SWE­ET AND SOUR

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE - POR JANAÍNA PE­DRO­SO

Ca­ro(a), lei­tor(a)! Que sau­da­de. De­vo di­zer que por mui­tos mo­men­tos, du­ran­te es­tes mais de dois me­ses em que não nos en­con­trá­va­mos por aqui, pen­sei que não fôs­se­mos mais nos es­bar­rar por es­tas pá­gi­nas.

Há cer­ca de um mês co­me­cei a sen­tir falta da lem­bran­ça ca­ri­nho­sa do edi­tor Adri­a­no. “Ja­na, be­le­za? Pas­san­do pa­ra te lem­brar da coluna.” Era as­sim to­do mês, mas des­de que en­tre­ga­ra meu úl­ti­mo texto não ti­ve mais si­nal de­le.

A vi­da cor­ri­da fez com que eu tam­bém não o pro­cu­ras­se. Sen­ti uma le­ve tris­te­za. “Gos­ta­va de es­cre­ver pa­ra a re­vis­ta”, eu me pe­ga­va pen­san­do.

Até que não me aguen­tei de cu­ri­o­si­da­de e fui ten­tar des­co­brir por on­de an­da­va o Vas­co [co­mo é co­nhe­ci­do o Adri­a­no pe­la ce­na do surf]. Man­dei al­gu­mas men­sa­gens no WhatsApp, mas na­da de­le. De­pois de se­ma­nas, ele fi­nal­men­te apa­re­ce com uma his­tó­ria cho­can­te, des­sas que fa­zem a gen­te re­pen­sar ca­da se­gun­do a res­pei­to do pro­pó­si­to de es­tar vi­vo – já pa­ra os cé­ti­cos, pu­ra fa­ta­li­da­de.

Pas­sa­do o sus­to veio a no­tí­cia. “A HC ago­ra é bi­mes­tral”, ra­zão que tam­bém ex­pli­ca­va o “su­mi­ço de Vas­co” (is­so da­ria um bom no­me de th­ril­ler). Gos­tei da no­tí­cia e, fe­liz da vi­da, lhe pro­me­ti um texto ba­ca­na.

Acon­te­ce que o tal do texto ba­ca­na não saiu, e es­tou a pou­cas ho­ras de per­der o pra­zo fi­nal e fi­car de fo­ra da edi­ção de se­tem­bro/ou­tu­bro. Nes­sas ho­ras o que me res­ta é ser ho­nes­ta. Afi­nal, vo­cê, uma pes­soa tão ra­ra nes­te mun­do, um ser ca­paz de man­ter o ve­lho e bom há­bi­to de fo­lhe­ar uma re­vis­ta de surf, me­re­ce to­do o meu res­pei­to.

O mun­do di­gi­tal in­va­diu nos­sas ca­sas, to­mou con­ta do nos­so tem­po, fa­zen­do su­mir mo­men­tos de pra­zer tão sim­ples quan­to o de apre­ci­ar uma boa re­vis­ta. Al­gu­mas se­ma­nas atrás a prin­ci­pal editora do país anun­ci­ou o fe­cha­men­to de de­ze­nas de re­vis­tas e co­lo­cou mais de 500 pes­so­as na rua. O mo­men­to é de­li­ca­do, e o im­pres­so pa­re­ce vi­ver mais um dos seus úl­ti­mos sus­pi­ros. Que ba­ta­lha!

E, por fa­lar em ba­ta­lhas, uma bem sé­ria es­tá por vir: as elei­ções. Um ce­ná­rio na­da ani­ma­dor, em que o pri­mei­ro lu­gar nas pes­qui­sas à pre­si­dên­cia do Bra­sil es­tá pre­so (e, se elei­to, pro­va­vel­men­te não se­rá ca­paz de as­su­mir de­vi­do à Lei da Fi­cha Lim­pa) e o se­gun­do can­di­da­to com mais in­ten­ções de vo­to é pa­ra mim o pró­prio pe­sa­de­lo em pes­soa. Na­da po­de­ria ser pi­or nes­te sen­ti­do.

Os tem­pos se tor­nam ain­da mais es­tra­nhos pa­ra mim. Ul­ti­ma­men­te, tro­quei a ro­ti­na sau­dá­vel do surf por ses­sões de fi­si­o­te­ra­pia. Não te­mos es­pa­ço su­fi­ci­en­te na pá­gi­na pa­ra de­ta­lhar o que hou­ve, mas, se a sua cu­ri­o­si­da­de for tão agu­ça­da quan­to a mi­nha, acon­se­lho dar uma pas­sa­da lá no blog, o Ori­gemSurf, pa­ra en­ten­der me­lhor es­se mo­men­to fa­tí­di­co na mi­nha vi­da.

O la­do bom de to­da es­sa his­tó­ria de fi­car sem sur­far foi per­ce­ber o quan­to amo es­se es­por­te. Eu, que an­tes de tor­cer o jo­e­lho an­da­va pro­cu­ran­do des­cul­pas es­far­ra­pa­das pa­ra não en­fren­tar o in­ver­no e a água ge­la­da...

“Vo­cê vai fi­car boa. Lo­go mais es­ta­rá sur­fan­do” – são as pa­la­vras de mo­ti­va­ção do fisioterapeuta João Pau­lo Gi­ral­di, que tem me re­ce­bi­do no seu es­pa­ço inau­gu­ra­do há um ano, o Fi­sio & Fun­ci­o­nal. É lá que an­do de­po­si­tan­do mi­nha ener­gia e es­pe­ran­ça ul­ti­ma­men­te.

Na­da me­lhor do que um fisioterapeuta sur­fis­ta pa­ra en­ten­der so­bre a an­si­e­da­de que eu sin­to por não po­der vol­tar pa­ra a água. Aliás, só mes­mo um sur­fis­ta pa­ra en­ten­der a ca­be­ça de ou­tro sur­fis­ta. Fa­ta­li­da­des à par­te, ho­je cor­ro con­tra o relógio e sin­to que o tem­po es­cor­re en­tre os de­dos.

A vi­da es­tá pas­san­do mais rá­pi­do do que eu gos­ta­ria. Já se vão 35 anos e me pe­go pen­san­do qu­an­tos mais eu te­rei pa­ra vi­ver o que acre­di­to ser o mais im­por­tan­te. Quan­tas on­das ain­da vou sur­far e quan­to tem­po meu cor­po vai aguen­tar as dores do es­por­te? Quan­to me res­ta se por aca­so eu qui­ser um fi­lho, uma fi­lha? Quan­to tem­po me falta pa­ra sur­far o tu­bo per­fei­to? Te­rei tem­po pa­ra is­so? Quan­tas vi­a­gens ain­da fa­rei? Qu­an­tos alu­guéis te­rei de pa­gar? Quan­tas co­bran­ças fa­rei pa­ra ser re­co­nhe­ci­da, valorizada e re­mu­ne­ra­da jus­ta­men­te pe­lo que fa­ço? Quan­tas ba­ta­lhas ain­da va­mos ter que tra­var pa­ra ga­ran­tir que as mu­lhe­res te­nham seu es­pa­ço e o de­vi­do res­pei­to na água? Qu­an­tos drops? Quan­tas va­cas? Qu­an­tos olha­res tor­tos te­rei de en­fren­tar no out­si­de por sim­ples­men­te ser uma sur­fis­ta mu­lher?

Se­gui­mos em fren­te e, se por aca­so es­te for nos­so úl­ti­mo en­con­tro, que­ro di­zer que foi um imen­so pra­zer, que­ri­do(a) lei­tor(a) de re­vis­tas de surf. No­ta do edi­tor: A HARD­CO­RE de­se­ja que es­te não se­ja o úl­ti­mo en­con­tro da co­lu­nis­ta com o lei­tor des­ta tra­di­ci­o­nal re­vis­ta de surf, pois o pra­zer é to­do nos­so.

Eu me pe­go pen­san­do... quan­tas ba­ta­lhas ain­da va­mos ter que tra­var pa­ra ga­ran­tir que as mu­lhe­res te­nham seu es­pa­ço e o de­vi­do res­pei­to na água? Qu­an­tos olha­res tor­tos te­rei que en­fren­tar no out­si­de por sim­ples­men­te ser uma mu­lher sur­fis­ta?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.