­ta ina­bi­li­da­de da WSL em ofe­ce­rer qual­quer coi­sa ar­ro­ja­da... Pa­re­ce uma pe­dra po­li­da, que é le­gal, mas… bo­bi­nha. Eu que­ro fo­go. Que­ro a es­sên­cia. Que­ro ho­nes­ti­da­de. Es­sas três coi­sas es­tão com­ple­ta­men­te au­sen­tes.

O QUE VO­CÊ ACHA DES­SAS MU­DAN­ÇAS QUE A WSL VEM PRO­MO­VEN­DO?

Eu cur­to cam­pe­o­na­tos, em ge­ral. Amo o surf, amei o surf mi­nha vi­da in­tei­ra, e re­al­men­te amo ver os me­lho­res surfistas do mun­do nas me­lho­res on­das do mun­do, tão cli­chê quan­to is­so pos­sa so­ar. Mas, no­va­men­te, es­te ano pa­re­ce tão pa­ra­do. É co­mo se a WSL ti­ves­se su­ga­do qual­quer coi­sa in­te­res­san­te e nos dei­xa­do com um res­to sem gra­ça. Eu nem con­si­go ima­gi­nar mais al­guém se im­por­tan­do com is­so, o que é mui­to tris­te. E, de no­vo, pa­ra mim, a WSL é di­re­ta­men­te res­pon­sá­vel. As pes­so­as no co­man­do po­dem sa­ber al­gu­ma coi­sa so­bre co­mo en­ga­jar a au­di­ên­cia ou co­mo ven­der pa­ra gran­des pa­tro­ci­na­do­res não en­dê­mi­cos, mas eles têm de­mons­tra­do um to­tal des­co­nhe­ci­men­to so­bre o que surfistas são e o que que­rem. Es­sa coi­sa in­sos­sa que se de­sen­ro­la em ca­da eta­pa é im­pa­la­tá­vel pa­ra mim, com cer­te­za, mas, ima­gi­no, pa­ra mui­tas ou­tras pes­so­as tam­bém. Vo­cê co­nhe­ce al­guém que es­te­ja ani­ma­do com o cir­cui­to? As pes­so­as no Bra­sil es­tão ani­ma­das?

As pes­so­as no co­man­do [da WSL] po­dem sa­ber al­gu­ma coi­sa so­bre co­mo en­ga­jar a au­di­ên­cia ou co­mo ven­der pa­ra pa­tro­ci­na­do­res não en­dê­mi­cos, mas eles têm de­mons­tra­do um to­tal des­co­nhe­ci­men­to so­bre o que surfistas são e o que que­rem.

ACHO QUE O SEN­TI­MEN­TO DE AVER­SÃO À WSL É CA­DA VEZ MAI­OR NO BRA­SIL. MAS AS PES­SO­AS ES­TÃO IN­TE­RES­SA­DAS, SIM, SO­BRE­TU­DO POR CAU­SA DAS VI­TÓ­RI­AS BRA­SI­LEI­RAS, DO POS­SÍ­VEL PRI­MEI­RO TÍ­TU­LO DO FI­LI­PE, A DIS­PU­TA COM O GA­BRI­EL ETC.

Acho que o Bra­sil re­pre­sen­ta a me­lhor par­te de tu­do o que es­tá acon­te­cen­do ago­ra. O pro­ble­ma é que tu­do is­so es­tá sen­do fil­tra­do por San­ta Mô­ni­ca [lo­cal da no­va se­de da WSL, na Ca­li­fór­nia], por exe­cu­ti­vos que tra­ba­lha­vam no tê­nis, e eles es­tão er­ran­do em to­dos os pon­tos. Eu ado­ra­ria se es­ses exe­cu­ti­vos da WSL des­co­bris­sem co­mo apro­vei­tar to­da es­sa em­pol­ga­ção do Bra­sil, por­que pa­re­ce que os Es­ta­dos Uni­dos e a Aus­trá­lia já es­go­ta­ram su­as idei­as. É a mes­ma ve­lha his­tó­ria ro­lan­do já por três dé­ca­das.

VO­CÊ TI­NHA DI­TO QUE WELCOME TO PA­RA­DI­SE, NOW GO TO HELL [SEU PRI­MEI­RO LI­VRO, DE 2015] SE­RIA SEU ÚL­TI­MO SO­BRE O SURF. O QUE TE FEZ VOL­TAR?

De­pois de Welcome to Pa­ra­di­se, eu pen­sei, com cer­te­za, que ia dei­xar o surf pa­ra trás. Achei que já ti­nha di­to tu­do o que ha­via pa­ra di­zer, que era ho­ra de me jo­gar no mun­do e ir atrás de ou­tras coi­sas que eu gos­ta­va. E fiz is­so... Ou pe­lo me­nos no sen­ti­do da aven­tu­ra. Fui pa­ra o Dji­bu­ti ten­tar es­cre­ver so­bre pi­ra­tas, es­ta­va na Ucrâ­nia du­ran­te a guer­ra ci­vil, ou­tras coi­sas as­sim. Mas na­da deu mui­to cer­to. Eu su­ge­ri Cocaine + Surfing pa­ra o meu agen­te mais co­mo uma pi­a­da, mas de re­pen­te co­me­çou a evo­luir e foi is­so. Pre­so em ou­tro li­vro de surf. Ao es­cre­ver, per­ce­bi que ha­via mui­to mais pa­ra di­zer, en­tão não me sen­ti mais de­pri­mi­do.

EU ME LEM­BRO DE LER UMA EN­TRE­VIS­TA SUA EM QUE DI­ZIA QUE SEU PRI­MEI­RO LI­VRO NÃO TI­NHA QUE­BRA­DO BAR­REI­RAS CO­MO VO­CÊ ACHA­VA QUE FA­RIA. MAS QUE IS­SO IA ACON­TE­CER NO SE­GUN­DO. VO­CÊ QUIS QUE­BRAR BAR­REI­RAS COM COCAINE + SURFING? O QUE SE­RIA QUE­BRAR BAR­REI­RAS NO JOR­NA­LIS­MO DE SURF?

Es­ta­va fa­lan­do de lar­gar o surf com­ple­ta­men­te, mas acho que is­so sig­ni­fi­ca­ria olhar a ver­da­de nos olhos e não tre­mer. De on­de nós vi­e­mos? Quem so­mos nós? Quem de­ve­ría­mos ser? Não acho que eu che­guei per­to de cap­tu­rar es­sas res­pos­tas, mas fui ho­nes­to, e ho­nes­ti­da­de é al­go que es­ta­mos pre­ci­san­do de­ses­pe­ra­da­men­te. [Brad] Me­le­ki­an* foi um ca­ra que fez is­so. Ele uniu uma in­ves­ti­ga­ção mi­nu­ci­o­sa à co­ra­gem de fa­zer is­so e es­cre­veu, pro­va­vel­men­te, a me­lhor pe­ça da his­tó­ria do jor­na­lis­mo de surf. Eu fui um idi­o­ta e não con­se­gui en­xer­gar is­so na épo­ca. * Brad Me­le­ki­an foi o pri­mei­ro jor­na­lis­ta a in­ves­ti­gar a re­la­ção en­tre a mor­te de Andy Irons e seu abu­so de dro­gas, sen­do pron­ta­men­te exe­cra­do pe­la mí­dia e a in­dús­tria do surf. Ho­je Brad é professor es­co­lar na Ca­li­fór­nia.

NO CO­ME­ÇO DO LI­VRO, VO­CÊ FAZ UMA CRÍTICA IN­TE­RES­SAN­TE SO­BRE UMA SÉ­RIE IN­SU­POR­TÁ­VEL DE RE­GRAS IM­PLÍ­CI­TAS DE COM­POR­TA­MEN­TO NO MUN­DO DO SURF E TER­MI­NA COM A ME­TÁ­FO­RA DE “NÃO CRU­ZAR OS BRA­ÇOS NO LINEUP”. POR QUE A GEN­TE SE IM­POR­TA TAN­TO COM ES­SAS COI­SAS? ES­SAS PERGUNTAS QUE VO­CÊ DIS­SE AGO­RA – QUEM SO­MOS, QUEM DE­VE­RÍA­MOS SER –, O QUE TE MO­TI­VA A TEN­TAR RES­PON­DÊ-LAS?

Por­que nos im­por­ta­mos... Não sei, exis­te uma coi­sa di­fe­ren­te. Di­fe­ren­te de ape­nas mais um pas­sa­tem­po. So­mos in­fec­ta­dos pe­la vi­da. En­tão nós sur­fa­mos, e cor­re­mos con­tra es­sa lou­cu­ra, e fi­ca­mos pu­tos, e nos di­ver­ti­mos. Vou te di­zer, te­nho uma sen­sa­ção de que o “co­re” es­tá achan­do sua voz. Che­ga da WSL e ou­tras mar­cas nos di­zen­do quem so­mos nós e di­zen­do o que que­re­mos. Sin­to que te­mos um mo­men­to, ago­ra mes­mo, de to­mar o surf de vol­ta. De fa­zê-lo su­jo no­va­men­te.

DE­POIS DE VOL­TAR AO SURF COM O BE­A­CH GRIT, CO­MO VO­CÊ SE SEN­TE?

O Be­a­ch Grit é o meu pra­zer diá­rio. Tra­ba­lhar jun­to do De­rek [Ri­elly] é, ho­nes­ta­men­te, a par­te mais di­ver­ti­da. Ele é bri­lhan­te, e eu ten­to ab­sor­ver tu­do que pos­so.

O ES­TI­LO DE VO­CÊS CHE­GA A CAU­SAR AL­GUM PRO­BLE­MA COM ANUN­CI­AN­TES? PA­RE­CE PLAU­SÍ­VEL QUE A IN­DÚS­TRIA EM GE­RAL NÃO GOS­TE MUI­TO DO QUE VO­CÊS FA­ZEM POR LÁ.

So­bre o tom em que es­cre­ve­mos, sim­ples­men­te não há ou­tro jei­to que eu ou o De­rek pos­sa­mos fa­zer as coi­sas. Acho que o que le­va as pes­so­as a vi­rem vi­si­tar nos­so site é a ho­nes­ti­da­de e o hu­mor. Te­nho cer­te­za de que al­gu­mas mar­cas não es­tão fe­li­zes com o que fa­ze­mos, mas acho que ir até eles e ten­tar cri­ar um pro­du­to que eles gos­tem e apoi­em é al­go que não fun­ci­o­na mais. Que­ro cons­truir al­go que as pes­so­as gos­tem, que os surfistas mal-hu­mo­ra­dos** gos­tem e que por is­so as mar­cas ve­nham até nós. A mí­dia fi­cou agua­da com es­sa his­tó­ria de ten­tar agra­dar as mar­cas sem­pre. É um jo­go on­de to­dos per­dem, na mi­nha opi­nião. As mar­cas não con­se­guem sair des­se bu­ra­co hor­rí­vel em que es­tão. As mí­di­as afun­dam por­que nin­guém quer ler es­se ti­po de con­teú­do cen­tra­do nas mar­cas e su­as ne­ces­si­da­des. Que­ro que o sur­fis­ta mé­dio sai­ba que ele é a pri­o­ri­da­de em tu­do o que fa­ze­mos. Tal­vez nós fa­lhe­mos, mas va­mos fa­lhar do nos­so jei­to.

A mí­dia fi­cou agua­da com es­sa his­tó­ria de sem­pre ten­tar agra­dar as mar­cas. É um jo­go em que to­dos per­dem, na mi­nha opi­nião. As mar­cas não con­se­guem sair des­se bu­ra­co hor­rí­vel em que es­tão. As mí­di­as afun­dam por­que nin­guém quer ler es­se con­teú­do cen­tra­do nas mar­cas e su­as ne­ces­si­da­des. Que­ro que o sur­fis­ta mé­dio sai­ba que ele é a pri­o­ri­da­de em tu­do o que fa­ze­mos.

VO­CÊ VÊ SI­NAIS DO “CO­RE” REENCONTRANDO SUA VOZ, DO SURF FI­CAN­DO SU­JO NO­VA­MEN­TE? O QUE TE DEI­XA FE­LIZ OU EM­POL­GA­DO COM O FU­TU­RO DO SURF?

Ve­jo si­nais, sim. A ten­ta­ti­va de a WSL ser com­ple­ta­men­te mo­der­na, res­pei­tá­vel e acei­tá­vel pa­ra um gran­de pú­bli­co es­tá ir­ri­tan­do mui­ta, mui­ta gen­te. Re­ce­bo men­sa­gens so­bre is­so de to­dos os ti­pos que vo­cê po­de ima­gi­nar. Ex-surfistas pro­fis­si­nais, fun­ci­o­ná­ri­os da in­dús­tria, surfistas do dia a dia, to­do mun­do pa­re­ce es­tar de sa­co cheio de o surf ser ti­ra­do de­les, re­em­ba­la­do com uma no­va apa­rên­cia e ven­di­do co­mo uma coi­sa que não se re­co­nhe­ce mais. Pa­re­ce o iní­cio de um mo­vi­men­to, e eu não sei on­de ele vai pa­rar, mas já me sin­to fe­liz por ao me­nos con­se­guir sen­tir es­se chei­ro no ar.

VO­CÊ RE­CE­BEU AL­GU­MA CRÍTICA FOR­TE OU FOI INTIMADO POR AL­GUÉM POR CAU­SA DO COCAINE + SURFING?

Na­da. Mas eu per­ce­bi, já uns anos atrás, que as pes­so­as pa­ra­ram de re­cla­mar des­se ti­po de coi­sa pa­ra mim por elas acha­rem que eu vou trans­for­mar is­so em uma no­tí­cia e es­cre­ver a res­pei­to. E elas es­tão cer­tas. Eu vou mes­mo. Por­que, afi­nal, o que é fi­nal sem ri­sa­das?

** Re­fe­rên­cia a um dis­cur­so de Dirk Ziff, do­no da WSL, pa­ra quem os úni­cos que se opõem à “mo­der­ni­za­ção” do cir­cui­to são “um pu­nha­do de lo­cais mal-hu­mo­ra­dos”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.